Pular para o conteúdo principal

ULHOA - ESBOÇO GENEALÓGICO

FAMÍLIA ULHOA, DO VALE DO ULLA NA GALÍCIA ATÉ PARACATU EM  MINAS GERAIS

Pesquisas e Texto José Aluísio Botelho

Para saber mais, leia neste blogCoronel Sancho Lopes de Ulhoa e seus descendentes

A) - Origem do apelido: do rio ULLA, na Galícia, que passou a ser Ulló (olho), depois Ulloa e hoje Ulhoa. Também provêm do hebraico hurscha (floresta) e/ou de uxna, forma adaptada ou corrompida de Yehoshua.

1) - Dom Férnan Sanches de Ulló, o primeiro Ulhoa de que se tem notícia e que viveu pelos anos de 756, visigodo, dono das terras no vale do rio Ulla;

2) - Dom Lopo Ruiz de Ulló (1120);

                                       Vale do Rio Ulla by Isidro Cea


3) - Dom Fernão Lopes de Ulló (1212) c.c Maria Martinez;

4) - Dom Lopo Sanches de Ulló c.c. Mayor Gomes de Trastamara;

5) - Dom Sancho Lopes de Ulloa, rico homem galego, primeiro Senhor de Vilamayor de Ulloa (barão) c.c Urraca Perez de Sotomayor;

6) - Dom Sancho Sanches de Ulloa, segundo Senhor de Vilamayor c.c. Mór Rodrigues de Molina, filha de Don Rui Gomes de Molina e Maria Lopes;
7) - Dom Lopo Sanches de Ulloa, terceiro Senhor de Vilamayor de Ulla-1333, c.c. Maria Ozores de Orceton;

8) - Dom Vasco Lopes de Ulloa, quarto Senhor de Vilamayor (1350), c.c. Izabel Gonçalves de Meyra;

9) - Dom Gonçalo Zores de Ulloa, quinto Senhor de Ulhoa, c.c Maria Alvarez de Sotomayor;

10) - Dom Lopes Sanches de Ulhoa c.c Inês de Castro;

11) - Dom Sancho Sanches de Ulhoa, falecido em Zamora em 1510, sétimo Senhor de Ulhoa e I Conde de Monterrey, c.c Izabel Manrique ( 2º casamento), filha de Don Juan Manrique, Conde de Castañeda;

12) - Dom Antonio de Ulloa Manrique;

13) - Afonso Lopes de Ulhoa;

14) - Dom Manoel Lopes de Ulhoa c. c Guiomar de Ulhoa, naturais da Galícia;

15) - Dom Tomé Lopes de Ulhoa, natural da Galícia c.c Clara Diaz;

16) - Dom Diogo Lopes de Ulhoa c.c Maria Duarte, natural da vila de Alter do Chão, Portugal (um morgado), Fidalgo da Casa Real, com brasão de armas, como ficou provado por ANTONIO CONSTANTINO DE ULHOA, quando em 1780 requereu o posto de cadete, juntando uma pública forma de carta de brasão de armas e certidão de linhagem dos ULHOA, passadas em 1620 em favor do dito Diogo Lopes de Ulhoa (há controvérsias sobre a veracidade do brasão de armas);

17) - Capitão Dom Antônio Lopes de Ulhoa, natural de Lisboa, Fidalgo da Casa Real, 1640, c.c Leonor da Mota;

18) - Diogo Lopes de Ulhoa, Fidalgo da Casa Real, c.c Florência Maria de Oliveira, naturais de Salvador, Bahia; filhos que descobri:

19) - Antonio Lopes de Ulhoa, natural e batizado na freguesia de Iguape, Bahia; faleceu solteiro em 1770, na cidade de Vila Rica (Ouro Preto);

20) - Teresa Maria de Ulhoa, segundo seu necrológio, nasceu no Rio de Janeiro. Foi casada, porém faleceu sem descendência em 1880, em Vila Rica, atual Ouro Preto; Foi herdeiro o Dr. Duarte Lopes de Ulhoa, seu irmão;

21) - Na dúvida, Bárbara Maria de Ulhoa. Viveu em Vila Rica;

22) -  Duarte Lopes de Ulhoa, nascido por volta de 1700, pouco menos, em Salvador, Bahia, e falecido a 24 de janeiro de 1784 em Ouro Preto. Doutor em Leis pela Universidade de Coimbra, aonde matriculou-se  em 01/10/1718, bacharelou em 1722, formado em 1723; ainda moço radicou-se em Vila Rica, capital da capitania de Minas Gerais (em 1736 ele é testemunha de casamento). Casou duas vezes: primeira vez com Dona Florência do Bonsucesso Gião, falecida a 9 de janeiro de 1751; desse casamento não encontramos filhos; segunda vez casou a 14 de novembro de 1751, com Dona Rosa Joaquina de Figueiredo Feyo, natural da freguesia de São Jorge, patriarcado de Lisboa, batizada aos 24 de Agosto de 1732, e falecida aos 16 dias de Maio de 1763 em Ouro Preto, provavelmente devido às complicações do parto e do puerpério. Nota: Dona Rosa Joaquina sabia ler e escrever, incomum entre as mulheres no tempo em que viveu. Imagens:
                                                                                               Casamento do Dr. Duarte
                                           
             
                                                                                                                    Batismo de Rosa Joaquina



                                         Óbito Rosa Joaquina
                                                                                        
                                                                                         
                                                                                                         Óbito Dr. Duarte

 Filhos descobertos:

A) - Joaquim de Ulhoa, batizado a 17 de setembro de 1752; ainda vivia em 1769; Imagem:


B)- Cadete Antonio Constantino de Ulhoa, batizado a 01 de janeiro de 1754, e falecido por volta de 1792, quando foi inventariado, tendo como inventariante seu cunhado Manoel Ferreira Cintra, o que consta no índice de inventários e testamentos do cartório do 1º ofício de Ouro Preto;  foi casado (?) com Antônia Maria de Oliveira. Seus descendentes adotaram o sobrenome Oliveira.  Imagem:




Deles descobrimos dois filhos: 
 1 - Coronel Antonio Constantino de Oliveira, casado em Ouro Preto a 09/10/1810 com  Maria Malta do Sacramento. Filhos encontrados:
1.1 - Antônia, batizada em 25/01/1813, Ouro Preto;
1.2 - Sebastião, nascido em 20/01/1814, batizado em 05/02/1814, Ouro Preto;
1.3 - Francisco, batizado em 08/05/1820, em São João Del Rei;
1.4 - Luciano, batizado em 02/05/1821 em São João Del Rei;
Nota: no assento de casamento do coronel Antonio Constantino de Oliveira, consta ser ele filho natural. Em 1830 recebe a medalha de Oficial da Ordem Imperial do Cruzeiro, e em 1837  é reformado no posto de Brigadeiro. Falece a 17/05/1843 em São João Del Rei;
2 - Francisca  Maria Constância;

C) - Ana de Ulhoa, batizada a 20 de março de 1755, sem mais notícias; imagem:

D) - Tenente coronel Sancho Lopes de Ulhoa, batizado aos 23 de Abril de 1758, e falecido em junho de 1827 em Paracatu. Nas últimas décadas do século XVIII estabeleceu-se no vale do Rio Preto, então distrito de Paracatu, tornando um abastado latifundiário da região, proprietário das fazendas Barreiros, Boqueirão e Lages. Imagem de batismo:
                                                                                                                       Sancho

 Foi casado com Dona Mariana Vicência de Brito, falecida em 1843; filhos descobertos:

1 - Joaquina Romana Lopes de Ulhoa, nascida em 1792 e falecida em Paracatu em 05/06/1852; casada em 1807 com Manoel Alves Ribeiro e Vasconcelos, falecido em 1853; tronco dos Alves Ribeiro de Paracatu e Unaí;

2 - Mariana Constantina Lopes de Ulhoa, falecida em 1834; foi casada com o coronel Manoel Gonçalves dos Santos, natural dos Alegres, falecido em 1855;

3 - Antonio Constantino Lopes de Ulhoa, o segundo do nome, nascido em 1794 e falecido em 1871; foi casado com Ana Pimentel Barbosa, tronco dos Pimentel de Ulhoa; filhos que descobri:
3.1 - Coronel Domingos Pimentel de Ulhoa*, nascido em 27 de março de 1815 e falecido em 25 de fevereiro de 1893; foi casado com Cândida de Melo Álvares, natural de Luziânia, estado de Goiás, nascida em1820 e falecida em 24 de novembro de 1908 em Paracatu; o coronel Domingos foi por longos anos uns dos mais prestigiosos chefes políticos de Paracatu, exercendo mandatos nos poderes executivo, legislativo e judiciário. Homem abastado, as vezes, financiava do próprio bolso, melhoramentos no município. Construiu o solar que atualmente abriga a Casa da Cultura de Paracatu, à rua do Ávila, sendo seu primeiro morador. Exerceu também o comando supremo da Guarda Nacional municipal.Tronco materno dos Botelho de Paracatu; 
*Transcrição do seu assento de batismo: "Aos dezoito dias do mez de maio nesta Matriz da freguezia de santo Antonio da villa de Paracatu do Príncipe Comarca ecleziastica da Manga, Bispado de Pernambuco, baptizei e puz os Santos Oleos a Domingos, inocente filho legítimo de Antonio Constantino de Ulhoa e de Dona Anna Pimentel Barbosa, o qual havia sido baptizado avinte e sete de março dia em que nasceu por estar em perigo por Manoel Alves Ribeiro cazado, natural e morador nesta freguezia. E para constar mandei fazer este assento que asignei. Vigário Joaquim de Melo Franco."

Filhos:
3.2.1 - Adelina Pimentel de Ulhoa casada que foi com o capitão José Gonçalves de Oliveira Vilela Junior;
3.2.2 - Laura Pimentel de Ulhoa casada que foi com o professor Augusto Ferreira dos Reis;
3.2.3 - Frederico Cícero Pimentel de Ulhoa, falecido solteiro, sem descendência;
3.2.4 - Dr. Thomaz Pimentel de Ulhoa, médico formado em 1873 no Rio de Janeiro;
3.2.5 - Cândida Pimentel de Ulhoa casada que foi com o coronel Fortunato Jacinto da Silva Botelho, tronco dos Botelhos de Paracatu;
3.2.6 - Ana Pimentel de Ulhoa casada com o Dr. Francisco Manoel Paraíso Cavalcante de Albuquerque de Aragão, descendente dos caramurus da Bahia, com descendência;
3.2.7 - Mariana Pimentel de Ulhoa, nascida em 14/07/1855 e falecida em 27/04/1875; primeira esposa do Dr. Francisco Manoel Paraíso, citado no item anterior, falecida sem descendência;
3.2.8 - Dr. Duarte Pimentel de Ulhoa, advogado formado na faculdade de Direito do Recife. Nomeado primeiro Juiz de São Pedro de Uberabinha (atual Uberlândia) em 1892, lá permaneceu até sua morte em 1928. Com descendência;
3.2 - Francisca Pimentel de Ulhoa, nascida em 26/05/1816;
3.3 - Ana Maria Pimentel de Ulhoa (Donana) casada com Francisco de Melo Franco;
3.4 - Antonio Pimentel de Ulhoa, nascido em 1827; casado em 11/04/1850 com Beatriz Santana e Brito, nascida em 1834 e falecida em 1855, devido a complicações do parto e puerpério;
3.5 - Mariana Pimentel de Ulhoa, nascida em 1818 e falecida em 1888; casou duas vezes: 1ª vez com Francisco de Melo Franco Bueno, falecido em 1844; 2ª vez em 24/4/1849 com o coronel Justino Batista Roquete Franco, nascido em 1823, filho do Guarda Mor Júlio Antonio Roquete Franco e de Clara Soares de Siqueira; com descendência;
3.6 - Professor Sancho Porfírio Lopes de Ulhoa, nascido em 1820; casado com em 1849 com Clara Batista Franco, filha de Honório Batista Franco, notável latinista e pintor bissexto; sem descendência;
3.7 - Manoel Pimentel de Ulhoa, nascido em 1826. Foi casado duas vezes. Primeira vez com N; filho:
 3.7.1 - Tenente coronel Christino Pimentel de Ulhoa, agente executivo de Paracatu entre 1900 e 1912;
 casado segunda vez com Francelina Tertulina Pimentel de Ulhoa, viúva que ficou do capitão Romualdo Gonçalves de Andrade, falecido em 30/12/1879; filha:
3.7.2 - Leonor Pimentel de Ulhoa, casada com o Dr. Gastão de Deus Victor Rodrigues, com descendência;

4 - Maria Bárbara de Ulhoa, nascida em 1795; foi casada com um Cintra, cujo prenome ignoramos;

Fontes:

1 - Arquivo do autor;
2 - Inventário de Sancho Lopes de Ulhoa, 1827, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu; 
3 - inventário do Tenente coronel Manoel Gonçalves dos Santos, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu;
4 - Inventário de Manoel Alves Ribeiro, 1896; 
5 - Livros paroquiais da matriz de Antonio Dias - Ouro Preto, disponíveis no site FamilySearch.

E) - Ana Izabel de Ulhoa (no assento de casamento de seu filho João, ela é nominada como Anna Izabel Brazida de Ulhoa Figueiredo Feia), batizada a 11 de Março de 1762; em 14 de Outubro de 1785 casou com Manoel Ferreira da Silva Cintra, tornado-se o casal tronco da família Ulhoa Cintra. Imagem do assento de batismo:
                                                                                                       Batismo Ana Izabel

                                                                                                    Casamento Ana Izabel de Ulhoa



Filhos:

1) - Maria Clara, nascida a 14/08/1785, e batizada a 18/10/1785 (Nota:  nascida antes do casamento dos pais, e seu batismo se deu logo após o dito casamento, salvo erro de datas); faleceu a 12/12/1857 aos 72 anos; casou em 18/8/1823 com o coronel Manoel José Pinto (1772 - 1839), sem geração; imagem de batismo:
                                                                                                     Batismo Maria Clara

2) - Jacinta Umbelina, nascida a 16/09/1786, e falecida em 11/10/1844;
3) - Rosa, nascida a 02/06/1788, e batizada a 15/06/1788;
4) - Joana, nascida a 11/07/1789, e batizada a 26/07/1789;
5) - João. João Ferreira de Ulhoa Cintra, nascido a 05/12/1790; casou 1ª vez em Mariana, com Francisca Guilhermina de Assis em 1813; 2ª vez em Ouro Preto em  02/05/1835 com Ana Guilhermina Cândida de Carvalho; faleceu em 07/11/1845;
6) - Narcisa, nascida em 1791;
7) - Emerenciana Miquelina, nascida a 25/06/1793, e falecida a 18/12/1854;
8) Aniceta, falecida na infância - 1791;


F) - José Lopes de Ulhoa, sobreviveu ao parto, batizado a 15 de junho de 1763; sem mais notícias.



Fontes:

1 - Arquivos paroquiais de Ouro Preto, disponíveis no site www.familysearch.org;
2 - Jornais de época, Hemeroteca da Biblioteca Nacional do Brasil;

Fotografia - ttp://www.flickrhiver.com/places/Spain/Galicia/Puente-Ulla/.

 "Este artigo genealógico está em constante atualização com correções e acréscimos."

Atualizado em 20/05/2017.




Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …