Pular para o conteúdo principal

GALERIA PARACATUENSE: DR. JOSÉ CARLOS FERREIRA PIRES

                                                                   

             
                 
Natural de Paracatu, Minas Gerais, nascido em 27/09/1854. Mudou-se com a família para Formiga, Minas Gerais, entre 1858 e 59, quando nasce sua irmã Ormezinda Luiza. Nesta cidade completou seus estudos de primeiras letras e gramática latina. Sua inteligência acima da média impressionou a membros da família Magalhães Leite, tradicional e poderosa economicamente em Formiga, que um deles, residente no Rio de Janeiro onde comercializava o levou para estudar na capital imperial. No frontispício de sua tese médica, ele homenageia o Sr. José Teixeira de Magalhães Leite e família.
Em 1873, ingressa na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde foi aluno de renomados mestres da medicina daquele tempo, figurando sempre entre os melhores alunos do curso de graduação. Concluiu o curso médico com distinção defendendo a tese – Moléstias Crônicas do Encéfalo (que pode ser consultado online no Arquivo Público Mineiro, link – Teses Médicas). Retorna então à Formiga, onde abre consultório médico, bem assim monta um laboratório que lhe permitia estudos de química, microbiologia, fisiologia e anatomia patológica, possuindo para tal microscópio, micrótomo e um aparelho de diatermia. Preparava as lâminas a partir de cortes histológicos obtidos pelas biópsias por ele realizadas, fazendo então os diagnósticos anatomopatológicos. Já naquele tempo era um médico multifacetado, atuando em diversas áreas da medicina.
Foi um cientista de notório saber, como se dizia à época, poliglota, e sua avidez por mais conhecimentos, o levou a assinar várias revistas e adquirir livros médicos de diversas procedências, notadamente da Alemanha, idioma que dominava fluentemente. Assim, tomou conhecimento da descoberta dos raios-X por Wilhelm Conrad Roentgen, em 1895. Interessou-se pelo assunto e resolveu encomendar um aparelho aos fabricantes alemães, tornando-se o precursor da radiologia em toda a América latina, isso em 1897.
Ao receber o aparelho, que era rudimentar, conseguiu colocá-lo em funcionamento apesar de todas as dificuldades, como por exemplo, a falta de eletricidade, usando inicialmente pilhas, baterias, e posteriormente, um motor a gasolina para gerar energia. Pronto, as primeiras radiografias com finalidade diagnóstica da América do Sul começaram a ser produzidas, embora as imagens fossem precárias.
Publicou inúmeros trabalhos científicos em diversas áreas da medicina, tais como a diabetologia, reumatologia, e principalmente na área de Radiologia e Radioterapia.
Na política, foi agente executivo de Formiga entre 1883 e 1887, deputado federal por duas legislaturas sucessivas, com viés conservador. Fundou a Santa Casa de Misericórdia de Formiga. Jornalista bissexto fundou o jornal “o Democrata”, de duração efêmera, juntamente com seu cunhado José Bernardino de Faria.
Os últimos anos de sua vida foram marcados por estranha lesão destrutiva do nariz, vindo a falecer em decorrência das contínuas exposições a que se submetia durante os exames radiológicos, até porque se desconheciam os riscos dessas exposições, e não havia ainda medidas preventivas para evitar tais contatos. Pode-se dizer que ele foi vítima da própria medicina, que desconhecia os efeitos deletérios ao ser humano advindos de substâncias radioativas.
O Dr. José Carlos Ferreira Pires está entre os mais notáveis médicos e cientistas brasileiros, e a ele se junta outros dois paracatuenses ilustres, seus tios Drs. João José de San’Anna e Miguel Arcanjo de Sant’Anna (biografias neste blog), que também se notabilizaram na medicina no último quartel do século dezenove.

Para saber mais: no site www.imaginologia.com.br, ver artigo “Dr. Ferreira Pires”, escrito pelos Drs. Sandro Fenelon e Sidney de Sousa Almeida;
  
                    ESBOÇO GENEALÓGICO

O Dr. José Carlos Ferreira Pires nasceu em Paracatu em 27 de setembro de 1854, filho do Coronel José Ferreira Pires, natural da freguesia de Curral Del Rei, filho de Francisco Ferreira Pires e de Balbina Nogueira de Alckmin, e de Dona Belmira Luiza de Santana, filha do Capitão João José de Santana e de Luisa da Costa Santana, todos naturais de Paracatu ( ver - Os Santana de Paracatu - MG) , casados em 20/11/1853 no mesmo lugar. Casou em 1880, em Formiga com Matilde Guilhermina de Faria Pereira, natural de Paracatu, filha do Comendador Bernardino de Faria Pereira (1833 – 1922), natural de Formiga e de Dona Amália Guilhermina Carneiro de Mendonça (1840 -?), natural de Paracatu, filha de Manoel Carneiro de Mendonça e de Vitória Roquete Franco. O    Comendador Bernardino de Faria Pereira casou em Paracatu, onde morou por longo período, e foi vereador nos períodos entre 1861 e 1869, e 1873 – 1877*. O Comendador Bernardino era irmão do poderoso barão de Piumhí, João Marciano de Faria Pereira. Dr. José Carlos faleceu em Formiga em 29 de maio de 1912.

*In : Memória Histórica de Paracatu, de Olímpio Gonzaga, 1910;

Filhos, nascidos em Formiga:

1 – Newton Ferreira Pires, médico,nascido 18 de abril de 1881; na política foi prefeito de Formiga e deputado federal; faleceu solteiro aos 03/11/1957 em Belo Horizonte;
2 – Amália Ferreira Pires, nascida em 17 de setembro de 1882 e falecida em 21 de abril de 1914 no Rio de Janeiro;
Nota: esta filha casou com o coronel Alberto Gonçalves Amarante, e uma de suas filhas, Emília Ferreira Pires Amarante, foi casada com o empresário paracatuense Caetano Torres Lima, com sucessão;
3 - Trajano Ferreira Pires, nascido aos 25 de dezembro de 1884 e falecido aos 12 de junho de 1903 em Belo Horizonte; solteiro;
4 – Belmira Nadin Ferreira Pires, nascida aos 11 de julho de 1886, e falecida aos 10/01/1967 em Belo Horizonte; casada com sucessão;
5 – Bernardino Ferreira Pires, nascido em 15 de outubro de 1890;
6 – Washington Ferreira Pires, nascido em 13 de fevereiro 1892; médico, professor de Clínica Neurológica da Faculdade de Medicina da UFMG; Ministro da Educação e Saúde Pública no governo Vargas; deputado estadual entre 1923 e 1930; faleceu aos 23 de novembro de 1970 em Belo Horizonte; casado com sucessão;
7 – José Ferreira Pires, Cirurgião Dentista, nascido em 25 de outubro de 1894;
8 – Floriano Ferreira Pires, nascido em 16 de outubro de 1896, e falecido aos 09 de outubro de 1981 em Belo Horizonte; casado com sucessão.

Fontes genealógicas:

1 – Site Familysearch: livros paroquiais da igreja São Vicente de Ferrer, Formiga, Minas Gerais, disponíveis online.


Texto: José Aluísio Botelho – Outubro de 2013.

Postagens mais visitadas

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 1768 na região denominada Campo das Vertentes, MG, ele nascido na região, ela vinda de muito longe em uma longa jornada, desde a ilha Graciosa no Arquipélago dos Açores, concessão portuguesa no oceano Atlântico, passando pelo Rio Grande do Sul, e que se prolongaria até Araxá, no sertão da Farinha Podre. Depois de casados, o casal se fixou primeiramente em São José Del-Rei, aonde nasceram os dois primeiros filhos, de um total de doze. Militar de carreira, recebeu a patente de tenente em 1775, e foi caminhando com família em direção ao oeste promissor, a medida que o ciclo do ouro no Campo das Vertentes ia se esgotando. De São José, estabeleceu na chamada picada de Nossa Senhora de Oliveira, com fazenda de criar gado vacum, e na medida do avançar dos anos, iam nascendo os filhos. Pois bem, todos criados e já na idade adulta, o mais velho ordenado padre, os d…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

GUARDA-MOR JOSÉ RODRIGUES FRÓES

OS MELLO FRANCO

Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, se fixou em Paracatu por volta de 1755. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com sua parenta Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia.Tiveram os seguintes filhos:

1 – Francisco de Melo Franco, nascido a 17 de Setembro de 1757 em Paracatu, Minas Gerais. Formou em medicina na Universidade de Coimbra em 1786 e tornou-se um dos mais importantes médicos na corte portuguesa em sua época: o Alvará de 09 de junho de 1793, de D. Maria I, nomeou-o médico honorário da Real Câmara e o Alvará de 03 de agosto…

OS ROCHA DE ÁGUA BRANCA, ALAGOAS À PARACATU, MINAS GERAIS

José Aluísio Botelho
Eduardo Rocha*

O Major da Guarda Nacional Manoel Caetano Pereira da Rocha foi o iniciador da família em Paracatu.

 Natural de Água Branca, estado de Alagoas, aonde nasceu em 1844, filho de Caetano Pereira da Rocha e de Maria Rita da Conceição.Veio para Paracatu em 1869, com pouco mais de vinte anos, recomendado ao seu parente o cônego Miguel Arcanjo de Siqueira Torres, também natural de Água Branca, vigário geral da freguesia de Santo Antonio da Manga de Paracatu desde 1845, pouco mais. Era, portanto, aparentado dos Siqueira Torres que também vieram para a região, principalmente para o então distrito de Capim Branco, hoje Unaí. Manoel Caetano ao longo dos anos teve êxito nos negócios, participando ativamente da vida política e social da cidade; ocupou cargos de vereança, foi agente executivo municipal entre 1892 e 1894, bem como chefe político do Partido Liberal aliado aos seus conterrâneos Siqueira Torres, em oposição ao Partido Republicano chefiado pelo Dr. Sérgio …