Pular para o conteúdo principal

GALERIA PARACATUENSE: DR. JOSÉ CARLOS FERREIRA PIRES

Por José Aluísio Botelho                                                                   

             
                 
Natural de Paracatu, Minas Gerais, nascido em 27/09/1854. Mudou-se com a família para Formiga, Minas Gerais, entre 1858 e 59, quando nasce sua irmã Ormezinda Luiza. Nesta cidade completou seus estudos de primeiras letras e gramática latina. Sua inteligência acima da média impressionou a membros da família Magalhães Leite, tradicional e poderosa economicamente em Formiga, que um deles, residente no Rio de Janeiro onde comercializava o levou para estudar na capital imperial. No frontispício de sua tese médica, ele homenageia o Sr. José Teixeira de Magalhães Leite e família.
Em 1873, ingressa na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde foi aluno de renomados mestres da medicina daquele tempo, figurando sempre entre os melhores alunos do curso de graduação. Concluiu o curso médico com distinção defendendo a tese – Moléstias Crônicas do Encéfalo (que pode ser consultado online no Arquivo Público Mineiro, link – Teses Médicas). Retorna então à Formiga, onde abre consultório médico, bem assim monta um laboratório que lhe permitia estudos de química, microbiologia, fisiologia e anatomia patológica, possuindo para tal microscópio, micrótomo e um aparelho de diatermia. Preparava as lâminas a partir de cortes histológicos obtidos pelas biópsias por ele realizadas, fazendo então os diagnósticos anatomopatológicos. Já naquele tempo era um médico multifacetado, atuando em diversas áreas da medicina.
Foi um cientista de notório saber, como se dizia à época, poliglota, e sua avidez por mais conhecimentos, o levou a assinar várias revistas e adquirir livros médicos de diversas procedências, notadamente da Alemanha, idioma que dominava fluentemente. Assim, tomou conhecimento da descoberta dos raios-X por Wilhelm Conrad Roentgen, em 1895. Interessou-se pelo assunto e resolveu encomendar um aparelho aos fabricantes alemães, tornando-se o precursor da radiologia em toda a América latina, isso em 1897.
Ao receber o aparelho, que era rudimentar, conseguiu colocá-lo em funcionamento apesar de todas as dificuldades, como por exemplo, a falta de eletricidade, usando inicialmente pilhas, baterias, e posteriormente, um motor a gasolina para gerar energia. Pronto, as primeiras radiografias com finalidade diagnóstica da América do Sul começaram a ser produzidas, embora as imagens fossem precárias.
Publicou inúmeros trabalhos científicos em diversas áreas da medicina, tais como a diabetologia, reumatologia, e principalmente na área de Radiologia e Radioterapia.
Na política, foi agente executivo de Formiga entre 1883 e 1887, deputado federal por duas legislaturas sucessivas, com viés conservador. Fundou a Santa Casa de Misericórdia de Formiga. Jornalista bissexto fundou o jornal “o Democrata”, de duração efêmera, juntamente com seu cunhado José Bernardino de Faria.
Os últimos anos de sua vida foram marcados por estranha lesão destrutiva do nariz, vindo a falecer em decorrência das contínuas exposições a que se submetia durante os exames radiológicos, até porque se desconheciam os riscos dessas exposições, e não havia ainda medidas preventivas para evitar tais contatos. Pode-se dizer que ele foi vítima da própria medicina, que desconhecia os efeitos deletérios ao ser humano advindos de substâncias radioativas.
O Dr. José Carlos Ferreira Pires está entre os mais notáveis médicos e cientistas brasileiros, e a ele se junta outros dois paracatuenses ilustres, seus tios Drs. João José de San’Anna e Miguel Arcanjo de Sant’Anna (biografias neste blog), que também se notabilizaram na medicina no último quartel do século dezenove.

Para saber mais: no site www.imaginologia.com.br, ver artigo “Dr. Ferreira Pires”, escrito pelos Drs. Sandro Fenelon e Sidney de Sousa Almeida;
  
                    ESBOÇO GENEALÓGICO

O Dr. José Carlos Ferreira Pires nasceu em Paracatu em 27 de setembro de 1854, filho do Coronel José Ferreira Pires, natural da freguesia de Curral Del Rei, filho de Francisco Ferreira Pires e de Balbina Nogueira de Alckmin, e de Dona Belmira Luiza de Santana, filha do Capitão João José de Santana e de Luisa da Costa Santana, todos naturais de Paracatu ( ver - Os Santana de Paracatu - MG) , casados em 20/11/1853 no mesmo lugar. Casou em 1880, em Formiga com Matilde Guilhermina de Faria Pereira, natural de Paracatu, filha do Comendador Bernardino de Faria Pereira (1833 – 1922), natural de Formiga e de Dona Amália Guilhermina Carneiro de Mendonça (1840 -?), natural de Paracatu, filha de Manoel Carneiro de Mendonça e de Vitória Roquete Franco. O    Comendador Bernardino de Faria Pereira casou em Paracatu, onde morou por longo período, e foi vereador nos períodos entre 1861 e 1869, e 1873 – 1877*. O Comendador Bernardino era irmão do poderoso barão de Piumhí, João Marciano de Faria Pereira. Dr. José Carlos faleceu em Formiga em 29 de maio de 1912.

*In : Memória Histórica de Paracatu, de Olímpio Gonzaga, 1910;

Filhos, nascidos em Formiga:

1 – Newton Ferreira Pires, médico,nascido 18 de abril de 1881; na política foi prefeito de Formiga e deputado federal; faleceu solteiro aos 03/11/1957 em Belo Horizonte;
2 – Amália Ferreira Pires, nascida em 17 de setembro de 1882 e falecida em 21 de abril de 1914 no Rio de Janeiro;
Nota: esta filha casou com o coronel Alberto Gonçalves Amarante, e uma de suas filhas, Emília Ferreira Pires Amarante, foi casada com o empresário paracatuense Caetano Torres Lima, com sucessão;
3 - Trajano Ferreira Pires, nascido aos 25 de dezembro de 1884 e falecido aos 12 de junho de 1903 em Belo Horizonte; solteiro;
4 – Belmira Nadin Ferreira Pires, nascida aos 11 de julho de 1886, e falecida aos 10/01/1967 em Belo Horizonte; casada com sucessão;
5 – Bernardino Ferreira Pires, nascido em 15 de outubro de 1890;
6 – Washington Ferreira Pires, nascido em 13 de fevereiro 1892; médico, professor de Clínica Neurológica da Faculdade de Medicina da UFMG; Ministro da Educação e Saúde Pública no governo Vargas; deputado estadual entre 1923 e 1930; faleceu aos 23 de novembro de 1970 em Belo Horizonte; casado com sucessão;
7 – José Ferreira Pires, Cirurgião Dentista, nascido em 25 de outubro de 1894;
8 – Floriano Ferreira Pires, nascido em 16 de outubro de 1896, e falecido aos 09 de outubro de 1981 em Belo Horizonte; casado com sucessão.

Fontes genealógicas:

1 – Site Familysearch: livros paroquiais da igreja São Vicente de Ferrer, Formiga, Minas Gerais, disponíveis online.


Escrito em outubro de 2013.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO

 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna: herdou de seu pai o engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum regist…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…