Pular para o conteúdo principal

NOTAS GENEALÓGICAS - OS GAIA DE UNAÍ, MINAS GERAIS

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

(Mandado por Geralda Gislene Torres Gonçalves), com adaptações e acréscimos.

Sobrenome toponímico originário de Vila Nova de Gaia, região metropolitana do Porto, Portugal.
Por volta de 1845, na poeira do padre cônego Miguel Arcanjo Torres, nomeado vigário-geral da comarca de Paracatu, vieram Porfírio e Martinho Gaia, parentes, provavelmente oriundos de Santana de Ipanema, estado de Alagoas.

1 Capitão Porfírio Rodrigues Gaia, casado com Flávia de Melo Franco, filha de Francisco de Melo Franco Bueno, falecido em 1844 aos 33 anos, e de Mariana Pimentel de Ulhoa (primeiro casamento desta).


Filhos:

1.1 Manoel Rodrigues Gaia, falecido solteiro aos 27 anos de idade em 11/04/1896 na cidade de Palma, MG; normalista pela Escola Normal de Paracatu em fins de 1886, professor público, artista plástico por excelência;

1.2 João Gaia, casado com Luzia Alves de Souza, com quem teve a filha única:

1.2.1 Flávia Gaia Alves, casada com Djalma Torres, escrivão do crime por longos anos em Unaí. Uma das principais ruas da cidade leva o seu nome. O casal deixou grande descendência em Unaí.

1.3 Mariana Gaia, foi casada em primeiras núpcias com Pedro Brochado. Casou-se 2ª vez com o coronel Filadelpho de Souza Pinto, natural da Bahia, radicado em Unaí, onde foi figura de destaque. Dona Mariana não deixou descendentes dos dois leitos.


2 Martinho Rodrigues Gaia (seria sobrinho do capitão Porfírio Gaia), órfão, veio para Paracatu com 15 anos de idade, trazido pelo padrinho, o vigário Miguel Arcanjo Torres, com quem viveu até atingir a maioridade (história oral de família). No antigo distrito do Rio Preto foi proprietário das fazendas Boa Esperança, Cachoeira e de outras menores. Foi casado duas vezes:
1ªvez com Hermenegilda Francisca de Moraes, filha de Hermenegildo Francisco de Moraes, natural da freguesia de Bom Sucesso, termo da Vila de São José (Tiradentes) e de Maria Francisca de Sousa.

Filhos:

2.1 Porfírio Gaia, foi casado com Ana Alves Ribeiro; filhos:
2.1.1 João Gaia Primo;
2.1.2 Célia Ribeiro Gaia;
2.1.3 Maria da Conceição Ribeiro Gaia;
2.1.4 Geraldo Ribeiro Gaia;
2.1.5 Antônio Ribeiro Gaia;

2.2 Júlia Gaia, foi casada com Pedro de Siqueira Torres, filho de Luiz Vieira de Siqueira Torres e de Maria Cândida Meireles; filhos:
2.2.1 Maria Torres Gonçalves;
2.2.2 Antonieta Torres;

2.3 Artur Gaia, foi casado com Amélia Alves de Souza, filha de Luiz Alves de Souza e Ermelinda Martins Ferreira, com descendência.

2ªvez com Marinha da Silva Lara.

Filhos:

2.4 Maria Pastora Gaia, que foi casada com Antônio Ulhoa Santana, nascido em 1912 em Paracatu, filho de Luiz José de Santana Júnior e de Adília Ulhoa;
Filhos:
2.4.1 José Augusto;
2.4.2 Nilza;
2.4.3 Terezinha;
2.4.4 Marcos;
2.4.5 Ione;
2.4.6 Sílvia;
2.4.7 Júnia;
2.4.8 Maria Isabel.

2.5 Maria dos Santos Gaia, casada que foi Romero Ulhoa Santana, nascido em 1909 em Paracatu, filho de Luiz José de Santana Júnior e de Adília Ulhoa; prefeito de Unaí por dois mandatos:1948-1950 e 1955-1958; foi o doador do terreno onde foi construída a antiga sede da Prefeitura Municipal. Pais de:
2.5.1 Dayse;
2.5.2 Sílvio;
2.5.3 Roberto;
2.5.4 Ronaldo;
2.5.5 Ramon;

2.6 Martinho Gaia Filho, foi casado com Amélia da Silva Lara. Ocupou o cargo de oficial de justiça por ocasião da instalação da Comarca de Unaí em 1955.

Filhos:  (colaboração de Camila Gaia)
 
2.6.1 Domingos da Silva Gaia; filhos:
2.6.1.1 Renata Gomes Gaia;
2.6.1.2 Rebecca Gomes Gaia;

2.6.2 Cláudio Silva Gaia; filhos:
2.6.2.1Thelmo Leandro Dias Gaia; filhos:
2.6.2.1.1 Pedro Henrique Coutinho Gaia;
2.6.2.2.2Vinícius Coutinho Gaia;
2.6.2.2.3 Helena Mendes Gaia;
2.6.2.2.4 Beatriz Mendes Gaia;
2.6.3 Andria Dias Gaia; 
2.6.4 Cláudia Dias Gaia;

2.6.3 Maria Nazaré Silva Gaia; filhos:
2.6.3.1 Fábio Rogério Gaia Lima;
2.6.3.2 Fabiana Gaia Robinson; teve a filha:
2.6.3.2.1 Valentina Gaia Landim;
2.6.3.3 Lana Gaia Robinson; teve o filho:
2.6.3.3.1 Thiago Gaia Borges;

2.6.4 Maria Antônia Gaia; teve os filhos:
2.6.4.1 Lara Gaia Silva;
2.6.4.2 Rafael Gaia Silva;

2.6.5 Martinho Lara Gaia;
2.6.6 Márcia Silva Gaia; teve os filhos:
2.6.6.1 Camila Lara Gaia e Carvalho;
2.6.6.2 Juliana Lara Gaia Jardim;

2.6.7 Maria José Gaia Pereira; teve os filhos:
2.6.7.1 Francisco Júnior Gaia Pereira; filho:
2.6.7.1.1Theo Gaia Freschi;
2.6.7.2 Lorena Gaia Pereira;
2.6.7.3 Larissa Gaia Pereira.

Postagens mais visitadas

MARECHAL PEDRO DE ALCANTARA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

Nascido em 26 de novembro de 1883 em Salvador, Bahia. Filho do Desembargador Francisco Manoel Paraíso Cavalcante de Albuquerque e Aragão, dos Caramurus da Bahia, também natural de Salvador, e de Dona Ana Pimentel de Ulhoa, natural de Paracatu, Minas Gerais. Fez o curso primário, a começo em Salvador, depois na capital de Goiás, novamente em Salvador, e, por fim, em Uberaba, no estado de Minas Gerais. A razão explicativa desse ciclo do seu curso primário está em que, Desembargador da Relação da Bahia, foi seu pai em 1887 removido para a Relação de Goiás, donde retornou a da Bahia em 1889, aposentando-se em seguida e indo residir em Uberaba, onde faleceu em 1899. Justiça una no tempo do Império, os magistrados ficavam sujeitos a tais remoções, enfrentando os maiores sacrifícios dadas às distâncias a vencer, sem meios rápidos de locomoção. Vale salientar que seu pai fez-se acompanhar de sua mãe e seus filhos nessas longas viagens. Terminados os estudos primários em Uberaba, com 11 anos de …

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO

 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna: herdou de seu pai o engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum regist…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 1768 na região denominada Campo das Vertentes, MG, ele nascido na região, ela vinda de muito longe em uma longa jornada, desde a ilha Graciosa no Arquipélago dos Açores, concessão portuguesa no oceano Atlântico, passando pelo Rio Grande do Sul, e que se prolongaria até Araxá, no sertão da Farinha Podre. Depois de casados, o casal se fixou primeiramente em São José Del-Rei, aonde nasceram os dois primeiros filhos, de um total de doze. Militar de carreira, recebeu a patente de tenente em 1775, e foi caminhando com família em direção ao oeste promissor, a medida que o ciclo do ouro no Campo das Vertentes ia se esgotando. De São José, estabeleceu na chamada picada de Nossa Senhora de Oliveira, com fazenda de criar gado vacum, e na medida do avançar dos anos, iam nascendo os filhos. Pois bem, todos criados e já na idade adulta, o mais velho ordenado padre, os d…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…