Pular para o conteúdo principal

OS AFFONSECA E SILVA

Por José Aluísio Botelho

Os portugueses, originários da freguesia de São Mamede da cidade de Valongo, Bispado do Porto - Manuel, Domingos, José (?) e João de Afonseca e Silva*, parentes próximos, imigraram para o Brasil por volta de 1772 e se estabeleceram no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu em Minas Gerais, aonde fizeram fortuna na mineração do ouro e deixaram numerosa descendência. 
Nota: Em um documento de Aplicação Sacerdotal do padre Eustáquio José de Carvalho, datado de 1796, Manoel e Domingos da Afonseca e Silva foram arrolados como testemunhas no processo, onde Manoel declara ser solteiro e ter 40 anos pouco mais, pouco menos, enquanto Domingos declara ser branco, casado, morador no arraial há 24 anos, de idade de 45 anos, ambos naturais de São Mamede de Valongo, Bispado do Porto. 
*Não Obtivemos provas documentais para comprovação do grau de parentesco entre eles.
O tronco ascendente e descendente de Domingos de Afonseca e Silva é o que transcreveremos a seguir:

 A) Descendência 

Domingos da Afonseca e Silva, nascido em 03/11/1751 em São Mamede de Valongo, Bispado do Porto, casou com Ana Maria Cordeiro, pais de :
F1 - José, falecido em Alegres (hoje João Pinheiro);

F2 - Joaquim de Afonseca e Silva casado com Ana Gonçalves de Carvalho; pais de:

N1 -Francisco de Afonseca e Silva, casado Tereza da Costa Braga, com descendência;

F3 - Maria de Afonseca e Silva faleceu solteira;

F4 - Rosa da Afonseca e Silva faleceu solteira;

F5 - Na dúvida, Maximiano de Afonseca e Silva, falecido 6/07/ 1844, casado com Simplícia Ferreira Lustosa;

F6 - *Caetana de Afonseca e Silva, falecida em 1847; foi casada Antônio Joaquim da Costa, português(?), falecido em 31/12/1839 na então vila de Araxá. Militar de carreira, foi escrivão da ouvidoria em 1823; pais de sete filhos:

N2 - Ana Izidora da Costa, já falecida em 1839; teve uma filha de nome Caetana, com 3 anos, pouco mais, pouco menos, em 1839;

N3 - Maria Madalena da Costa, nascida em 03/08/1813 e falecida em 04/12/1879; foi casada em primeiras núpcias em 02/08/1836 com João Rufino Xavier Balieiro, filho de Francisco Rufino Xavier Balieiro, natural e batizado na Matriz de Antonio Dias, em Ouro Preto e de Maria de Sousa Correia Landim, natural de Paracatu; com descendência; tronco materno da família Macedo; viúva, casou em segunda núpcias em 23/11/1850 com Francisco Gonçalves de Carvalho, filho de Severino Gonçalves de Carvalho e de Ana de Sousa Tavares;

N4 - Beatriz Eliziania da Costa, nascida em 26/01/1815, com 25 anos em 1839;sem mais notícias;

 N5 - Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, com 23 anos em 1839; casada com João José de Sant'Anna, capitalista, comerciante e fazendeiro, filho legítimo do tenente Joaquim José de Santana e Maria Peixoto. Descendência em "Os Santana de Paracatu-MG",neste blog; 
                                                                        Batismo de Luíza de Afonseca Costa


N6 - Henriqueta Lourenço da Costa, nascida em 1818; casou  1ª vez em 23/07/1834 com o Alferes João José de Carvalho, filho do capitão Joaquim José de Carvalho, falecido em janeiro de 1834, e de Rita Maria de Moura; 2ª vez aos 12/04/1851, com Joaquim Felipe da Silveira, capitão da Guarda Nacional, nascido em 1825 em Formiga, Minas Gerais, filho do major João Felipe da Silveira e de Felicidade de São José. Dona Henriqueta faleceu em 08/03/1883 aos 65 anos; Joaquim Felipe da Silveira está sepultado no cemitério de Santa Cruz em Paracatu.
Filhos do primeiro leito:
Nota: João José de Carvalho faleceu em 02/03/1848, e foi inventariado em 1849.
Bn1 - Secundino de Carvalho, com 10 anos em 1849;
Bn2 - Joaquim José de Carvalho, com 6 anos em 1849;
Bn3 - Antonia Josefina (Josefa?) de Carvalho, com 8 anos; foi casada com João Carlos da Costa Pinto, com descendência nos "Costa Pinto", neste blog;
Bn4 - Miguel José de Carvalho, com 4 anos;
Bn5 - Maria Cassiana de Carvalho, nascida em 05/03/1845; foi casada com João Mariano de Almeida;
Bn6 - Caetana, nascida em 10/02/1848; casada aos 17 anos em janeiro de 1866 com Fabião José Pereira Guimarães, de 25 anos, filho de Manoel José Pereira Guimarães e de Balbina Dias da Costa, naturais da vila de Louzada, freguesia de São Miguel de Silvares, bispado do Porto;
Filhos do segundo leito:
Bn7 - Prisco Henrique da Silveira, casado com Francisca Ribeiro, com sucessão;
Bn8 - Felicidade Costa da Silveira, nascida em 30/01/1852;
Bn9 - Emília Costa da Silveira, nascida em 28/02/1854;

Para saber mais
Leia - João Fhellipe da Silveira e Felicidade Perpétua de São José

*Fontes: 1 - Inventário de Antonio Joaquim da Costa; 2 - Registros de batismos da Matriz de Santo Antonio de Paracatu (1813 - 1817).

F7 - Berta ou Benta de Afonseca e Silva, com N Batista, teve: José Leonardo Batista de Afonseca (Cazuza), casado com Manoel batista Franco, filha natural de Maria Rufina Xavier Balieiro; esse casal foi o tronco materno da família Vargas e Câmara;

F8 - Matias de Afonseca e Silva, falecido em Estrela do Sul em 04/08/1861 com setenta anos, pouco mais ou menos (n. 1791); foi casado com Francisca Gonçalves da Cunha ou Roquete. Alguns filhos descobertos:
N7 - Padre João Amaro de Afonseca e Silva; foi pároco em Estrela do Sul;
N8 - José de Afonseca e Silva, nascido em 1817; casado em 10/11/1839 com Ana dos Reis Calçado, filha do alferes Agostinho José dos Reis Calçado;
N9 - Lúcio de Afonseca e Silva, nascido em 1822; casou em 24/10/1844 Francisca Carolina da Silva, filha natural de Frutuoso José da Silva e de Tereza Maria Peixoto;
N10 - Veríssima de Afonseca e Silva, nascida em 1832. Casou em 07/04/1846 com Joaquim Alves Ribeiro, nascido em 1827, mais conhecido com Joaquim Perfeito, filho dos portugueses João Manoel Ribeiro e de Maria Antonia Alves. Foram moradores em Estrela do Sul, Minas Gerais, aonde deixaram enorme descendência e que adotaram o sobrenome Perfeito; filhos:
Bn10 -Teófilo Perfeito, nascido em 02/03/1848; casado com Maria Teodora;
Bn11 -Tereza Alves Perfeito, nascida em 11/06/1850; casada com Francisco Marra;
Bn12 - Augusta Perfeito, casada com Olímpio Plijoca;
Bn13 - João Perfeito, nascido em 07/09/1854 na Bagagem, atual Estrela do Sul; casado com Mariana Monteiro;
Bn14 - Julieta Perfeito, casada com Bernardo Cupertino;
Bn15 - Abílio Perfeito, casado em 25/06/1888 na Água Suja (Romaria) com Maria Izabel de Oliveira;
Bn16 - Teofredo Perfeito, casado em 29/01/1887 na Água Suja (Romaria) com Carmelita Isolina de Oliveira;
Bn17 - Laura Perfeito, casada com Modestino dos Santos;
Bn18 - Joaquim Perfeito, casado com Amélia Santos;
Bn19 - Amâncio Perfeito, casado com Francisca Pinheiro;
Bn20 - Amélia Perfeito, nascida em 18/11/1873 na Água Suja, atual Romaria, onde foi batizada;
N11 - Torquato de Afonseca e Silva, nascido em 26/02/1848;
N12 - Ana Norberta de Afonseca e Silva, nascida em 1829, casada em 20/01/1844 com Manoel Domingos Fernandes de Ornelas, natural de Santo Amaro, bispado da Bahia, filho natural de Francisca Luiza da Conceição; filhos descobertos:
Bn20 - Aureliano, nascido em 21/04/1849;
Bn21 - Francisca, nascida em 28/11/1850.


 B) ASCENDÊNCIA DE DOMINGOS DE AFONSECA E SILVA


 Filho legítimo de Antonio de Afonseca, nascido em 01 de janeiro de 1712, e falecido em 28 de novembro de 1756, e de Josefa da Silva Loureiro, nascida em 21 de julho de 1713, em São Mamede de Valongo, Bispado do Porto.

Linhagem paterna

Avós:

1 – João de Afonseca, nascido em 22 de abril de 1687 e falecido em 02 de novembro
Pais de Catarina Gonçalves – Manoel Gonçalves e Maria João;

Bisavós:

2 – *Manoel de Afonseca, nascido aos 19 de março de 1653, e **Luzia Manoel, nascida em 03 de maio de 1651, casados em 11 de julho de 1672;
*Manoel de Afonseca faleceu em 25 de maio de 1725.
**Luzia Manoel faleceu em 23 de abril de 1723
Pais de Luzia Manoel – Damião Manoel e Catarina André;

Trisavós:

3 – Manoel Tomé, nascido em 30 de junho de 1633, e Maria Antonia, nascida aos 23 de setembro de 1635, casados em 05 de outubro de 1651;
Pais de Manoel Tomé – Antonio Tomé e Maria Antonia;
Pais de Maria Antonia – Domingos Antonio e Maria Manoel, casados em 26 de maio de 1624;

Linhagem materna

Avós:

4 – Antonio da Silva, natural de Várzea do Douro, e Catarina Loureiro, nascida em 12 de janeiro de 1692, casados em 31 de janeiro de 1712;
Pais de Antonio da Silva – Antonio de Melo e Joana da Silva;
Pais de Catarina Loureiro, com ascendência:
5 – João Loureiro II, nascido em 12 de julho de 1666, e Maria Dias, casados em 02 de novembro de 1686;
Pais de Maria Dias – Domingos Lopes e Maria Luís;
6 – João Loureiro I e Catarina de Afonseca, casados em 17 de agosto de 1659;
Pais de João Loureiro II – Belchior Fernandes e Luísa Loureiro, solteira, natural de Rezende, Bispado de Lamego;
Pais de Catarina da Afonseca – Francisco de Afonseca, filho de Francisco Ferreira e de Antonia Francisca, e Justa Tomé, casados em 08 de janeiro de 1634.
Nota – Irmãos descobertos de Domingos:
1 – João de Afonseca, casou em 1759 em Valongo, com Maria Antonia; filho descoberto:
1.1 - João de Afonseca, sem mais notícias (veio para o Brasil?);
2 – Maria da Silva Loureiro, nascida em 04/2/1745; foi casada com José Marques das Neves; com descendência;
3 – Antonio da Afonseca Loureiro, nascido em 13/11/1746, casado em Valongo em 1766;com descendência;
4 - Ana da Silva Loureiro , nascida em 1748;foi casada com Antônio Duarte de Figueiredo; com descendência;
5 – Bernardino de Afonseca, nascido em 1750;
6 - Margarida de Afonseca, nascida em 1754;

7 - Tereza de Silva Loureiro; foi casada com João Dias Pinto; com descendência;

8 - Matias de Afonseca Loureiro, casado em Valongo em 1775, com Ana Martins Gonçalves.Filhos descobertos:
8.1 - Antonio, nascido em 1776;
8.2 - João, nascido em 1777.


 FONTES:

1 -  A Família Afonseca
Elaborado por: Francisco de Afonseca e Silva ( Menhô), atualizado por Olímpio Gonzaga, com severas restrições.
In: Revista Genealógica Brasileira, Ano VIII - nº 15/16,1947.
2 - Registros paroquiais de São Mamede de Valongo, Porto;
3 - Habilitação de Genere et Moribus do padre Eustáquio José de Carvalho,1807, disponível online -  site familysearch.org.

 Colaboração de Eduardo Rocha .
Atualizado em novembro de 2015.


Postagens mais visitadas

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 1768 na região denominada Campo das Vertentes, MG, ele nascido na região, ela vinda de muito longe em uma longa jornada, desde a ilha Graciosa no Arquipélago dos Açores, concessão portuguesa no oceano Atlântico, passando pelo Rio Grande do Sul, e que se prolongaria até Araxá, no sertão da Farinha Podre. Depois de casados, o casal se fixou primeiramente em São José Del-Rei, aonde nasceram os dois primeiros filhos, de um total de doze. Militar de carreira, recebeu a patente de tenente em 1775, e foi caminhando com família em direção ao oeste promissor, a medida que o ciclo do ouro no Campo das Vertentes ia se esgotando. De São José, estabeleceu na chamada picada de Nossa Senhora de Oliveira, com fazenda de criar gado vacum, e na medida do avançar dos anos, iam nascendo os filhos. Pois bem, todos criados e já na idade adulta, o mais velho ordenado padre, os d…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

GUARDA-MOR JOSÉ RODRIGUES FRÓES

OS MELLO FRANCO

Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, se fixou em Paracatu por volta de 1755. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com sua parenta Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia.Tiveram os seguintes filhos:

1 – Francisco de Melo Franco, nascido a 17 de Setembro de 1757 em Paracatu, Minas Gerais. Formou em medicina na Universidade de Coimbra em 1786 e tornou-se um dos mais importantes médicos na corte portuguesa em sua época: o Alvará de 09 de junho de 1793, de D. Maria I, nomeou-o médico honorário da Real Câmara e o Alvará de 03 de agosto…

ARRAIAL DE SÃO LUIZ E SANTANA DAS MINAS DO PARACATU - SÉRIE TRONCOS PIONEIROS 14