Pular para o conteúdo principal

CORONEL FRANCISCO CASADO DE LIMA: MEU TATARAVÔ PERNAMBUCANO


 Por José Aluísio Botelho

O coronel Francisco Casado de Lima nasceu na freguesia de São Pedro Gonçalves, vila de Santo Antonio do Recife em 1765. Único filho de outro Francisco Casado de Lima, natural de Serinhaém, e de Rosa Maria da Conceição, natural do Recife.Vide imagens de batismo do coronel e o do casamento dos seus pais:
Certidões
 

Era descendente dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira e dos Condes de Castro Daire, em Ponte Lima, norte de Portugal, portanto, inserido na nobreza portuguesa. Foi homem de grande fortuna: herdou de seu pai o engenho Novo Cucaú e uma sesmaria em São José dos Bezerros, termo de Serinhaém, e possuiu inúmeras outras propriedades em Serinhaém, Rio Formoso e no Recife. Em 1776, aos doze anos de idade, solicitou habilitação para familiar do Santo Ofício da Inquisição, encerrado em 1788 (Torre do Tombo, Lisboa). Aos 13 anos de idade (pasmem) foi considerado habilitado para exercer o “emprego". Segundo a pesquisadora Zilda Fonseca, não existe nenhum registro de denunciações ao tribunal por ele praticadas. Obteve a patente de Coronel de Conquistas do termo da vila de Serinhaém em 1798, bem como o Hábito de Cristo em 1808. Fundou os engenhos Cavalheiro e Jangadinha, em terras onde hoje é o município de Jaboatão dos Guararapes, e lá viveu toda a sua vida. Segundo tradição oral da família, o nome da Cavalheiro advém do fato ter sido ele um homem de fino trato, educado, portanto, um cavalheiro, principalmente, acrescento, com as mulheres. Parece não ter se interessado pela política, pois não ocupou cargos públicos, e tampouco cargos eletivos, a despeito do primo Pedro de Araújo Lima que se tornou Grande do Império agraciado com o título de Marquês de Olinda. Casou já no final dos setecentos com Maria da Conceição Cavalcanti, nascida em 1767, e falecida no Recife em 1817 aos 50 anos de idade. Desse casamento não houve filhos. O coronel Francisco Casado de Lima faleceu em 1855 com 90 anos de idade (notícia: Diário de Pernambuco, 21/10/1883, edição 243). Pois bem, se do legítimo casamento não houve filhos, tratou o coronel de obtê-los em outros úteros, gerando sete filhos legitimados em três mulheres distintas, mesmo na vigência de seu casamento. Conforme processo de legitimação requerido junto ao rei D. João VI, em 1820, já viúvo, o coronel Francisco Casado de Lima, pede à Sua Alteza, o reconhecimento de seus filhos, com a justificativa de não ter tido filhos do matrimônio, nem herdeiros ascendentes, por serem falecidos seus pais e avós, reconhece aos sobreditos por seus filhos, conforme escritura de perfilhação, recorre a Vossa majestade haver por bem se dignar mandar-lhe passar Carta de Perfilhação, para serem reconhecidos como legitimados e poderem suceder ao suplicante. O rei mandou que fossem passadas Cartas de Legitimação a todos os filhos arrolados no processo.
Um parêntese: além dos sete filhos legitimados, ele teve mais um filho conhecido, o advogado José Norberto Casado de Lima, tabelião em Barreiros, PE, nomeado por D. Pedro II em 1846.
O coronel parece ter sido um pai presente e dedicado aos filhos, patrocinando seus estudos, e aquinhoando-os com bens de seu rico patrimônio.
Dos filhos legitimados, Cândido José Casado de Lima (1812-1880) formou em medicina pela Universidade de Montpellier,onde defendeu tese sobre erupções cutâneas, "Essai sur les Dartres", no dia 15 de julho de 1837. Foi lente de Francês no curso anexo à Faculdade de Direito do Recife, e publicou um compêndio de gramática francesa.Viveu no Recife, onde exerceu a medicina, casou e teve 14 filhos, quase todos com sucessão. Clara Izabel de Lima (1795-1826) casou com Antonio de Souza Cirne, português natural da freguesia de São Cristóvão de Nogueira, Município de Cinfães, distrito de Viseu, e deu um neto ilustre ao coronel, Francisco de Souza Cirne Lima (09/09/1824-11/01/1887), futuro barão, que ficando órfão, foi tutelado pelo avô materno.
                                                          Batismo de Francisco de Sousa Cirne Lima

 Formou em direito na Faculdade de Direito de Olinda, exercendo as funções de juiz em várias regiões do Brasil. Foi agraciado com o título de Barão de Santa Cândida, pelo rei Dom Luís, de Portugal em 1882. O porque da concessão da honraria pelo rei de Portugal, e não pelo Imperador do Brasil ainda é obscura, provavelmente adquirido pecuniariamente, até porque, o governo do rei Dom Luis, assim procedeu para revigorar o caixa que pagava a gastança da combalida nobreza portuguesa. Deixou descendência no Rio Grande do Sul, a família Cirne Lima. Por fim, a filha predileta, Martinha Margarida de Lima, que segundo tradição oral da família, estudou nos melhores colégios do Recife, andava ricamente ornamentada, transportada em “cadeirinha de arruar”, carregada por escravos robustos, pelas ruas da cidade. Casou em 1832, com seu primo em segundo grau, Francisco Casado da Fonseca, dando origem à família Fonseca Lima.
                                                                  Matriz do Santíssimo Sacramento - Recife
                                                        Casamento de Martinha Margarida de Lima

 Dentre as propriedades herdadas do pai e sogro, foram proprietários dos engenhos Jangadinha, Guarani e Cavalheiro Novo, situados na freguesia de Afogados, termo do Recife, onde batizaram seus oito filhos que atingiram a vida adulta, todos com sucessões. Martinha faleceu aos 92 anos de idade em 1907. Seu marido faleceu aos 84 anos de idade, em 1887 no seu engenho Jangadinha.
Dos filhos do casal, o oitavo, Dr. Caetano Alberto da Fonseca Lima, formado em direito pela Faculdade de Olinda em 1871, fundou o ramo mineiro da família. Em 1873 foi nomeado Promotor em Russas no Ceará, onde permaneceu até 1875, quando solicitou sua remoção para Paracatu, Minas Gerais. Subindo o rio São Francisco em barco a vapor, apeou no porto Buriti, e de lá arribou em Paracatu, onde tomou posse como Juiz Municipal e de Órfãos. Casou com Dona Maria da Glória Pimentel Loureiro Gomes, filha do tenente Antonio Loureiro Gomes e de Zenóbia Pimentel Barbosa. O casal teve quatro filhos, Francisco Alberto, Julieta Margarida, Antonio e Idalina Cândida. Antonio e Julieta faleceram solteiros, sem sucessão. Francisco Alberto da Fonseca Lima casou com Hermelinda de Siqueira Torres, com sucessão. Idalina Cândida Lima Botelho, por seu casamento com seu primo José Jacinto (Juca) Botelho, teve doze filhos que atingiram a vida adulta, e com sucessão, exceto um deles.
Concluindo, a descendência do coronel Francisco casado de Lima já no século dezenove é enorme, se espalhando por todo o Nordeste, bem como por outras regiões do Brasil. Enfim, foi um grande, generoso, e esparramado genearca.
Fontes:
1 - Fonseca, Zilda: Os desbravadores da Capitania de Pernambuco, Seus Descendentes, Suas Sesmarias, 2003, Editora Universitária, UFPE.
2 - Livros paroquiais da matriz do Santíssimo Sacramento do Recife - familysearch.org.
Texto postado em agosto de 2011. Atualizado em setembro de 2016. Atualizado com correções em julho de 2017.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…