Pular para o conteúdo principal

ARRAIAL DE SÃO LUIZ E SANTANA DAS MINAS DO PARACATU - SÉRIE TRONCOS PIONEIROS 14



 Por José Aluísio Botelho
Eduardo Rocha


FERREIRA LUSTOSA – NOGUEIRA - PINTO RABELO

O português Manuel Luís Ferreira, natural e batizado na freguesia de São Tiago de Lustosa, município de Lousada, distrito do Porto, veio para as partes do Brasil colônia, estabelecendo no Arraial de Traíras, hoje em ruínas, localizado no sertão de Goiás, comarca de Vila Boa de Goiás, bispado do Rio de Janeiro, rico em ouro. Lá, casou com Ângela de Sousa Gomes, natural e batizada no dito Arraial de Traíras. Aqui no Brasil, como era comum na época, acrescentou ao nome, o sobrenome Lustosa, tomado do lugar de origem em Portugal, e que passou aos descendentes. Nas Minas do Paracatu, descobrimos dois filhos deste casal que lá viveram, deixando descendência, a saber:
1 – Senhorinha Ferreira Lustosa, natural e batizada no Arraial de Traíras, Goiás; casou em 31/05/1762 no Arraial das Minas do Paracatu com José Nogueira de Azevedo Sobreira (adotado do lugar de sua naturalidade), filho legítimo de Antonio Nogueira e de Maria de Azevedo, todos naturais e batizados na freguesia de São Pedro de Sobreira, município de Paredes, distrito do Porto. Filhos descobertos:

1.1 – Joaquim, nascido em 05/03/1775 no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, onde foi batizado na Matriz da Manga em 14/03/1776;

1.2 – Padre Domingos Ferreira Lustosa, nascido em 15/09/1776, no arraial de São Luiz e Santana, onde foi batizado na matriz em 22/09/1776; ordenado sacerdote em 1808 na Cúria Episcopal de São Paulo; faleceu em 1815;

1.3 - Joana Batista Ferreira Lustosa, casada com o Porta Estandarte Pedro Gonçalves dos Santos, falecido em abril de 1820, filho que foi do capitão Manoel Gonçalves dos Santos e de sua primeira mulher Custódia Teixeira de Oliveira; foram moradores na sesmaria/latifúndio de São Jerônimo.
Inventário: 2ªVara cx. 1819/1820.

Filhos:

1.3.1 - Pedro Gonçalves dos Santos, com 19 anos em 1821;
1.3.2 - Francisco Gonçalves dos Santos, com 16 anos;
1.3.3 - Matias Gonçalves dos Santos, com 14 anos; já falecido em 1856; casado com sua parente Maria Gonçalves dos Santos, teve os filhos, órfãos em 1856:
1.3.3.1 - Virgílio;
1.3.3.2 - Manoel;

1.3.4 - João Gonçalves dos Santos, com 12 anos;
1.3.5 - Honorato Gonçalves dos Santos, com 10 anos;
1.3.6 - Eugênia Gonçalves dos Santos, com 8 anos; falecida em 28/10/1851; foi casada com seu primo Cristino Nogueira Lustosa, moradores na fazenda Gameleira, distrito de Santana dos Alegres (João Pinheiro).
Inventário: 2ªVara cx.1860-A.

Filho descoberto:

1.3.6.1 - Domingos Nogueira Lustosa, com 10 anos informado no inventário;

1.3.7 - Bernardo Gonçalves dos Santos, com 5 anos informado no inventário;
 1.3.8 - Senhorinha Ferreira Lustosa, com 2 meses informado no inventário; foi casada com seu primo José Nogueira Lustosa, já falecido em 1856; moradores no latifúndio São Jerônimo, Santana dos Alegres (atual João Pinheiro);

1.4 - Felisberta Ferreira Lustosa, casada com Joaquim Gonçalves dos Santos, falecido por volta de 1838, filho legítimo do capitão Manoel Gonçalves dos santos e de sua primeira mulher Custódia Teixeira de Oliveira; moradores na fazenda Saco da Tapera, distrito de Santana dos Alegres (atual João Pinheiro).
Inventário: 2ªVara cx. 1838/1839.

Filhos:

1.4.1 - Joaquim Gonçalves dos Santos;
1.4.2 - Raquel Gonçalves dos Santos, casada com Júlio César (Segera?) Souto; 

2 – Emélia/Amélia ou Emília Isidora Ferreira Lustosa, natural e batizada no arraial de Traíras, Goiás; adiante;

PINTO RABELO

Sobrenome originário da freguesia de Ribas, Celorico de Basto, região de Braga. Encontramos dois irmãos pioneiros nas minas de Paracatu: Manoel e Vitorino Pinto Rabelo, filhos legítimos de Antônio Ferreira e de Madalena Rodrigues Pinto, naturais dali.

1- Manoel Pinto Rabelo, foi casado com Emélia/Amélia ou Emília Isidora Ferreira Lustosa, referida em (2) acima.
datas minerais - 1769
 Filhos descobertos:

1.1 – Joaquim Pinto Rabelo, nascido em 06/10/1775; casado com Ana Luíza Gonçalves da Cruz; filhos:
1.1.1 - Ana Pinto Rabelo, falecida em 18/10/1859; foi casada com Joaquim Gonçalves da Cruz, sem descendência;
Inventário: 2ªVara cx. 1860 - A.
1.1.2 - Manoel Pinto Rabelo, viúvo com 54 anos, residente na fazenda Lamarão (dados informados no inventário);
1.1.3 - José Pinto Rabelo, com 56 anos, casado, residente na fazenda Lamarão (dados do inventário);
1.1.4 - Domingos Pinto Rabelo, casado residente no arraial de São Sebastião;
1.1.5 - Maria Pinto Rabelo, casada com Manoel Teixeira;
1.1.6 - Simeão Pinto Rabelo, casado com Sebastiana de Brito, residentes no arraial de São Sebastião; filhos:
1.1.6.1 - Manoel Pinto Rabelo, com *14 anos;
1.1.6.2 - Francisco Pinto Rabelo. com *11 anos;
1.1.6.3 - Teodora Pinto Rabelo, com *9 anos;
1.1.6.4 - Luíza Pinto Rabelo, com *7 anos;
*Dados do inventário.
1.1.6.5 - Joaquina Pinto Rabelo, casada com Manoel Ferreira de Moura, falecido em 06/03/1860; residentes no arraial de São Sebastião.
Inventário:2ªVara cx. 1860.
Filhos: 
1.1.6.5.1 - Maria, com 8 anos;
1.1.6.5.2 - Eugênia, com 6 anos;
1.1.6.5.3 - João. com 4 anos;
1.1.6.5.4 - Pedro, com 1 ano;

1.2 - Na dúvida,Vitoriano Pinto Rabelo, falecido em 10/04/1824, quando foi inventariado; casado com Maria Dias Duarte; moradores no sítio do Carneiro.
Inventário: 2ªVara cx. 1824/1825.

Filhos:

2.1 - Maria, com 16 anos; casada com João de Oliveira Paes.
Inventário: 2ªVara cx. 1852/1853.

Filhos:

2.1.1 - Joaquim, 15 anos;
2.1.2 - Eleutério, 14 anos;
2.1.3 - Felisberto, 11 anos;
2.1.4 - Balbina, 10 anos;
2.1.5 - Clara, 8 anos;
2.1.6 - José, 6 anos;

2.2 - Nazária, 12 anos;
2.3 - Dionísio, 10 anos; falecido solteiro em 10/06/1850, sem descendentes.
Inventário: 2ªVara cx. 1852/1853.
2.4 - Paula ou Paulina, 8 anos; falecida em 17/04/1879;
2.5 - Cecília, 7 anos.

2 - Vitorino Pinto Rabelo, sem mais notícias.

Fonte:
Arquivo Público de Paracatu - inventários no corpo do texto.

"Esta é uma obra de genealogia, estando sujeita a correções e acréscimos".





 






Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em