Pular para o conteúdo principal

OS ( FRANCISCO ) SANTIAGO



Por José Aluísio Botelho

DE PORTUGAL, À SÃO JOSÉ DO TOCANTINS E À PARACATU

Em São José do Tocantins (Niquelândia)

Família de origem portuguesa, estabelecida em Goiás. Os portugueses vindos para as minas de Goiás provinham em sua maioria da decadente província vinhateira do bispado do Porto, norte de Portugal. Eram desempregados jovens, solteiros, dispostos a fazer fortuna nas minas goianas. Naquele tempo sobressaíam os arraiais de Traíras e de São José do Tocantins (Niquelândia desde 1943), dos mais opulentos da capitania, ricos em lavras minerais, o que atraiu o jovem português Antônio Francisco Santiago, nascido em 09/11/1756, natural da freguesia de São Pedro Cesar, Concelho de Oliveira de Azaméis, distrito de Aveiro, Bispado do Porto, filho de Francisco Antonio Santiago e de Helena Maria de Jesus, naturais dali; neto paterno de Antônio Santiago e de Ana Rodrigues, da freguesia de Guisande, Santa Maria da Feira, Aveiro; neto materno de Domingos Jorge e de Maria Fernandes, do lugar de Pinheiro, freguesia de São Pedro de Cesar.
Batismo - Antônio Francisco Santiago
 Em São José do Tocantins, ele criaria raízes ao se casar em 1796, na igreja Matriz de São José, com a goiana Áurea Mariana dos Anjos, natural do lugar, filha de Marcelino de Souza Gomes e de Ana Barbosa. Em 1798, obteve a patente de furriel e ocupava a posição de procurador da opulenta Irmandade Senhor dos Passos, a mais importante do arraial de São José do Tocantins, o que demonstra estar ele integrado à comunidade local, inserido entre os homens bons do lugar. O casal teve cinco filhos descobertos, ali batizados, a saber:
1 – Manuel Francisco Santiago;
2 – Maria Francisca Santiago;
3 – Joaquim Francisco Santiago;
4 – José Francisco Santiago;
5 – Ana Antonia Santiago.
Em 1820, ocorre o casamento simultâneo das filhas Maria Francisca e Ana, respectivamente com o português José Ribeiro, minerador na região do Pilar, e com Alexandre Loureiro Gomes, natural de Vila Boa (Goiás Velho). Nessa ocasião, o Alferes Antonio Francisco Santiago, já não vivia, porém não descobrimos a data de sua morte. Sua viúva iria se casar novamente com o rico português coronel Antonio Caetano da Fonseca, falecido em 1830, sem descendência. Dona Áurea, descendente dos índios Caiapós, segundo tradição avoenga, morreria em 1843.
Não sabemos as datas dos casamentos dos filhos varões, sendo que um deles, Joaquim Francisco Santiago, consagrou-se padre, mas deixaria descendentes como veremos adiante.
O capitão José Francisco Santiago casou-se com Ana Bernarda Rabelo, fez testamento em 1845, mas não descobrimos sua descendência.
O capitão Manuel Francisco Santiago foi um dos homens proeminentes da vila em seu tempo, ocupando lugar de destaque na vida política e social de São José do Tocantins a partir de 1833, ocasião da elevação do arraial à vila. Neste ano, obteve a patente de capitão, e foi eleito vereador da primeira Câmara da recém criada vila, comandou uma guarnição da Guarda Nacional na vila de Traíras que logo desapareceria do mapa de Goiás, tamanha era sua decadência. Foi promotor e juiz de paz, bem como presidente da câmara entre 1836 e 1841, sendo eleito novamente vereador entre 1841 e 1845. Em 1857, já era falecido, pelo que se deduz ao examinar os Registrantes de terras na Matriz de São José, quando sua fazenda Santo Antonio do Nirva foi registrada pelos seus herdeiros. Parece ter casado com uma senhora da família Souza, tendo pelos menos quatro filhos descobertos:
1 – Antônio Francisco Santiago, inventariado em 1853;
2 – Francisco de Souza Santiago ocupou cargos na governança até o final do século XIX;
3 – João Francisco Santiago, que teve uma neta, Izabel, casada com o coronel José Joaquim Taveira, mandachuva de São José nas primeiras décadas do século vinte;
4 – Francisca de Souza Santiago casou por volta de 1846, com o jovem e rico José Joaquim Francisco da Silva, natural de Cavalcante, Goiás. José Joaquim Francisco da Silva, iria se tornar a maior fortuna e liderança política do atual norte de Goiás na segunda metade do século 19. Retratado pelos seus adversários como o “terror do norte”, coronel e Comandante-geral da Guarda Nacional da Comarca dos rios das Almas e Maranhão, mestre da maçonaria de São José do Tocantins, controlava com mão de ferro a opulenta e lucrativa Irmandade do Muquém, e proprietário de imenso latifúndio, que segundo alguns, tinha 3000 km² de extensão. Afora os exageros, foi o maior possuidor de terras do norte goiano, grande comerciante e senhor absoluto do poder em São José do Tocantins (Niquelândia). Faleceu em 1896. O casal teve filho único, o coronel Paulo Francisco da Silva, que herdou todo o prestígio político e a fortuna de seu pai. Comandou a política local até a segunda década do século vinte, sendo diversas vezes intendente de São José. Aliou-se aos Taveira por casamento com Teodolina Josefa Taveira, e aos Curados ao se tornar genro do Major Delfino Curado, natural de Santa Luzia, atual Luziânia.
O reverendo padre Joaquim Francisco Santiago, seria o derradeiro filho varão do alferes Antônio Francisco Santiago. Dele descobrimos ter sido secretário da primeira câmara de São José do Tocantins, e posteriormente Juiz de paz na mesma legislatura. Foi nomeado vigário colado do arraial de Flores de Goiás, localizada no vão do rio Paraná, distrito de Sítio D’Abadia, e lá como quase todos os padres de seu tempo, constituiu família e teve filhos. Faleceu em 1853. Com Desidéria Pereira Cardoso, filha de Maria Teixeira de Carvalho e pai incógnito, teve pelo menos cinco filhos naturais, descobertos, nascidos em Flores de Goiás:
1 – Daniel Francisco Santiago; sem mais notícias;
2 – Tertuliano Francisco Santiago; sem mais notícias;
3 - Ignez Francisco Santiago, sem mais notícias;
4 – Antonio Francisco Santiago, falecido em 21/01/1891 em Paracatu ; comerciante, foi vereador em Paracatu entre 1883 e 1889; casado com Ana Rosa carolina da Silva, filha de Regina Carolina da Silva;o casal não deixou descendentes;
5 – Joaquina Francisca Santiago, que segue;
Joaquina Francisca Santiago casou em Flores de Goiás com Gregório de Moura Telles, provavelmente filho ou neto do português Manuel Antonio de Moura Telles, falecido em Cavalcante, em 1832. Esse Manoel Antonio de Moura Telles participou ativamente da criação da Comarca de São João das Duas Barras (Comarca do Norte), um movimento separatista embrião do atual estado do Tocantins, reivindicado pelos moradores dos arraiais de Cavalcante, Arraias, Flores, Traíras e São José, principalmente. Tiveram os filhos:
1 - Joaquim de Moura Santiago, que segue;
2 – Emetério de Moura Santiago;
3 – Amélia de Moura Santiago, que segue;
Em Paracatu
O primeiro do sobrenome a chegar a Paracatu foi Dona Ana Antonia Santiago, acompanhando seu marido o major Alexandre Loureiro Gomes, que lá se fixou, adquirindo propriedade agrícola no município, em meados do século XIX. O filho único do casal, tenente Antonio Loureiro Gomes casaria logo depois com uma filha do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa, com numerosa descendência (vide o artigo sobre os Loureiro Gomes neste Blog). Com o casal acima, provavelmente, veio seu sobrinho Antonio Francisco Santiago, falecido na fazenda do Moura em 1891, sem descendentes.
Por fim, (1) Joaquim de Moura Santiago e (2) Amélia Santiago Chaves, sobrinhos-netos de D. Ana Antonia Santiago, chegam à Paracatu no final do século dezenove. Joaquim de Moura Santiago se estabelece com comercio na cidade, fundando a Casa Santiago. Sô Quim Santiago, como seria conhecido durante toda a sua vida, casou com Adelaide Avelino Pereira de Castro (1877 - 1961), dos Pereira de Castro pioneiros do ouro de 1744. No alvorecer do século XX, o casal batiza em Paracatu, uma nova geração, a saber:
1 – Antero de Moura Santiago;
2 - João de Moura Santiago, 1902 -1976;
3 – Joaquim de Moura Santiago Filho, 1904 -1946;
4 – Pedro de Moura Santiago, 1905 -1978;
5 – Miguel de Moura Santiago;
6 – Anita de Moura Santiago,1908 -1968;
7 – Dulce de Moura Santiago;
8 – Moacir de Moura Santiago,1913 - 1957;
9 – Ana Joaquina de Moura Santiago;
10 – Julieta de Moura Santiago;
11 – Gregório de Moura Telles Santiago.

Sô Quim Santiago faleceu aos 75 anos em 19/02/1955, em Belo Horizonte.

(2) Dona Amélia Santiago Chaves casada com seu conterrâneo Olivério Chaves, adquirem casa de morada em Paracatu, onde o Sr. Olivério estabeleceu casa de comércio. Esse casal foi os pais de José (Fifico) Jacinto Chaves.

Nota: O patronímico “Francisco” parece ser nome de família (sobrenome), já que aparece recorrentemente nos nomes dos descendentes, tanto em Portugal, como no Brasil. No Brasil, além de Goiás, encontramos a família “Francisco Santiago” em Pernambuco e no Piauí.
Por se tratar de uma obra de Genealogia, estará sujeita a atualizações com correções e acréscimos.
Atualizado em 16 de agosto de 2017.
Fonte:
1 - Bertran, Paulo - História de Niquelândia, 2ª edição,
Verano Editora, 1998;
2 – Salazar, Gastão – Obra manuscrita;
3 – Arquivo do autor. 
Maio de 2011. 

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO

 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna: herdou de seu pai o engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum regist…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…