Pular para o conteúdo principal

ROQUETE FRANCO


Por José Aluísio Botelho                     

Família iniciada em Paracatu na década de 1770, com o casamento do capitão José Batista Franco, natural de Itacambira, Minas Gerais, filho do Guarda Mor Manoel Batista 


Franco e de Maria da Conceição Nunes de Oliveira, com Caetana Maria Roquete, filha de Pedro Antonio Roquete e de Caetana Maria da Silva, falecida em 1846. Percorrendo os livros de registros de terras públicas relativos à Paracatu, entre 1854 e 1856, deduz-se que foram abastados proprietários de terras em Santana dos Alegres (atual João Pinheiro). Filhos descobertos:

A – Josefa Maria Batista Roquete Franco, nascida em 1780, casada com o coronel João José Carneiro de Mendonça – 1º tronco da família Carneiro de Mendonça, com descendência em Araxá e Rio de Janeiro;

B – Joaquim Antonio Roquete Franco, casado com Francisca Pimentel Barbosa, filha do comendador Joaquim Pimentel Barbosa e de sua primeira esposa Josefa Soares de Sousa.

 Filhos:

B1 – Josefa Roquete Franco, esposa do médico Dr. Joaquim Pedro de Melo, seu tio, por ser ele, filho natural do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa; 
B2 – Alzira Roquete Franco, casada com Augusto Pimentel Barbosa, seu tio.

Filhos:

Tn1 - Eduardo Augusto Pimentel Barbosa (1850-1904), deputado estadual mineiro, deputado federal, professor de português na antiga escola normal de Paracatu;

Tn2 – Augusta Pimentel Barbosa, professora na escola normal de Paracatu, casada com Fernando Gonçalves de Ulhoa;

C – Vitória Batista Roquete Franco, casada que foi com Manoel Carneiro de Mendonça, 2º tronco em Paracatu, da família Carneiro de Mendonça, com vasta descendência em Paracatu, Triângulo Mineiro e Goiás;

D – Pedro Antonio Roquete Franco, casado que foi com Maria Antonia de Melo Franco, filha de Manoel da Costa Cardoso e de Bárbara de Melo Franco; filho:
D1 - Pedro Antonio Roquete Franco, falecido em 01\03\1882;

E – Júlio Antonio Roquete Franco; foi o último Guarda mor das Minas da vila de Paracatu do Príncipe, cargo assumido em 1816; foi casado com Clara Soares de Siqueira; filhos descobertos:
E1 - Francisco, nascido em 08/03/1817;
E2 - José Antonio Roquete Franco, nascido em 1821;
E3 - Coronel Justino Batista Roquete Franco, nascido em 1823, casado em 1849 com Mariana Pimentel de Ulhoa, nascida em 1819, viúva de Francisco de Melo Franco Bueno, falecido em 1844;

F – Coronel Eduardo Antonio Roquete Franco, casado que foi com Maria Pimentel Barbosa, a segunda do nome, filha do comendador Joaquim Pimentel Barbosa e de sua primeira esposa Josefa Soares de Sousa.

Filhos:

F1 – Eduardo Antonio Roquete Franco;
F2 – João Jaques Roquete Franco, o poeta Janjão, descobridor e divulgador da obra literária e musical do padre Domingos Simões da Cunha, nascido em 1828 e falecido em 04/09/1880; casou em 20/01/1848 com sua tia Flávia Augusta Pimentel Barbosa, nascida em 1830, filha do Comendador Joaquim Pimentel Barbosa e de Ana Maria de Melo Franco;
F3 – Melchior Roquete Franco;
F5 – José Roquete Franco;
F6 – Flávia Roquete Franco;
F7 – Augusto Roquete Franco;

G – Flávia Domitília Batista Roquete Franco, falecida solteira, sem descendência;

H – Maria Basília Batista Roquete Franco, casada que foi com capitão Manoel Pacheco de Carvalho, abastado proprietário rural no distrito de Alegres, hoje João Pinheiro; filhos:

H1 - Fernando Pacheco Franco;
H2 - Manoela Pacheco de Carvalho, casada com Joaquim de Melo Albuquerque, nascido em1809 e falecido em 14/11/1880, com descendência;
H3 - Francisco Pacheco de Carvalho, falecido solteiro;
H4 - Matilde Pacheco de Carvalho, casada em 1833 com José Carneiro de Mendonça;

I – Francisca Inocência Roquete Franco, casada que foi com o Comendador Joaquim Pimentel Barbosa, ocupando o segundo leito, com descendência;

J - Tenente José Batista Franco Júnior, nascido em 1775, casado entre 1806 e 1807 com Mariana Rodrigues Fróes;

K - João Batista Roquete Franco,falecido em 1882; casado com Maria Pimentel Barbosa, filha do capitão Domingos José Pimentel Barbosa e de Mariana Bárbara de Moura.
Nota: o casal Pedro Antônio Roquete e dona Caetana da Silva tiveram o filho coronel Francisco Antônio Roquete, batizado em 02/06/1758 no arraial de Paracatu. 
Em documentos compulsados no projeto resgate da Biblioteca Nacional, encontramos notícias dele, que seguiu a carreira militar: - declara ele, que sentou praça voluntária no Regimento de Cavalaria regular em Vila Rica(Ouro Preto) no posto de Cadete em 1785, e lá permaneceu durante 15 anos;- em 05/09/1801 torna-s e tenente de Cavalaria em São João Del Rei:"Hei por bem fazer mercê a VAR de o nomear Tenente de 2º Regimento de Cavalaria da Capitania de Minas Gerais"; - Passa ao Reino, após receber licença de seu batalhão. Porém, transgride a norma, e permanece em Lisboa extrapolando a licença; suplica e obtém perdão real, solicitando ele ajuda em dinheiro para retornar à colônia e ao seu batalhão; no mesmo ano de 1801, pede transferência para a Vila de Paracatu, onde vive sua mãe "muito velha" e seus irmãos.
Foi comandante do batalhão de Paracatu entre 1802 e 1810. 
Não se tem notícia ter sido casado e/ou se deixou filhos legítimos ou naturais.
Disponibilizamos a imagem de seu batismo, mesmo estando em mau estado de conservação.


FONTES:
1 Arquivo Pessoal;
2 Arquivo Público Mineiro - Terras Públicas;
3 Livro paroquial da igreja matriz de Santo Antônio da Manga de Paracatu - Arquivo Público de Paracatu;
4 Projeto Resgate da Biblioteca Nacional - verbete: Francisco Antônio Roquete. 
Outubro de 2014. Atualizado em novembro de 2017.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em