Pular para o conteúdo principal

UM PARACATUENSE NO SUPREMO


    FRANCISCO SOARES BERNARDES DE GOUVEIA 



 Filho de Luiz Soares Bernardes de Gouveia e D. Maria Rosaura de Gouveia, nasceu em 21 de outubro de 1821, em Paracatu, província de Minas Gerais.
           Formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de São Paulo, onde recebeu o grau de Bacharel, em oito de novembro de 1843.
           Iniciou a carreira na Magistratura sendo nomeado Promotor Público de Itaboraí, na província do Rio de Janeiro.
           Em decreto de 26 de agosto de 1846, foi nomeado Juiz de Órfãos do termo da cidade de Campos e removido para o lugar de Juiz Municipal e de Órfãos do termo de Iguaçu, em decreto de dois de outubro de 1847, sendo demitido, a pedido, em decreto de 21 de janeiro de 1850.
           Terminado o quatriênio da lei, foi nomeado Juiz de Direito da comarca de Sapucaí, em decreto de 28 de julho de 1850, e removido para as comarcas do Rio das Mortes, em decreto de dois de julho de 1851; Campos, em 1856; e Itaboraí, em decreto de 18 de setembro de 1856.
           Seus serviços foram depois aproveitados na Justiça Militar, sendo nomeado Auditor de Guerra da Corte, em decreto de 12 de março de 1864.
           Foi nomeado Desembargador da Relação da Corte, em decreto de 5 de outubro de 1867, e Ministro do Supremo Tribunal de Justiça, em decreto de 20 de novembro de 1886, preenchendo a vaga ocorrida com o falecimento de Antonio Francisco de Azevedo; tomou posse em 24 do referido mês.
           Foi Deputado à Assembléia Legislativa da província do Rio de Janeiro no biênio 1850-1851 e à Assembléia-Geral Legislativa, pela província de Minas Gerais, na 9ª legislatura (1853-1856), substituindo, desde 2 de maio de 1853, Herculano Ferreira Pena, nomeado Senador em abril desse ano.
           Foi agraciado com as condecorações das Ordens de Cristo e da Rosa e o título do Conselho, em carta de 29 de novembro de 1886.
           Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, em 2 de dezembro de 1889, sendo sepultado no Cemitério de São João Batista.
           Era casado com D. Escolástica Pinto de Castro, que obteve do Marechal Deodoro da Fonseca, Chefe do Governo Provisório, em decreto de 19 de abril de 1890, a pensão mensal de 75$000. O referido decreto concedeu a pensão mensal de 37$500 a cada uma das filhas do mesmo Ministro, D. Ana de Castro Gouveia e D. Carlota Elisa

Nota:  O Dr. Francisco Gouveia foi o segundo ministro do Supremo, filho de Paracatu. O primeiro foi o Dr. Antonio da Costa Pinto (biografia neste blog), e o terceiro é o atual Presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa Gomes.

Texto transcrito do site – www.stf.jus.br/portal/ministro/

Postado por  José Aluísio Botelho – março de 2013.

Postagens mais visitadas

ARRAIAL DE SÃO LUIZ E SANTANA DAS MINAS DO PARACATU - SÉRIE TRONCOS PIONEIROS 14

NOTAS GENEALÓGICAS - OS GAIA DE UNAÍ, MINAS GERAIS

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
(Mandado por Geralda Gislene Torres Gonçalves), com adaptações e acréscimos.
Sobrenome toponímico originário de Vila Nova de Gaia, região metropolitana do Porto, Portugal. Por volta de 1845, na poeira do padre cônego Miguel Arcanjo Torres, nomeado vigário-geral da comarca de Paracatu, vieram Porfírio e Martinho Gaia, parentes, provavelmente oriundos de Santana de Ipanema, estado de Alagoas.
1 Capitão Porfírio Rodrigues Gaia, casado com Flávia de Melo Franco, filha de Francisco de Melo Franco Bueno, falecido em 1844 aos 33 anos, e de Mariana Pimentel de Ulhoa (primeiro casamento desta).

Filhos:
1.1 Manoel Rodrigues Gaia, falecido solteiro aos 27 anos de idade em 11/04/1896 na cidade de Palma, MG; normalista pela Escola Normal de Paracatu em fins de 1886, professor público, artista plástico por excelência;

1.2 João Gaia, casado com Luzia Alves de Souza, com quem teve a filha única:

1.2.1 Flávia Gaia Alves, casada com Djalma Torres, escrivão do crime por longos anos e…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

REIS CALÇADO - UMA FAMÍLIA JUDIA NA PARACATU DO SÉCULO XVIII

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
Mauro Cézar da Silva Neiva


Família de origem cristã nova pela linha agnata, originária do Ceará, miscigenada. Pois bem, para o arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, provieram,  os irmãos Alexandre José dos Reis Calçado e Antonio Rodrigues dos Reis Calçado, naturais da freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Acaracu (atual Acaraú), termo de Aracati, Ceará, filhos naturais do capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado, natural do Recife, capitania de Pernambuco, e de Luzia Maria da Rocha, mulher solteira,escrava que foi do mesmo capitão Gaspar dos Reis Calçado, natural da freguesia de Acaracu (Acaraú); Alexandre José, objeto de nosso estudo, nascido em 1764, casou por volta de 1785, com Luzia Rodrigues de Oliveira, natural do arraial de Paracatu, falecida em 04/07/1837, filha de Antonio Rodrigues de Oliveira e de Ana Rodrigues de Araújo. Viveu do lucro de suas fazendas, notadamente da localizada nos limites da serra do Tombador, no d…

NOTAS GENEALÓGICAS - AQUINO E MOURA

Por José Aluísio Botelho e Eduardo Rocha
1 Alferes Thomaz de Aquino de Moura, nascido em 07/03/1827 e falecido em 05/07/1902 em Paracatu; exerceu o comércio e a profissão de ourives; Nota1: Thomaz de Aquino e Moura aparece em documentos por nós consultados referido como Thomaz de Aquino e Moura Brochado. Casou em 08/10/849 com Jacinta Joaquina de Santana, nascida em 1831 e falecida em 30/10/1897;

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…