Pular para o conteúdo principal

CENTENÁRIO DE CRISTALINA - GOIÁS

Por José Aluísio Botelho

A cidade e município de Cristalina, estado de Goiás, situada na divisa deste estado com o de Minas Gerais, distando cerca de 100 km de Paracatu, última cidade do sertão do noroeste mineiro, antes de se ingressar em Goiás, jurídica e afetivamente comemorou seu centenário no dia 18 de julho de 1916, data da lei Estadual nº 533, criou o município de São Sebastião dos Cristais, desmembrado do de Luziânia.
No entanto, a instalação solene só seu deu em 15 de janeiro de 1917, o que na prática representa o início da emancipação política e econômica do município, e sua existência de fato. A lei Estadual de nº577 de 31 de maio de 1918, em substituição do nome de São Sebastião dos Cristais, o nome da sede municipal passa a denominar Cristalina, e que vigora até os dias atuais.
Fazendo um breve histórico da região, recorremos inicialmente ao padre Raimundo Des Genettes, que foi vigário colado de Santa Luzia (Luziânia), ao quem pertencia a Serra dos Cristais, nome primitivo do lugar. De Genettes, francês de nascimento, brasileiro por adoção e opção, conheceu em minúcias os territórios do sertão da farinha Podre, e Paracatu em Minas Gerais, assim como grande extensão do estado de Goiás: foi ele o primeiro explorador da Serra dos Pirineus, situada na região de Pirenópolis. Multifacetado, era médico, exercendo a clínica e a cirurgia, jornalista, historiador, geógrafo e também estudioso da geomorfologia dos terrenos por onde andava, a Serra dos Cristais inclusa. Aí defendeu, quando era deputado provincial goiano, lá pelos anos de 1882-83, arduamente os pequenos e míseros garimpeiros, extratores rudimentares do cristal-de-rocha para sua sobrevivência, contra os garimpeiros profissionais que queriam expulsá-los da região. Em janeiro de 1883, ele faz uma sucinta cronologia da prospecção e exploração do Cristal na serra: segundo ele, entre 1804 a 1816, havia alguma animação com garimpo; entre 1816 e 1824 a extração do mineral reacendeu, e milhares de quilos foram remetidos para os mercados da Alemanha e Inglaterra; entre 1824 e 1865 houve alternativas de baixa e recrudescência no valor do cristal e a extração se sustentou; de 1865 a 1870, quase abandonada; a partir de 1870 a exploração da pedra preciosa se recrudesceu. É nessa época que na Europa, os estudos geopolíticos do continente indicava a inevitabilidade de um grande conflito armado na região, que viria a culminar na Primeira Grande Guerra Mundial; nesse contexto, o cristal ganhava importância na indústria bélica, sendo essencial na fabricação de radares, sonares, armas etc. Não é por acaso, a presença de pesquisadores europeus na região dos cristais, principalmente alemães, como o sr. Sturzenecker, que lá estava na década de 1870, assim como na virada do século, com a chegada dos alemães Mohn, Edinger, Layser, e dos franceses Lepesqueur, Laboissére e Levy. O desenvolvimento da Serra dos cristais no último quartel do século dezenove era muito lento, havia poucas famílias de garimpeiros, e a presença de grandes proprietários de terras, impedia a expansão do garimpo. Já no alvorecer do século vinte, através da lei municipal nº15 de 12 de outubro de 1901, o lugar passa a se chamar São Sebastião dos Cristais, pertencente à comarca de Luziânia. Em 1904, a povoação tinha 30 casas cobertas de telhas e 70 ranchos cobertos de palha, com cerca de 500 habitantes; nesta época houve o primeiro movimento de emancipação, quando foi elaborado um abaixo-assinado pelos moradores, capitaneado pelo francês Emílio Levy, e entregue ao governo estadual, solicitando a demarcação do perímetro urbano da localidade; a tentativa foi mal sucedida diante da resistência dos grandes fazendeiros, cujas terras circundavam o arraial, que se diziam os legítimos proprietários das terras que circundavam o arraial. Por fim, o êxito só seria alcançado, como já referimos anteriormente, em 1916.
Publicamos abaixo a ata de instalação do Município de São Sebastião dos Cristais, na sede do mesmo nome, em 15/01/1917, com a assinatura dos membros da Intendência, autoridades e gente do lugar. Apoiaram o ato solene, muitos paracatuenses, dentre eles, o avô do autor destas notas, José Jacinto Botelho, proprietário da fazenda Arrojado, nas cercanias da Vila.

                             Extraído do Jornal de Cristalina 

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em