Pular para o conteúdo principal

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
 Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva,                                                                      
  Batismo de Luíza de Afonseca Costa

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/1881, sem  descendência;


     1.2 – Beatriz de Santana e Brito, nascida em 1834 e falecida em 1855; casou em 11/04/1850 com Antonio Pimentel de Ulhoa*, nascido em 1827; filhos:
1.2.1- João Inácio Pimentel de Ulhoa*, nascido em 03/07/1851, foi casado com Aurora Nepomuceno de Ulhoa; com descendência;
*Para saber mais
Leia  neste blog:
 Ulhoa: Um esboço Genealógico 
Tronco familiar: João Inácio Pimentel de Ulhoa

1.2.2 - Ana Beatriz de Ulhoa, nascida em 14/08/1853, casada que foi com Teófilo Alves Pinto de Melo, pais do Dr. Zacarias Alves de Ulhoa e Melo*.
*Para saber mais
 Leia neste blog – biografia do Dr. Zacarias. 

1.3    – Belmira Luiza de Santana casou em 20/11/1853, com o coronel José Ferreira Pires, natural de Curral Del Rei (atual Belo Horizonte), filho legítimo de Francisco Ferreira Pires e de Balbina Nogueira de Alckimin; filhos:
1.3.1 – Dr. José Carlos Ferreira Pires*, nascido em Paracatu em 27/09/1854; notável médico brasileiro, introdutor da radiologia no Brasil e em Minas Gerais, radicado em Formiga, MG; faleceu em 29 de maio de 1912, vítima das radiações diárias a que era submetido;
Para saber mais:
1.3.2 – Virgílio Ferreira Pires, com 58 anos em 1914;
1.3.3 – João Batista Ferreira Pires, com 56 anos em 1914;
1.3.4 – Ormezinda Luiza de Santana Pires, nascida em 01/08/1859;
1.3.5 – Laurinda Luísa de Santana Pires, nascida em Formiga em 05/05/1862;
1.3.6   – Hilário Ferreira Pires, com 51 anos em 1914;
1.3.7– Ermelinda Luiza de Santana Pires;

1.4 – Coronel Honório José de Santana, nascido em 1844; casou em 05/06/1894 com Maria Gomes Maciel, filha de João Felizardo Maciel e de Ana Gomes Vieira; Nota: a data do casamento sugere que este casal viveu em concubinato anteriormente, quando tiveram os filhos:

 1.4.1 – Maria Madalena de Santana, com 44 anos em 1914; 
1.4.2 – Antonia Pia de Santana, com 40 anos em 1914; foi casada com Hermenegildo Joaquim de Vasconcelos; 
1.4.3 – Luiza Felipa de Santana, com 38 anos em 1914; 
1.4.4   – Paulina Petronilha de Santana, com 36 anos em 1914; 
1.4.5   – Patrício Maciel Santana, com 32 anos em 1914; foi casado com Ana Maria Ferreira Albernaz em 24/09/1910, filha de Leonardo Ferreira Albernaz e de Josefina de faria Leite; filhos: 

1.4.5.1 – Josefina Albernaz Santana, nascida em 03/08/1911 e falecida solteira em Brasília aos 10/05/2008; 
Nota biográfica: Professora licenciada e bacharel em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia de Goiás, em Goiânia. Trabalhando em Brasília desde 1957 foi convidada no ano seguinte, pelo Dr. Bernardo Sayão, um dos construtores de Brasília, à época diretor da Novacap, para ocupar o cargo de professora do recém criado Ginásio de Brasília, localizado na Cidade Livre, hoje a cidade satélite do Núcleo Bandeirante. Foi também, uma das fundadoras e diretora do Ginásio Operário de Taguatinga – DF, bem como lecionou ao longo de sua carreira, em outras unidades de ensino, tanto no Distrito Federal, como em Goiás. Está sepultada no cemitério Campo da Esperança, em Brasília, em jazigo destinado aos pioneiros, localizado no setor A, quadra 705, lote 128; 
1.4.5.2 - Isaac Demétrio de Santana, casado com descendência; 
 1.4.5.3 – Joaquina Santana (Niquinha), solteira; 
1.4.5.4 – Mercedes Albernaz Santana casada com Gastão Albernaz Santana, nascido em 26/10/1919 e falecido em 18/12/1982; filhos: 
1.4.5.4.1  – Marcos Paulo Albernaz Santana, nascido em 21/04/1942 e falecido em 18/06/1999;
1.4.5.4.2 -  Ana Maria Albernaz Santana; 
1.4.5.4.3  – Benedito Albernaz Santana; 
1.4.5.4.4 - Fátima Aparecida Albernaz Santana, nascida em 30/12/1953, casada, com descendência;
1.4.5.5  – Iva Albernaz Santana, solteira sem descendência; 
1.4.5.6 – Honório Albernaz Santana; 
1.4.5.7 – Colotário Albernaz Santana; 
1.4.5.8 – Tereza de Jesus Albernaz Santana, casada com sucessão;
1.4.6 – Flora Josefina Maciel de Santana, já falecida em 1914; foi casada com o jornalista e poeta Nestório de Paula Ribeiro; deixou dois filhos, a saber:
1.4.6.1– Maria Santana Ribeiro, falecida em 09/09/1992, casada com José de Ulhoa Santana, nascido em 1907 e falecido em 08/03/1983, com descendência;
1.4.6.2 – Ada Santana Ribeiro, sem descendência;
1.4.7 – Bertolina Maciel de Santana, com 25 anos em 1914; falecida solteira, sem descendência;
1.4.8 – Honório de Santana Filho, com 22 anos em 1914; casado com Idalina Lopes da Trindade, teve os filhos:
1.4.8.1 – Mário Lopes de Santana casado com Laura Lara de Santana, falecidos; com descendência;
1.4.8.2 – Honório Lopes de Santana casado com Marta Santana, falecidos; com descendência;
1.4.8.3 – Flora Lopes de Santana, casada com Vasco Pereira Gonçalves, com descendência;
1.4.8.4 - Selvino Lopes de Santana, casado com descendência;
1.4.8.5 - Antonio Lopes de Santana, casado com descendência;
1.4.8.6 - Josefina Lopes de Santana, casada com descendência;
1.4.8.7 - (Fiinha) Lopes de Santana, sem mais notícias;

1.5 - Teófilo José de Santana, casado com Levinda Carlota da Cunha, natural de Catalão, Goiás; filhos descobertos:
1.5.1 - Matilde Carlota Santana, com 38 anos em 1914; em 1897, casou com Afonso Ferreira Albernaz, nascido em 1864; filhos descobertos:
1.5.1.1 – Manoel Albernaz Santana casado com Iva Albernaz;
1.5.1.2 – Antonio Albernaz Santana, nascido em18/06/1903; foi casado com Leonina Caldas, e teve os filhos: Antonio Jorge, Afonso, Nicolau, Júlia, Maria José, Matilde, Aidê, Corea e João Albernaz Santana;
1.5.1.3 – Geraldo Albernaz Santana, casado com Olga Batista, sem descendência;
1.5.1.4 – Madalena Albernaz Santana, casada com João Santana; filhos: Walter, Juscelino, Edson, Santinho e Sinhá Albernaz Santana;
1.5.1.5 – Levinda Albernaz Santana, casada com José da Silva Neiva, sem descendência;
1.5.1.6 – Ester Albernaz Santana, casada com Tito da Silva Neiva, pais de Odete Silva Neiva, casada que foi com seu primo Otávio Ferreira Albernaz;
1.5.1.7 – Gastão Albernaz Santana,nascido em 06/10/1919 e falecido em 18/12/1982, casado com Mercedes Albernaz Santana; descendência em 1.4;
1.5.1.8 – Arminda, nascida em 20/12/1916; foi casada com Benedito da Silva Neiva, sem descendência;
1.5.2 – Luísa Carlota Santana, nascida em 27/04/1882; casada com Manoel da Silva Pereira, nascido em 9/06/1867, filho de Galdino da Silva Pereira e de Franklina Pires de Almeida Lara; filhos:
1.3.5.1 - Maria da Silva Pereira foi casada com Cândido de Almeida; filhos:
1.3.5.1.1 - Mário;
1.3.5.1.2 - Geraldo;
1.3.5.1.3 - José;
1.3.5.1.4 - Santinha;
1.3.5.2 - José da Silva Pereira foi casado com Enedina Gonçalves de Carvalho; filhos:
1.3.5.2.1 - Benedito;
1.3.5.2.2 - Tereza;
1.3.5.2.3 - Francisco;
1.3.5.2.4 - Maria Conceição;
1.3.5.2.5 - Rosalina;
1.3.5.2.6 - Elza;
1.3.5.2.7 - Maria de Fátima;
1.3.5.3 - Levinda da Silva Pereira foi casada com Olegário Simões da Cunha, sem descendência;
1.3.5.4 - Joana da Silva Pereira foi casada com Gastão Pereira Gonçalves; filhos:
1.3.5.4.1 - Antonio;
1.3.5.4.2 - Lucas;
1.3.5.4.3 - Rogério;
1.3.5.4.4 - Décio;
1.3.5.4.5 - Neusa;
1.3.5.4.6 - Joubert;
1.3.5.4.7 - Cláudio;
1.3.5.4.8 - Arnon;
1.3.5.4.9 - Gastão;
1.3.5.5 - Joaquim da Silva Pereira foi casado com Ana Bijos; filhos:
1.3.5.5.1 - Humberto;
1.3.5.5.2 - Luiza;
1.3.5.5.3 - Geraldo;
1.3.5.5.4 - Adélio;
1.3.5.5.5 - Afonso Arinos;
1.3.5.5.6 - Joaquim; 
1.3.5.5.7 - Expedito;
1.3.5.5.8 - Maria Aparecida;
1.3.5.5.9 - Juarez;
1.3.5.5.10 - Jair;
1.3.5.5.11 - Célia;
1.3.5.5.12 - Adelmar;
1.3.5.5.13 - Maria José;
1.3.5.6 - Félix Cicínio da Silva Pereira foi casado com Darcília Pereira; filhos:
1.3.5.6.1 - Aluísio;
1.3.5.6.2 - Benedito;
1.3.5.6.3 - Félix;
1.3.5.6.4 - Silvano;
1.3.5.6.5 - Edvar; 
1.3.5.6.6 - Maria Luísa;
1.3.5.7 - Maria Conceição da Silva Pereira faleceu solteira sem descendência;
1.3.5.8 - Sebastião da Silva Pereira foi casado com Mercedes Santiago; filhos:
1.3.5.8.1 - Orlando;
1.3.5.8.2 - Onofre;
1.3.5.6.3 - Dionísia; 
1.3.5.8.4 - Iolanda;
1.3.5.8.5 – Romilda;

1.5.3- Judith Carlota de Santana, com 31 anos em 1914, viveu no estado de solteira, sem descendência;
1.5.4 – João José de Santana, com 27 anos em 1914, no estado de solteiro;
1.5.5 – Itamar José de Santana, com 23 anos em 1914; aderiu à maçonaria e foi um dos fundadores da loja maçônica “Paz e Amor” de Catalão; foi casado com sua parenta Enoi da Paixão Cunha Santana, natural de Catalão; filhos:
1.5.5.1 - Javan Santana. falecido solteiro;

1.5.5.2 - Geralda Santana;

1.5.5.3 - Marta Santana, casada com Edésio Rodrigues de Oliveira, natural de Ipameri, Goiás; filhos:
1 - Edésio Rodrigues de Oliveira Júnior, casado com Divanete Pires; filhos:
1.1 - Rogério Pires de Oliveira;
1.2 - Graciele Pires de Oliveira;
1.3 - Aline Pires de Oliveira;
2 - Itamar Rodrigues de Oliveira, casado com Ronilda de Fátima Pereira Rosa, moradores em Catalão; filhos:
2.1 - Wilson Javan Pereira Rodrigues;
2.2 - Daiele Cristine Pereira Rodrigues;
2.3 - Maraísa Meirelen Pereira Rodrigues;
3 - Elizabeth Santana de Oliveira; filhos:
3.1 - Martha Santana de Oliveira;
3.2 - Ivan Rodrigues de Oliveira;
4 - Sueli Santana de Oliveira, casada com "Betinho"; filhos:
4.1 - Alex Santana de Oliveira;
4.2 - Paulo Santana de Oliveira;

1.5.5.4 - Maria José Santana, Zezé, casada com José Pires "Juca da Carola"; pais de:
1.5.5.4.1 - Amauri Santana Pires, casado com Rosa Resende, moradores em Catalão; filhos:
1 - Sérgio Santana Pires;
2 - Celmar Santana Pires;
2 - Silvia Santana Pires;

1.5.5.5 - Zilka Santana;
*Colaboração do confrade Marcial Campos Teixeira, de Catalão, Goiás - dados coletados com os descendentes de Itamar Santana;

1.5.6 - Maria José de Santana, nascida em 1895 e falecida em 17/08/1981; casou duas vezes:
A- 1ª vez aos 18 anos com Vargas Ferreira Albernaz, nascido em 04/09/1861, portanto com 52 anos de idade; filhos:
1.5.2.1 – Otávio Ferreira Albernaz, nascido em 1915; foi casado com Odete da Silva Neiva, com descendência;
1.5.2.2 – Amadeu Ferreira Albernaz, casado com Acidália Albernaz, com descendência;
1.5.2.3 – José Ferreira Albernaz, solteiro;
1.5.2.4 – Amélia Ferreira Albernaz, nascida em 09/04/1922; foi casada com Paulo de Araújo Caldas; filhos:
1.5.2.4.1 – Edgar de Araújo Caldas casado com Carmem Hormidas Caldas, com descendência;
1.5.2.4.2 – Edméia de Araújo Caldas casada com Walter de Araújo Caldas, com descendência;
1.5.2.4.3 – Egman de Araújo Caldas casada com Jairo Fernandez, com descendência;
1.5.2.4.4 – Custódia de Araújo Caldas casada com Lamar Moreira de Queiróz, com descendência;
1.5.2.4.5 – Bernadete de Araújo Caldas casada com Paulo Pedro Ferreira, com descendência;
1.5.2.4.6 – Mirai de Araújo Caldas casada com Mário Caldeno da Silva, com descendência;
1.5.2.4.7 – Paulo Roberto de Araújo Caldas casado com Socorro Martins de Melo, com descendência;
1.5.2.4.8 – Washington de Araújo Caldas casado com Keila Caldas, com descendência;
1.5.2.4.9 – Elizabete de Araújo Caldas casada com Júlio de Araújo Caldas;
1.5.2.4.10 – Humberto de Araújo Caldas, solteiro;
1.5.2.4.11 – Dilena de Araújo Caldas, solteira;
1.5.2.5 – Helena Ferreira Albernaz, falecida em Carmo do Paranaíba, MG; foi casada com Lafaiete de Almeida e Silva, sem descendência;
1.5.2.6 – Vargas Ferreira Albernaz Filho, solteiro com descendência;
1.5.2.7 – Joviana Ferreira Albernaz, casada com Oswaldo Batista de Oliveira, falecido, com descendência;
B – Maria José de Santana casou 2ª vez com Reginaldo José de Sousa, com quem teve uma filha:
1.5.2.8 – Ceci Trindade Santana de Sousa, casada que foi com Caetano Botelho, já falecido, com descendência;
C – Viúva 2ª vez, teve o filho Osvaldo Santana, casado com Maria Conceição Soares Chaves; filhos:
1.5.2.9 – José Soares Santana;
1.5.2.10 – Deusdete Soares Santana;
1.5.2.11 – Glória Soares Santana;
1.5.2.12 – Benedito Soares Santana;

1.5.7 – Magdalina Nazareth de Santana, nascida em Paracatu em 20/01/1898 e falecida em 1994 em Goiânia; casou em catalão com João Martins Bueno, coletor estadual; filhos:
1.5.7.1 - Edite Martins Bueno;
1.5.7.2 - Terezinha Bueno Nogueira, casada com o professor e historiador Miguel Arcanjelo Nogueira dos Santos; 
1.5.7.3 - João Martins Bueno Filho;
1.5.7.4 - Silvio Bueno de Santana;
1.5.7.5 - Dinorat Martins Bueno, casada com Jovelino Aarão Gomes;
1.5.7.6 - Natália Martins Bueno, casada com Alberto Borges de Freitas;

1.5.8 – Jesus José de Santana, gêmeo de Magdalina, falecido na infância;


1.6 –Luisa Alexandrina de Santana, nascida em 20/04/1847 e falecida em 28/07/1914; foi casada com José Alves Viana, sem descendência;

1.7 – Capitão Luiz José de Santana, nascido em 03/07/1849 e falecido em Paracatu em 1905. Casou com Izabel Beatriz Campos Valadares, falecida em 13/10/1898 aos 40 anos de idade. Filhos:
1.7.1 – Argentina Valadares Santana, com 39 anos em 1914; foi casada com Sinfrônio Alves de Sousa Camargo, com descendência - ver Os Paula Sousa;
       1.7.2 – Luiz José de Santana Júnior, com 33 anos em 1914; foi casado com Adília Ulhoa, falecida em 30/05/1924, filha do Dr. Sérgio Gonçalves de Ulhoa e de Estefânia Vilela Ulhoa; filhos:
      1.7.2.1- José Valadares de Ulhoa Santana, nascido em 1907; casado com Maria Ribeiro de Santana, filha de Nestório de Paula Ribeiro e de Flora Josefina de Santana; filhos:
1.7.2.1.1 - Adília Ulhoa Santana, casada com Fabião da Silva Couto;
1.7.2.1.2 - Maria Edméia Ulhoa Santana, casada com Benedito Pereira dos Santos;
1.7.2.1.3 - Francisco de Assis Ulhoa Santana, casado com Sônia Jordão;
1.7.2.1.4 - Mário Ulhoa Santana, casado com Sônia Aparecida Mariano de Almeida;
1.7.2.1.5 - Domingos Alderico Ulhoa Santana, casado com Sebastiana Cândida de Moura;
1.7.2.1.6 - José Luís Ulhoa Santana, casado com Norma Horta de Oliveira;
1.7.2.1.7 - Otto Ribeiro Santana, solteiro; 
1.7.2.1.8 Sebastião Humberto Ulhoa Santana, casado com Maria Gonçalves da Silva;
1.7.2.1.9 - Vânia das Graças Ulhoa Santana, casada com Boanerges Ildeu da Silva;
    1.7.2.2 – Romero Valadares de Ulhoa Santana, nascido em 1909;
   1.7.2.3 – Hortência Valadares de Ulhoa Santana, nascida em 1910; casada com Vaillant Laboissière Rubinger, filho do austríaco Sigmund Rubinger e de Leonildes Laboissière, natural de Paracatu; filhos:
1.7.2.3.1 - Leila Santana Rubinger, casada com Benedito Macedo;
1.7.2.3.2 - Maria Luísa Santana Rubinger, casada com Vivaldo Barbosa;
1.7.2.3.3 - Maria das Graças Santana Rubinger, casada com Luiz de Sousa Mundim;
1.7.2.3.4 - Waillant Rubinger Filho, casado com Elci André Rubinger; filho único;
1.7.2.3.4.1 - Darlon André Rubinger;
1.7.2.3.5 - José Luiz Santana Rubinger, artista plástico, casado com Joana Pinheiro;
1.7.2.3.6 - Fernando Santana Rubinger, poeta, casado três Vezes:
1ª vez com Eva Mota; 2ª vez com Maria do Socorro; 3ª vez com Marina dos Reis Calçado;
1.7.2.3.7 - Maria Ângela Santana Rubinger, casada com Joaquim Coelho Guimarães;
1.7.2.3.8 - Eliana Santana Rubinger, casada com o engenheiro Franco Lauro Botelho;
1.7.2.3.9 - Luciano Santana Rubinger, casado; 
  1.7.2.4 – Antonio Valadares de Ulhoa Santana, nascido em 1912;
 1.7.2.5 – Izabel Valadares de Ulhoa Santana, nascida em 1913; casada com Joaquim Carneiro de Mendonça; filhos:
1.7.2.5.1 - Armando Santana Carneiro de Mendonça, nascido em 11/12/1935; casado com Wanda de Andrade;
1.7.2.5.2 - José Santana Carneiro de Mendonça Neto, nascido em 28/02/1937; casado com Celeste da Silva Neiva;

1.7.2.5.3 - Maria Aparecida Santana Carneiro de Mendonça, nascida em 25/05/1939; casada com Geraldo Alves de Queiroz;
1.7.2.5.4 - Maria Efigênia Santana Carneiro de Mendonça, nascida em 14/09/1940; casada com Jaime Torres;
1.7.2.5.5 - Ruth Santana Carneiro de Mendonça, nascida em 21/05/1944; casada com José Ribamar Neiva;
1.7.2.5.6 - Tania Santana Carneiro de Mendonça, nascida em 03/02/1946; casada com João Caramori Borges;
1.7.2.5.7 - Joaquim Santana Carneiro de Mendonça Filho, nascido em 17/03/1947; casado com Maria Angélica Adjuto Botelho;
1.7.2.6 – Maria Valadares de Ulhoa Santana, nascida em 1917; casada com Alírio Laboissière Rubinger, filho de Sigmund Rubinger e de Leonildes Laboissière; filhos:
1.7.2.6.1 - Maria José Santana Rubinger;
1.7.2.6.2 - Teresa Santana Rubinger, casada com o franco-argelino Hubert Cormier;
1.7.2.6.3 - Antonio Santana Rubinger;
1.7.2.6.4 - Maria do Socorro Santana Rubinger;
1.7.2.6.5 - José Santana Rubinger, casado com Ivone André Rubinger; filhos:
1.7..2.6.5.1 - José Rubinger Filho;
1.7.2.6..5.2 - Marcelo Rubinger;
1.7.2.6.5.3 - Grace Rubinger;
1.7.2.6.6 - Alírio Santana Rubinger Filho;
1.7.2.7 – Tarcísio Valadares de Ulhoa Santana, nascido em 1920;
1.7.2.8 – Wilson Valadares de Ulhoa Santana, nascido em 1921;
1.1.7.3 – Izabel Beatriz Campos Valadares Santana, com 31 anos em 1914; foi casada com Temístocles de Sousa Rocha (Dudu Rocha);
   Para saber mais:
1.7.1.7.4 – Ataualpa Valadares Santana, casado com Josefina Pereira Caixeta; faleceu assassinado; filho único:
1.7.1.7.4.1 – Mario Ataualpa Valadares Santana, com 8 anos em 1914;
1.7.1.7.5 – Auzília Valadares Santana, com 27 anos em 1914, faleceu solteira em 10/07/1918;
1.7.1.7.6 – Ranor Valadares Santana, com 25 anos em 1914; falecido solteiro;
1.7.1.7.7 – João José Valadares Santana, nascido em08/08/1891 e falecido em 27/12/1952; foi casado com Dantília Diniz, nascida em 07/03/1900 e falecida em 27/09/1959; filhos:
1.7.1.7.7.1 – Teresinha Santana, casada com Domingos de Sá Guimarães, com descendência;
1.7.1.7.7.2 – Glorinha Santana casada com Sebastião José Jarbas Souto, com descendência; 
1.7.7.3 - Jarbas Valadares Santana, casado com Nilza Santana, viveu em Goiânia, Goiás;
1.7.8 – Ester Valadares Santana, com 20 anos em 1914; foi casada com Antonio Andrade que foi prefeito de João Pinheiro; sem descendência;
1.7.9 – Maria Valadares Santana, com 17 anos em 1914; foi casada com João Costa que foi prefeito de Unaí, MG; com descendência neste blog – ver Os Paula Sousa
1.7.10 - João José de Santana Neto, falecido na infância;

1.8 - Dr. João José de Santana Junior*, médico, nascido em 27/10/1851; faleceu no Rio de Janeiro em 1896; casou em 1886 com Mariana de Almeida Leite Guimarães, falecida em 1949 no Rio de Janeiro; filhos que descobri:
1.8.1 - Dr. Jorge Guimarães Santana, médico;
1.8.2 - Dr. Oscar Guimarães Santana, Advogado; 
1.8.3 - Álvaro Guimarães Santana;
1.8.4 - Oswaldo Guimarães Santana;
*Para saber mais
Leia neste blog:
 Dois Médicos Paracatuenses na Corte

1.9 - Dr. Miguel Arcanjo de Santana*, médico, nascido em 27/02/1853, e falecido no Rio de Janeiro em 1894; casou em 1878, com Amélia Sacramento Blake, filha de Augusto Vitorino Alves Sacramento Blake, médico, escritor, dicionarista e bibliógrafo; filhos que descobri:
1.9.1 - Alfredo Blake de Santana;
1.9.2 - Arnaldo Blake de Santana;
1.9.3 - Maria Jody Blake de Santana;
1.9.4 - Judith Blake de Santana, casada com Aristides Galvão Bueno;
1.9.5 - Breno Blake de Santana;
1.9.6 - Luíza, sem mais notícias;
*Para saber mais
Leia neste blog:
 Dois Médicos Paracatuenses na Corte

O capitão João José de Santana casou 2ª vez com Ana Batista de Abreu, nascida em 30/07/1857 e falecida em 11/08/1884; filhos descobertos:

1.10 – Capitão Pedro Batista de Santana, falecido em 1938 em Paracatu; foi casado com Júlia de Miranda, nascida em 1885 em Paracatu e falecida em 17/03/1969 em Belo Horizonte, filha legítima de Francisco Correia Viana e de Firmina de Castro Miranda; filhos descobertos:
1.10.1 – Firmina Santana*, nascida em 1909 e falecida em 30/07/1957 em Washington, EUA. Foi sepultada em Belo Horizonte, solteira sem descendência;
*Para saber mais
Leia neste blog: Mulheres Paracatuenses
1.10.2 – Pedro Santana Junior, nascido em 1915, e falecido em belo Horizonte aos 08/07/1989;
1.10.2 – José Santana, nascido em 1918, e falecido em Belo Horizonte aos 08/08/1994;
1.10.3 – Francisco Santana falecido em 08/04/1987 em Belo Horizonte; foi casado com Wanda de Páscoa de Santana, nascida em 1923;
1.10.4 – Ana Santana de Faria, falecida em 21/10/1995, casada com Américo de Faria Pereira, falecido em 31/07/1989, neto do Comendador Bernardino de Faria Pereira;
1.10.5 - Dalia Santana, casada com João Cândido Meireles;
1.10.6 - Carlos Batista Santana;
1.11 – João Batista de Santana, fotógrafo, falecido em 05/02/1936; casado com Leopina Libania de Santana; filhos:
1.11.1 – Paulo Batista de Santana;
1.11.2 – Terezinha Batista de Santana;
1.11.3 – José Batista de Santana;
1.12 – Belmira Batista de Santana, casada com José Tibúrcio Martins;

O capitão João José de Santana casou 3ª vez em 12/12/1889, com Maria das Dores Pena Lamounier, filha de Francisco José Pena Lamounier e de Maria Carolina Lamounier; filhos:
1.13 – Florência Lamounier Santana, sem mais notícias;
1.14 – João José de Santana, nascido em 1º de janeiro de 1895;

Obs.: por se tratar de um texto de genealogia, poderá sofrer correções e acréscimos. 

Fontes:

1 – Inventário do capitão João José de Santana, 2ª vara cível, 2ª pasta, 1896, sob a guarda do Arquivo Público Municipal de Paracatu – MG; 
2 – Inventários de Beatriz Santana de Brito Ulhoa (1855), Luísa Alexandrina de Santana (1914), sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu;
2– Arquivos pessoais dos pesquisadores;
4 – Cemitério do Bonfim, Belo Horizonte, Minas Gerais, disponível online no site FamilySearch.

Postado por José Aluísio Botelho. Abril 2015. Atualizado em 15/02/2016.






Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …