Pular para o conteúdo principal

PARACATUENSES NA POLÍTICA : DO IMPÉRIO À REPÚBLICA VELHA


A lista de políticos paracatuenses que militaram na política ao longo do Império e da República Velha (1889-1930) representando a cidade é relativamente restrita, devido ao fato de só se eleger um representante a cada pleito eleitoral, bem como as reeleições sucessivas. Alguns foram eleitos por outras regiões onde se radicaram, e um deles era paracatuense por adoção. É importante lembrar que filhos e netos de paracatuenses se pontificaram na política nacional, e a título de ilustração, elencamos três que atingiram notável grau de excelência em suas áreas de atuação, quais sejam: o Marquês de Paraná Honório Hermeto Carneiro Leão,nascido em Jacuí; o Visconde de Uruguai Paulino José Soares de Sousa, nascido em Paris, filho do médico paracatuense José Antonio Soares de Sousa, e por fim Afonso Arinos de Melo Franco Sobrinho já na república.

ASSEMBLÉIA PROVINCIAL DE MINAS 
1 – Joaquim Pimentel Barbosa (1793-1853) – filho do Capitão Mor Domingos José Pimentel Barbosa e de Mariana de Moura Portela; chefe do partido conservador em Paracatu; coronel de guarda nacional; cavaleiro da Ordem de Cristo e Comendador da Imperial Ordem da Rosa; foi um dos representantes de Minas na coroação de D. Pedro II; deputado entre 1835 e 1845 – 1ª, 3ª e 5ª legislatura;
2 – Antonio da Costa Pinto (1802-1880), filho do coronel Antonio da Costa Pinto e de D. Francisca Maria Pereira de Castro; foi sem dúvida o mais destacado paracatuense no império; formado em leis na Universidade de Coimbra, ocupou todos os cargos no judiciário, atingindo o topo da carreira ao ser nomeado pelo Imperador, Ministro de STJ (atual STF) em 1870. Na política, foi deputado provincial entre 1835 e 1841; deputado geral entre 1838-1852; Presidente das Províncias de Minas (1836-37), Pernambuco (1848), e Bahia (1860-1861); agraciado com a Comenda da Ordem de Cristo, foi Conselheiro do Império;
3 – Manuel de Melo Franco (1812 -1871), filho do padre Joaquim de Melo Franco e de Maria da Cunha Branco; médico formado na França; foi um dos chefes da revolução liberal de 1842 em minas; deputado entre 1842 e 1843;
4 – Joaquim Pedro de Melo (1822-1891), filho natural do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa e de mãe incógnita, médico humanista e benemérito, substituiu seu pai como chefe do partido conservador em Paracatu; deputado entre 1850 e 1855;
5 –Virgílio Martins de Melo Franco (1839 – 1922), filho de José Martins Ferreira e de Antonia de Melo Franco; formou-se em Farmácia em Ouro Preto, e posteriormente em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco; exerceu o cargo de juiz de direito em Goiás e Minas Gerais; deputado entre 1868-1869 e 1878 e 1879;
6 - João Emílio de Rezende Costa (1845-1911), filho do Major José de Rezende Costa e de Josefa Emília Carneiro de Mendonça; advogado, foi juiz de direito e aposentou-se como Desembargador da Relação de Minas; deputado entre 1870-1875;
7 –Nelson Dário Pimentel Barbosa, filho do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa e de Ana Maria de Melo Franco; deputado entre 1882-1895;
ASSEMBLÉIA GERAL DO IMPÉRIO
1 – Bernardo Belizário Soares de Sousa (1795 -1861), filho do último guarda mor das minas de Paracatu, o português Francisco Manoel Soares de Sousa Viana e de Romana Francisca de Moura Portela, bacharelou-se em Leis em Coimbra, foi desembargador do Paço; deputado geral por quase trinta anos consecutivos pela província do Rio de Janeiro, onde se radicou e deixou descendência, entre os anos de 1830 a 1860; foi pai do Conselheiro do Império Francisco Belizário Soares de Sousa, e tio do Visconde de Uruguai;
2 – Manuel de Melo Franco, entre 1845 e 1866;
3 – Bernardo de Melo Franco (1821-1880), irmão do precedente, médico com formação na Itália, deputou entre os anos de 1867-1868;
4 – Francisco de Melo Franco, engenheiro, poeta bissexto, irmão dos precedentes, foi deputado de 1854 a 1856;
5 - Adrião Cordeiro de Campos Valadares, 1859;
6 – Joaquim Pedro de Melo, entre os anos de 1869 e 1877;
7 -  Virgílio Martins de Melo Franco, de 1878 a 1880;
ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MINAS (Congresso Mineiro)
(1ª Legislatura- constituinte)
1 – Senador – Virgílio Martins de Melo Franco (1839 - 1922), eleito senador vitalício,ocupou o cargo até 1922, ano de sua morte;
2 – Deputados: 
2.1 - Nelson Dario Pimentel Barbosa
2.2 - Eduardo Augusto Pimentel Barbosa;
A partir da 2ª legislatura:
1 – Eduardo Augusto Pimentel Barbosa (1850-1904), filho de Augusto Pimentel Barbosa e de Alzira Roquete Franco; eleito para o triênio 1895-1898; presidiu a câmara em 1895-1896; foi eleito deputado federal em 1897, sendo reeleito em 1902;
2 – Afrânio de Melo Franco (1870-1943), filho de Virgílio de Melo Franco e de Ana Leopoldina Pimentel Barbosa Pinto da Fonseca; eleito em 1902, foi deputado estadual até 1906, quando foi eleito à Câmara Federal, sendo reeleito até 1918;
3 – Franklin José da Silva Botelho, natural de Araxá, paracatuense por adoção, era irmão do coronel Fortunato Botelho; engenheiro, professor e fazendeiro, foi deputado entre 1899 e 1906;
4 – Dr. Américo de Macedo, nascido em 20/03/1864, filho de Alexandre de Macedo e de Regosina Rufina Costa; engenheiro, foi um dos construtores de Belo Horizonte; deputado entre 1902 e 1904, eleito pelo 4º distrito (Triângulo Mineiro); renunciou ao cargo ao ser nomeado prefeito da Vila de Caxambu;
Nota: segundo Olímpio Gonzaga (MH, 1910), ele apresentou projeto de lei que só concedia subsídios (o famoso Jetom) aos deputados nos dias em que comparecessem às sessões. É evidente que o projeto foi rejeitado. Isso há cem anos. Faleceu em Belo Horizonte aos 25/06/1912;
5 – Dr. Argemiro de Rezende Costa, nascido em 1878, filho do Dr. João Emílio de Rezende Costa e de Ana Leonor Pimentel Loureiro, foi deputado entre 1907 e 1937;
6 – Emílio Jardim de Rezende (1874-1948), irmão natural do precedente, radicou-se em Viçosa, onde foi Agente Executivo; eleito deputado estadual entre 1911 e 1918;
7 – Dr. Carlos Álvares da Silva Campos (1893-1955), filho do Dr. Martinho Álvares da Silva Campos Sobrinho e de D. Zulmira Loureiro Gomes, jurisconsulto e professor, foi um dos fundadores da Faculdade de Direito de BH, deixou vasta obra publicada; deputou ente 1927 e 1930; 
 
CÂMARA DOS DEPUTADOS 

1 – Eduardo Augusto Pimentel Barbosa, 1897-1904;
2 – Afrânio de Melo Franco, 1906 – 1918;
3 – Antonio Garcia Adjuto, nascido em 1867, filho de Francisco Garcia Adjuto e de Ana Cornélia de Abreu Castelo Branco, advogado e jornalista, radicou-se em Uberaba, por onde foi eleito deputado federal em 1909; a partir de então fixou residência no Rio de Janeiro; posteriormente radicou-se no Mato Grosso, onde faleceu em 1935;
4 – Emilio Jardim de Rezende (1874-1948), filho (natural) do desembargador João Emílio de Resende Costa e de Dona Virgínia de Oliveira Jardim, falecida em Viçosa em 1926, eleito representando o distrito eleitoral de Viçosa entre 1918 e 1930.
Fontes: Arquivo do autor;
Elaborado por José Aluísio Botelho
Novembro/2011

Postagens mais visitadas

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 1768 na região denominada Campo das Vertentes, MG, ele nascido na região, ela vinda de muito longe em uma longa jornada, desde a ilha Graciosa no Arquipélago dos Açores, concessão portuguesa no oceano Atlântico, passando pelo Rio Grande do Sul, e que se prolongaria até Araxá, no sertão da Farinha Podre. Depois de casados, o casal se fixou primeiramente em São José Del-Rei, aonde nasceram os dois primeiros filhos, de um total de doze. Militar de carreira, recebeu a patente de tenente em 1775, e foi caminhando com família em direção ao oeste promissor, a medida que o ciclo do ouro no Campo das Vertentes ia se esgotando. De São José, estabeleceu na chamada picada de Nossa Senhora de Oliveira, com fazenda de criar gado vacum, e na medida do avançar dos anos, iam nascendo os filhos. Pois bem, todos criados e já na idade adulta, o mais velho ordenado padre, os d…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

GUARDA-MOR JOSÉ RODRIGUES FRÓES

OS MELLO FRANCO

Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, se fixou em Paracatu por volta de 1755. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com sua parenta Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia.Tiveram os seguintes filhos:

1 – Francisco de Melo Franco, nascido a 17 de Setembro de 1757 em Paracatu, Minas Gerais. Formou em medicina na Universidade de Coimbra em 1786 e tornou-se um dos mais importantes médicos na corte portuguesa em sua época: o Alvará de 09 de junho de 1793, de D. Maria I, nomeou-o médico honorário da Real Câmara e o Alvará de 03 de agosto…

OS ROCHA DE ÁGUA BRANCA, ALAGOAS À PARACATU, MINAS GERAIS

José Aluísio Botelho
Eduardo Rocha*

O Major da Guarda Nacional Manoel Caetano Pereira da Rocha foi o iniciador da família em Paracatu.

 Natural de Água Branca, estado de Alagoas, aonde nasceu em 1844, filho de Caetano Pereira da Rocha e de Maria Rita da Conceição.Veio para Paracatu em 1869, com pouco mais de vinte anos, recomendado ao seu parente o cônego Miguel Arcanjo de Siqueira Torres, também natural de Água Branca, vigário geral da freguesia de Santo Antonio da Manga de Paracatu desde 1845, pouco mais. Era, portanto, aparentado dos Siqueira Torres que também vieram para a região, principalmente para o então distrito de Capim Branco, hoje Unaí. Manoel Caetano ao longo dos anos teve êxito nos negócios, participando ativamente da vida política e social da cidade; ocupou cargos de vereança, foi agente executivo municipal entre 1892 e 1894, bem como chefe político do Partido Liberal aliado aos seus conterrâneos Siqueira Torres, em oposição ao Partido Republicano chefiado pelo Dr. Sérgio …