Pular para o conteúdo principal

LUDOVINA CLARA DOS SANTOS


No último quartel do século dezoito, nasceu no Arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, Ludovina Clara dos Santos, filha de pais ignorados, provavelmente gente do povo, de origem humilde. Em 1803, tem um filho natural, Teodósio Manuel Soares de Souza. O pai do menino, Antônio Carlos Soares de Souza, era filho do último Guarda - mor das Minas do Paracatu, o português Francisco Manuel Soares de Souza Viana e de Romana Francisca de Moura Portela, família das principais do lugar. Dentre seus irmãos, José Antonio Soares de Souza, nascido em Paracatu em1780, tornou-se médico pela Universidade de Paris em 1809, e foi o pai do Visconde do Uruguai, Paulino José Soares de Souza; outro irmão, Bernardo Belizário Soares de Souza, nascido em 1799, foi advogado e desembargador do paço imperial, deputado provincial pelo Rio de Janeiro. Foi o pai do Conselheiro do Império Francisco Belizário Soares de Souza. Portanto, o menino Teodósio, embora sem a presença da mãe, foi criado em uma família de homens letrados e cultos, tendo, por conseguinte, uma educação esmerada. Estudou as primeiras Letras e Gramática Latina em Paracatu com o professor padre João Gaspar Esteves Roiz, notável latinista. Posteriormente, tornou-se advogado, formado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco de São Paulo, em 1835. Nomeado o primeiro juiz de direito de Paracatu em 1838, participou ativamente dos embates políticos na cidade entre liberais e conservadores, ele do grupo conservador. Foi casado com sua prima Francisca Soares de Sousa, e em 1870 já era falecido. Voltando à Ludovina Clara dos Santos, ela vai aparecer no Arraial de Desemboque,quando tem o filho Antônio Elói Casimiro de Araújo,futuro Barão da Ponte Alta, fruto de seu relacionamento sacrílego com o Cônego Hermógenes Casimiro de Araújo Brunswick, filho do capitão Manoel Ferreira de Araújo e Sousa e de Joaquina Rosa de Santana, neto pela parte paterna do capitão Jerônimo Ferreira de Araújo, natural da freguesia de São Tiago do Couto de Cambres, Arcebispado de Braga, e de Bernarda de Sousa de São José, natural da freguesia das Portas de São Bento da Cidade e Arcebispado da Bahia; neto pela parte materna do Alferes João Álvares Portela, da freguesia de Santa Maria de Canedo, Arcebispado de Braga, e de Joana Monteiro de Paiva, natural da freguesia de São Paulo da Cidade e Patriarcado de Lisboa. O cônego Hermógenes, nasceu aos 20 de abril e batizado aos 08 de maio de 1783, na Ermida de São Domingos do Rio do Peixe, filial da freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Mato Dentro, termo de Serro do Frio, bispado de Mariana (transcrição in fine). Desde 1799, vivia na região de Franca com a família, sendo ordenado padre presbítero em 1810 em São Paulo, onde estudou filosofia racional no tempo da lógica, música, e teologia dogmática e moral. O curioso é que nesta época ele já conhecia o Major Eustáquio Silva e Oliveira, que doou um sítio denominado "Três Barras", localizado na paragem de Mogi-Guaçu, termo da Vila de Franca, para formação de seu patrimônio, necessário para ter exito na sua Habilitação de genere et moribus. Posteriormente, estabeleceu-se no Arraial de Desemboque, onde foi pároco durante 47 anos, até sua morte em 1861. Homem culto foi professor, advogado provisionado e político. Latifundiário, dono da fazenda Nova Suécia, onde morava com a família, foi um típico sacerdote dos sertões mineiros, sendo um dos pioneiros desbravadores do Sertão da Farinha Podre. Tenente coronel da Guarda Nacional foi vereador em Desemboque, deputado provincial e geral do Império, entre os anos de 1850 e 1861. Em 1822 foi eleito deputado às côrtes de Lisboa, mas não tomou posse, porque Minas se recusou a enviar seus representantes devido a independência do Brasil. Como a maioria dos padres de sua época, teve nove filhos naturais com mulheres diferentes, reconhecendo todos eles. Com Ludovina, houve outros filhos, mas vamos citar somente a filha Maria Casimira de Araújo Sampaio, que foi a mulher do Tenente coronel Antonio Borges de Sampaio, considerado o primeiro historiador de Uberaba e biógrafo do Barão da Ponte Alta, seu cunhado. O coronel Sampaio, omitiu a verdadeira paternidade tanto de sua mulher, como a do Barão, citando-os como filhos naturais de Ludovina. Ignoramos as razões para tal atitude.
Quanto a Antônio Elói Casimiro de Araújo, sabe-se que ele nasceu em 16 de maio de 1816 no Arraial de Desemboque, que teve somente instrução primária, e jovem ainda, radicou em Uberaba, onde casou com Marcolina Florinda da Silva e Oliveira, filha de Joaquim da Silva e Oliveira, considerado o homem mais rico do Brasil Central à época. Na sesmaria da Ponte Alta, fundou a fazenda Correguinho, próspera na criação de gado e lavouras, bem como no fabrico de produtos agrícolas de largo consumo. Comerciante, estabeleceu um entreposto na Ponte Alta, que era passagem obrigatória de mercadorias de São Paulo destinado a região e a Goiás. Tornou-se um verdadeiro potentado naquela vasta e rica área do sertão mineiro.
Foi líder do partido liberal, ocupando diversos cargos nas esferas do poder em Uberaba. Na área militar, foi alferes e coronel da Guarda Nacional, tendo participação importante na Guerra do Paraguai. Deputado provincial em uma legislatura. Agraciado com as comendas da Ordem de Cristo, de Oficial da Ordem da Rosa, e finalmente por decreto imperial de 1879, com o título de Barão da Ponte Alta, pelos relevantes serviços prestados ao governo imperial. Casou duas vezes, e teve dezessete filhos de ambos os leitos. Faleceu em 1903.
Mas, qual a relação entre as biografias desses personagens e Ludovina Clara dos Santos?
Em primeiro lugar pelo simples fato de ela ter sido companheira, mãe e sogra das pessoas aqui mencionadas.
Em segundo lugar, e não menos relevante, pelo fato de ela ser mais uma entre inúmeras mulheres de seu tempo, que viveram no sertão das Minas Gerais, subjugadas aos valores predominantemente patriarcais, de submissão e aceitação do “status quo” vigente na época. Assim como Dona Beja, cuja trajetória é semelhante, embora tenha alcançado certa projeção social, Ludovina, que passou a vida na obscuridade com a única função de procriar, teve relacionamentos com homens de boa condição social, e com padre que não respeitava o celibato, formando família, sob a complacência da igreja e do estado. Em geral eram mulheres oriundas de extrato social precário, sem nenhuma perspectiva de futuro, entregues à própria sorte, e que vislumbravam nesses relacionamentos a perspectiva de um trampolim para “subir na vida”.
Ludovina Clara dos Santos, natural de Paracatu, em que se pese a escuridão que cerca a maior parte de sua vida, teve pelo menos o consolo de ter parido homens que se tornaram ilustres, e que contribuíram cada um a sua maneira com o desenvolvimento de sua comuna. Um deles letrado e culto, com formação superior; o outro, com instrução primária, Coronel do Sertão, mas com rara percepção para o comércio e capacidade para o trabalho, bem como para a política, foi um importante fator agregador e propulsor do desenvolvimento de toda uma rica região, antes denominada Sertão da Farinha Podre, hoje o próspero Triângulo Mineiro.
Não sabemos onde e quando Ludovina Clara dos Santos morreu. Acreditamos que seu falecimento se deu entre os anos de 1835, quando nasceu seu último filho,e ela em idade de desenvolver gravidez de alto risco, e 1840, quando não comparece ao censo do distrito de Desemboque, onde somente seus filhos solteiros são relacionados. A sua importância e a sua memória se deve aos filhos que concebeu. Não importa que ela não tenha convivido com o filho letrado, que deixou no Paracatu do Príncipe. Não importa se o filho Barão não tenha pertencido à nobreza brasileira por linhagem de sangue. Simplesmente ele foi Barão por merecimento, devido aos serviços relevantes prestados a sua pátria.
O que importa é que Ludovina Clara dos Santos, filha de povoadores do ouro do antigo Arraial de Paracatu, foi uma grande mulher.

TRANSCRIÇÃO DO BATISMO DO CÔNEGO HERMÓGENES
"Aos oito dias do mez de mayo do anno de mil sette centos e oitente e tres  baptizou de minha licença na Ermida de São Domingos da applicação desta Matriz de Nossa Senhora da Conceiçao do Mato Dentro do Serro O Reverendo Doutor Antonio Alvares Portela Capellão da dita Ermida a Hermógenes filho legítimo do Capitão Manoel Ferreira de Araujo e Souza e de sua mulher Dona Joaquina Rosa de Santana netto pela parte paterna do capitão Jerônimo Ferreira de Araujo e de sua mulher Dona Bernarda de Sousa e São José e pela parte materna do Alferes João Alvares Portela e de sua mulher Dona Joana Monteira de Paiva e lhe pos os santos Oleos nascido a 20 de abril do dito anno forão padrinhos o Tenente Coronel Dom João José (...) e Dona Anna de Souza filha do Capitão Jeronimo Ferreira de Araujo todos desta applicação do que mandei fazer este assento que assignei - O Vigario manoel Goems de Souza."

Fontes consultadas:
1 – Uberaba: história, fatos e homens, Antônio Borges de Sampaio, Academia de Letras do Triângulo. 1971;
2 – Revista do Arquivo Público Mineiro;
3 – Memória Histórica de Paracatu, Olímpio Gonzaga, 1910;
4 – Folhas Antigas, manuscrito de Gastão Salazar Pessoa.
5 – Alunos antigos, www.arcadas.org.br;
6 - Processo de habilitação de genere et moribus do padre Hermógenes - Cúria Metropolitana de São paulo - 1820.

Texto: José Aluísio Botelho. Modificado em fevereiro de 2015.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

Por José Aluísio Botelho

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Te…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

FAZENDAS ANTIGAS DE PARACATU E SEUS PRIMITIVOS DONOS

1 - SÍTIO DO ESCURO - Sesmaria concedida em 1759 ao Português João Jorge Portela e sua mulher Josefa Barbosa de Moura e Almeida. Desse casal, descendem pelo ramo materno, os Pimentéis Barbosa e Soares de Sousa;

2 - FAZENDA DO FUNDÃO - Sesmaria adquirida por João de Melo Franco em 1762, distante cerca de dez léguas de Paracatu, na chapada do São Marcos. Em 1819, segundo Pohl, se encontrava em ruínas. Passou à descendência;

3 - FAZENDA CÓRREGO RICO - Foi seu primitivo dono Joaquim de Melo Albuquerque( Seu Melo), falecido em 1880. Era filho do pernambucano Joaquim de Albuquerque e de Ana de Melo Franco;

4 - FAZENDA CAETANO - Pertenceu ao casal Manoel Caetano de Moraes e Joana Maria de Moura e anos mais tarde ao Dr. Sérgio Ulhôa;

5 - FAZENDA MOURA - Foi seu primitivo dono Romão de Moura, que se mudou para o Vão do Paranã, em Goiás, onde deixou numerosa descendência. Posteriormente, passou a ser propriedade do Coronel Fortunato Jacinto da Silva Botelho e seus descendentes;

6 - FAZENDA BROCOTÓ …

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

ULHOA - ESBOÇO GENEALÓGICO

FAMÍLIA ULHOA, DO VALE DO ULLA NA GALÍCIA ATÉ PARACATU EM  MINAS GERAIS

Pesquisas e Texto José Aluísio Botelho

Para saber mais, leia neste blog: Coronel Sancho Lopes de Ulhoa e seus descendentes

A) - Origem do apelido: do rio ULLA, na Galícia, que passou a ser Ulló (olho), depois Ulloa e hoje Ulhoa. Também provêm do hebraico hurscha (floresta) e/ou de uxna, forma adaptada ou corrompida de Yehoshua.

1) - Dom Férnan Sanches de Ulló, o primeiro Ulhoa de que se tem notícia e que viveu pelos anos de 756, visigodo, dono das terras no vale do rio Ulla;

2) - Dom Lopo Ruiz de Ulló (1120);

                                       Vale do Rio Ulla by Isidro Cea

3) - Dom Fernão Lopes de Ulló (1212), casado com Maria Martinez;

4) - Dom Lopo Sanches de Ulló, casado com Mayor Gomes de Trastamara;

5) - Dom Sancho Lopes de Ulloa, rico homem galego, primeiro Senhor de Vilamayor de Ulloa (barão), casado com Urraca Perez de Sotomayor;

6) - Dom Sancho Sanches de Ulloa, segundo Senhor de Vilamayor, casado com Mór Rod…

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE PARACATU - O COMEÇO DE UMA BELA HISTÓRIA

Por José Aluísio Botelho