Pular para o conteúdo principal
ANA DE OLIVEIRA CALDEIRA – GENEARCA DOS MELO FRANCO



Ana de Oliveira Caldeira foi mulher do português João de Melo Franco, casal tronco de ilustre família brasileira iniciada em Paracatu, Minas Gerais, em meados do século XVIII. Ainda hoje persistem as dúvidas e controvérsias sobre sua origem familiar. Neste artigo vamos tentar elucidar sua genealogia de maneira sucinta, deixando para os interessados o aprofundamento das pesquisas acerca do assunto.
O Dr. Afonso Arinos de Melo Franco, descendente ilustre da matriarca, em sua obra “UM ESTADISTA NA REPÚBLICA”, no capítulo concernente ao estudo da origem da família, relata ser ela sobrinha de Felisberto Caldeira Brandt, baseado no biógrafo do Dr. Francisco de Melo Franco, o escritor Pereira da Silva, que diz também ser ela filha de um dos principais do lugar. Ele foi prudente em não ratificar tal informação, porque se tratava de meras conjecturas, sem fontes documentais precisas. Certamente ele se equivocaria ao fazer tal assertiva, pois, de fato, Dona Ana de Oliveira Caldeira, tinha relações de parentesco com os Caldeira Brandt, mas não tão próximo como referia o aludido biógrafo em questão.
Hoje, sabe-se que as famílias Oliveira Caldeira, Melo Franco e Caldeira Brandt, essa pelo lado materno, são originárias de uma mesma região de Portugal – Vila de Bucelas, do conselho de Loures, distrito de Lisboa. E sendo notórios os laços de parentesco entre famílias pioneiras, temos por certo ser João de Melo Franco, ali nascido, ser parente de sua mulher Ana de Oliveira Caldeira, paulista de Cotia, e ambos de Felisberto Caldeira Brandt, nascido em São Paulo e criado em Minas, cuja história e genealogia já é bastante conhecida. A inserção de João de Melo Franco na cadeia de parentesco se baseia, além do fato de ser do mesmo lugar, ser ele filho de José da Costa Franco, sendo COSTA o apelido do ramo materno de Dona Ana.
Através de fontes primárias, colhidas em arquivos eclesiásticos da cúria metropolitana de São Paulo foi possível destrinchar a origem de nossa personagem. Ana de Oliveira Caldeira era paulista da paragem denominada “ACUTIA”, hoje Cotia, onde nasceu em 1739, conforme Assento de batismo que transcrevemos abaixo;
“Anna, filha legítima de Antônio de Oliveira Caldeira e de Josefa Nunes da Costa. Nasceu aos cinco de Abril de mil setecentos e trinta e nove. Foi batizada aos treze do mesmo mês, e por mim Salvador Garcia Pontes, vigário desta freguesia. Foram padrinhos o capitão Felix Machado e Izabel da Costa, cazados e fregueses desta freguesia. E logo se poz os Santos Óleos. Do que para constar fiz este termo.
Dia e era ut supra. Salvador Garcia pontes. ”(Livro de Batizados nº 1 – 1723-1749, da freguesia de N. S. de Montserrat de Acutia).
Seu pai Antônio de Oliveira Caldeira nasceu em Santos, onde foi batizado a 24 de Setembro de 1708, filho legítimo de Manoel da Cruz Caldeira, natural e batizado na freguesia e paróquia de Santos o Velho, Patriarcado de Lisboa e de Ana de Oliveira, natural e batizada na Vila de Santos. Sua mãe Dona Josefa Nunes da Costa, nasceu em Cotia a 26 de Fevereiro de 1722, filha de Izabel da Costa e de Salvador Nunes de Azevedo, sendo que Dona Izabel da Costa, avó de Dona Ana Caldeira, era filha de Manuel Pacheco Gatto, homem abastado, e de Dona Francisca da Costa. Transcrevo a seguir o assento de casamento dos pais de Ana Caldeira:
“Aos quatorze de Outubro de mil setecentos e trinta e sete, feitas as denunciações nesta igreja da Senhora do Montserrat de Cotia, termo de São Paulo, se recebeu em minha presença Josefa Nunes da Costa, filha legítima de Salvador Nunes de Azevedo e Izabel da Costa, com Antônio de Oliveira Caldeira, filho legítimo de Manoel da Cruz Caldeira e de sua mulher Ana de Oliveira, moradores e fregueses, naturais da Vila de Santos, de que foram testemunhas, Escolástica da Silva, Felipa de Santiago Denis, e Pedro Freitas Rocha, todos moradores e fregueses desta freguesia. E logo lhes dei as bênçãos. De que para constar fiz este termo. Dia e era ut supra. Salvador Garcia Fontes.” (Livro de casamento de Cotia nº1 – 1728-1749).
Sabe-se através de fontes documentais e outras descrições genealógicas, que Félix Machado de Oliveira, tio e padrinho de batismo de Ana Caldeira, bem como sua avó, Ana de Oliveira eram naturais de Bucelas, o que reforça o parentesco entre ela e os Costa Franco. Nota: ambos são citados nos assentos acima transcritos.
Outro dado relevante relacionada à genealogia de Dona Ana de Oliveira Caldeira, é o fato de ser ela bisneta do abastado fazendeiro e sertanista Manuel Pacheco Gato e de sua mulher Izabel da Costa, sendo, portanto, parenta próxima do Bandeirante Manuel de Borba Gato, fundamental na descoberta, conquista e povoamento das Minas Gerais. Desse mesmo tronco, coincidência ou não, descendem os Pacheco de Paracatu.
Outro ponto controverso é onde e quando se deu o casamento entre João de Melo Franco e Dona Ana de Oliveira Caldeira. Tanto o primeiro Afonso Arinos de Melo Franco, em “Lendas e Tradições Brasileiras”, como Gastão Salazar, afirmaram ter o casal se casado em Cotia (SP), e em lombo de burro, o veículo do tempo, aportaram no Arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu," fundado pelos seus parentes os irmãos Caldeira Brant"(sic). Contudo, nenhum dos autores citados, encontrou qualquer documento referente ao casamento deles em São Paulo. Ora, o casal Antonio de Oliveira Caldeira e Josefa Nunes da Costa migraram para as minas do Paracatu, já nos primórdios do arraial, atraídos pelo anunciado oficial dos descobertos do ouro na região, e as principais provas da presença da família no lugar por nós coletadas são: o batismo do filho Manoel em 15/12/1764 na matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu e o testamento de Antônio de Oliveira Caldeira, datado de 1784, existente no Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga, de Paracatu, infelizmente ilegível (IN: Inventário Analítico do Fundo do Tribunal Eclesiástico). Veja imagens (não muito nítidas) ilustrativas do assento de batismo de Manoel:



Portanto, quando o português de Bucelas, João de Melo Franco chegou ao arraial de Paracatu, Dona Ana de Oliveira Caldeira já vivia no lugar e o casamento deve ter ocorrido entre 1755 e 1756, datas próximas do nascimento do primeiro filho, o Dr. Francisco de Melo Franco.
A ponta do véu está levantada aos interessados no assunto.

Outros filhos do casal Antonio de Oliveira Caldeira e de dona Josefa Nunes da Costa, localizados no arraial de Paracatu:
1 - Josefa de Oliveira Caldeira;
2 - Maria de Oliveira Caldeira, falecida em 1774, natural do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu; foi casada com Albano da Costa Pinheiro, natural da Bahia; filhos:
2 - 1 Maria, batizada em 30/08/1772;
2 - 2 José, nascida em 27/03/1774;
3 - Manoel da Cruz Caldeira, batizado em 1765 na matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu - imagem acima; foi casado com Ana Rosa da Fonseca; filha descoberta:
3 - 1 Maria José da Cruz Caldeira, casada em 1818 com seu primo Francisco de Oliveira Caldeira, filho natural de Josefa de Oliveira Caldeira (1).

Escrito por José Aluísio Botelho.
17 de agosto de 2010. Última atualização: janeiro de 2017.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…