Pular para o conteúdo principal

O CAPITÃO-MOR DOMINGOS JOSÉ PIMENTEL BARBOSA

Deixemos Gastão Salazar falar: “Naqueles dias, procedente de São João Del Rei, onde tinha parentes, arribou ao Arraial de São Luiz e Santa Ana das Minas do Paracatu, lá vivendo por dilatados anos, o lusíada Domingos José Pimentel Barbosa”. (1)
“Exercendo ali decisiva influência, prestou ele relevantes serviços à comunidade social, no desempenho dos ofícios da república.”
“Com destaque, seu nome sempre figurou em todos os atos públicos, antes e depois da instalação da Vila de Paracatu do
Príncipe”. (2)
A verdade é que não sabemos a data exata em que ele “arribou” em Paracatu, vindo da Vila de São Miguel do Prado, Concelho de Vila Verde, distrito de Braga, norte de Portugal, região do Minho. Amealhou grande fortuna já no século XVIII, como podemos constatar através de um recibo de resgate de uma barra de ouro quintado, emitido pela Intendência do ouro de Sabará em 23 de março de 1791, assim descrito: “Apresentou nesta Intendência, Domingos José Pimentel uma guia passada na Intendência Comissária de Paracatu aos nove dias do mês de fevereiro do presente ano. Setecentos e trinta e oito oitavas de ouro”. Barra de ouro que equivalia aproximadamente a duas mil e seiscentos gramas de ouro puro, uma pequena fortuna para a época, seguramente adicionada ao seu patrimônio.
Em 1798, solicitou carta patente de Capitão de Infantaria do 4º Regimento de Milícias do Continente de Paracatu, que lhe foi concedido em 03 de janeiro de 1799, pelo Governador Bernardo José de Lorena, tomando posse em 28 de janeiro do mesmo ano. Essa patente foi confirmada em 19 de novembro de 1799 pelo Conselho Ultramarino. (3) Quando da instalação da Vila de Paracatu do Príncipe, o encontraremos participando dos atos políticos e dos festejos relativos aos acontecimentos históricos para a comunidade local. Foi vereador na década de 1810. Em 13 de novembro de 1813, foi-lhe concedida pelo conde de Palma, carta patente de Capitão-mor de Ordenanças da Vila de Paracatu, o que foi confirmado por alvará de 18 de fevereiro de 1814, assinado por Dom João VI. (4) NOTA: “O Capitão-mor de Ordenanças tinha como funções principais, cuidar da economia dos Distritos a ele subordinados e só tinha jurisdição sobre os civis. Era auxiliar da justiça e a ela subordinado. Também era o encarregado de organizar as solenidades oficiais e festas públicas, uma espécie de “mestre de cerimônias” do lugar em que vivia”. O Capitão-mor Domingos Pimentel Barbosa foi um homem respeitado e hospitaleiro, como podemos deduzir do relato do naturalista austríaco Joham Emmanuel Pohl, em seu livro Viagem no interior do Brasil, quando de sua passagem pela Vila de Paracatu em 1819: “Pela tarde regressou o Capitão-mor de suas plantações, e deu-me cordiais boas vindas, e disse que considerasse como sendo minha a sua casa”. “A nossa estada em Paracatu dilatou-se por nove dias e depois de despedir-me cordialmente e gratamente do honrado Capitão-mor, pus-me a caminho no dia 10 de dezembro. Aquele distinto homem deu-nos ainda farinha, pão e doces de frutas para o caminho, e apresentou-nos os melhores votos de felicidade.”“ Muito louvo a cortesia dos habitantes de Paracatu. Vai ao ponto de que, por exemplo, não passam diante da casa do Capitão-mor sem logo de longe tirarem o chapéu, como na Europa se costuma fazer diante das igrejas”. Além do posto de capitão-mor, ele desempenhou as funções de juiz ordinário, juiz de paz e já muito idoso em 1843, desempenhava as funções de juiz municipal e de órfãos. Foi também Ouvidor interino da comarca, e em 1824, ocupando esse cargo, presidiu as solenidades de juramento à primeira Constituição do Império do Brasil. Era Cavaleiro da Ordem de Cristo.
Segundo Gastão Salazar, ele residia na antiga Rua das Flores, próximo à igreja do Amparo, em bela casa de sobrado, “a mais bonita de Paracatu”, segundo Afonso Arinos, construções hoje infelizmente demolidas.
Em tempos do Arraial de São Luiz e Santana de Paracatu, quatro famílias se uniram por casamentos, e tiveram papel preponderante na vida política, social e econômica do lugar até meados do século XIX. Foram elas: Pimentel Barbosa, Soares de Souza, Moura Portela e Roquete Franco. A família Pimentel Barbosa já é sobejamente conhecida. Os Soares de Souza, pelo Guarda-mor Francisco Manuel S. de Souza, atravessaram as fronteiras de Paracatu, por seus filhos, o médico José Antônio S. de Souza, estabelecido no Maranhão e Bernardo Belisário Soares de Souza, Desembargador e deputado geral pela Província de RJ entre 1830 e 1860 e o neto Paulino José Soares de Souza, o Visconde do Uruguai, e em Paracatu, o polêmico juiz Dr. Teodósio Manoel Soares de Sousa. Dos Moura Portela, podemos citar o famoso latinista padre Moura. Quanto aos Roquete Franco, que perduram em Paracatu até os dias atuais, podemos citar o notável brasileiro, Dr. Edgar Roquete Pinto, médico, antropólogo e introdutor do rádio no Brasil.
O Capitão-mor Domingos Pimentel Barbosa, é tronco das principais famílias de Paracatu, tais como Pimentel Barbosa, Pimentel de Ulhoa, Melo Franco, Roquete, Botelho, Loureiro, só para citar apenas algumas. Com Mariana de Moura Portela teve os filhos: Joaquim Pimentel Barbosa que casou três vezes; Maria Pimentel Barbosa que casou com João Batista Roquete Franco; Margarida Pimentel Barbosa que se casou com Francisco Manoel Soares de Sousa; Ana Pimentel Barbosa casada com Antônio Constantino Lopes de Ulhoa e o padre Domingos José Pimentel Barbosa Júnior.
Permaneceu no posto de capitão-mor, que era vitalício, até sua morte em idade provecta, ocorrida em 1844*.
*Nota: em um documento de Aplicação Sacerdotal, de 1805, ele foi arrolado como testemunha do habilitando, onde declara sua naturalidade, e diz ter 40 anos, pouco mais ou menos. podemos deduzir que ele nasceu por volta de 1765.

(1) – Na década de 1770;
(2) – Gastão Salazar, Folhas Antigas, RJ, 1970;
(3) – Carta patente - cópia do original que se encontra no Arquivo Público Mineiro;
(4) – Cópia em nosso poder do original que se encontra no Arquivo Nacional.

Texto elaborado por José Aluísio Botelho.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em