Pular para o conteúdo principal

DR. BARBOSA LIMA SOBRINHO

                                  
                                  ESBOÇO GENEALÓGICO

Foi um ilustre brasileiro. Advogado, escritor, historiador, ensaísta, político, sobretudo jornalista. Descrever sua biografia nos parece desnecessária, por ser bastante conhecida e facilmente encontrada tanto na internet, como em livros que retratam sua vida e sua obra. Natural de Recife, onde nasceu em 22 de janeiro de 1897, batizado na Matriz de Santo Antonio da Boa Vista, sendo padrinho o tio materno e homônimo Dr. Alexandre José Barbosa Lima. Faleceu em 16 de julho de 2000, no Rio de Janeiro.

Os pais:

Filho legítimo do tabelião Francisco Cintra Lima e de Dona Joana de Jesus Cintra Barbosa Lima, parentes em segundo grau, com tronco genealógico comum.
Francisco Cintra Lima nasceu no Bairro da Boa Vista, Recife em 1868, e faleceu no Rio de Janeiro em 14 de outubro de 1925. Dona Joana de Jesus Cintra Lima nasceu no Bairro da Boa Vista, Recife, em 23 de dezembro de 1871. Faleceu em 07 de fevereiro de 1936 no Rio de Janeiro.

Os irmãos:

1.1          – Maria Clarice Cintra do Amaral;
1.2          – Letícia Cintra Carneiro Leão;
1.3          – Maria José Cintra Lima;
1.4          – Fabíola Cintra Lima;
1.5          – Maria Rita Cintra Lima;
1.6          – Francisco Cintra Lima Junior;
1.7          – José Paulo Cintra Lima;
1.8          – Ana Maria Cintra Lima;

 Avôs Paternos:

1 - João Luiz Pereira Lima e Dona Úrsula Cordeiro Coelho Cintra, ele natural da Paraíba, comerciante de algodão; ela natural de Recife, onde casaram na Matriz de Santo Antonio da Boa Vista em 1853. Outros filhos desse casal:
1.1 – Joaquim Cintra Lima, nascido em 21/10/1854;
1.2 – Maria Cintra Lima, nascida em 10/05/1856;
1.3 – Frederico Cintra Lima, nascido em 1859;
1.4 – Maria do Carmo Cintra Lima;
1.5 – Roberto Cintra Lima, nascido em 1864;
1.6 – Maria Cintra dos Passos;

Avôs Maternos:

2 - Desembargador Joaquim Barbosa Lima, natural do Ceará, e de Dona Rita de Cássia Pitaluga Coelho Cintra, natural de Recife, onde se casaram na matriz de Santo Antonio da Boa Vista em 09 de maio de 1861; faleceu o Dr. Joaquim Barbosa Lima no Rio de Janeiro em 10 de fevereiro de 1895. Dona Rita de Cássia faleceu também no Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1927;

Outros filhos:

2.1 – Alexandre José Barbosa Lima (*1862 – +1931), general de exército, engenheiro militar, governador de Pernambuco;
2.2 – Dr. João Paulo Barbosa Lima, advogado, Ministro do STM;
2.3 – Dr. Manuel Barbosa Lima, médico;
2.4 – Santa Barbosa Lima;
2.5 – Dr. Geraldo Barbosa Lima, médico;
2.6 – Evangelina Barbosa Lima;

BIOGRAFIA DO DESEMBARGADOR

Nascido em Aracati, Ceará, em 22 de dezembro de 1834, filho do Major, advogado, e deputado provincial Geraldo Correia Lima, falecido em 1895 aos 106 anos em Fortaleza, e de Joana Batista Barbosa Lima, da família Gurgel do Ceará.
Bacharel em Direito pela faculdade de Recife em 1859. Ainda quando estudante fundou em recife, o Imperial Instituto do Bom Conselho, educandário com larga aceitação entre as famílias recifenses,
Magistrado. Foi Juiz Municipal em Aracati (Ceará), Rio Preto (MG) e Belém do Pará, e Juiz de Direito em Boa Vista do Tocantins (GO), Imperatriz das Alagoas, nas comarcas de Sapucaí e Paraibuna, e Juiz de Fora (MG) e em Fortaleza. Concluiu a carreira como desembargador da relação do Mato Grosso.
Por onde passou deixou assinalados sulcos de sua atividade, desde a catequese dos índios Apinagés em Goiás até a campanha abolicionista. Em Juiz de Fora promoveu a construção do Fórum e da Câmara Municipal, cuja inauguração contou com a presença do Imperador D. Pedro II, e da Escola Municipal, além de outras iniciativas.
Tinha o hábito de Cristo e o oficialato da Ordem da Rosa.
Faleceu subitamente, em trânsito, na estação ferroviária de Vitória no Espírito Santo, aos 60 anos. Em julho de 1900, seus restos mortais foram trasladados para o cemitério São João Batista no Rio de Janeiro.
Nota: o Dr. Joaquim Barbosa Lima foi casado uma primeira vez com Joana Batista Barbosa Lima, com quem teve dois filhos: José, batizado em 12/04/1857, e Francisco, batizado em 03/11/1859. Ignoramos o paradeiro deles.

Bisavôs Paternos:

1 – José Luiz Pereira Lima e de Dona Antonia Leocádia do Nascimento, naturais da Paraíba. Senhor do engenho da Graça, nos subúrbios da cidade de Paraíba do Norte (atual João Pessoa), negociante abastado; Outros filhos:

1.1   – José Luiz Pereira Lima Junior (1826 – 1866);
1.2    – Manoel Luiz Pereira Lima;
1.3   -     Joaquim Luiz Pereira Lima;

2 – Joaquim Coelho Cintra e Dona Ana Gertrudes Cordeiro, nascida em 1812 e falecida em 27/07/1862 no Recife; Outros filhos:

1.1 – Desembargador Guilherme Cordeiro Coelho Cintra, nascido em 15 de junho de 1835 no Recife, e falecido no Rio de Janeiro em 24 de novembro de 1910. Foi Presidente da Província de Santa Catarina;
1.2 – Dr. Joaquim Cordeiro Coelho Cintra, nascido em 1837 no Recife, e falecido em 03 de dezembro de 1913; Foi Juiz de Direito;
1.3 – Maria Izabel Cordeiro Coelho Cintra;
1.4 – Rita Cordeiro Coelho Cintra, nascida em 1845, Recife; faleceu em 01/01/1925, no bairro de Tejipió, Recife;
1.5 – Sebastião Cordeiro Coelho Cintra, Nascido em 1847, Recife;
1.6 – Tereza Cordeiro Coelho Cintra, nascida me 1850, Recife;
1.7 – Sofia Cordeiro Coelho Cintra, nascida em 1853, Recife;
1.8 – André Coelho Cintra;
1.9 – Francisco Cordeiro Coelho Cintra;

Bisavôs Maternos

1 - Major Geraldo Correia Lima, natural de Cascavel, Ceará, onde nasceu em 1789, filho de José Correia Lima e de Helena Barbosa (Trisavôs), e de Joana Batista Gurgel do Amaral;
2 - Manoel Coelho Cintra, nascido em 1807 e falecido em 08 de junho de 1880 no Recife, tenente da Marinha, e Dona Mafalda Augusta Pitaluga, natural de Lisboa, filha de Alexandre José Pitaluga, de ascendência italiana e de Dona Ana Rosa de Abreu Guimarães; casaram em 08 de maio de 1833 em Lisboa; outros filhos do casal:

1 – Dr. Manoel Coelho Cintra Júnior, advogado, juiz de direito;

2 – Dr. Amaro Rui Pitaluga Coelho Cintra, médico ;                                                                                                  
3 – Pascoal Coelho Cintra;

4 – Dr. José Cupertino Coelho Cintra, nascido em Recife em 18 de setembro de 1843, e falecido no Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1939. Notável engenheiro brasileiro, com perfil biográfico largamente encontrado na internet;

5 – General Luiz Augusto Coelho Cintra, herói da Guerra do Paraguai, falecido em 1902 no Recife, solteiro;

Trisavós:

Tanto Dona Úrsula como Dona Rita de Cássia eram netas de Elias Coelho Cintra, natural do lugar do Carrascal, termo de Sintra, distrito de Lisboa, onde nasceu em 20 de julho de 1775, filho legítimo de Manoel Coelho Cintra, também natural dali, batizado em 15 de novembro de 1744, e de Dona Maria Rosa da Encarnação, natural de Milharado, termo de Mafra, distrito de Lisboa; esse casal se recebeu em casamento na igreja de Santo Isidoro, Mafra, distrito de Lisboa;
Manoel Coelho Cintra era filho de José Coelho Freire, natural de São João das Covas, arcebispado de Braga, Portugal, e de Francisca Teresa de Jesus, natural do lugar de Ceifeira Pequena, termo de São Miguel do Milharado, Mafra, distrito de Lisboa. No Arquivo Ultramarino existe um curioso processo de solicitação de passaporte, datado de maio de 1812, onde Manoel solicita permissão para viajar à Pernambuco, juntamente com a esposa, para ter com o filho Elias Coelho Cintra, estabelecido no lugar como comerciante. Após uma devassa fiscal na vida do solicitante, ele obteve o passaporte para viajar ao Brasil, porém não sabemos se empreendeu viagem. Na ocasião declarou ter 68 anos de idade.
Elias Coelho Cintra casou no Recife, por volta de 1805, com Úrsula Maria das Virgens, da família Sousa Leão, nascida em 1779 e falecida em 23/04/1850; tiveram pelo menos outros dois filhos descobertos:

1 – Dr. Elias Coelho Cintra Filho, bacharel pela Academia de Direito de Olinda, turma de 1834; suplente de deputado faleceu no exercício do mandato de deputado substituto, no Rio de Janeiro em 26 de agosto de 1841;
2 – Mariana Alexandrina Coelho Cintra, casada em 1827 com Arsênio Fortunato da Silva nascido no Recife em 1806 e falecido em 07/01/1854 no Recife, empresário, armador e inventor. Tiveram os filhos:
2.1 – Felisbela Ernestina Cintra da Silva, condessa de Wilson pelo seu casamento com Eduardo Pellew Wilson Júnior, conde de Wilson, rico homem de negócios;
2.2 – Arsênio Cintra da Silva, renomado pintor com formação europeia;
3.3 – Comendador Joaquim Arsênio Cintra da Silva, cônsul na Bolívia; 
3.4 – Etelvina Cintra da Silva;
3.5 – Neomísia Leovegilda Cintra da Silva;
3.6 - Mariana Cintra da Silva;

Sobre Elias Coelho Cintra – veio jovem para Recife, onde prosperou nos negócios, principalmente no comércio marítimo. Negociante de grosso trato, armador, dono de vários navios de porte médio para transportes de mercadorias, e notadamente, usados no tráfico de escravos da África para o Brasil, tornou-se um dos homens poderosos da capitania de Pernambuco na primeira metade do século dezenove. Consta que somente entre 1814 e 1830, ele traficou cerca de dez mil negros, trazidos do continente africano. Participou ativamente da conjuração pernambucana de 1817, sempre defendendo os interesses portugueses na colônia. Teve que fugir da capitania para não ser deportado para Portugal, na ocasião da independência do Brasil. Faleceu no Recife em 02/12/1851.

Fontes:
1 - Livros paroquiais da igreja do Santíssimo Sacramento da Boa vista, Recife;
2- Jornais de época: séculos XIX e XX;
3 - Revolução Pernambucana 1817: trechos de livros referentes a Elias Coelho Cintra;
4 – Arquivo Ultramarino.

Pesquisa realizada por José Aluísio Botelho
Postado em agosto de 2013.













Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.