Pular para o conteúdo principal

FAZENDAS ANTIGAS, SEUS DONOS E HERDEIROS EM PARACATU - 1854 E 1857.


                          A LEI DE TERRAS DE 1850

Desde a independência do Brasil, tanto o governo imperial, como os governos republicanos apresentaram inúmeros projetos legislativos na tentativa de resolver a questão fundiária no Brasil, bem como regularizar as ocupações de terras no Brasil. A lei da terra de 1850 foi importante porque a terra deixou de ser um privilégio e passou a ser encarada como uma mercadoria capaz de gerar lucros. O objetivo principal era corrigir os erros do período colonial nas concessões de sesmarias. Além da regularização territorial, o governo estava preocupado em promover de forma satisfatória as imigrações, de maneira a substituir gradativamente a mão de obra escrava. A lei de 1850, regulamentada em 1854, exigia que todos os proprietários providenciassem os registros de suas terras, nas paróquias municipais. Essa lei, porém, fracassou como as anteriores, porque poucas sesmarias ou posses foram legitimadas, e as terras continuaram a serem adquiridas sem o controle do estado, e ao arrepio da lei, através de documentação forjadas. Outro fator que levou ao fracasso da aplicação da lei foi o desinteresse das elites dominantes, políticas e econômicas, constituídas em sua maioria por fazendeiros, confirmando a tradição latifundiária do Brasil. Em Paracatu, houve uma corrida dos donos e ocupantes de terra no município, junto ao Registro Paroquial de Terras da Matriz de Santo Antônio, cujo responsável era o vigário Miguel Arcanjo Tôrres. A leitura atenta do livro de registros paroquiais entre 1854 e 1857, evidencia a presença de grandes proprietários, cuja posse da terra vinha desde os tempos coloniais e dos descobertos do ouro, bem como a fragmentação de grandes propriedades em glebas apossadas pelos herdeiros, e por terceiros adquirentes dos direitos destes mesmos herdeiros. A falta de registros e de titulação das terras é evidente, o que comprova o fracasso da lei. Apresentamos abaixo uma relação de alguns proprietários com sobrenome de famílias mais conhecidas até os dias atuais, e as respectivas fazendas ou glebas. A lista é enorme, e embora as folhas do livro estejam desordenadas dificultando a pesquisa, é possível realizar a leitura dos documentos. Os interessados em mais detalhes como a localização e divisas, extensão, etc. poderão consultar o livro no site do Arquivo Público Mineiro, no link disponibilizado no final deste artigo.

 - Ana Antonia Santiago (Loureiro) – senhora e possuidora da fazenda Brocotó, arrematada em juízo; antiga sesmaria que pertenceu ao Coronel Teodósio Caetano de Morais e a Domingos José Pimentel Barbosa;
- Antonio Avelino Pereira de Castro – senhor e possuidor da fazenda Santa Rita, com outros herdeiros;
- Antonio Constantino Lopes de Ulhoa – senhor e possuidor da fazenda denominada Lages, de grande extensão, comprada aos seus finados pais;
- Coronel Antonio Dantas Barbosa – senhor e possuidor da faz. Alferes das Éguas;
- Ana Izabel Carneiro Leão – senhora e possuidora do Sítio do Neto (antiga sesmaria), que pertenceu aos seus pais Antonio Neto Carneiro Leão e Ana Maria Lemes;
- Antonio Loureiro Gomes – senhor e possuidor da fazenda Babão;
- Antonio Mendes Santiago – senhor e possuidor da fazenda Escuro Pequeno;
- Antonio Pinheiro da Silva – senhor da fazenda Crioulas;
- Bernardo Belo Soares de Sousa – senhor e possuidor do Sítio Moinho, às margens do córrego Rico;
- Benedito Barbosa de Brito – senhor e possuidor da fazenda Taboca;
- Dr. Bernardo de Melo Franco – senhor e possuidor da fazenda Carapinas, às margens do rio Preto;
 - Carlos Firmino Pereira de Castro – senhor e possuidor da fazenda Santo Antonio;
- Caetano Rodrigues Horta – senhor e possuidor da fazenda Buraco;
- Domingos Pereira da Silva e demais herdeiros – possuidores da fazenda Estiva;
- Ten. Cel. Domingos Pimentel de Ulhoa – senhor e possuidor da fazenda Santo Antonio, às margens do rio Paracatu, antiga sesmaria que pertenceu ao capitão mor Domingos José Pimentel Barbosa. Dentro das divisas ficavam os lugares denominados Santo Antonio, Forquilha,, Olhos d’Água, Conceição, etc.;
Possuidor ainda da fazenda Guerra, Chácara Batista, bem como de inúmeras glebas de terras em outras fazendas, adquiridas por compra;
- Eugênio Freire de Andrade – senhor da fazenda Carrapato;
- Fernando Pacheco Franco – senhor e possuidor da fazenda Barra da Égua, bem como de outras glebas indivisas;
 - Florinda Rodrigues da Silva – senhora e possuidora das fazendas Patrimônio e Pouso Alegre;
- Francisco Carneiro de Mendonça – senhor e possuidor da fazenda Monjolos, no subúrbio da cidade;
- Comendador Francisco de Paula Carneiro de Mendonça (é o mesmo acima?) – senhor e possuidor da fazenda Trombas, distrito de Buritis, e dos Couros (atual Formosa), Província de Goiás, bem como da fazenda Conceição;
- Francisco de Paula Ribeiro – senhor da fazenda Barreirinho, no subúrbio da cidade;
- Francisco de Paula e Sousa – senhor dos Sítios Soares e Leitão;
- Geraldo Gomes Camacho – senhor da fazenda Cedro;
- Herdeiros de Cel. Eduardo Antonio Roquete Franco – Fazenda Boa Sorte;
- Herdeiros do Ten. Cel. Joaquim Antonio Roquete Franco – Sítio do Motta e Chácara das Posses;
- Herdeiros do Cel. Joaquim Pimentel Barbosa – glebas nas fazendas Engenho-Velho, Boa Esperança, Buritis, etc.;
- Herdeiros do Cel. Messias dos Reis Calçado – fazendas do Tombador, Santo Aurélio, Capão e Gouveia;
- Hermenegildo Francisco de Carvalho (sogro de Joaquim Pinto Brochado) – possuidor da fazenda Vargem Bonita, distrito de Rio Preto;
- Luis de França Pinheiro – senhor e possuidor de glebas nas fazendas Santa Rosa e Bezerra;
- João Alves de Souza – senhor da fazenda Buritis, às margens do rio Paracatu;
- João Baptista da Costa Pinto, e demais herdeiros seus cunhados, senhores das fazendas Barreiro, Boqueirão, Forquilha e Sítio, que pertenceram a Manoel Alves Ribeiro e sua mulher Joaquina de Ulhoa;
- João José de Santana – senhor e possuidor das fazendas Moura, Pereirinha e São Marcos;
- Dr. João de Pina e Vasconcelos – senhor e possuidor das fazendas Carvalho e Gravatá;
- João Rodrigues – senhor da fazenda São José (Barra da Égua);
- João Severino Botelho – glebas na fazenda de Estevão de Sousa;
- Joana de Melo Álvares Meireles (viúva de Joaquim Alves Meireles) – senhora de glebas na sesmaria Dona Rosa e Traíras;
- Joaquim de Sá Guimarães – senhor da fazenda Tapera;
- Joaquim de Melo Albuquerque – senhor e possuidor da fazenda Córrego Rico; herdeiro com as irmãs da fazenda São Braz;
- Cel. José Antonio Dantas Barbosa – senhor e possuidor da fazenda Carneiro;
- Dr. José de Melo Franco – senhor e possuidor da fazenda Tapera (distrito de Rio Preto), e uma chácara em São Domingos;
- Ten. José Martins Ferreira – senhor e possuidor das fazendas Cabo, Canabrava (Rio Preto), e São Pedro;
- Josefa Emília Carneiro de Rezende (viúva do Major José de Rezende Costa) – senhora e possuidora das fazendas “Fala – Verdade”(com escritura passada a José de Rezende Costa em 08/01/1840 comprada aos herdeiros do coronel Antonio da Costa Pinto), Mimoso, São Luiz (São Pedro), Rocha;
- José Severino Botelho – possuidor de glebas nas fazendas Buritis, Santa Izabel, e Escuro;
-José Thomas Pimentel Barbosa - glebas na fazenda Engenho Velho;
- Júlio César Souto – senhor da fazenda Buritis (gleba);
- Justino Batista Roquete Franco – possuidor de fazendas em glebas das sesmarias Santo Antonio e Olhos d’Água da Forquilha;
- Justiniano de Melo Franco – senhor e possuidor da fazenda Bom Sucesso;
- Manoel Alves Ribeiro – senhor e possuidor de fazenda em gleba da fazenda Curral do Fogo;
- Maria Alves Pereira e filhos – possuidores da fazenda Sucuri ou Sicuriú, por compra feita aos finados Ten. Cel. Sancho Lopes de Ulhoa e sua mulher;
- Maria Bazília Roquete (viúva do Capitão Manoel Pacheco de Carvalho) – senhora e possuidora das fazendas Retiro das Éguas, Capão, Conceição do Mato Grosso, e Bom Sucesso (rio Paracatu);
- Margarida Pimentel Soares de Sousa – senhora do sítio Tapera e de glebas na fazenda Landim;
- Mariana Eufrásia de Jesus (viúva de Ignácio Carneiro de Mendonça) – senhora e possuidora da fazenda as Nascentes;
- Vigário Miguel de Arcanjo Torres – senhor e possuidor da chácara da Água Limpa;
- Manoel Ferreira Albernaz – senhor e possuidor da fazenda da Capetinga;
- Pedro Antonio Gonçalves da Cruz – senhor e possuidor da fazenda Maneta;
- Sabino de Moura Brochado – senhor e possuidor da fazenda Deus me Livre;
- Dr. Teodósio Manoel Soares de Sousa – senhor e possuidor da fazenda (sesmaria) do Landim de Santa Izabel, bem como da fazenda Gado Bravo (distrito de Rio Preto).

Fontes: Arquivo Público Mineiro – www.siaapm.cultura.mg.gov.br >> Documentos públicos >> Repartição especial de terras públicas TP 1854-1877 >> Palavra Chave – Paracatu;
 Artigo – A lei de terras de 1850 e a reafirmação do poder básico do Estado sobre a terra. Autor: José Luiz Cavalcante. Revista Histórica, edição de 02 de Junho de 2005. Arquivo Público de SP.
(disponível online)
Escrito por José Aluísio Botelho, maio de 2012.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …