Pular para o conteúdo principal

O PARACATUENSE JOSÉ RODRIGUES DE LIMA E SUA DESCENDÊNCIA ILUSTRE




Natural da freguesia de Santo Antonio da Manga do Paracatu, filho legítimo de João Rodrigues de Melo, natural de Viana do Castelo e de dona Maria Francisca Cordeiro, natural de Itu, São Paulo. João Rodrigues de Melo já era morador nas minas do Paracatu em 1748, quando adquire datas minerais no córrego de São Domingos, e minerava com 14 escravos; José Rodrigues de Lima era neto paterno de Domingos Rodrigues de Lima e de Maria Nunes, também naturais de Viana do Castelo, Portugal e de Francisco Leme do Prado e de Francisca Cordeiro de Godoy, naturais da dita vila de Itu, São Paulo, e que segundo documento por nós compulsado, chegou às minas em 1751.
Casamento - avós de José Rodrigues de Lima  
Batismo do pai João Rodrigues de Melo

Nota: José Rodrigues de Lima comparece ao censo de 1831 em Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo, onde declara ser branco, casado com 60 anos, lavrador e criador, com 50 escravos.
 Casou aos 28 de agosto de 1799, na capela da Piedade da Borda do Campo com Maria Antonia de Oliveira nascida a 25 de setembro de 1775, e batizada na mesma capela a 04 de outubro do mesmo ano, filha legítima do coronel José Aires Gomes e de Maria Inácia de Oliveira. Dona Maria Antonia de Oliveira teve como padrinho de batismo o governador da Capitania de Minas Gerais à época, Dom Antonio de Noronha. Ainda era viva em 1831. Transcrição do assento de casamento: “Aos vinte e oito de agosto de mil setecentos, e noventa e nove depois de feitas as denunciações na forma do Sagrado Concílio Tridentino sem se descobrir impedimento algum com Provisão do Reverendo Doutor Vigário da vara desta comarca na Capela de senhora da Piedade da Caxoeira filial desta Matriz de Barbacena o Padre João Roiz de Melo de licença minha assistiu ao Sacramento do Matrimônio aos Contraentes José Roiz de Lima, filho legítimo de João Roiz de Melo e Maria Francisca Cardosa, natural e batizado na freguesia de Santo Antonio da manga do Paracatu, Bispado de Pernambuco, e Maria Antonia de Oliveira, filha legítima de José Ayres Gomes e Maria Inácia de Oliveira, natural e batizada nesta freguesia e lhes dei as benções nupciais na forma do Ritual Romano do que foram testemunhas o Capitão Mor Manoel Sá Fortes, e Tomas Carlos de Souza. De que mandei fazer este assento e assinei. O Vigário Dom Agostinho Pitta de Castro.”

Filhos:
1 – Ana Cândida de Lima, nascida aos 06 de setembro de 1800 na fazenda da Borda do Campo. Casou duas vezes:
1ª vez com Joaquim Vidal Barbosa Lage, filho de Manoel Vidal Barbosa Lage e de Maria Perpétua do Rosário. O casal comparece ao censo de 1831 no distrito de Chapéu das Uvas, freguesia de Juiz de Fora, onde ele declara ter 44 anos de idade e ela 30 anos;
Filha:
1.1 - Maria Cândida de Lima c.c seu tio, o comendador Francisco de Paula Lima, adiante;
2ª vez, depois de 1836, com José Cesário de Miranda Ribeiro, visconde de Uberaba; esse casamento a fez viscondessa de Uberaba; faleceu no Rio de Janeiro em 1880;
2 – Maria Carlota de Lima, batizada na capela da Borda do Campo aos 25 de setembro de 1803, faleceu em 10 de outubro de 1866. Casou com o capitão Manoel Vidal Barbosa Lage, irmão de Joaquim Vidal Barbosa Lage ut supra falecido aos 16 de outubro de 1835; O casal comparece ao censo de 1831 na freguesia de Chapéu das Uvas, distrito de Juiz de Fora, onde ele declara ter 50 anos e ela 27 anos de idade; declara a filha Maria Perpétua com 13 anos de idade;
Nota: esse Manoel Barbosa Lage é objeto de equívocos em diversas genealogias.
Filha:
2.1 – Maria Perpétua Lage, nascida em 1818, e falecida aos 27 de fevereiro de 1837, provavelmente devido a complicações do parto e/ou puerpério; casada com Leandro Barbosa Lage.
Filho:
2.1.1 - coronel Manoel Vidal Barbosa Lage, nascido aos 13 de fevereiro de 1837, e falecido em 24 de maio de 1888;
3 – Constança Emídia de Lima, batizada na capela da Borda do Campo aos 17 de abril de 1805; faleceu aos 80 anos de idade em 02 de fevereiro de 1885. Casou com o Alferes Feliciano Coelho Duarte aos 14 de fevereiro de 1825, na dita capela.
Em 1831 o casal residia no distrito de Guarapiranga, onde ele declara ao censo ser branco, casado, com 30 anos, Juiz de Paz e lavrador com 29 escravos.
Filhos:
3.1 – Feliciano Coelho Duarte faleceu no 5º ano de direito em São Paulo;
3.2 – José Rodrigues de Lima Duarte, nascido em Barbacena em 1826. Médico formado em 1849 no Rio de Janeiro, membro do Partido Liberal, presidente da Câmara Municipal de Barbacena entre os anos de 1861 e 1881; deputado provincial entre os anos de 1854 e 1860; deputado geral do Império entre os anos de 1859 e 1884, e senador do Império entre os anos de 1884 e 1889; ministro da marinha entre 1880 e 1882; conselheiro do Império; primeiro e único barão e depois Visconde de Lima Duarte; faleceu aos 4 de dezembro de 1896; com descendência; deu seu nome à cidade de Lima Duarte;
3.3 – Josefina Cândida Duarte, casada com Leandro Barbosa Lage;
3.4 – Carlota Duarte de Miranda Ribeiro, casada com o Dr. Romualdo César Monteiro de Miranda Ribeiro (1º matrimônio deste);
3.5 – Maria Cândida Duarte Penido, casada com o Dr. João Nogueira Penido, casal tronco dos Penido e Penido Burnier;
3.6 – Constança Emídia Duarte casou com seu cunhado, viúvo de 3.4;
3.7 – Maria Henriqueta Duarte casada com o capitão José Manuel Miranda; desse casal descendem os Miranda, Miranda Jardim;
3.8 – Adelaide Duarte de Andrada casada com o Dr. Antonio Carlos Ribeiro de Andrada, natural de Santos, falecido na fazenda da Borda do Campo aos 26 de dezembro de 1893. Deles descendem o ramo mineiro dos Andradas:
- Dr. Martim Francisco Duarte de Andrada;
- Dr. José Bonifácio de Andrada e Silva;
- Dr. Antonio Carlos Ribeiro de Andrada, presidente de Minas;
- Coronel João Evangelista Ribeiro de Andrada;
4 – Francisca Cândida de Lima, nascida na fazenda Borda do Campo, casou com o Alferes Francisco Coelho Duarte Badaró, aos 25 de agosto de 1826 na capela da Piedade da Borda do Campo;
Em 1831 o casal residia no distrito de Guarapiranga, onde ele declara ao censo ser branco, casado, com 40 anos, lavrador com 35 escravos; ela declara ter 18 anos (sic) – casou com 12 anos?
Filhos:
4.1 – Constância Duarte casada com Joaquim Pedro Vidigal de Barros;
4.2 – José Coelho Duarte Badaró, pai do Dr. Washington Badaró;
4.3 – Maria Adelaide Duarte casada com o coronel Fortunato Vidigal de Barros;
4.4 – Olímpia Duarte casada com Antonio Vidigal de Barros;
4.5 – Henriqueta Amélia Duarte Badaró casada com o Dr. Afonso Antonio Portugal, médico, descendente de Dom Manuel de Portugal e Castro, que foi governador da Capitania de Minas Gerais entre 1814 e 1822;
4.6 – Justiniano Coelho Duarte Badaró casado com Olímpia Badaró, pais do Dr. Francisco Coelho Duarte Badaró, deputado geral no Império e na República;
4.7 – Elisa Duarte casada com o senador Firmino Rodrigues da Silva;
5 – Comendador Francisco de Paula Lima, batizado na capela da Borda do Campo aos 22 de março de 1810, e Faleceu em Juiz de Fora em 26/11/1865. Poderoso latifundiário em Antonio Carlos e Juiz de Fora, Minas Gerais, deixou em partilha 204 escravos, além dos bens de raiz. Transcrição do seu assento de batismo: “Aos vinte e dois dias de março de mil oitocentos e dez anos na Capela da Borda do Campo filial desta Matriz de Barbacena o padre Neutel Vaz de Mello de licença minha batizou e pos os Santos óleos a Francisco filho legítimo de José Roiz de Lima, e de Dona Maria Antonia de Oliveira Foi Padrinho o cel. Romualdo Monteiro de Barros por procuração ao Padre Manoel Roiz Costa, do que mandei fazer este assento. O vigário José Joaquim Ferreira (...)”
Casou duas vezes:
1ª vez com sua sobrinha Maria Cândida de Lima (1.1), sem descendentes;
2ª vez com Francisca Benedita Monteiro de Barros, nascida aos 17/2/1824 e falecida em 27/10/1877, filha do Visconde de Uberaba e de Dona Maria José Monteiro de Barros, e neta materna dos barões de Paraopeba; Filhos:
5.1 – José Aires de Miranda Lima;
5.2 – Francisco de Paula de Lima filho;
5.3 – José Cesário de Miranda Lima;
5.4 – Maria José Monteiro de Castro casada com o deputado provincial Lucas Mateus Monteiro de Castro;
5.5 – Dr. Teotônio de Miranda Lima, deputado provincial mineiro;
5.6 – Constança de Miranda Lima casada com Manuel Vidal Barbosa Lage;
5.7 – José Rodrigues de Miranda Lima;
5.8 – Coronel João Evangelista de Miranda Lima;
5.9 – Romualdo César de Miranda Lima;
5.10 – Marcos Antonio de Miranda Lima;
5.11 – Francisca de Paula e Silva casada com o coronel Pedro Carlos da Silva, natural de Valença, RJ;
5.12 – Benjamin de Miranda Lima;
5.13 – Lucas Antonio de Miranda Lima, falecido solteiro;
5.14 – Antonio Carlos de Miranda Lima, falecido solteiro.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 No Arquivo Municipal de Paracatu, existe um processo de habilitação de Genere, datado de 1790, onde um João Rodrigues de Melo solicita ordenação a “serviço de deus nas ordens menores.” Curiosamente, o padre celebrante do casamento de José Rodrigues de Lima, chamava-se João Rodrigues de Melo. Esse padre paroquiou na capela da Borda do Campo até 1802, quando se transfere para o distrito de João Gomes. Aí, comparece ao censo de 1831, onde declara ter 64 anos de idade. Tudo indica que eles eram irmãos.Outros irmãos de José Rodrigues de Lima:

1 - Inês Francisca de Lima, casada com Amaro da Silva Xavier; filho descoberto:

1.1 - José, batizado em 15/02/1776;
 
2 - Francisca, batizada em 13/12/1765 em Paracatu;

3 - Francisco, batizado aos 23/10/1775 em Paracatu, sem mais notícias;

4 - Matilde, nascida em 08/06/1780 e batizada em 15 do mesmo mês e ano, em Paracatu;

                   ASCENDÊNCIA DE MARIA ANTONIA DE OLIVEIRA

O pai: Coronel José Aires Gomes, nascido em 1734 na freguesia do Engenho do Mato (Chapéu das Uvas), termo de Barbacena, comarca de São João Del Rei, filho legítimo de João Gomes Martins, natural da freguesia de Gondifelos, termo de Barcelos, conselho de Vila Nova do Famalicão, Portugal, e de Clara Maria de Melo, natural do Rio de Janeiro; João Gomes Martins deu seu nome ao primitivo arraial de João Gomes, atual cidade de Santos Dumont;
José Aires Gomes foi um abastado fazendeiro na região da Mantiqueira, dono de inúmeras sesmarias, sendo a mais importante e que se tornou lendária, a tricentenária fazenda da Borda do Campo, situada no caminho Novo das Minas para o Rio de Janeiro. Essa fazenda foi fundada em 1703 por Domingos Rodrigues da Fonseca Leme, que posteriormente a vendeu para o coronel Manuel Lopes de Oliveira que a cedeu para pagamento de dívidas ao capitão Francisco Gomes Martins, irmão mais velho de José Aires Gomes. Francisco Gomes vendeu a sesmaria para seu irmão José Aires Gomes, e por fim, Dona Maria Inácia, já viúva, a passou ao seu genro José Rodrigues de Lima em 1800, e, pelo menos até o início de século vinte, achava-se em poder de seus descendentes, a família Ribeiro de Andrada e Silva.
O inconfidente José Aires Gomes – a fazenda Borda do Campo, situada à beira da estrada das Minas para o Rio de Janeiro, oferecia ótimo pouso e hospedagem aos viandantes que por lá passavam. Tiradentes por ali passara inúmeras vezes, e nos pernoites trocava impressões e expandia suas idéias junto ao seu anfitrião com o objetivo de atrair companheiros e seguidores para sua causa. Daí ter sido José Aires Gomes denunciado, preso, e mesmo com provas incipientes foi condenado ao degredo para Moçambique na África, aonde veio a falecer com pouco mais de 60 anos. Seus bens foram confiscados e colocados à praça pública, para ser então, arrematada por sua esposa Dona Maria Inácia de Oliveira.
A mãe - Maria Inácia de Oliveira, nascida aos 31 de julho de 1744, e batizada na Capela da Borda do Campo aos 02 de setembro do mesmo ano, filha legítima do coronel Manoel Lopes de Oliveira, português de São Pedro do Couto de Pedroso, freguesia do Porto, e de dona Ana Maria dos Santos, natural do Rio de Janeiro. O casamento deles celebrou-se aos 26 de julho de 1743. O coronel Manoel Lopes de Oliveira fez testamento com codicilo de 20 de janeiro de 1768, e foi inventariado em 1769. Dona Ana Maria dos Santos foi inventariada em 1747. Dona Maria Inácia de Oliveira ainda vivia em 1820.
Nota: o outro filho desse casal, o padre José Antonio Lopes de Oliveira, nascido aos 05 de junho de 1746 na fazenda Borda do Campo, viveu em Lisboa, onde faleceu em 1804.
O inconfidente José Aires Gomes e Dona Maria Inácia de Oliveira se casaram, provavelmente, no início de 1770. Ilação: em um assento de batismo de agosto de 1768, dona Maria Inácia, madrinha, se declara solteira. Em outro assento de batismo ocorrido no início de abril de 1770, ela e José Aires Gomes, já casados, batizam uma criança. Portanto, embora não tenhamos encontrado o assento de casamento de ambos, deduzimos que o mesmo tenha ocorrido no intervalo das duas datas. Filhos:
1 – *João Ribeiro Gomes, nascido na fazenda Borda do Campo (?). Não encontramos seu assento de batismo. Parece ter sido o filho primogênito. Em 1799, ele é o inventariante do padre Manoel Dias de Sá, seu tio materno; em 1816, ele estava envolvido com a quitação das dívidas deixadas por seu pai. Casou com Rita Teodora de Sousa. Filhos descobertos:
1.1 – Maria, batizada aos 14 de janeiro de 1791 na capela da Borda do Campo;
1. 2 – Ana, batizada aos 04 de maio de 1794 na capela da Borda do Campo;
*Ilação: Não encontramos o assento de batismo de João Ribeiro Gomes. Seria filho natural do coronel José Ayres Gomes havido antes do casamento?
2 – Ana Maria Perpétua de Oliveira, nascida aos 03 de março de 1771 na fazenda Borda do Campo. Casou duas vezes:
1ª vez em 20 de junho de 1785 com o capitão Antonio de Miranda Magro, falecido aos 14 de julho de 1792; filhos descobertos:
2.1 – Antonio, batizado aos 24 de dezembro de 1786;
2.2 – João, batizado aos 20 de fevereiro de 1790;
2ª vez em 17 de abril de 1793 com José Gomes Azevedo; filho descoberto:
2.3 – José, batizado ao 1 de junho de 1796;
3 – José Aires Gomes, nascido aos 12 de fevereiro de 1773 na fazenda Borda do Campo, e falecido solteiro aos 7 de janeiro de 1795;
4 – Joaquim, batizado aos 23 de julho de 1774; sem mais notícias;
4 – João Aires Gomes, nascido aos 09 de setembro de 1777 na fazenda Borda do Campo; foi seu padrinho de batismo o célebre comerciante João Rodrigues de Macedo; casou com Francisca de Paula Rabelo em 27 de fevereiro de 1804;
5 – Clara Maria de Jesus, nascida aos 02 de julho de 1780, e falecida aos 28 de fevereiro de 1792;
6 – Antonio, nascido aos 18 de setembro de 1781; sem mais notícias;
7 – Francisca, batizada aos 03 de março de 1783; sem mais notícias;
8 – Joana Inácia, batizada aos 08 de março de 1785, e falecida aos 13 de abril de 1792;

 Fontes:
1 – Genealogias da Zona do Carmo, Cônego Raymundo Trindade, 1943;
2 – A Fazenda da Borda do Campo, Dr. José Bonifácio de Andrada e Silva, in Correio Paulistano, 1907;
3 – Poplin-Minas 1830 – Censos Provinciais de 1831 – 32: listas nominativas relativas a Borda do Campo, Chapéu das Uvas, Guarapiranga e João Gomes;
4 – Family search – Registros Paroquiais de Barbacena, Minas Gerais.

Pesquisa e texto – José Aluísio Botelho. Abril de 2014.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …