Pular para o conteúdo principal

OS ULHÔAS DE PARACATU E OS CRISTÃOS NOVOS

Por José Aluísio Botelho


INTRODUÇÃO - O sobrenome Ulhoa inicia em Paracatu, quando da chegada no último quartel do século dezoito, do então jovem militar de baixa patente Sancho Lopes de Ulhoa para servir no batalhão de caçadores do regimento de infantaria de milícias da jovem vila que florescia no noroeste mineiro. Lá, progrediu na hierarquia militar, alcançando a patente de tenente coronel; fixou-se no distrito do Rio Preto (atual Unaí), edificou sua fazenda das Lages,  aonde criou seus filhos. Um deles, Antônio Constantino Lopes de Ulhoa tornou-se genro de um dos principais da Vila, o Capitão - Mor Domingos José Pimentel Barbosa, ao casar com uma de suas filhas, Ana Pimentel Barbosa, originando o tronco dos Pimentéis de Ulhoa. Em 1824, suas assinaturas, pai e filho,  aparecem no auto de juramento da primeira Constituição do Império do Brasil ocorrido em Paracatu, denotando a inserção do sobrenome Ulhoa na elite da sociedade paracatuense de então. De outra filha, Mariana Lopes de Ulhoa, ao casar com o coronel Manoel Gonçalves dos Santos, um dos fundadores do arraial de Santana dos Alegres ( hoje João Pinheiro), provém o tronco dos Gonçalves de Ulhoa de João Pinheiro.
A INQUISIÇÃO – Os decretos de expulsão dos judeus da Espanha e Portugal, com o objetivo de eliminar o judaísmo ibérico, assinados pelos reis católicos Fernando e Izabel (1492) e pelo Rei Dom Manuel I(1496), bem como a conversão em massa ao catolicismo como única maneira capaz de lhes salvar a vida, levaram ao aparecimento de fatos históricos e sociais, como o surgimento dos judeus conversos, cristãos novos ou marranos. Essa conversão forçada levou a um verdadeiro genocídio cultural entre os judeus, e à tarefa de mantê-los dentro das normas impostas pela igreja e evitar um retorno à “Lei Mosaica”, passa a ser a missão primordial do Santo Ofício da Inquisição.
As idas e vindas sucessivas de uma religião à outra, deram lugar a momentos de sincretismo religioso e ambivalência entre eles. Dentro das famílias convertidas, há inúmeros casos de membros que seguiram caminhos opostos: uns professando o cristianismo com convicção, e outros voltando ao judaísmo na primeira oportunidade que aparecesse.
ORIGEM DA FAMÍLIA - Para tentar estabelecer uma relação direta entre essa família e sua origem cristã nova, vamos voltar mais atrás no tempo, primeiramente com as definições dos significados onomásticos:
LOPES – derivado de Lobo (do latim lupus), esse cognome é largamente encontrado entre os cristãos novos;
ULHOA – de Uxua, Essua, formas adaptadas ou corrompidas de Yehoshua. Sugere – se Ucha provindo do hebraico hursha, que significa “floresta”. Outra possibilidade é que esse sobrenome se origina do rio Ulla, na Galícia, que passou a ser Ulló (olho), depois Ulloa e em Portugal, Ulhoa e também Ilhoa.
Pois bem, o primeiro Ulhoa que se tem notícia e que viveu pelos anos de 756, dono das terras do rio Ulla, de origem visigótica, foi Dom Férnan Sanches de Ulló. A partir dele vamos encontrar ao longo de toda a idade média, vários Fernão, Lopo, Sancho, Vasco e Diogo Lopes de Ulloa a se sucederem na cadeia familiar ao longo do tempo até chegarmos ao século XVI. A partir de 1492, iniciou-se na Espanha, com a Inquisição, a perseguição e expulsão dos judeus, ocorrendo uma fuga em massa para Portugal, Holanda e Alemanha. Já em Portugal, o nome se corrompeu para Ulhoa e detectamos um Diogo Lopes de Ulhoa, na localidade de Alter do Chão na divisa com a Espanha, onde possuía um Morgado e era fidalgo da casa real com brasão de armas. Quando a América se abre para os europeus, inicia-se também a imigração dos cristãos novos para o Brasil colônia, notadamente para a Bahia, onde se tornaram senhores de engenho no recôncavo baiano, grandes negociantes e mercadores. assim como funcionários da administração do reino no Brasil, e dentre esses imigrantes, os Lopes de Ulhoa. Não encontramos referência a essa família em outras regiões do país nessa época. Em Salvador, então capital do Brasil colônia, também vamos encontrar diversos homônimos familiares, tais como Diogo, Duarte, Lopo, Antônio, etc., que pertenciam à elite político – cultural e econômica da cidade, ocupando altos cargos na estrutura administrativa da colônia.
Vamos traçar sucintamente o perfil de alguns deles:
DIOGO LOPES DE ULHOA – Acompanhou o embaixador Teles Faro à Holanda, como uma espécie de assessor econômico, tornando – se o principal interlocutor de De Groot ( Pensionário holandês ). Sua experiência em assuntos brasileiros e seus contatos oficiais no Reino eram inestimáveis.
Membro de uma família de CRISTÃOS NOVOS baianos, proprietária de engenho no Recôncavo e pertencente ao grupo de banqueiros MARRANOS que financiava a monarquia espanhola desde os tempos do conde – duque de Olivares. Ele será o residente de Portugal em Haia de 1663 a 1669;
ANTÔNIO LOPES DE ULHOA – A partir de 1661, se tornou proprietário do cargo de Provedor – mor da Fazenda Real no Brasil, legado por seu pai, sendo considerado dedicado servidor, que entrou rico no cargo e saiu pobre. Alternou essa provedoria com seu filho, outro Diogo Lopes de Ulhoa, durante vinte anos.
DIOGO LOPES DE ULHOA (Homônimo) – Senhor de engenho, mercador e exportador de açúcar, homem de confiança do Governador Diogo Luís de Oliveira. Sua família já se encontrava na Bahia desde o século XVI e sobressaiu na vida baiana até fins do século XVII e início do XVIII. Foi sempre vigiado pelo Santo Ofício, sendo denunciado inúmeras vezes, mas escapou ileso do Tribunal da Inquisição, porém, vários membros de sua família foram processados e queimados.
OUTROS CRISTÃOS NOVOS DENUNCIADOS (1646) - Duarte Rodrigues de Ulhoa e seus filhos Lopo, Manuel Vaz de Gusmão e Teresa, esta queimada em auto da fé.
Vale a pena citar também o processo de ANDRÉ LOPES DE ULHOA:
Processo nº. 5391; inquisição de Lisboa; origem: cristão novo; prisão: 1619; idade: 48; natural de Lisboa e morador em Peru açu, Bahia: estado civil: casado com Ana da Silveira, cristã velha; ocupação: senhor de engenho; crime: JUDAÍSMO.
Sentença: cárcere e hábito penitencial perpétuo sem remissão, com confisco de bens; auto da fé em 4/8/1621; apresentou-se no Tempo da Graça.
O SOBRENOME EM MINAS GERAIS – Já no século XVIII, encontramos os Lopes de Ulhoa estabelecidos em Vila Rica (Ouro Preto), na figura de outro Duarte Lopes de Ulhoa, natural de Salvador, Bahia, formado em Cânones na Universidade de Coimbra. Lá se casou com Rosa Joaquina de Figueiredo Feio em 1751, e é o tronco da importante família Ulhoa Cintra, com ramificações em São Paulo, bem como dos Ulhoas de Paracatu, na figura do Coronel Sancho Lopes de Ulhoa, filho do mesmo Duarte acima mencionado. Aqui também vamos encontrar diversos homônimos tais como Adelina, Mariana, Ana, Izabel, Sancho etc., que se repetem em Paracatu.
CONCLUSÃO – Neste breve artigo, tentamos traçar a trajetória dessa família ao longo do tempo, desde a península Ibérica até Minas Gerais, onde em Paracatu ela continuou com extensa descendência até os dias atuais. Não encontramos evidências de práticas judaicas desse tronco paracatuense, seja em âmbitos familiares ou em sinagogas, que, aliás, nunca existiram em Paracatu, certamente porque eles já eram católicos praticantes, mas, há fortes indícios deles serem realmente descendentes de cristãos novos, até se levarmos em conta a repetição dos nomes, que era fato comum entre a parentela dos cristãos-novos, o que ocorre ao longo da cadeia genealógica da família Lopes de Ulhoa.
Mas, será que podemos relacionar nossas origens judaicas através do estudo dos nomes e sobrenomes?
Além do já exposto acima e analisando as genealogias dos acusados pela inquisição do Santo Ofício, cujos processos se encontram arquivados na Torre do Tombo, em Portugal, e os nomes das pessoas das famílias envolvidas, bem como a presença de uma outra característica comum entre os judeus, os casamentos endogâmicos, e por consequência o aparecimento dos sobrenomes compostos usados pelos seus descendentes, podemos afirmar que a resposta é afirmativa.
Outro fator relevante a ser considerado é quanto à rota migratória da Bahia para Minas Gerais, através do sertão e do rio São Francisco, e como é sabido Paracatu teve intenso comércio de mercadorias e de gado com Salvador e outras vilas baianas e consequentemente grande fluxo migratório naquela época. São João Del Rei e Ouro Preto eram também polos de migração interna em direção ao noroeste mineiro, através da Picada de Goiás, o que ajuda a reforçar os indícios acima mencionados.
Um estudo mais aprofundado seria muito importante para aqueles que se interessam pela história das famílias. A ponta do véu está levantada.
 Para saber mais: Coronel Sancho Lopes de Ulhoa

Bibliografia consultada:
1 – Cristãos Novos na Bahia, Anita Novinsky, Ed. Perspectiva, 2ª. edição, 1992;
2 – Inquisição: prisioneiros do Brasil, Anita Novinsky, Ed. Expressão e Cultura, 2002;
3 – A Saga dos Cristãos – Novos, Joseph Eskenazi Pernidji, Imago editora, 2005;
4 – O Negócio do Brasil, Evaldo Cabral de Melo, Ed. Topbooks, 2ª edição, 1998;
5 – Genealogia Paulistana, Título Oliveiras, Luiz Gonzaga Silva Leme, edição esgotada; obra rara disponível em bibliotecas;
6 – Genealogia dos Cintra, Monsenhor Antônio Cintra, obra rara e esgotada;
7 – Arquivo pessoal.
8 – Ministério da Fazenda – site: www.receita.fazenda.gov.br/memoria;
9 – Torre do Tombo on line – www.ttonline.iantt.pt.
10 - Familysearch.org.

Escrito em março de 2007, e revisitado em 2014 com correções no texto. Atualização em 2017.

Nota: por se tratar de texto sobre genealogia, as correções e acréscimos são necessárias, de acordo com o dinamismo das pesquisas, propiciando novas descobertas acerca dos indivíduos e seus troncos familiares.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…