Pular para o conteúdo principal

GALERIA PARACATUENSE: DR. JOSÉ CARLOS FERREIRA PIRES

                                                                   

             
                 
Natural de Paracatu, Minas Gerais, nascido em 27/09/1854. Mudou-se com a família para Formiga, Minas Gerais, entre 1858 e 59, quando nasce sua irmã Ormezinda Luiza. Nesta cidade completou seus estudos de primeiras letras e gramática latina. Sua inteligência acima da média impressionou a membros da família Magalhães Leite, tradicional e poderosa economicamente em Formiga, que um deles, residente no Rio de Janeiro onde comercializava o levou para estudar na capital imperial. No frontispício de sua tese médica, ele homenageia o Sr. José Teixeira de Magalhães Leite e família.
Em 1873, ingressa na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde foi aluno de renomados mestres da medicina daquele tempo, figurando sempre entre os melhores alunos do curso de graduação. Concluiu o curso médico com distinção defendendo a tese – Moléstias Crônicas do Encéfalo (que pode ser consultado online no Arquivo Público Mineiro, link – Teses Médicas). Retorna então à Formiga, onde abre consultório médico, bem assim monta um laboratório que lhe permitia estudos de química, microbiologia, fisiologia e anatomia patológica, possuindo para tal microscópio, micrótomo e um aparelho de diatermia. Preparava as lâminas a partir de cortes histológicos obtidos pelas biópsias por ele realizadas, fazendo então os diagnósticos anatomopatológicos. Já naquele tempo era um médico multifacetado, atuando em diversas áreas da medicina.
Foi um cientista de notório saber, como se dizia à época, poliglota, e sua avidez por mais conhecimentos, o levou a assinar várias revistas e adquirir livros médicos de diversas procedências, notadamente da Alemanha, idioma que dominava fluentemente. Assim, tomou conhecimento da descoberta dos raios-X por Wilhelm Conrad Roentgen, em 1895. Interessou-se pelo assunto e resolveu encomendar um aparelho aos fabricantes alemães, tornando-se o precursor da radiologia em toda a América latina, isso em 1897.
Ao receber o aparelho, que era rudimentar, conseguiu colocá-lo em funcionamento apesar de todas as dificuldades, como por exemplo, a falta de eletricidade, usando inicialmente pilhas, baterias, e posteriormente, um motor a gasolina para gerar energia. Pronto, as primeiras radiografias com finalidade diagnóstica da América do Sul começaram a ser produzidas, embora as imagens fossem precárias.
Publicou inúmeros trabalhos científicos em diversas áreas da medicina, tais como a diabetologia, reumatologia, e principalmente na área de Radiologia e Radioterapia.
Na política, foi agente executivo de Formiga entre 1883 e 1887, deputado federal por duas legislaturas sucessivas, com viés conservador. Fundou a Santa Casa de Misericórdia de Formiga. Jornalista bissexto fundou o jornal “o Democrata”, de duração efêmera, juntamente com seu cunhado José Bernardino de Faria.
Os últimos anos de sua vida foram marcados por estranha lesão destrutiva do nariz, vindo a falecer em decorrência das contínuas exposições a que se submetia durante os exames radiológicos, até porque se desconheciam os riscos dessas exposições, e não havia ainda medidas preventivas para evitar tais contatos. Pode-se dizer que ele foi vítima da própria medicina, que desconhecia os efeitos deletérios ao ser humano advindos de substâncias radioativas.
O Dr. José Carlos Ferreira Pires está entre os mais notáveis médicos e cientistas brasileiros, e a ele se junta outros dois paracatuenses ilustres, seus tios Drs. João José de San’Anna e Miguel Arcanjo de Sant’Anna (biografias neste blog), que também se notabilizaram na medicina no último quartel do século dezenove.

Para saber mais: no site www.imaginologia.com.br, ver artigo “Dr. Ferreira Pires”, escrito pelos Drs. Sandro Fenelon e Sidney de Sousa Almeida;
  
                    ESBOÇO GENEALÓGICO

O Dr. José Carlos Ferreira Pires nasceu em Paracatu em 27 de setembro de 1854, filho do Coronel José Ferreira Pires, natural da freguesia de Curral Del Rei, filho de Francisco Ferreira Pires e de Balbina Nogueira de Alckmin, e de Dona Belmira Luiza de Santana, filha do Capitão João José de Santana e de Luisa da Costa Santana, todos naturais de Paracatu ( ver - Os Santana de Paracatu - MG) , casados em 20/11/1853 no mesmo lugar. Casou em 1880, em Formiga com Matilde Guilhermina de Faria Pereira, natural de Paracatu, filha do Comendador Bernardino de Faria Pereira (1833 – 1922), natural de Formiga e de Dona Amália Guilhermina Carneiro de Mendonça (1840 -?), natural de Paracatu, filha de Manoel Carneiro de Mendonça e de Vitória Roquete Franco. O    Comendador Bernardino de Faria Pereira casou em Paracatu, onde morou por longo período, e foi vereador nos períodos entre 1861 e 1869, e 1873 – 1877*. O Comendador Bernardino era irmão do poderoso barão de Piumhí, João Marciano de Faria Pereira. Dr. José Carlos faleceu em Formiga em 29 de maio de 1912.

*In : Memória Histórica de Paracatu, de Olímpio Gonzaga, 1910;

Filhos, nascidos em Formiga:

1 – Newton Ferreira Pires, médico,nascido 18 de abril de 1881; na política foi prefeito de Formiga e deputado federal; faleceu solteiro aos 03/11/1957 em Belo Horizonte;
2 – Amália Ferreira Pires, nascida em 17 de setembro de 1882 e falecida em 21 de abril de 1914 no Rio de Janeiro;
Nota: esta filha casou com o coronel Alberto Gonçalves Amarante, e uma de suas filhas, Emília Ferreira Pires Amarante, foi casada com o empresário paracatuense Caetano Torres Lima, com sucessão;
3 - Trajano Ferreira Pires, nascido aos 25 de dezembro de 1884 e falecido aos 12 de junho de 1903 em Belo Horizonte; solteiro;
4 – Belmira Nadin Ferreira Pires, nascida aos 11 de julho de 1886, e falecida aos 10/01/1967 em Belo Horizonte; casada com sucessão;
5 – Bernardino Ferreira Pires, nascido em 15 de outubro de 1890;
6 – Washington Ferreira Pires, nascido em 13 de fevereiro 1892; médico, professor de Clínica Neurológica da Faculdade de Medicina da UFMG; Ministro da Educação e Saúde Pública no governo Vargas; deputado estadual entre 1923 e 1930; faleceu aos 23 de novembro de 1970 em Belo Horizonte; casado com sucessão;
7 – José Ferreira Pires, Cirurgião Dentista, nascido em 25 de outubro de 1894;
8 – Floriano Ferreira Pires, nascido em 16 de outubro de 1896, e falecido aos 09 de outubro de 1981 em Belo Horizonte; casado com sucessão.

Fontes genealógicas:

1 – Site Familysearch: livros paroquiais da igreja São Vicente de Ferrer, Formiga, Minas Gerais, disponíveis online.


Texto: José Aluísio Botelho – Outubro de 2013.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.