Pular para o conteúdo principal

ELEGIA AO DR. JOAQUIM PEDRO DE MELO




  Escrito pelo Dr. Pedro Salazar Moscoso da Veiga Pessoa

                                            
                                   A SAUDOSA MEMÓRIA

                                                                      DO

                                                      Humanitário Médico


                                           DR. JOAQUIM PEDRO DE MELLO


                                            No 3º aniversário do seu falecimento


                                                           HOMENAGEM

                                                                     Da

                                                  GAZETA DE PARACATU

São passados três anos que do seio desta sociedade desapareceu para sempre o venerando e nunca assás pranteado Médico Dr. Joaquim Pedro de Mello.
Recordar este nome querido na data de hoje é um dever nosso, é um dever de todos os filhos desta terra, em cujos corações não pode deixar de existir gravado – porque nem tudo no mundo passa – o nome, ainda hoje mil vezes repetido, do ilustre paracatuense, entrelaçado numa saudade infinda.
Nós que, como tantos outros, conhecemos de perto a extrema bondade de seu magnânimo coração, que tantas vezes admiramos a grandeza de sua alma e testemunhamos os extraordinários  benefícios de sua mão caridosa, sabemos avaliar com exatidão a extensão a perda irreparável que sofreu, há três anos, a cidade de Paracatu com a morte do Dr. Joaquim Pedro, o pai amoroso dos desvalidos.
Ilustre, respeitável e respeitado por mais de um título da mais alta e merecida distinção, o eminente médico que tanto soube honrar e estremecer sua terra natal distinguia-se, sobretudo por essa face luminosa que constitui o dote mais glorioso das almas privilegiadas: a santa virtude da caridade.
Tal auréola de respeito e confiança circundava a fronte daquele velho quando levava solícito ao seio das famílias aflitas o balsamo de suas doces e paternais consolações e as luzes de sua experiência e do seu saber, que os seus próprios adversários o estimavam deveras, a despeito das injustas rivalidades das lutas partidárias.
Sofreu muito, porque infelizmente esta é a sorte dos que se sacrificam por amor da humanidade, por um ideal de justiça e de bem; mas, em compensação, deixou de si uma memória inolvidável no lugar que o viu nascer, e de certo – porque deus é justo – conquistou na Eternidade o prêmio da luz que só é dado aos espíritos santificados pela prática do amor ao próximo.
Uma estátua foi erguida pelas lágrimas dos que ainda hoje choram sua falta, o abrigo de sua sombra protetora; ela atestará aos paracatuenses vindouros, que aqui, neste longínquo torrão mineiro, existiu um grande homem e grande médico em cujo coração havia um lugar de predileção para a viuvez e para a orfandade, um remédio moral para todas as aflições, um afeto para todos os desvalidos!
Porém outra estátua muito mais duradoura, porque vive além da morte, honra a memória do Dr. JOAQUIM PEDRO DE MELLO: a estátua de gratidão no coração do povo.
A “Gazeta de Paracatu” cobre-se hoje de luto em homenagem ao ilustre Morto, e interpretando o sentimento de todos os paracatuenses, desfolha sobre a sua campa uma coroa imurchecível de goivos e saudades.
Transcrito do jornal A “Gazeta de Paracatu”, de 25 de março de 1894, número 23.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Breve nota biográfica : O Dr. Joaquim Pedro de Melo nasceu em Paracatu em 1 de janeiro de 1822, filho natural do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa e mãe ignorada. Estudou medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, aonde colou grau em 1848. Retornando a sua cidade natal, passou a praticar medicina de modo humanitário, voltada para os pobres e necessitados de sua terra. Transformou sua casa na Rua de Goiás, em um hospital sempre pronto para receber os enfermos; para moças desvalidas, abrigo acolhedor, onde se educavam. Ao mesmo tempo, ingressou na política, substituindo o pai como chefe dos Conservadores de Paracatu.
Foi deputado provincial em Minas Gerais entre 1850 - 1855 e deputado geral do Império entre 1869 - 1877; foi vereador municipal.
Casou com sua sobrinha Josefa Roquete Franco, não deixando descendência conhecida.
Faleceu em 25 de março de 1891.

José Aluísio Botelho. Abril de 2015.







                        

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.