Pular para o conteúdo principal

ALMANAQUE PARACATUENSE

O MISTERIOSO DR. PARACATU – Em companhia de el-rei D. João VI emigrou para o Brasil um ilustre e velho fidalgo português, morgado de Sá, chamado Francisco Joaquim Moreira de Sá. Esse fidalgo tinha uma grande fazenda em Minas, no lugar intitulado Santo Antônio do Rio Abaixo.
Uma vez chegado ao Brasil, em vez de, como muitos outros, constituir-se pensionista do rei, tratou de retirar – se para lá. Era muito influente no Paço, parente de Ministro e foi altamente recomendado para Minas. Em conseqüência disso, sua casa tornou – se o ponto de reunião da elite da sociedade mineira de então. Um dos que mais a freqüentavam era um cirurgião conhecido pela alcunha de “Paracatu”.
Todos o supunham brasileiro nato, mas nascera em Portugal. Quando o Dr. Cláudio Manoel da Costa, poeta e inconfidente apareceu morto na prisão, foi incumbido de realizar o corpo de delito. Fê-lo conscientemente, declarando que o morto não tinha suicidado, e sim havia sido assassinado.
No dia seguinte foi procurado pelo ajudante de ordens do Capitão General da Capitania, o qual lhe disse que fizesse novo corpo de delito, pois o anterior havia sido inutilizado, e que fosse com outro teor.
O cirurgião Paracatu seguiu o salutar conselho, fez novo corpo de delito declarando que o Dr. Cláudio Manoel da Costa havia suicidado.
(Relato feito pelo próprio Dr. Paracatu a Francisco J. Moreira de Sá).
PS-Na ocasião do exame do corpo do Dr. Cláudio, estavam presentes dois cirurgiões, a saber: Dr. Caetano José Cardoso e Dr. Manoel Fernandes Santiago.
Ficam duas perguntas sem respostas:
Qual deles seria o misterioso Dr. Paracatu?
Qual a relação do apelido com a cidade de Paracatu?
Fonte: Revista do Arquivo Público Mineiro – CD-ROM n°1, 1896.
ÚLTIMA CIDADE TOMADA PELA COLUNA PRESTES – Siqueira Campos passou ao comando de um dos destacamentos da Coluna Prestes no início de 1925, tendo atuação marcante. Após atravessar o rio Paraná e invadir território paraguaio, a coluna passou ao lado brasileiro, tomando a cidade de Ponta Porã (MS).
Enfrentaram tropas legalistas, atravessaram Goiás e Minas Gerais, rumando depois para o Maranhão. Passaram pelos estados do Nordeste e, liderados por Siqueira Campos, combateram em Pernambuco. Foram combatidos pelo exército, pela polícia e por cangaceiros na Bahia. Em outubro de 1926, sob forte repressão, a coluna seguiu para Mato Grosso. Siqueira Campos recebeu de Prestes a missão de escoltar emissários até o líder revolucionário civil, Assis Brasil, para receber instruções, seguindo depois para Campo Grande. Depois disso voltou a Goiás, passou a Minas Gerais e ocupou a última cidade, PARACATU, em 14 de fevereiro de 1927. Seguiu depois para o Paraguai, encerrando uma marcha revolucionária de 25 mil quilômetros. (transcrito na íntegra da Revista Nossa História, Ano 3/nº. 28, fevereiro de 2006).
ASSOMBRAÇÕES – Na tapera do Samangolê, em Paracatu, era tida como mal – assombrada, havendo a descrição de um baile, na noite de São João, concorrido por gente de toda parte, que vinha em seges e cadeirinhas, escoltadas de pajens, etc. As orquestras tocavam a noite inteira. Mas, ao amanhecer, tudo tinha desaparecido. Hoje, este mal-assombramento se desencantou.
Fonte: Casa-grande e Senzala, Gilberto Freire, Record, 2001.
MAL DO ENGASGO - O grande médico e escritor mineiro, Pedro Nava, recolheu um manuscrito sobre medicina popular do fim do século XVIII e início do XIX, datado de 1809, contendo 44 receitas sobre diversos males, entre outros escritos (Território de Epidauro, 1947, Ateliê Editorial).
O Dr. Nava reconhece que o autor do documento, era um anônimo português e que o escrevera em PARACATU, entre 1803 e 1809. Nele, destaca a receita para o mal do engasgo e confirma a possível relação desta afecção e a Moléstia de Chagas, pois menciona os sintomas principais (disfagia e regurgitação). Transcrevemos a receita com a grafia de então: “Remédio fáçil para curar o mal deengasgue. Alguos Peçoas que tem esta moléstia decomer e veber e nada lhe pasa do Estomago para baixo desorte que ficão com aflição grande e tornão a votar tudo fora pela voca tem nachado bem comeste Remédio hé votar meyo coartilho de mel de avelhas, chamada jetahi e outro meyo coartilho de agoardente do Reino em huã Garrafa e sacolejar e veber de cada vez huã ou duas culheres de prata ou latão com q. se come huã ou duas vezes Todo dia e logo experimentara milhora”.
Decifre se for capaz.
Comentário: Essa receita mostra a presença da Moléstia de Chagas na região do noroeste de Minas já naquele tempo, apesar de ser desconhecida pela ciência e pelos médicos de então, o que só viria acontecer com a descrição da doença feita pelo Cientista Carlos Chagas, em Lassance, na França, cem anos depois, em 1909. Vale lembrar que o Dr. Carlos Chagas por sua mãe D. Maria Cândida Ribeiro de Castro, mantinha relações de parentesco com os Botelho de Paracatu, que pela linhagem materna eram também Ribeiro de Castro, de Oliveira, Minas Gerais.

CASARÕES – Em Paracatu há dois belos casarões que merecem destaque especial, a Casa da Cultura Maria da Conceição Adjuto Botelho, cujo prédio foi construído por Domingos Pimentel de Ulhôa como sua residência, e que segundo anotações de sua esposa Cândida de Melo, para lá mudaram exatamente no dia 17 de outubro de 1859. O tempo gasto na construção do sobrado foi de quatro anos e tanto conforme o mesmo relato. Portanto, podemos afirmar que o prédio tem hoje, ano de 2007, exatos 148 anos de existência, a partir da data do término da obra. O segundo casarão selecionado é o que hoje abriga a Câmara Municipal de Paracatu e antiga sede social do Jóquei Clube, localizado entre a Praça da Matriz e a Praça Coronel Rodolfo Adjuto. Construído pelo Major Antônio Loureiro Gomes para o seu genro Dr. Pedro Salazar por ocasião de seu casamento com sua filha Paulina Loureiro, na década de 1880. Nesta bela casa, o Dr. Salazar promovia saraus literários e encenações teatrais amadoras, cujo cenário era um dos salões lá existentes, onde toda a ornamentação de origem francesa dava uma aparência majestosa a toda a casa.
Fonte: Arquivo pessoal.
Textos elaborados por José Aluísio Botelho, abril de 2007.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO

 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna: herdou de seu pai o engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum regist…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…