Pular para o conteúdo principal

MARECHAL PEDRO DE ALCANTARA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE



Nascido em 26 de novembro de 1883 em Salvador, Bahia. Filho do Desembargador Francisco Manoel Paraíso Cavalcante de Albuquerque e Aragão, dos Caramurus da Bahia, também natural de Salvador, e de Dona Ana Pimentel de Ulhoa, natural de Paracatu, Minas Gerais. Fez o curso primário, a começo em Salvador, depois na capital de Goiás, novamente em Salvador, e, por fim, em Uberaba, no estado de Minas Gerais. A razão explicativa desse ciclo do seu curso primário está em que, Desembargador da Relação da Bahia, foi seu pai em 1887 removido para a Relação de Goiás, donde retornou a da Bahia em 1889, aposentando-se em seguida e indo residir em Uberaba, onde faleceu em 1899.
Justiça una no tempo do Império, os magistrados ficavam sujeitos a tais remoções, enfrentando os maiores sacrifícios dadas às distâncias a vencer, sem meios rápidos de locomoção. Vale salientar que seu pai fez-se acompanhar de sua mãe e seus filhos nessas longas viagens.
Terminados os estudos primários em Uberaba, com 11 anos de idade, fez no Rio de Janeiro, concurso de admissão ao Colégio Militar, em 1895. Em 1900 completou o curso secundário com aprovação distinta. Em 1901, matriculou-se na escola Militar da Praia Vermelha, onde devido às boas notas, foi promovido a alferes-aluno, completando o curso das três armas em 1904.
Em 1906, atingindo o fim da etapa escolar, recebeu a Carta de Engenheiro Civil e Militar, o Diploma de Oficial do Estado Maior, e, por haver alcançado, nos cinco anos de estudos, aprovações em graus acima de seis (6), foi galardoado com a Carta de Bacharel em Matemática e Ciências Físicas.
Em 1907, casou-se, na cidade de Uberaba, com sua prima D. Carolina de Castro Ulhoa, filha de seu tio materno, o médico Tomás Pimentel de Ulhoa, e de Luiza Etelvina de Castro Ulhoa.
Funções – já 2º Tenente em 1907 trabalhou como engenheiro nas obras do novo abastecimento de água do Rio de Janeiro, como ano de prática, voltando ao exército em 1908. Coube- lhe então a missão de propagandear o serviço militar obrigatório no Triângulo Mineiro, tendo sido designado instrutor militar do Ginásio Diocesano de Uberaba.
Aí, preparou durante 4 anos, várias turmas de reservistas do Exército. Produziu várias conferências de propaganda, fundou linhas de tiro e escreveu uma Cartilha do Cidadão, sobre o serviço militar. Nesse período, nasceram dois de seus filhos: Francisco e Maria Luisa.
Promovido em 1911 ao posto de 1º tenente (arma de cavalaria) foi mandado continuar nas mesmas funções e nomeado, cumulativamente, delegado do Estado Maior do Exército junto à Estrada de Ferro Mogiana.
Em 1914, foi convidado pelo Dr. Wenceslau Braz, Presidente da República, para fazer parte de sua Casa Militar, onde participou da Liga de Defesa Nacional, órgão civilista de propaganda que ecoou por todo o país. Permaneceu na Casa Militar durante todo o governo Wenceslau, prosseguindo nas mesmas funções nos governos seguintes, de Rodrigues Alves e Delfim Moreira. Nesse período, contratou uma missão militar francesa no intuito de elevar o nível deficiente da educação ministrada pelo exército, instruindo os quadros de oficiais. Em 1921, já capitão, foi nomeado instrutor da escola do Estado Maior. Promovido a major em 1922, foi mantido no cargo até 1927, quando, com a patente de tenente-coronel assume o comando de um regimento de cavalaria no RS. Coronel em 1929, sempre pelo princípio do merecimento, regressa à capital federal para exercer o cargo de chefe de Seção de Operações do Estado Maior da Arma.
Em julho de 1933, assume as funções de chefe de gabinete do ministro da guerra, general Augusto do Espírito Santo Cardoso. Ocupou a direção da pasta, interinamente, devido à doença do titular, em janeiro de 1934. Neste mesmo ano, já general de brigada, coube-lhe exercer o comando da 9ª Região Militar no estado de Mato Grosso. Retorna à capital federal em 1935, onde assume a subchefia do Estado Maior da Arma.
Foi na Inspetoria Geral de Ensino do Exército, criada em 1937, no cargo de Inspetor Geral do novo órgão, destinado a concentrar a direção didática e disciplinar de todos os estabelecimentos de ensino do exército, que ele teve atuação destacada, promovendo a modernização, aperfeiçoando e elevando os níveis educacionais de todas as escolas militares espalhadas por todo o país.
Por fim, retomou a idéia do então coronel José Pessoa lançada anos atrás, articulando junto ao ministro da guerra, providências para a realização do projeto da nova escola militar formulada por aquele militar, lançando a pedra fundamental da Escola Militar de Agulhas de Agulhas Negras. Administrou sua construção até quase sua conclusão, porque foi designado em 1941, ao ser promovido a general de divisão, para comandar a 5ª Região Militar, com sede em Curitiba. No ano seguinte comanda a 4ª Região Militar com sede em Juiz de Fora. Mesmo em funções de comando, sempre continuou a desenvolver suas atividades no plano educacional dentro do exército. Durante a guerra, entre 1943 e 44, esteve no norte- nordeste a frente da Inspetoria, executando missões delicadas e importantes, em virtude de ser o nordeste a zona mais ameaçada de invasão por parte do inimigo nazista. Em 1947, assume seu último cargo de comando, quando é designado para a zona militar do centro, compreendendo os estados de MG, SP, GO e MT.
Passa à reserva em 1948, ao atingir a idade limite de permanência na atividade do exército, no posto de general de exército, sendo, ulteriormente promovido a marechal pelos serviços que prestou em tempo de guerra.
Medalhas e condecorações:
- Grande Oficial do Mérito Militar; Comendador da Legião de Honra; Grande Oficial da Ordem do Mérito do Chile e da Ordem do Sol do Peru; Medalha de Guerra; Medalha de serviço co passadeira de platina; Medalha do Cinquentenário da República etc.
Bibliografia:
- Escreveu diversos artigos para jornais ao longo da vida;
- Publicou várias conferências proferidas de cunho militar;
 - Publicou os livros A Presidência Wenceslau Braz e Lições de Tática de Cavalaria;
- Seguindo a Trilha e Ainda Seguindo a Trilha (3 volumes), contendo discursos, orações e conferências sobre matérias profissionais, educacionais e cívicas.
Três de seus filhos foram militares de carreira, e um deles professor na escola militar. Dentre eles, o general Armando Cavalcante que se destacou como importante compositor de marchas carnavalescas, entre as décadas de 1940 e 60, e o jornalista Francisco Paraíso Cavalcanti de Albuquerque, morto em 1960.
Faleceu em 18/05/1960 aos 75 anos de idade.

Biografia transcrita, com adaptações sem alterar o texto original e acréscimos na genealogia, da revista do Instituto Histórico e geográfico Brasileiro, volume 241, outubro/novembro de 1958, escrita por Maria Carolina Max Fleiuss.

Postado por José Aluísio Botelho, dezembro de 2012.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…