Pular para o conteúdo principal

POR ONDE ANDAS, DONA ESCOLÁSTICA? - BIOGRAFIA DE OLÍMPIO GONZAGA

Olympio Gonzaga (1877-1948) foi, sem dúvida, o precursor da historiografia paracatuense e, inegavelmente, teve importância fundamental na sua consolidação, tornando-se o principal historiador de Paracatu em seu tempo. Autodidata em História, não se preocupou com a estruturação e contextualização de suas obras, escrevendo de forma simples o que encontrou em suas pesquisas. Tudo começou, segundo ele, no ano de 1900, quando certo padre José Vieira da Silva jogou fora no largo da Matriz todo o arquivo da igreja, tendo ele recolhido três carradas (sic) à prefeitura municipal. Foi nesta fonte preciosa que teve inspiração para vários trabalhos históricos, debruçado sobre pilhas de documentos envelhecidos e carunchados, por falta de conservação. Um parêntese: nos dias atuais, a Diocese de Paracatu continua indiferente quanto à preservação e catalogação dos documentos ainda lá existentes, que se encontram totalmente desorganizados, o que é condenável. Em 1910, publica seu principal livro - Memória Histórica de Paracatu. A partir de então e no decorrer da primeira metade do século XX, persistiu na sua incansável peregrinação por documentos antigos que registraram a história da cidade desde os tempos dos descobertos do ouro em 1744. Escreveu e publicou crônicas históricas e romanceadas, enveredou pelo jornalismo, com reportagens sobre saúde, meio ambiente, educação e na luta pelo desenvolvimento de sua terra natal, entrevistou personagens importantes da região, destacando a concedida por Afonso Arinos de Melo Franco em 1913. Imiscuiu-se pela genealogia de algumas famílias paracatuenses, inclusive a sua. Escreveu biografias de paracatuenses que ele considerava ilustre. Participou dos embates políticos em sua velha Paracatu, tomando partido de determinado grupo que lhe era simpático e narrou os acontecimentos, os fatos, as versões e as querelas e picuinhas entre adversários, principalmente em época de eleições. Normalista, professor primário, fotógrafo amador que através de sua câmera registrou para a posteridade a Paracatu colonial que tanto amava descaracterizada pelas demolições insanas promovidas e consentida pelos administradores da cidade em nome da modernidade. Foi também comerciante e funcionário público, aposentando-se como coletor federal. Criticado pelos seus adversários que o viam com antipatia e desprezo pelas suas atitudes consideradas visionárias, sem competência acadêmica para desenvolver seus escritos históricos, sendo ridicularizado em diversos momentos de sua vida pela simplicidade, imprudência e persistência em seus embates para atingir seus objetivos. Não temos a pretensão de apontar aqui os erros porventura cometidos, e sim sua contribuição inestimável para o conhecimento da história de Paracatu, cujo legado foi o mote que ensejou o aparecimento de outros historiadores interessados em pesquisar mais profundamente o assunto, e que precisam ser constantemente estimulados, pois ainda há muita história a ser contada.
Além de “Memória Histórica”, escreveu: “Lendas do Brasil Central”; “Os condenados pelo Santo Ofício em Paracatu”; “As Minas de salitre e Grutas de Paracatu”; “Árvore Genealógica da Família Gonzaga”; “Árvore Genealógica da Família Affonseca e Silva”; “Árvore da Família Mello franco” (desaparecida); “Árvore da família Sá Guimarães”; “Memorial sobre questão de limites entre os Estados de Minas Gerais e Goiás”; “Ecos da Revolução de 1842 – Uma heroína Dona Josefa”; “Paracatu, terra do ouro, berço de homens ilustres”;” Os Cangaceiros do urucuia”.
Por último e propositalmente por ser objeto deste artigo, escreveu seu romance histórico “DONA ESCOLÁSTICA”. Segundo o professor Oliveira Mello, se desconhece os originais e até mesmo o enredo. Os originais ainda estão submersos, mas o enredo veio à tona. A inspiração, ele buscou em manuscrito ao qual teve acesso e que transcrevo textualmente: “Durante os festejos do mês de Maria em 15 de maio de 1749, foram presos Dona Escolástica Correia Ribeiro e seu filho padre José Correia Ribeiro, como assassinos do Ouvidor de Pelotas, no Rio Grande do Sul, Dr. Roque de Moura. Foram justiçados sumariamente nos calabouços do Santo Ofício. O sequestro elevou-se a dez milhões de oitavas de ouro”. “Os autos são volumosos e deu para eu escrever um belo romance histórico documentado – DONA ESCOLÁSTICA, A MILIONÁRIA PORTUGUESA”. *
Não se sabe se o livro chegou a ser impresso ou se os originais se perderam definitivamente. Talvez eles estejam esquecidos em alguma gaveta de alguma pessoa que tem o privilégio de possuí-lo. Se for verdadeira tal assertiva, que esse alguém se manifeste, pois desejamos ansiosamente conhecê-lo.
Um Tributo, duas sugestões: O poder público de Paracatu, pelos seus políticos, instituiu a Comenda Afonso Arinos, que não sabemos ser em homenagem ao tio escritor regionalista ou ao sobrinho intelectual, historiador e político, para agraciar filhos e pessoas ligadas a Paracatu que alcançaram projeção no contexto nacional.
Por que não criar uma Comenda, uma Medalha, um Prêmio Olympio Gonzaga, como incentivo, principalmente para a juventude paracatuense, com o intuito de fomentar o interesse pela pesquisa em seus diversos segmentos, premiando as melhores monografias sobre os diversos temas abordados, não só em história, como também em geografia, meio ambiente, artes, música etc. Não podemos esquecer de incluir o esporte, fundamental para a promoção da saúde, da inclusão social e o resgate da cidadania.
Aliás, quando nossa OLÍMPICA maratonista Lucélia Peres será homenageada?
* Cópia do original manuscrito em nosso arquivo pessoal.
* Nota: Neste ano de 2007 são comemorados os 130 anos do nasimento do historiador.
Texto elaborado por José Aluísio Botelho, novembro de 2007.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…