Pular para o conteúdo principal

COMENDADOR JOAQUIM PIMENTEL BARBOSA

Esquecido pelos historiadores oficiais de Paracatu, Olímpio Gonzaga e Oliveira Mello, Joaquim Pimentel Barbosa foi figura de proa na vida político – administrativa e social na então florescente Vila de Paracatu do Príncipe. Já na década de 1820 ele aparece atuando politicamente na vila e em 1827 é agraciado por Alvará assinado pelo Imperador D. Pedro I, com a comenda da Ordem de Cristo (1). Em 1833, ocupando o cargo de Juiz de Paz, tem papel fundamental na repressão ao movimento liberal restaurador em oposição ao poder central, na vigência da Regência Trina, que pode ser evidenciado nas cartas oficiais trocadas entre ele, o comandante da Guarda Nacional da vila, Teodoro Caetano de Moraes e o Ouvidor Quintiliano José da Silva, favoráveis à manutenção da ordem constitucional então vigente (2). Coronel chefe de legião da Guarda Nacional.
Com a criação das Assembleias Provinciais, ele é eleito, juntamente com seu correligionário Dr. Antônio da Costa Pinto, deputado à primeira legislatura constituinte, em 1837. Ocupou o cargo de deputado em outras duas legislaturas, tendo sido um dos membros da deputação (como se dizia) que representou a assembleia provincial de Minas Gerais nas suntuosas solenidades da coroação de sua Majestade o Imperador D. Pedro II. Em 1841, foi agraciado pelo jovem Imperador com a Comenda de Oficial da Ordem da Rosa. Retornando à sua terra natal, continuou exercendo cargos no legislativo como vereador e no executivo na posição de agente (prefeito), tendo Paracatu já sido elevada à categoria de cidade em 1840. Com a eclosão da revolta liberal de 1842 em Minas Gerais, vamos encontrá-lo ocupando o cargo de Coronel da Guarda Nacional em Paracatu, participando ativamente na defesa da cidade sitiada pelos rebeldes, bem como da causa conservadora, fiel ao grupo que detinha o poder político e que governava Minas Gerais e o Brasil na ocasião, em oposição ferrenha aos seus adversários liberais locais, comandados pelo vigário Joaquim de Melo Franco, e que culminou com a vitória dos conservadores em toda a província de Minas Gerais.
Estudando sua genealogia, o Comendador Joaquim Pimentel Barbosa nasceu em 1793 e era filho do português Domingos José Pimentel Barbosa, que foi capitão de infantaria do quarto regimento de milícias de Paracatu, com carta patente expedida em 1799, bem como a partir de 1814, Capitão-mor da vila de Paracatu, cargo que exerceu até a extinção do mesmo (3), e de Mariana de Moura, natural de Sabará – Mg. Casou três vezes, deixando numerosa descendência, que formaram ao longo do século XIX as principais famílias de Paracatu, por entrelaçamentos. Dentre seus descendentes podemos destacar como filhos ilustres da terra tanto em âmbito local, estadual e federal, seus filhos Dr. Joaquim Pedro de Melo(era filho natural), médico humanista, chefe do partido conservador em Paracatu e deputado provincial e geral do império, Dr. Nelson Dario Pimentel Barbosa, deputado provincial e estadual, seus netos Eduardo Pimentel Barbosa, também deputado estadual e federal, por seus bisnetos Genésio Pimentel Barbosa, engenheiro e notável indigenista brasileiro, morto pelos índios no Mato Grosso em 1942, Afrânio e Afonso Arinos de Melo Franco, o primeiro na esfera política e o segundo se sobressaindo nas hostes literárias, Argemiro e Emílio Jardim de Rezende Costa também na política e o Dr. Carlos Álvares da Silva Campos que foi notável jurisconsulto, e por fim, seu trineto Afonso Arinos de Melo Franco Sobrinho, intelectual, ensaísta, historiador e figura eminente na política nacional no decorrer do século XX.
Faleceu o Comendador no Rio de Janeiro,em 11 de março de 1853, quando visitava seu grande amigo, o cônego Marinho, que apesar de adversários políticos (o Cônego era Liberal), mantinham estreitas relações de amizade fraterna, vitimado pela febre amarela, doença que curiosamente acometera o mesmo cônego Marinho, que veio também a falecer poucos dias antes da chegada do Comendador à sua residência.
Foi sepultado no cemitério São Francisco Xavier, no Rio de Janeiro.
(1) – Cópia em nosso arquivo;
(2) – RAPM, CD-ROM nº4;
(3) – Cópias em nosso arquivo.
Texto elaborado por José Aluísio Botelho, abril de 2007.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em