Pular para o conteúdo principal

REIS CALÇADO - UMA FAMÍLIA JUDIA NA PARACATU DO SÉCULO XVIII

Por José Aluísio Botelho e
Eduardo Rocha
Mauro Cézar da Silva Neiva  

Família miscigenada, de origem cristã nova pela linha agnata originária do Ceará. Pois 


bem, para o arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu provieram  os irmãos Alexandre José dos Reis Calçado e Antonio Rodrigues dos Reis Calçado, naturais da freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Acaracu (atual Acaraú), termo de Aracati, Ceará, filhos naturais do capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado, natural do Recife, capitania de Pernambuco, e de Luzia Maria da Rocha, mulher solteira,escrava que foi do mesmo capitão Gaspar dos Reis Calçado, natural da freguesia de Acaracu (Acaraú); Alexandre José, objeto de nosso estudo, nascido em 1764, casou por volta de 1785, com Luzia Rodrigues de Oliveira, natural do arraial de Paracatu, falecida em 04/07/1837, filha de Antonio Rodrigues de Oliveira e de Ana Rodrigues de Araújo. Viveu do lucro de suas fazendas, notadamente da localizada nos limites da serra do Tombador, no distrito de Rio Preto, termo de Paracatu, hoje município de Unaí, Minas Gerais; foi proprietário das fazendas Engenho do São Sebastião e Serra. Faleceu em 21/10/1816.                     
Batismo de Alexandre - matriz de Caiçaras (Sobral -CE)
Quanto ao irmão Antonio Rodrigues dos Reis Calçado, diz ter chegado ao arraial de Paracatu com 1 ano e meio de idade; casou em 1790 com Francisca da Silva Pereira, filha de Antonio da Silva Pereira, com paradeiro desconhecido.
Nota: Nos processos de casamento, são citados dois negros libertos, José e João dos Reis Calçado, provavelmente alforriados pelo seu senhor o capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado, e que adotaram o sobrenome, e, também o perpetuaram.

Origem em Portugal: família originária do extremo norte de Portugal, distrito de Bragança, divisa com a Espanha, com grande afluência de judeus, expulsos da inquisição espanhola, especialmente dos reinos de Leão e Castela, iniciada em 1492. O pai, capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado, homem branco, nascido em recife, Pernambuco,  casado com Ana de Sá Cavalcante, era filho de Manoel Rodrigues Correia e de Izabel Dias de Almeida, naturais da freguesia de São Frutuoso, Município de Argozelo, Concelho de Vimioso, distrito de Bragança. No Ceará, foi morador na freguesia de Nossa Senhora de Caiçaras, atual cidade de Sobral.  Gaspar Rodrigues dos reis Calçado e sua mulher Ana de Sá Cavalcante, juntamente com seus filhos e a mãe natural dos mesmo, migraram para o arraial de Paracatu em fins da década de 1760, provavelmente fugindo das garras da inquisição, onde se estabeleceram definitivamente. O capitão parece ter falecido no arraial mineiro em 1786, conforme pode ser constatado pela certidão de registro do óbito, emitida pelo cartório eclesiástico requerido pela viúva Dona Ana de Sá Cavalcante na imagem abaixo.
Certidão de óbito - Gaspar dos Reis Calçado

O sobrenome: parece ser um sobrenome adotado por conveniência, talvez para escapar do alcance da Inquisição, já que, o capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado descendia dos Correia, antiga família cristã nova do norte de Portugal, como relatamos acima. 

A inquisição: em 1758, foi identificado por um desafeto como judeu (vide artigo abaixo) e denunciado em 1758 pelo comissário da inquisição do Santo Ofício da vila de Aracati, por prática de judaísmo; todavia, não se sabe se foi aberto o processo e/ou se foi condenado ou não. Abaixo o manuscrito que contém a denúncia,               


        
    Cadernos do Promotor - Torre do Tombo
                                                     

bem como trechos do documento, transcrito do artigo:

A inquisição no Ceará – Aracathy: Heresias de um Judeu

Também houve denúncia formal à Inquisição contra judeus nas plagas sertanejas do Ceará Grande. Na ribeira do Jaguaribe, o médico José Balthazar Auger, italiano de Turim, morador da então villa do Aracathy e devoto frequentador da matriz de Nossa Senhora de Russas (ainda pertencente àquela vila), denunciou um tal Gaspar Roiz Reis Calçado. Delatou que o homem, também residente ali, fazia “coisas escandalosas contra a Santa Fé Cathólica indicativas de judaísmo”. Ainda das feitas atribuídas a Gaspar, o italiano disse que ele costumava ir à igreja “e com grandes risadas escarnecia (zombava) da santa imagem” e que “as cerimônias da Semana Santa eram macaquice”. Num dos muitos atritos que teria tido com vários da vila, foi contado por Balthazar que Gaspar afirmou: “tanto fazia ouvir missa ou não porque não enchia a barriga”. Disse até que a igreja do Aracati não servia para nada que não fosse fazer necessidades fisiológicas nela. 
Transcrito do jornal O POVO, de 23 de maio de 2010.


                    
                     DESCENDÊNCIA


De acordo com o inventário da viúva Luzia Rodrigues de Oliveira (2ª Vara cx. 1837), tiveram os filhos:


1– Alferes Agostinho José dos Reis Calçado, nascido por volta de 1782 e falecido por volta de 1843; casado com Tereza de Oliveira Paes, falecida em 20/01/1869. Fazendas: Bananal, São Sebastião e Serra do Gomes.
Inventário 1: 2ª Vara cx. 1862; Inventário 2: 2ª Vara cx. 1869.

Filhos:

1.1– Bernardina dos Reis Calçado, nascida em 1816; casada com José Teodoro da Costa.

Filhos:

1.1.1 – Honório dos Reis Calçado, 4 anos;

1.1.2 – Helena dos Reis Calçado, nascida em 1819; casada com Benedito Rodrigues do Vale;

1.1.3 – Maria dos Reis Calçado, nascida em 1821; casada com João Antonio da Silva.
Filhos:

1.1.3.1 – Joaquim Antonio da Silva, 28 anos;

1.1.3.2 – Joaquim José dos Reis Calçado, 22 anos;

1.1.3.3 – Augusta dos Reis Calçado, 16 anos;

1.1.4 – Ana dos Reis Calçado, nascida em 1823; casada com José de Afonseca e Silva.
Inventário de Luzia Rodrigues de Oliveira 2ª Vara cx. 1837 – folhas 195/197.

Filhos:

1.1.4.1 – Romão da Afonseca e Silva, 9 anos;
1.1.4.2 – Mathias da Afonseca e Silva, 8 anos;
1.1.4.3 – Francisca da Afonseca e Silva;

1.1.5 – Escolástica dos Reis Calçado, nascida em 1825; casada com Joaquim Lourenço da Silva Neiva. Moradores na fazenda Pouso Alegre.
Inventário: 2ª Vara cx. 1926.

Filhos:

1.5.1 – Cecílio da Silva Neiva, casado com Joana dos Reis Calçado;

Filhos:

1.5.1.1 – Joaquim Conceição Neiva; casou duas vezes:

1ªvez com Emília da Silva Neiva, filha de Marciano da Silva
Neiva e de Severina José Souto;

2ªvez com Ester Albernaz Santana, filha de Afonso Ferreira
Albernaz e de Matildes José de Santana;

1.5.1.2 – Jorge da Silva Neiva, casado com Adelaide da Silva Neiva;
1.5.1.3 – Domingos da Silva Neiva, casado com Cândida Moreira da Silva;

1.5.1.4 – Antenor da Silva Neiva, casado com Ana Mariano de Almeida;

1.5.1.5 – Acelino da silva Neiva; casado com Josefina Mariano de Almeida;

1.5.1.6 – Eduardo da Silva Neiva, casado com Eucália Oliveira Melo;

1.5.1.7 – Floro da Silva Neiva, casado com Antonia Pinto da Afonseca;

1.5.1.8 – Ana da Silva Neiva, casada com Manoel Ferreira Albernaz;

1.5.1.9 – Leonildes da Silva Neiva, casada com Jônatas Mariano de Almeida;

1.5.1.10 – Izabel da Silva Neiva, casada com Manoel da Silva Neiva;
1.5.1.11 – Basílio da Silva Neiva, falecido solteiro;

1.5.2 – Virgílio da Silva Neiva, casado com Jovina da Silva Neiva;

1.5.3 – Marinho da Silva Neiva, casado com Florência Rodrigues Barbosa;

Filhos:

1.5.3.1 – Miguel da Silva Neiva;
1.5.3.2 – Caetano da Silva Neiva;
1.5.3.3 – Estanislau da Silva Neiva, casado com Manoela Ferreira Albernaz;
1.5.3.4 – Noé da Silva Neiva; casado com Ana Soares de Oliveira;
1.5.3.5 – Francisca da Silva Neiva;
1.5.3.6 – Sebastiana da Silva Neiva, casada com Pedro de Sá Guimarães (Avós de Sérgio Neiva Cavalcante – Sérgio Malandro, humorista brasileiro);
1.5.3.7 –Itaquelina da Silva Neiva, casada com Melchior da Silva Canedo;

1.5.4 – Marciano da Silva Neiva, casado com Severina José Souto;

Filhos:

1.5.4.1 – Emília da Silva Neiva, casada com Joaquim da Silva Neiva;
1.5.4.2 – Maria da Silva Neiva;
1.5.4.3 – Franklina da Silva Neiva;
1.5.4.4 – Virgilino da Silva Neiva;
1.5.4.5 – Georgeta da Silva Neiva;
1.5.4.6 – Julieta da Silva Neiva, casada com Abílio de Almeida e Silva;
1.5.4.7 – João da Silva Neiva;
1.5.4.8 – Tito da Silva Neiva;
1.5.4.9 – Reginaldo da Silva Neiva;
1.5.4.10 – Franklin da Silva Neiva;

1.5.5 – João Lourenço da Silva Neiva, casado com Ana de Sá Guimarães;

Filhos:

1.5.5.1 – Antonio da Silva Neiva;
1.5.5.2 – Caetano da Silva Neiva;

1.5.6 – José Lourenço da Silva Neiva, casado com Mariana Ferreira Albernaz;

Filhos:

1.5.6.1 – Joaquim da Silva Neiva, falecido solteiro;
1.5.6.2 – Manoel da Silva Neiva;
1.5.6.3 – Tito da Silva Neiva, casado com Zulmira da Silva Canedo;

Filhos:

1.5.6.3.1 – Ana da Silva Neiva, casada com Alberto Laboissière;
1.5.6.3.2 – Izabel da Silva Neiva, casada com Elias Rodrigues Bijos;

Filhos:
1.5.6.3.2.1 – Mariana Rodrigues Bijos;
1.5.6.3.2.2 – Gabriela Rodrigues Bijos;

1.5.7 – Maria da Silva Neiva, esposa do primeiro leito de Vargas Ferreira Albernaz;

Filhos:

1.5.7.1 – Amador Ferreira Albernaz;
1.5.7.2 – Marieta;
1.5.7.3 – Josias;
1.5.7.4 – Claricinda;
1.5.7.5 – Joana;

1.5.8 – Lucas da Silva Neiva, casado com Inês dos Reis Calçado;

Filhos:

1.5.8.1 – Francisco da Silva Neiva;
1.5.8.2 – Joana da Silva Neiva;

Filho:

1.5.8.2.1 – Benedito da Silva Neiva;

1.5.8.3 – Antônio da Silva Neiva;

1.1.6 – Joana dos Reis Calçado, nascida por volta de 1827, e falecida em 04/03/1876; sem descendentes.
Inventário: 1ª Vara cx. I–07.

1.1.7 – Alexandre dos Reis Calçado, 14 anos;

1.1.8 – Antonia dos Reis Calçado, nascida em 183; casada com João Coelho de Meneses;

1.1.9 – Victor José dos Reis Calçado, nascido por volta de 1833, e falecido em 25/05/1909; casou duas vezes: 1ªvez casado com sua prima Franklina dos Reis Calçado; 2ª vez com Maria Cecília Pereira de Toledo, falecida em 13/05/1890 aos 45 anos; proprietário das fazendas Buraco e Agostinho.
Inventário1: 1ª Vara cx. I–21/1909; inventário 2: 2Vara cx.1889/1890.

Filhos:

1.1.9.1 – Cecílio dos Reis Calçado;
1.1.9.2 – Franklina dos Reis Calçado, casada com Agostinho de Araújo Ferreira;
1.1.9.3 – Cândida dos Reis Calçado, casada com Joaquim de Araújo Ferreira;
1.1.9.4 – Paulina dos Reis Calçado, 25 anos;
1.1.9.5 – Agostinho dos Reis Calçado, já falecido no inventário do pai; com N teve o filho:

1.1.9.5.1– Honorato dos Reis Calçado;

1.1.9.6 – Inês dos Reis Calçado; casada com Lucas da Silva Neiva – vide 1.5.5.8;

Filhos:

1.1.9.6.1 – Francisco da Silva Neiva, casado;
1.1.9.6.2 – Maria da Silva Neiva, casada com Gregório Peres de Melo;
1.1.9.6.3 – Antonia da Silva Neiva;
1.1.9.6.4 – Joana da Silva Neiva;


1.1.10 – José dos Reis Calçado, nascido 1835 e falecido em 27/01/1911; casado com Josefina Dantas Barbosa, falecida em 14/12/1909.
Inventário: 2ª Vara Cx. 1913.

Filhos:

1.1.10.1 – Henrique dos Reis Calçado, 39 anos, casado com Cândida Landim dos Reis;

1.1.10.2 – João Dantas dos Reis Calçado, 38 anos, casado com Rosa José de Sousa, filha de Lucindo José de Sousa e de Dionísia Furtado de Mendonça;

Filhos:

1.1.10.2.1– Brasilina dos Reis Calçado, casada com Paulo Ferreira Albernaz;

Filha:

1.1.10.2.1.1 – Amália Ferreira Albernaz;

1.1.10.2.2 – Joana dos Reis Calçado, casada com Teófilo Nazaré Pereira da Costa;

Filhos:

1.1.10.2.2.1 – Júlio Pereira Nazareth, já falecido; radicado em Goiânia, Goiás;
1.1.10.2.2.2 – Maria Pereira Nazareth,falecida; foi casada com descendência; radicada em Goiânia, Goiás;
1.1.10.2.2.3 – Nali Pereira Nazareth, casada com Cristóvão de Almeida, já falecidos; radicados em Goiânia, Goiás; filhos:
1.1.10.2.2.3.1 - Janice Nazareth Almeida, já falecida;
1.1.10.2.2.3.2 - Denilson Nazareth de Almeida;
1.1.10.2.2.4 – Joaquim Pereira Nazareth, casado com Terezinha Albernaz de Almeida e Silva, filha de Jovino de Almeida e Silva e de Ana Ferreira Albernaz; todos já falecidos;

Filhos:

1.1.10.2.2.4.1 – César Augusto Nazareth, natural de Cristalina, Goiás; divorciado, com descendência;
1.1.10.2.2.4.2 – Dalva Ismênia Nazareth, natural de Cristalina, Goiás; com descendência;
1.1.10.2.2.4.3 – Rubens Sérgio Nazareth, solteiro, natural de Cristalina, Goiás; com descendência;
1.1.10.2.2.4.4 – Ilca Nazareth, solteira, sem descendência;
1.1.10.2.2.4.5 – Adônis Nazareth, natural de Cristalina, Goiás; casado, com descendência;
1.1.10.2.2.5 - Elza Pereira Nazareth, falecida; com descendência;
1.1.10.2.2.6 - José Pereira Nazareth;

1.1.10.2.3 – Pedro dos Reis Calçado, com 21 anos em 1913; casado com Lenira Ribeiro, falecida em Goiânia, filha de Antonio Ribeiro e de Norbertina Ribeiro, todos naturais de Paracatu;

Filhos, naturais de Paracatu:

1.1.10.2.3.1 – João dos Reis Calçado, casado com Dulce Caldeira de Oliveira Calçado, moradores em Paracatu;
1.1.10.2.3.2 – Dr. Pedro dos Reis Calçado Filho, dentista, casado com Walkyria Vieira de Sousa Calçado, com descendência; residentes em Brasília, DF;
1.1.10.2.3.3 – Dr. Hélio dos Reis Calçado, médico, já falecido; foi casado, com descendência em Goiânia, Goiás;
1.1.10.2.3.4 – Dr. Antonio dos Reis Calçado, dentista, casado com Zilá Ribeiro Calçado, com descendência; moradores em Goiânia, Goiás;
1.1.10.2.3.5 – Dra. Vilma dos Reis Calçado, advogada, solteira e sem descendência; moradora em Goiânia, Goiás;
1.1.10.2.3.6 – Maria da Conceição dos Reis Calçado, falecida solteira em Goiânia em 13/01/2010, sem descendência;
1.1.10.2.3.7 - Walter dos Reis Calçado, morador em Goiânia;
1.1.10.2.3.8Moisés Augusto dos Reis Calçado, solteiro, morador em Goiânia, Goiás;

1.1.10.2.4 – Maria dos Reis Calçado, 19 anos em 1913; foi casada com Arlindo Lopes, natural da Bahia, moradores em Cristalina; casal sem filhos, adotaram uma filha:
1.1.10.1.4.1 - Antonieta Lopes, casada com Alberto Cosac, com descendência em Cristalina, Goiás; 

1.1.10.2.5 – Marcelina dos Reis Calçado, 14 anos; falecida solteira em Cristalina, Goiás;

* Dona Rosa José de Sousa, teve com Manoel dos Reis Calçado, o filho natural:

1.1.10.2.6 – Leão José de Sousa, nascido em 28/06/1920 e falecido em 25/09/2014; com descendência;

1.1.10.3 – Manoel dos Reis Calçado, 35 anos, casado com Victória de Araújo Ferreira;
1.1.10.4 – Joaquim dos Reis Calçado, 30 anos, casado com Ana da Silva Neiva;
1.1.10.5 – José dos Reis Calçado, 25 anos, casado com Corina da França Silva ou Corina da Afonseca e Silva;
1.1.10.6 – Ana dos Reis Calçado, falecida por volta de 1891; casada com José Pereira Santana;
Inventário: 2ª Vara cx.1891.

Filha:

1.1.10.6.1 – Guilhermina Pereira Santana, casada com Pedro Mundim;

1.1.10.7 – Joana dos Reis Calçado, casada com o Capitão João Modesto dos Reis Calçado, falecido em 25/08/1916; partes nas fazendas, Julião, Terra Vermelha e Nogueira.
Inventário: 2ª Vara cx. 1915.

Filhos:

1.1.10.7.1 – Maria dos Reis Calçado, 30 anos; casada com Francisco de Andrade Porto;
1.1.10.7.2 – Gertrudes dos Reis Calçado, 24 anos; falecida em 01/1929, solteira.
Inventário: 2ª Vara cx. 1929–A.
Partes nas fazendas Necessidade, Chácara, Nogueira, Neto, Conceição e Julião.
1.1.10.7.3 – Antonia dos Reis Calçado, 23 anos; casada com Augusto José de Sousa;
1.1.10.7.4 – Antonio dos Reis Calçado, 22 anos;
1.1.10.7.5 – Tereza dos Reis Calçado, 20 anos;
1.1.10.7.6 – Francisco dos Reis Calçado, 17 anos;
1.1.10.7.7 – Pedro dos Reis Calçado, 11 anos;


1.1.10.8 – Ambrosina dos Reis Calçado, casada com Regino Pinheiro Delgado;

Filha:

1.1.10.8.1 – Ana Pinheiro Delgado, 21 anos;

1.1.10.9 – Josefa dos Reis Calçado, 44 anos; casada com Quintiliano Barreto Lima, sem descendentes.
Inventário: 1ªVara cx. I–31.

1.1.10.10 – Tereza dos Reis Calçado, 41 anos;

1.1.10.11– Domingos José dos Reis Calçado Sobrinho, nascido por volta de 1836 e falecido por volta de 1879; casado com Clementina Gomes Calcado;

Filhos:

1.1.10.11.1 – Higino José dos Reis Calçado, casado com Francisca dos Reis Calçado;
1.1.10.11.2 – Nicolau José dos Reis Calçado, nascido em 1855;
1.1.10.11.3 – Joana José dos Reis Calçado, casada com Cecílio da Silva Neiva;

Filhos:

1.1.10.11.3.1 – Joaquim da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.2 – Jorge da Silva Neiva, casado com Adelaide da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.3 – Domingos da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.4 – Antenor da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.5 – Arcelino da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.6 – Eduardo da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.7 – Basílio da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.8 – Floro da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.9 – Ana da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.10 – Leonildes da Silva Neiva;
1.1.10.11.3.11 – Izabel da Silva Neiva;

1.1.10.11. 4 – Joaquim José dos Reis Calçado, nascido por volta de 1858; casado
com Maria Rodrigues Horta;
1.1.10.11.5 – Henrique dos Reis Calçado, nascido por volta de 1861 e falecido em 20/12/1879.
Inventário: 2ªvara cx.1880.
1.1.10.11.6 – Francisco José dos Reis Calçado, nascido por volta de 1864;
1.1.10.11.7 – Josefina dos Reis Calçado, nascida por volta de 1865;
1.1.10.11. 8 – João José dos Reis Calçado, nascido por volta de 1869;

1.1.10.12 – Modesto dos Reis Calçado, nascido em 1839; casado com Salvina de Souza Landim;

Filho:

1.1.10.12.1 – João dos Reis Calçado, 8 anos;


2 – Tenente Coronel Messias José dos Reis Calçado, já falecido em 1851; casou duas vezes: 1ªvez com Ana Ferreira de Moura, filha de Bernardo Ferreira de Moura e de Francisca da Cunha, pardos forros. Senhor e possuidor da fazenda da Serra do Tombador.

Filhos 1º casamento:

2.1 – Messias José dos Reis Calçado Júnior, falecido em 26/01/1862; foi casado com Tereza Pereira do Lago, falecida em 1889, filha de José Florêncio Souto e de Florência Pereira do Lago
Inventário: 1ªVara cx. I–11.
Filhas:

2.1.1 - Quirina dos Reis Calçado, com 14 anos em 1862;

2.1.2 – Maria dos Reis Calçado, com 13 anos em 1862; casada com Sebastião de Tal, moradora na vila de Patos de Minas;






2.1.3 - José dos Reis Calçado (na dúvida, parece ter sido filho natural), casado com Josefina Dantas Barbosa, filha do coronel José Antonio Dantas Barbosa e de Gertrudes Ferreira Braga;

2.2 – José Alexandre dos Reis Calçado, casado com uma filha de Francisco de Paula da Cunha, e morador na fazenda da Manga, nos Alegres;

2.3 – Carlota José dos Reis Calçado, casada com o Tenente Luiz Gonçalves dos Santos, falecido em 07/12/1871. Moradores nos Alegres.
Inventário: 2ª Vara cx.1872 – B.

Filhos:

2.3.1 – Francisco Gonçalves dos Santos, 23 anos;
2.3.2 – Maria Gonçalves dos Santos, casada com Francisco de Almeida e Silva;
2.3.3 – Basílio Gonçalves dos Santos, 18 anos;
2.3.4 – Manoel Gonçalves dos Santos, 15 anos;
2.3.5 – Ana Gonçalves dos Santos, 11 anos; casada com Francisco José da Mota, falecido por volta de 1920; Partes nas fazendas São Jeronimo e Barra em João Pinheiro, e André–Quicé, município de Patos de Minas.

Inventário: 2ª Vara cx. 1925.

Filhos:

2.3.5.1 – Manoel Gonçalves dos Santos, 52 anos;
2.3.5.2 – Ambrosina Gonçalves da Mota, 53 anos;
2.3.5.3 – Laurindo, oligofrênico, 54 anos;
2.3.5.4 – Antonio, oligofrênico, 48 anos;
2.3.5.5 – Mariana, oligofrênico, 45 anos;
2.3.5.6 – Francisco José da Mota, 50 anos, casado;

2.4 – Luzia dos Reis Calçado, falecida por volta de 1904; moradora na fazenda Lagoa de Santo Antonio;
Inventário: 2ª Vara cx. 1908.

Casou duas vezes:

1º casamento: Ignácio Alves de Assumpção Alves;

Filhos
2.4.1 – Francisco Alves de Assumpção, casado com Romualda Rodrigues;

Filhos:

2.4.1.1 – Virgínia Alves de Assumpção, casada com Leandro Rodrigues de Queirós; filhos:
2.4.1.1.1 – Clarindo Rodrigues de Queirós, 20 anos;
2.4.1.1.2 – Paulo Rodolfo de Queirós, 18 anos;
2.4.1.1.3 – Joana Alves de Assumpção, 40 anos; casada com Vicente Alves Campos, residentes na Pituba;

2.4.2 – Senhorinha Alves de Assumpção, casada com Modesto da Silva Borges; filha:

2.4.2.1 – Luíza da Silva Borges, 36 anos;

2.4.3 – Cândida Alves de Assumpção, casada com Joaquim Carlos Duarte Ferreira; filha:

2.4.3.1 – Adelina Duarte Ferreira, 22 anos;

2.4.4 – Maria Eulália Alves de Assumpção, casada com Manoel Duarte Ferreira; filhos:

2.4.4.1 – Honório Duarte Ferreira, 32 anos; casado com Firmina Oliveira Paes, residentes na Santa Rita;
2.4.4.2 – Marcelino Duarte Ferreira, 27 anos; casada com Maria Pereira de Araújo, residente na Santa Rita;
2.4.4.3 – Jacinta Duarte Ferreira, casada com Manoel Peres de Quinta; filhos:
2.4..4.3.1 – Joana Peres de Quinta, casada com Joaquim Dias de Sousa, residente na Lagoa;
2.4.4.3.2 – Leandra Peres de Quinta, 19 anos;
2.4.4.3.3 – Etelvina Peres de Quinta, 13 anos;
2.4.4.3.4 – Tito Peres de Quinta, 9 anos;
2.4.4.3.5 – Dorvalina Peres de Quinta, 7 anos;
2.4.4.3.6 – Tarciso Peres de Quinta, 4 anos;

2º casamento com Sebastião Duarte Ferreira;

Filhos:

2.4.4.3.7 – João da Cruz Duarte, casado com Josefa Alves Campos;
2.4.4.3.8 – Francisco Duarte Ferreira, casado com Maria Cândida Mendes; filho:

2.4.4.3.8.1 – José Duarte Ferreira, Solteiro, 22 anos;
2.4.4.3.9 – Calixto Duarte Ferreira, casado com Maria Alves de Assumpção; filho:

2.4.4.3.9.1 – Georgina Duarte Ferreira, 14 anos;

2.4.4.3.10 – Ana Duarte Ferreira, casada com Carlos de Oliveira Braga;


2.5 – Benedito dos Reis Calçado, nascido em 22/04/1816 e falecido por volta de 1839.
Inventário: 2ª Vara cx. 1889/1890.

Transcrição do Batismo:
Aos oito de agosto de mil oitocentos e dezesseis na ribeira do rio Preto...Benedito, filho legítimo de Messias José dos Reis Calçado e de sua mulher Ana Ferreira de Moura, naturais desta frequezia, nasceu a vinte e dois de abril do dito anno”.

Foi casado com Gertrudes Ferreira Braga;

Filhos:

2.5.1 – Joaquim dos Reis Calçado;

2.5.2 – Joaquina dos Reis Calçado;

O coronel Messias dos Reis Calçado casou 2ª vez com Florência Pereira do Lago; sem descendência deste matrimônio.


3 – Iria Maria de Jesus dos Reis Calçado;

4 – Alferes Calixto José dos Reis Calçado, falecido por volta de 1814/1815; casado com Maria Eulália. Nota: filho mais velho do casal tronco.
Inventário: 2ª Vara cx. 1815/1816.

Filho:

4.1 – Francisco Jacinto dos Reis Calçado;


5 – José dos Reis Calçado; residente no termo de Santa Izabel (hoje Mucugê), província da Bahia;


6 – Antônio José dos Reis Calçado, residente no termo de Santa Izabel (Mucugê), província da Bahia;

7 – Joaquim José dos Reis Calçado, casado com Margarida Gomes de Jesus, falecida por volta de 1858; morador na fazenda da Serra.
Inventário: 2ª Vara cx.1859.

Filhos:

7.1 – Domingos José dos Reis Calçado, 37 anos, casado;
7.2 – Senhorinha dos Reis Calçado, 35 anos; casada com João Coelho de Meneses;
7.3 – Primo dos Reis Calçado, 33 anos, falecido solteiro em 01/11/1865; Fazenda Serra.
Inventário: 2ª Vara cx.1866.

Reconhece em testamento os filhos naturais havidos com Josefa Pereira dos Santos, mulher solteira, abaixo nomeados:

7.3.1– Vicente José dos Reis Calçado;
7.3.2 – José dos Reis Calçado;
7.3.3 – Amaro José dos Reis Calçado;
7.3.4 – Antônio José dos Reis Calçado;
7.3.5 – Luiz José dos Reis Calçado;

7.4 – Joaquim José dos Reis Calçado, 31 anos, falecido em 22/12/1868; casado com Elisa Cecília de Assis, falecida em 19/11/1868; moradores na fazenda Serra do Gomes.
Inventário: 2ª Vara cx. 1869.

Filhos

7.4.1 – Francisco dos Reis, 11 anos;
7.4.2 – Bernardo, 9 anos;
7.4.3 – Domingos, 8 anos;
7.4.4 – Francisca, 6 anos;
7.4.5 – Joaquim, 4 anos;

7.5 – Pedro José dos Reis Calçado, 29 anos;
7.6 – Franklina dos Reis Calçado;
7.7 – Francisco dos Reis Calçado, 24 anos;
7.8 – Higino José dos Reis Calçado, 22 anos; casado com Querina dos Reis Calçado, falecida em 02/07/1869, sem descendentes.
Inventário: 2ª Vara cx. 1869.

8 – Benedito Rodrigues Val ou Vale, filho de Pedro Rodrigues Val ou Vale e de Luíza Rodrigues de Oliveira(2º casamento dela?Filho natural?), casado com sua sobrinha Helena dos Reis Calçado, vide 1.1.2.

Fontes:
1 – Inventários citados no corpo do texto, domiciliados no Arquivo Municipal de Paracatu;
2 – Processos de casamentos (proclamas); Fundo do Tribunal Eclesiástico – Arquivo Público de Paracatu;
3 – Cadernos do Promotor 121,Torre do Tombo, Lisboa, Portugal: Tribunal da Inquisição de Lisboa.


Postagens mais visitadas

NOTAS GENEALÓGICAS - PEREIRA MUNDIM

Por Eduardo Rocha
Família originária de Mondim de Bastos, Vila Real, norte de Portugal.

1- Joaquim Lourenço Mundim, casado com Perpetua Leocádia Pereira de Barros, filha legítima do capitão José Pereira de barros, natural da cidade de Braga, Portugal e de Maria Antunes Claro; neta paterna de Manoel Antônio Pereira de Barros e de Antônia da Costa. Família miscigenada na origem em Paracatu.

Filhos descobertos:

1-1 Mathias Lourenço Mundim, falecido em 08/12/1834; casado com Lúcia de Sousa Dias.
Inventário: 2ª Vara 1835/1836.

Filhos:

1-1-1 Maria de Sousa Mundim, 7 anos;

1-1-2 Elias de Sousa Mundim, nascido em 1829 e falecido em 26/09/1879; casado duas vezes: 1ªvez com Maria Leocádia da Conceição em 29/04/1855:
"Aos vinte e nove de abril de mil oitocentos e cincoenta e cinco feitas as diligencias do estillo na igreja matriz desta freguesia de Santo Antonio da Manga Bispado de Pernambuco, o reverendissimo senhor provissor em presença das testemunhas Vicente Jose Chispiniano e João Caetan…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho
A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha e Mauro César da Silva Neiva
Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto.

MARECHAL PEDRO DE ALCANTARA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

Nascido em 26 de novembro de 1883 em Salvador, Bahia. Filho do Desembargador Francisco Manoel Paraíso Cavalcante de Albuquerque e Aragão, dos Caramurus da Bahia, também natural de Salvador, e de Dona Ana Pimentel de Ulhoa, natural de Paracatu, Minas Gerais. Fez o curso primário, a começo em Salvador, depois na capital de Goiás, novamente em Salvador, e, por fim, em Uberaba, no estado de Minas Gerais. A razão explicativa desse ciclo do seu curso primário está em que, Desembargador da Relação da Bahia, foi seu pai em 1887 removido para a Relação de Goiás, donde retornou a da Bahia em 1889, aposentando-se em seguida e indo residir em Uberaba, onde faleceu em 1899. Justiça una no tempo do Império, os magistrados ficavam sujeitos a tais remoções, enfrentando os maiores sacrifícios dadas às distâncias a vencer, sem meios rápidos de locomoção. Vale salientar que seu pai fez-se acompanhar de sua mãe e seus filhos nessas longas viagens. Terminados os estudos primários em Uberaba, com 11 anos de …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES (Para Paulo Brochado - in memorian)

JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO e                                                                 EDUARDO ROCHA                   
O DISTRITO DE RIO PRETO
A povoação do Rio Preto era antiga. Denominada de Ribeira do