Pular para o conteúdo principal

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO


 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
 

Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna. Herdou de seu pai o Engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum registro de denunciações ao tribunal, por ele praticadas. Obteve a patente de Coronel de Conquistas do termo da vila de Serinhaém em 1798, bem como o Hábito de Cristo em 1808. Fundou o engenho Cavalheiro, em terras onde hoje é o município de Jaboatão dos Guararapes, e lá viveu toda a sua vida. Segundo tradição oral da família, o nome da propriedade advém do fato ter sido ele um homem de fino trato, educado, portanto, um cavalheiro, principalmente, acrescento, com as mulheres. Parece não ter se interessado pela política, pois não ocupou cargos públicos, e tampouco cargos eletivos, a despeito do primo Pedro de Araújo Lima, que se tornou Grande do Império, agraciado com o título de Marquês de Olinda. Casou já no final dos setecentos com Maria da Conceição Cavalcanti, nascida em 1767, e falecida, no Recife, em 1817, aos 50 anos de idade. Desse casamento não houve filhos. O coronel Francisco Casado de Lima ainda vivia em 1851, com 86 anos de idade. Pois bem, se do legítimo casamento não houve filhos, tratou o coronel de obtê-los em outros úteros, gerando sete filhos legitimados em três mulheres distintas, mesmo na vigência de seu casamento. Conforme processo de legitimação requerido junto ao rei D. João VI, em 1820, já viúvo, o coronel Francisco Casado de Lima, pede à Sua Alteza, o reconhecimento de seus filhos, com a justificativa de não ter tido filhos do matrimônio, nem herdeiros ascendentes, por serem falecidos seus pais e avós, reconhece aos sobreditos por seus filhos, conforme escritura de perfilhação, recorre a Vossa majestade haver por bem se dignar mandar-lhe passar Carta de Perfilhação, para serem reconhecidos como legitimados e poderem suceder ao suplicante. O rei mandou que fossem passadas Cartas de Legitimação a todos os filhos arrolados no processo.
Um parêntese: além dos sete filhos legitimados, ele teve mais um filho conhecido, o advogado José Norberto Casado de Lima, tabelião em Barreiros, PE, nomeado por D. Pedro II em 1846.
O coronel parece ter sido um pai presente e dedicado aos filhos, patrocinando seus estudos, e aquinhoando-os com bens de seu rico patrimônio.
Dos filhos legitimados, Cândido José Casado de Lima (1812-1880) formou em medicina pela Universidade de Montpellier,onde defendeu tese sobre erupções cutâneas, "Essai sur les Dartres", no dia 15 de julho de 1837. Foi lente de Francês no curso anexo à Faculdade de Direito do Recife, e publicou um compêndio de gramática francesa.Viveu no Recife, onde exerceu a medicina, casou e teve 14 filhos, quase todos com sucessão. Clara Izabel de Lima (1795-1826) casou com Antonio de Souza Cirne, português natural da freguesia de São Cristóvão de Nogueira, Município de Cinfães, distrito de Viseu, e deu um neto ilustre ao coronel, Francisco de Souza Cirne Lima (09/09/1824-11/01/1887), futuro barão, que ficando órfão, foi tutelado pelo avô materno.
                                                          Batismo de Francisco de Sousa Cirne Lima

 Formou em direito na Faculdade de Direito de Olinda, exercendo as funções de juiz em várias regiões do Brasil. Foi agraciado com o título de Barão de Santa Cândida, pelo rei Dom Luís, de Portugal em 1882. O porque da concessão da honraria pelo rei de Portugal, e não pelo Imperador do Brasil ainda é obscura, provavelmente adquirido pecuniariamente, até porque, o governo do rei Dom Luis, assim procedeu para revigorar o caixa que pagava a gastança da combalida nobreza portuguesa. Deixou descendência no Rio Grande do Sul, a família Cirne Lima. Por fim, a filha predileta, Martinha Margarida de Lima, que segundo tradição oral da família, estudou nos melhores colégios do Recife, andava ricamente ornamentada, transportada em “cadeirinha de arruar”, carregada por escravos robustos, pelas ruas da cidade. Casou em 1832, com seu primo em segundo grau, Francisco Casado da Fonseca, dando origem à família Fonseca Lima.
                                                                  Matriz do Santíssimo Sacramento - Recife
                                                        Casamento de Martinha Margarida de Lima

 Dentre as propriedades herdadas do pai e sogro, foram proprietários dos engenhos Jangadinha, Guarani e Cavalheiro Novo, situados na freguesia de Afogados, termo do Recife, onde batizaram seus oito filhos que atingiram a vida adulta, todos com sucessões. Martinha faleceu aos 92 anos de idade em 1907. Seu marido faleceu aos 84 anos de idade, em 1887 no seu engenho Jangadinha.
Dos filhos do casal, o oitavo, Dr. Caetano Alberto da Fonseca Lima, formado em direito pela Faculdade de Olinda em 1871, fundou o ramo mineiro da família. Em 1873 foi nomeado Promotor em Russas no Ceará, onde permaneceu até 1875, quando solicitou sua remoção para Paracatu, Minas Gerais. Subindo o rio São Francisco em barco a vapor, apeou no porto Buriti, e de lá arribou em Paracatu, onde tomou posse como Juiz Municipal e de Órfãos. Casou com Dona Maria da Glória Pimentel Loureiro Gomes, filha do tenente Antonio Loureiro Gomes e de Zenóbia Pimentel Barbosa. O casal teve quatro filhos, Francisco Alberto, Julieta Margarida, Antonio e Idalina Cândida. Antonio e Julieta faleceram solteiros, sem sucessão. Francisco Alberto da Fonseca Lima casou com Hermelinda de Siqueira Torres, com sucessão. Idalina Cândida Lima Botelho, por seu casamento com seu primo José Jacinto (Juca) Botelho, teve doze filhos que atingiram a vida adulta, e com sucessão, exceto um deles.
Concluindo, a descendência do coronel Francisco casado de Lima já no século dezenove é enorme, se espalhando por todo o Nordeste, bem como por outras regiões do Brasil. Enfim, foi um grande, generoso, e esparramado genearca.
Fontes:
1 - Fonseca, Zilda: Os desbravadores da Capitania de Pernambuco, Seus Descendentes, Suas Sesmarias, 2003, Editora Universitária, UFPE.
2 - Livros paroquiais da matriz do Santíssimo Sacramento do Recife - familysearch.org.
Texto postado em agosto de 2011. Atualizado em setembro de 2016.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …