Pular para o conteúdo principal
ANA DE OLIVEIRA CALDEIRA – GENEARCA DOS MELO FRANCO



Ana de Oliveira Caldeira foi mulher do português João de Melo Franco, casal tronco de ilustre família brasileira iniciada em Paracatu, Minas Gerais, em meados do século XVIII. Ainda hoje persistem as dúvidas e controvérsias sobre sua origem familiar. Neste artigo vamos tentar elucidar sua genealogia de maneira sucinta, deixando para os interessados o aprofundamento das pesquisas acerca do assunto.
O Dr. Afonso Arinos de Melo Franco, descendente ilustre da matriarca, em sua obra “UM ESTADISTA NA REPÚBLICA”, no capítulo concernente ao estudo da origem da família, relata ser ela sobrinha de Felisberto Caldeira Brandt, baseado no biógrafo do Dr. Francisco de Melo Franco, o escritor Pereira da Silva, que diz também ser ela filha de um dos principais do lugar. Ele foi prudente em não ratificar tal informação, porque se tratava de meras conjecturas, sem fontes documentais precisas. Certamente ele se equivocaria ao fazer tal assertiva, pois, de fato, Dona Ana de Oliveira Caldeira, tinha relações de parentesco com os Caldeira Brandt, mas não tão próximo como referia o aludido biógrafo em questão.
Hoje, sabe-se que as famílias Oliveira Caldeira, Melo Franco e Caldeira Brandt, essa pelo lado materno, são originárias de uma mesma região de Portugal – Vila de Bucelas, do conselho de Loures, distrito de Lisboa. E sendo notórios os laços de parentesco entre famílias pioneiras, temos por certo ser João de Melo Franco, ali nascido, ser parente de sua mulher Ana de Oliveira Caldeira, paulista de Cotia, e ambos de Felisberto Caldeira Brandt, nascido em São Paulo e criado em Minas, cuja história e genealogia já é bastante conhecida. A inserção de João de Melo Franco na cadeia de parentesco se baseia, além do fato de ser do mesmo lugar, ser ele filho de José da Costa Franco, sendo COSTA o apelido do ramo materno de Dona Ana.
Através de fontes primárias, colhidas em arquivos eclesiásticos da cúria metropolitana de São Paulo foi possível destrinchar a origem de nossa personagem. Ana de Oliveira Caldeira era paulista da paragem denominada “ACUTIA”, hoje Cotia, onde nasceu em 1739, conforme Assento de batismo que transcrevemos abaixo;
“Anna, filha legítima de Antônio de Oliveira Caldeira e de Josefa Nunes da Costa. Nasceu aos cinco de Abril de mil setecentos e trinta e nove. Foi batizada aos treze do mesmo mês, e por mim Salvador Garcia Pontes, vigário desta freguesia. Foram padrinhos o capitão Felix Machado e Izabel da Costa, cazados e fregueses desta freguesia. E logo se poz os Santos Óleos. Do que para constar fiz este termo.
Dia e era ut supra. Salvador Garcia pontes. ”(Livro de Batizados nº 1 – 1723-1749, da freguesia de N. S. de Montserrat de Acutia).
Seu pai Antônio de Oliveira Caldeira nasceu em Santos, onde foi batizado a 24 de Setembro de 1708, filho legítimo de Manoel da Cruz Caldeira, natural e batizado na freguesia e paróquia de Santos o Velho, Patriarcado de Lisboa e de Ana de Oliveira, natural e batizada na Vila de Santos. Sua mãe Dona Josefa Nunes da Costa, nasceu em Cotia a 26 de Fevereiro de 1722, filha de Izabel da Costa e de Salvador Nunes de Azevedo, sendo que Dona Izabel da Costa, avó de Dona Ana Caldeira, era filha de Manuel Pacheco Gatto, homem abastado, e de Dona Francisca da Costa. Transcrevo a seguir o assento de casamento dos pais de Ana Caldeira:
“Aos quatorze de Outubro de mil setecentos e trinta e sete, feitas as denunciações nesta igreja da Senhora do Montserrat de Cotia, termo de São Paulo, se recebeu em minha presença Josefa Nunes da Costa, filha legítima de Salvador Nunes de Azevedo e Izabel da Costa, com Antônio de Oliveira Caldeira, filho legítimo de Manoel da Cruz Caldeira e de sua mulher Ana de Oliveira, moradores e fregueses, naturais da Vila de Santos, de que foram testemunhas, Escolástica da Silva, Felipa de Santiago Denis, e Pedro Freitas Rocha, todos moradores e fregueses desta freguesia. E logo lhes dei as bênçãos. De que para constar fiz este termo. Dia e era ut supra. Salvador Garcia Fontes.” (Livro de casamento de Cotia nº1 – 1728-1749).
Sabe-se através de fontes documentais e outras descrições genealógicas, que Félix Machado de Oliveira, tio e padrinho de batismo de Ana Caldeira, bem como sua avó, Ana de Oliveira eram naturais de Bucelas, o que reforça o parentesco entre ela e os Costa Franco. Nota: ambos são citados nos assentos acima transcritos.
Outro dado relevante relacionada à genealogia de Dona Ana de Oliveira Caldeira, é o fato de ser ela bisneta do abastado fazendeiro e sertanista Manuel Pacheco Gato e de sua mulher Izabel da Costa, sendo, portanto, parenta próxima do Bandeirante Manuel de Borba Gato, fundamental na descoberta, conquista e povoamento das Minas Gerais. Desse mesmo tronco, coincidência ou não, descendem os Pacheco de Paracatu.
Outro ponto controverso é onde e quando se deu o casamento entre João de Melo Franco e Dona Ana de Oliveira Caldeira. Tanto o primeiro Afonso Arinos de Melo Franco, em “Lendas e Tradições Brasileiras”, como Gastão Salazar, afirmaram ter o casal se casado em Cotia (SP), e em lombo de burro, o veículo do tempo, aportaram no Arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu," fundado pelos seus parentes os irmãos Caldeira Brant"(sic). Contudo, nenhum dos autores citados, encontrou qualquer documento referente ao casamento deles em São Paulo. Ora, o casal Antonio de Oliveira Caldeira e Josefa Nunes da Costa migraram para as minas do Paracatu, já nos primórdios do arraial, atraídos pelo anunciado oficial dos descobertos do ouro na região, e as principais provas da presença da família no lugar por nós coletadas são: o batismo do filho Manoel em 15/12/1764 na matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu e o testamento de Antônio de Oliveira Caldeira, datado de 1784, existente no Arquivo Público Municipal Olímpio Michael Gonzaga, de Paracatu, infelizmente ilegível (IN: Inventário Analítico do Fundo do Tribunal Eclesiástico). Veja imagens (não muito nítidas) ilustrativas do assento de batismo de Manoel:



Portanto, quando o português de Bucelas, João de Melo Franco chegou ao arraial de Paracatu, Dona Ana de Oliveira Caldeira já vivia no lugar e o casamento deve ter ocorrido entre 1755 e 1756, datas próximas do nascimento do primeiro filho, o Dr. Francisco de Melo Franco.
A ponta do véu está levantada aos interessados no assunto.

Outros filhos do casal Antonio de Oliveira Caldeira e de dona Josefa Nunes da Costa, localizados no arraial de Paracatu:
1 - Josefa de Oliveira Caldeira;
2 - Maria de Oliveira Caldeira, falecida em 1774, natural do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu; foi casada com Albano da Costa Pinheiro, natural da Bahia; filhos:
2 - 1 Maria, batizada em 30/08/1772;
2 - 2 José, nascida em 27/03/1774;
3 - Manoel da Cruz Caldeira, batizado em 1765 na matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu - imagem acima; foi casa com Ana Rosa da Fonseca; filha descoberta:
3 - 1 Maria José da Cruz Caldeira, casada em 1818 com seu primo Francisco de Oliveira Caldeira, filho natural de Josefa de Oliveira Caldeira (1).

Escrito por José Aluísio Botelho.
17 de agosto de 2010. Última atualização: janeiro de 2017.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …