Pular para o conteúdo principal

PROFESSOR ANTONIO LOUREIRO GOMES junior



Filho de Antônio Loureiro Gomes e Zenóbia Pimentel Barbosa nasceu em Paracatu a 27 de março de 1865.
Estudou humanidades no colégio Ateneu Fluminense, dirigido pelo Dr. Augusto dos Reis (casado com Laura Pimentel de Ulhôa, tia de vô Juca), passando depois para Barbacena, Ouro Preto e Caraça, nos quais concluiu os preparatórios para o curso superior. Abandonou os estudos, retornando à Paracatu, onde em 1888 foi nomeado, por concurso, professor de matemática do externato (Escola de Agrimensura) da Escola Normal, bem como de aritmética e escrituração mercantil da Escola Normal, cargo que ocupou até a extinção da mesma escola, da qual foi diretor durante quatro anos. Colaborou em diversos jornais de Paracatu e do Triângulo Mineiro. Vereador municipal por uma legislatura foi um dos propugnadores da construção do mercado municipal em Paracatu.
Com a supressão da escola Normal, foi nomeado inspetor técnico do ensino do estado, tendo servido nas circunscrições do Triângulo Mineiro e de Paracatu.
Promoveu em Paracatu a criação, instalação e organização do Grupo Escolar por ordem do governo.
Como professor e bom orador que foi, soube incutir na mocidade o gérmen do dever, do civismo e do amor à pátria (sic).
Antonio Loureiro Gomes foi um dos grandes mestres da educação em Paracatu.

Transcrito do livro “Memória Histórica de Paracatu”, de Olímpio Gonzaga, 1910.

O Professor Antônio Loureiro Gomes foi um dos grandes mestres da educação em Paracatu, incansável na luta em prol do ensino de qualidade no Município. Sua participação na cerimônia em homenagem póstuma a Afonso Arinos de Melo Franco em 1916, foi a última notícia que possuímos do velho mestre. Radicou-se em Belo Horizonte na velhice, onde faleceu a 21 de novembro de 1936, aos 72 anos.
  
                                     Casamento e descendência  
                      
Foi casado com Ana Deolinda Vieira Loureiro, natural de Curvelo, Minas Gerais, falecida em 1903 em Paracatu, de complicações do parto. Filhos:

1 – Antônio Arnaldo Loureiro – Moleque, nascido em 1886 em Paracatu, e falecido em 1983 em Brasília, DF. Foi sepultado em Paracatu; casado com sua prima Maria Lima Botelho, filha do capitão José Jacinto da Silva Botelho e de Idalina Cândida Loureiro Lima.
Filhos:
1.1 -Lucas Botelho Loureiro, casado com descendência;

1.2 - Maria de Lourdes Loureiro dos Santos (Dodó), casada com Francisco Jorge dos Santos; 
Filhos:
1.2.1 - Luís Arnaldo Loureiro dos Santos;
1.2.2 - Ana Maria Loureiro dos Santos;
1.2.3 - José Eduardo Loureiro dos Santos;
1.2.4 - Franz Loureiro dos Santos;

1.3 - Luci Loureiro Dias, sem descendência; 
2 – Maria Loureiro Gomes, nascida em 1891 em Paracatu; faleceu solteira em Belo Horizonte em 18/06/1953;
3 – Ana Leonor Loureiro Gomes, nascida em 1902 em Paracatu; faleceu solteira em 24/11/1973 em Belo Horizonte, Minas Gerais;
4 – Mercedes Loureiro Gomes (Baninha);
5 - Geni Loureiro Gomes;
 6 – Manuel Loureiro Gomes, nascido em Paracatu em 1903 e falecido em 20/11/ 1977 em Belo Horizonte, Minas Gerais; foi casado com Maria da Piedade Bacelete Loureiro, falecida em 1979; foi funcionário da Secretaria de Segurança Pública de Minas, onde aposentou-se.
Filhos:
6.1 - Carlos Loureiro Bacelete, já falecido;
6.2 - Maria Lydia Loureiro Gomes;
6.3 - Cláudio Bacelete Loureiro, já falecido;
6.4 - Glória Loureiro Salomão.

Memória: Moleque
(Para aqueles que o conheceram e com ele conviveu)

Apelido de infância que o acompanhou por toda a vida. O inusitado era que todos se dirigiam a ele e o chamavam respeitosamente de Senhor, Sô Moleque, como se nome próprio fosse.
O nosso saudoso Moleque no longínquo 1910 fazia parte da diretoria do “Grêmio Dramático Pedro Salazar”, ocupando o cargo de 2º procurador. Sessenta anos depois, vamos encontrá-lo em escaramuças com Maria Preta na hora do almoço e jantar, em sua casa na Rua do Córrego. Faleceu em idade provecta aos 97 anos. 

Para saber mais: leia nesse blog o artigo - Velhos Troncos Paracatuenses: Loureiro Gomes

Nota – esse artigo por se tratar de notas genealógicas, está sujeito a correções e acréscimos.
Aluísio Botelho, dezembro de 2013. Atualizado em fevereiro de 2016.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em