Pular para o conteúdo principal

SÉRIE BIOGRAFIAS - DR. FRANCISCO DE MELLO FRANCO


Por José Aluísio Botelho

(transcrito na grafia original)

No arraial hoje cidade de Paracatú, província de Minas-Geraes, nasceu Francisco de Mello Franco a 7 de setembro de 1757.
No seminario de S. Joaquim no Rio de Janeiro fez elle estudos até a edade de quinze annos, revelando intelligencia potente, e travesso talento: saiu d'alli forte latinista, e com outros conhecimentos incompletos de humanidades, sendo além disso apreciador de jovens poetas, e jovem cultor de musa traquinas; foi para a universidade de Coimbra, matriculou-se nas faculdades de medicina e de philosophia, e tendo facil, prodigiosa comprehensão, era estudante distincto nas aulas, e tinha sobra de horas para dedicar-se a poesia, preferindo as eróticas e as satyricas composições animado por célebres companhias de acadêmicos daquelle tempo.
Entre seus trabalho poéticos, em máxima parte perdidos avultou o poema – Reino da Estupidez – louvado e applaudido por muitos dos lentes, e por todos os condiscípulos; mas aborrecido e condemnado por não poucos, que se repularam (talvez com razão) objeto da satyra do estudante poeta.
Acudiu o tribunal do Santo Officio às queixas do resentimento e do ódio, e vendo offensas a moral e a religião nas poesias do jovem brazileiro, sobre elle poz suas garras, e arrastou-o para seus carceres medonhos, onde feroz o reteve por quatro annos!…
Aqui resplende bella e digna acção depois correspondida por outra não menos digna e bella.
O jovem Mello Franco amava e era amado, e a senhora objeto de seus extremos alias pouco dissimulados, generosa assoberbou as ameaças e os furores do Santo Officio, não quiz depor contra seu amado, e gemeu reclusa por espaço de um anno nos carceres do tribunal sacrílego: Mello Franco apenas recobrou a liberdade, correu a encontral-a, e deu-lhe a mão de esposo.
Continuando a estudar, tomou o gráo de doutor em medicina, estabeleceu-se em Lisboa, adquiriu extensa clínica, e grande reputação, ganhou a amizade de elevadas personagens, escreveu trabalhos e obras de sciencia médica, foi membro e chegou a ser vice-presidente da academia de sciencias de Lisboa, que frequentava assíduo; e feliz e mais que abastado vivia, quando as águias de Napoleão invadiram Portugal em 1807.
O dr. Francisco de Mello Franco já era grande notabilidade: em 1799 tinha sido um dos fundadores da academia de geographia e o príncipe d. João o tinha nomeado médico honorário da sua câmara; mas ou a lembrança de quatro annos de abandono cruel, em que ficára impunemente a provar os furores da Inquisição, ou suas ideias liberaes que o faziam desestimar o systema de governo de Portugal, ou algum outro sentimento que não explicou, levou-o à deixar-se ficar em Lisboa, parecendo indifferente a invasão estrangeira.
Era patriota dedicado, enthusiasta, e conhecido fóra da universidade de Coimbra por intrépido e audaz: seus amigos os brazileiros José Bonifacio, o bispo d'Elvas, e Luiz Paulino Pinto de França debalde o chamaram, e deram-lhe o exemplo heroico e esplêndido contra as hostes invasoras: o dr. Mello Franco não se moveu, ficou impassível em Lisboa a curar seus doentes.
Muitos o julgaram egoísta.
A invasão foi repulsada e vencida, o meteóro Napoleão apagou-se me Waterloo: Mello Franco soube tudo isso em Lisboa sem indiciar enthusiasmo e jubilo patriótico era como coração morto: só vivia pelo espírito para a sciencia.
Mas em 1817 carta escripta pelo próprio d. João VI rei de Portugal, Brazil, e Algarves, o convidou a dirigir-se à Itália para reunir-se às pessoas que deviam acompanhar para o Brazil a archiduqueza d'Austria d. Maria Leopoldina, noiva do príncipe real d. Pedro.
O dr. Mello Franco obedeceu, e chegado ao Rio de Janeiro serviu dedicadamente à família real, como médico da câmara, e teve na cidade clinica mais exigente e rendosa, do que tivéra em Lisboa.
E todavia ainda no seio da patria o dr. F. De Mello Franco indifferente à marcha dos negócios do Estado era apenas medico abalisado e exclusivamente entregue aos cuidados de sua clinica.
Mas rompe em Portugal a revolução de 1820, retumba no anno seguinte o grito electrico da liberdade, e o dr. Mello Franco, ressuscitado seu coração, se pronuncia immediatamente e com ardor pela causa constitucional, e pelo triumpho das idéas democraticas.
D. João VI já magoado pelo procedimento do dr. Mello Franco em Lisboa no anno de 1807, e em 1821 ainda mais resentido do seu enthusiasmo pela revolução constitucional, facilmente achou pretexto para dispensal-o do serviço de médico da câmara real, e para negar-lhe entrada no palácio.
O dr. Mello Franco doeu-se do castigo da intolerância, e quasi logo a fallencia de um negociante, seu amigo, a quem confiára toda a sua fortuna, o reduziu já velho à pobreza extrema, à ruína completa de sua fortuna, e à necessidade de trabalho diário e constante para comprar o pão cotidiano.
Affectado por grave moléstia subsequente foi para S. Paulo, em mais de um anno alli se conservou padecendo cada vez mais; perdida a esperança dos milagres do clima, embarcou-se para voltar ao Rio de Janeiro, e em Ubatuba, que aportou quasi agonisante, morreu a 22 de julho de 1823.
O dr. Mello Franco foi médico de grande e bem merecida nomeada, poeta de merecimento notável, e deixou de sciencias e de lettras os seguintes trabalhos, e obras estimaveis:
O Reino da Estupidez, poema heroe-comico em quatro cantos.
Tratado da educação physica dos meninos, para uso da nação portuguesa – publicado por ordem da Academia Real das Sciencias de Lisboa.
Elementos de hygiene.
Ensaios sobre as febres, com observações analyticas acerca da topographia e clima do Rio de Janeiro.
Discurso recitado na sessão pública da Academia Real de Sciencias de Lisboa, sendo vice-secretario.
Alem destes trabalhos deixou outros e poesias em manuscripto.

Nota: o artigo não vem assinado, parecendo ser de responsabilidade editorial do jornal.

 Fonte: Biblioteca Nacional Digital – Correio da Bahia, ano VII nº136, edição de 07 de setembro de 1877.
Fac-símile

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em