Pular para o conteúdo principal

POR ONDE ANDAS, DONA ESCOLÁSTICA? - BIOGRAFIA DE OLÍMPIO GONZAGA

Olympio Gonzaga (1877-1948) foi, sem dúvida, o precursor da historiografia paracatuense e, inegavelmente, teve importância fundamental na sua consolidação, tornando-se o principal historiador de Paracatu em seu tempo. Autodidata em História, não se preocupou com a estruturação e contextualização de suas obras, escrevendo de forma simples o que encontrou em suas pesquisas. Tudo começou, segundo ele, no ano de 1900, quando certo padre José Vieira da Silva jogou fora no largo da Matriz todo o arquivo da igreja, tendo ele recolhido três carradas (sic) à prefeitura municipal. Foi nesta fonte preciosa que teve inspiração para vários trabalhos históricos, debruçado sobre pilhas de documentos envelhecidos e carunchados, por falta de conservação. Um parêntese: nos dias atuais, a Diocese de Paracatu continua indiferente quanto à preservação e catalogação dos documentos ainda lá existentes, que se encontram totalmente desorganizados, o que é condenável. Em 1910, publica seu principal livro - Memória Histórica de Paracatu. A partir de então e no decorrer da primeira metade do século XX, persistiu na sua incansável peregrinação por documentos antigos que registraram a história da cidade desde os tempos dos descobertos do ouro em 1744. Escreveu e publicou crônicas históricas e romanceadas, enveredou pelo jornalismo, com reportagens sobre saúde, meio ambiente, educação e na luta pelo desenvolvimento de sua terra natal, entrevistou personagens importantes da região, destacando a concedida por Afonso Arinos de Melo Franco em 1913. Imiscuiu-se pela genealogia de algumas famílias paracatuenses, inclusive a sua. Escreveu biografias de paracatuenses que ele considerava ilustre. Participou dos embates políticos em sua velha Paracatu, tomando partido de determinado grupo que lhe era simpático e narrou os acontecimentos, os fatos, as versões e as querelas e picuinhas entre adversários, principalmente em época de eleições. Normalista, professor primário, fotógrafo amador que através de sua câmera registrou para a posteridade a Paracatu colonial que tanto amava descaracterizada pelas demolições insanas promovidas e consentida pelos administradores da cidade em nome da modernidade. Foi também comerciante e funcionário público, aposentando-se como coletor federal. Criticado pelos seus adversários que o viam com antipatia e desprezo pelas suas atitudes consideradas visionárias, sem competência acadêmica para desenvolver seus escritos históricos, sendo ridicularizado em diversos momentos de sua vida pela simplicidade, imprudência e persistência em seus embates para atingir seus objetivos. Não temos a pretensão de apontar aqui os erros porventura cometidos, e sim sua contribuição inestimável para o conhecimento da história de Paracatu, cujo legado foi o mote que ensejou o aparecimento de outros historiadores interessados em pesquisar mais profundamente o assunto, e que precisam ser constantemente estimulados, pois ainda há muita história a ser contada.
Além de “Memória Histórica”, escreveu: “Lendas do Brasil Central”; “Os condenados pelo Santo Ofício em Paracatu”; “As Minas de salitre e Grutas de Paracatu”; “Árvore Genealógica da Família Gonzaga”; “Árvore Genealógica da Família Affonseca e Silva”; “Árvore da Família Mello franco” (desaparecida); “Árvore da família Sá Guimarães”; “Memorial sobre questão de limites entre os Estados de Minas Gerais e Goiás”; “Ecos da Revolução de 1842 – Uma heroína Dona Josefa”; “Paracatu, terra do ouro, berço de homens ilustres”;” Os Cangaceiros do urucuia”.
Por último e propositalmente por ser objeto deste artigo, escreveu seu romance histórico “DONA ESCOLÁSTICA”. Segundo o professor Oliveira Mello, se desconhece os originais e até mesmo o enredo. Os originais ainda estão submersos, mas o enredo veio à tona. A inspiração, ele buscou em manuscrito ao qual teve acesso e que transcrevo textualmente: “Durante os festejos do mês de Maria em 15 de maio de 1749, foram presos Dona Escolástica Correia Ribeiro e seu filho padre José Correia Ribeiro, como assassinos do Ouvidor de Pelotas, no Rio Grande do Sul, Dr. Roque de Moura. Foram justiçados sumariamente nos calabouços do Santo Ofício. O sequestro elevou-se a dez milhões de oitavas de ouro”. “Os autos são volumosos e deu para eu escrever um belo romance histórico documentado – DONA ESCOLÁSTICA, A MILIONÁRIA PORTUGUESA”. *
Não se sabe se o livro chegou a ser impresso ou se os originais se perderam definitivamente. Talvez eles estejam esquecidos em alguma gaveta de alguma pessoa que tem o privilégio de possuí-lo. Se for verdadeira tal assertiva, que esse alguém se manifeste, pois desejamos ansiosamente conhecê-lo.
Um Tributo, duas sugestões: O poder público de Paracatu, pelos seus políticos, instituiu a Comenda Afonso Arinos, que não sabemos ser em homenagem ao tio escritor regionalista ou ao sobrinho intelectual, historiador e político, para agraciar filhos e pessoas ligadas a Paracatu que alcançaram projeção no contexto nacional.
Por que não criar uma Comenda, uma Medalha, um Prêmio Olympio Gonzaga, como incentivo, principalmente para a juventude paracatuense, com o intuito de fomentar o interesse pela pesquisa em seus diversos segmentos, premiando as melhores monografias sobre os diversos temas abordados, não só em história, como também em geografia, meio ambiente, artes, música etc. Não podemos esquecer de incluir o esporte, fundamental para a promoção da saúde, da inclusão social e o resgate da cidadania.
Aliás, quando nossa OLÍMPICA maratonista Lucélia Peres será homenageada?
* Cópia do original manuscrito em nosso arquivo pessoal.
* Nota: Neste ano de 2007 são comemorados os 130 anos do nasimento do historiador.
Texto elaborado por José Aluísio Botelho, novembro de 2007.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …