Pular para o conteúdo principal

ELEGIA AO DR. JOAQUIM PEDRO DE MELO




  Escrito pelo Dr. Pedro Salazar Moscoso da Veiga Pessoa

                                            
                                   A SAUDOSA MEMÓRIA

                                                                      DO

                                                      Humanitário Médico


                                           DR. JOAQUIM PEDRO DE MELLO


                                            No 3º aniversário do seu falecimento


                                                           HOMENAGEM

                                                                     Da

                                                  GAZETA DE PARACATU

São passados três anos que do seio desta sociedade desapareceu para sempre o venerando e nunca assás pranteado Médico Dr. Joaquim Pedro de Mello.
Recordar este nome querido na data de hoje é um dever nosso, é um dever de todos os filhos desta terra, em cujos corações não pode deixar de existir gravado – porque nem tudo no mundo passa – o nome, ainda hoje mil vezes repetido, do ilustre paracatuense, entrelaçado numa saudade infinda.
Nós que, como tantos outros, conhecemos de perto a extrema bondade de seu magnânimo coração, que tantas vezes admiramos a grandeza de sua alma e testemunhamos os extraordinários  benefícios de sua mão caridosa, sabemos avaliar com exatidão a extensão a perda irreparável que sofreu, há três anos, a cidade de Paracatu com a morte do Dr. Joaquim Pedro, o pai amoroso dos desvalidos.
Ilustre, respeitável e respeitado por mais de um título da mais alta e merecida distinção, o eminente médico que tanto soube honrar e estremecer sua terra natal distinguia-se, sobretudo por essa face luminosa que constitui o dote mais glorioso das almas privilegiadas: a santa virtude da caridade.
Tal auréola de respeito e confiança circundava a fronte daquele velho quando levava solícito ao seio das famílias aflitas o balsamo de suas doces e paternais consolações e as luzes de sua experiência e do seu saber, que os seus próprios adversários o estimavam deveras, a despeito das injustas rivalidades das lutas partidárias.
Sofreu muito, porque infelizmente esta é a sorte dos que se sacrificam por amor da humanidade, por um ideal de justiça e de bem; mas, em compensação, deixou de si uma memória inolvidável no lugar que o viu nascer, e de certo – porque deus é justo – conquistou na Eternidade o prêmio da luz que só é dado aos espíritos santificados pela prática do amor ao próximo.
Uma estátua foi erguida pelas lágrimas dos que ainda hoje choram sua falta, o abrigo de sua sombra protetora; ela atestará aos paracatuenses vindouros, que aqui, neste longínquo torrão mineiro, existiu um grande homem e grande médico em cujo coração havia um lugar de predileção para a viuvez e para a orfandade, um remédio moral para todas as aflições, um afeto para todos os desvalidos!
Porém outra estátua muito mais duradoura, porque vive além da morte, honra a memória do Dr. JOAQUIM PEDRO DE MELLO: a estátua de gratidão no coração do povo.
A “Gazeta de Paracatu” cobre-se hoje de luto em homenagem ao ilustre Morto, e interpretando o sentimento de todos os paracatuenses, desfolha sobre a sua campa uma coroa imurchecível de goivos e saudades.
Transcrito do jornal A “Gazeta de Paracatu”, de 25 de março de 1894, número 23.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Breve nota biográfica : O Dr. Joaquim Pedro de Melo nasceu em Paracatu em 1 de janeiro de 1822, filho natural do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa e mãe ignorada. Estudou medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, aonde colou grau em 1848. Retornando a sua cidade natal, passou a praticar medicina de modo humanitário, voltada para os pobres e necessitados de sua terra. Transformou sua casa na Rua de Goiás, em um hospital sempre pronto para receber os enfermos; para moças desvalidas, abrigo acolhedor, onde se educavam. Ao mesmo tempo, ingressou na política, substituindo o pai como chefe dos Conservadores de Paracatu.
Foi deputado provincial em Minas Gerais entre 1850 - 1855 e deputado geral do Império entre 1869 - 1877; foi vereador municipal.
Casou com sua sobrinha Josefa Roquete Franco, não deixando descendência conhecida.
Faleceu em 25 de março de 1891.

José Aluísio Botelho. Abril de 2015.







                        

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…