Pular para o conteúdo principal

DR. BARBOSA LIMA SOBRINHO

                                  
                                  ESBOÇO GENEALÓGICO

Foi um ilustre brasileiro. Advogado, escritor, historiador, ensaísta, político, sobretudo jornalista. Descrever sua biografia nos parece desnecessária, por ser bastante conhecida e facilmente encontrada tanto na internet, como em livros que retratam sua vida e sua obra. Natural de Recife, onde nasceu em 22 de janeiro de 1897, batizado na Matriz de Santo Antonio da Boa Vista, sendo padrinho o tio materno e homônimo Dr. Alexandre José Barbosa Lima. Faleceu em 16 de julho de 2000, no Rio de Janeiro.

Os pais:

Filho legítimo do tabelião Francisco Cintra Lima e de Dona Joana de Jesus Cintra Barbosa Lima, parentes em segundo grau, com tronco genealógico comum.
Francisco Cintra Lima nasceu no Bairro da Boa Vista, Recife em 1868, e faleceu no Rio de Janeiro em 14 de outubro de 1925. Dona Joana de Jesus Cintra Lima nasceu no Bairro da Boa Vista, Recife, em 23 de dezembro de 1871. Faleceu em 07 de fevereiro de 1936 no Rio de Janeiro.

Os irmãos:

1.1          – Maria Clarice Cintra do Amaral;
1.2          – Letícia Cintra Carneiro Leão;
1.3          – Maria José Cintra Lima;
1.4          – Fabíola Cintra Lima;
1.5          – Maria Rita Cintra Lima;
1.6          – Francisco Cintra Lima Junior;
1.7          – José Paulo Cintra Lima;
1.8          – Ana Maria Cintra Lima;

 Avôs Paternos:

1 - João Luiz Pereira Lima e Dona Úrsula Cordeiro Coelho Cintra, ele natural da Paraíba, comerciante de algodão; ela natural de Recife, onde casaram na Matriz de Santo Antonio da Boa Vista em 1853. Outros filhos desse casal:
1.1 – Joaquim Cintra Lima, nascido em 21/10/1854;
1.2 – Maria Cintra Lima, nascida em 10/05/1856;
1.3 – Frederico Cintra Lima, nascido em 1859;
1.4 – Maria do Carmo Cintra Lima;
1.5 – Roberto Cintra Lima, nascido em 1864;
1.6 – Maria Cintra dos Passos;

Avôs Maternos:

2 - Desembargador Joaquim Barbosa Lima, natural do Ceará, e de Dona Rita de Cássia Pitaluga Coelho Cintra, natural de Recife, onde se casaram na matriz de Santo Antonio da Boa Vista em 09 de maio de 1861; faleceu o Dr. Joaquim Barbosa Lima no Rio de Janeiro em 10 de fevereiro de 1895. Dona Rita de Cássia faleceu também no Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1927;

Outros filhos:

2.1 – Alexandre José Barbosa Lima (*1862 – +1931), general de exército, engenheiro militar, governador de Pernambuco;
2.2 – Dr. João Paulo Barbosa Lima, advogado, Ministro do STM;
2.3 – Dr. Manuel Barbosa Lima, médico;
2.4 – Santa Barbosa Lima;
2.5 – Dr. Geraldo Barbosa Lima, médico;
2.6 – Evangelina Barbosa Lima;

BIOGRAFIA DO DESEMBARGADOR

Nascido em Aracati, Ceará, em 22 de dezembro de 1834, filho do Major, advogado, e deputado provincial Geraldo Correia Lima, falecido em 1895 aos 106 anos em Fortaleza, e de Joana Batista Barbosa Lima, da família Gurgel do Ceará.
Bacharel em Direito pela faculdade de Recife em 1859. Ainda quando estudante fundou em recife, o Imperial Instituto do Bom Conselho, educandário com larga aceitação entre as famílias recifenses,
Magistrado. Foi Juiz Municipal em Aracati (Ceará), Rio Preto (MG) e Belém do Pará, e Juiz de Direito em Boa Vista do Tocantins (GO), Imperatriz das Alagoas, nas comarcas de Sapucaí e Paraibuna, e Juiz de Fora (MG) e em Fortaleza. Concluiu a carreira como desembargador da relação do Mato Grosso.
Por onde passou deixou assinalados sulcos de sua atividade, desde a catequese dos índios Apinagés em Goiás até a campanha abolicionista. Em Juiz de Fora promoveu a construção do Fórum e da Câmara Municipal, cuja inauguração contou com a presença do Imperador D. Pedro II, e da Escola Municipal, além de outras iniciativas.
Tinha o hábito de Cristo e o oficialato da Ordem da Rosa.
Faleceu subitamente, em trânsito, na estação ferroviária de Vitória no Espírito Santo, aos 60 anos. Em julho de 1900, seus restos mortais foram trasladados para o cemitério São João Batista no Rio de Janeiro.
Nota: o Dr. Joaquim Barbosa Lima foi casado uma primeira vez com Joana Batista Barbosa Lima, com quem teve dois filhos: José, batizado em 12/04/1857, e Francisco, batizado em 03/11/1859. Ignoramos o paradeiro deles.

Bisavôs Paternos:

1 – José Luiz Pereira Lima e de Dona Antonia Leocádia do Nascimento, naturais da Paraíba. Senhor do engenho da Graça, nos subúrbios da cidade de Paraíba do Norte (atual João Pessoa), negociante abastado; Outros filhos:

1.1   – José Luiz Pereira Lima Junior (1826 – 1866);
1.2    – Manoel Luiz Pereira Lima;
1.3   -     Joaquim Luiz Pereira Lima;

2 – Joaquim Coelho Cintra e Dona Ana Gertrudes Cordeiro, nascida em 1812 e falecida em 27/07/1862 no Recife; Outros filhos:

1.1 – Desembargador Guilherme Cordeiro Coelho Cintra, nascido em 15 de junho de 1835 no Recife, e falecido no Rio de Janeiro em 24 de novembro de 1910. Foi Presidente da Província de Santa Catarina;
1.2 – Dr. Joaquim Cordeiro Coelho Cintra, nascido em 1837 no Recife, e falecido em 03 de dezembro de 1913; Foi Juiz de Direito;
1.3 – Maria Izabel Cordeiro Coelho Cintra;
1.4 – Rita Cordeiro Coelho Cintra, nascida em 1845, Recife; faleceu em 01/01/1925, no bairro de Tejipió, Recife;
1.5 – Sebastião Cordeiro Coelho Cintra, Nascido em 1847, Recife;
1.6 – Tereza Cordeiro Coelho Cintra, nascida me 1850, Recife;
1.7 – Sofia Cordeiro Coelho Cintra, nascida em 1853, Recife;
1.8 – André Coelho Cintra;
1.9 – Francisco Cordeiro Coelho Cintra;

Bisavôs Maternos

1 - Major Geraldo Correia Lima, natural de Cascavel, Ceará, onde nasceu em 1789, filho de José Correia Lima e de Helena Barbosa (Trisavôs), e de Joana Batista Gurgel do Amaral;
2 - Manoel Coelho Cintra, nascido em 1807 e falecido em 08 de junho de 1880 no Recife, tenente da Marinha, e Dona Mafalda Augusta Pitaluga, natural de Lisboa, filha de Alexandre José Pitaluga, de ascendência italiana e de Dona Ana Rosa de Abreu Guimarães; casaram em 08 de maio de 1833 em Lisboa; outros filhos do casal:

1 – Dr. Manoel Coelho Cintra Júnior, advogado, juiz de direito;

2 – Dr. Amaro Rui Pitaluga Coelho Cintra, médico ;                                                                                                  
3 – Pascoal Coelho Cintra;

4 – Dr. José Cupertino Coelho Cintra, nascido em Recife em 18 de setembro de 1843, e falecido no Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1939. Notável engenheiro brasileiro, com perfil biográfico largamente encontrado na internet;

5 – General Luiz Augusto Coelho Cintra, herói da Guerra do Paraguai, falecido em 1902 no Recife, solteiro;

Trisavós:

Tanto Dona Úrsula como Dona Rita de Cássia eram netas de Elias Coelho Cintra, natural do lugar do Carrascal, termo de Sintra, distrito de Lisboa, onde nasceu em 20 de julho de 1775, filho legítimo de Manoel Coelho Cintra, também natural dali, batizado em 15 de novembro de 1744, e de Dona Maria Rosa da Encarnação, natural de Milharado, termo de Mafra, distrito de Lisboa; esse casal se recebeu em casamento na igreja de Santo Isidoro, Mafra, distrito de Lisboa;
Manoel Coelho Cintra era filho de José Coelho Freire, natural de São João das Covas, arcebispado de Braga, Portugal, e de Francisca Teresa de Jesus, natural do lugar de Ceifeira Pequena, termo de São Miguel do Milharado, Mafra, distrito de Lisboa. No Arquivo Ultramarino existe um curioso processo de solicitação de passaporte, datado de maio de 1812, onde Manoel solicita permissão para viajar à Pernambuco, juntamente com a esposa, para ter com o filho Elias Coelho Cintra, estabelecido no lugar como comerciante. Após uma devassa fiscal na vida do solicitante, ele obteve o passaporte para viajar ao Brasil, porém não sabemos se empreendeu viagem. Na ocasião declarou ter 68 anos de idade.
Elias Coelho Cintra casou no Recife, por volta de 1805, com Úrsula Maria das Virgens, da família Sousa Leão, nascida em 1779 e falecida em 23/04/1850; tiveram pelo menos outros dois filhos descobertos:

1 – Dr. Elias Coelho Cintra Filho, bacharel pela Academia de Direito de Olinda, turma de 1834; suplente de deputado faleceu no exercício do mandato de deputado substituto, no Rio de Janeiro em 26 de agosto de 1841;
2 – Mariana Alexandrina Coelho Cintra, casada em 1827 com Arsênio Fortunato da Silva nascido no Recife em 1806 e falecido em 07/01/1854 no Recife, empresário, armador e inventor. Tiveram os filhos:
2.1 – Felisbela Ernestina Cintra da Silva, condessa de Wilson pelo seu casamento com Eduardo Pellew Wilson Júnior, conde de Wilson, rico homem de negócios;
2.2 – Arsênio Cintra da Silva, renomado pintor com formação europeia;
3.3 – Comendador Joaquim Arsênio Cintra da Silva, cônsul na Bolívia; 
3.4 – Etelvina Cintra da Silva;
3.5 – Neomísia Leovegilda Cintra da Silva;
3.6 - Mariana Cintra da Silva;

Sobre Elias Coelho Cintra – veio jovem para Recife, onde prosperou nos negócios, principalmente no comércio marítimo. Negociante de grosso trato, armador, dono de vários navios de porte médio para transportes de mercadorias, e notadamente, usados no tráfico de escravos da África para o Brasil, tornou-se um dos homens poderosos da capitania de Pernambuco na primeira metade do século dezenove. Consta que somente entre 1814 e 1830, ele traficou cerca de dez mil negros, trazidos do continente africano. Participou ativamente da conjuração pernambucana de 1817, sempre defendendo os interesses portugueses na colônia. Teve que fugir da capitania para não ser deportado para Portugal, na ocasião da independência do Brasil. Faleceu no Recife em 02/12/1851.

Fontes:
1 - Livros paroquiais da igreja do Santíssimo Sacramento da Boa vista, Recife;
2- Jornais de época: séculos XIX e XX;
3 - Revolução Pernambucana 1817: trechos de livros referentes a Elias Coelho Cintra;
4 – Arquivo Ultramarino.

Pesquisa realizada por José Aluísio Botelho
Postado em agosto de 2013.













Postagens mais visitadas

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 1768 na região denominada Campo das Vertentes, MG, ele nascido na região, ela vinda de muito longe em uma longa jornada, desde a ilha Graciosa no Arquipélago dos Açores, concessão portuguesa no oceano Atlântico, passando pelo Rio Grande do Sul, e que se prolongaria até Araxá, no sertão da Farinha Podre. Depois de casados, o casal se fixou primeiramente em São José Del-Rei, aonde nasceram os dois primeiros filhos, de um total de doze. Militar de carreira, recebeu a patente de tenente em 1775, e foi caminhando com família em direção ao oeste promissor, a medida que o ciclo do ouro no Campo das Vertentes ia se esgotando. De São José, estabeleceu na chamada picada de Nossa Senhora de Oliveira, com fazenda de criar gado vacum, e na medida do avançar dos anos, iam nascendo os filhos. Pois bem, todos criados e já na idade adulta, o mais velho ordenado padre, os d…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

GUARDA-MOR JOSÉ RODRIGUES FRÓES

OS MELLO FRANCO

Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, se fixou em Paracatu por volta de 1755. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com sua parenta Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia.Tiveram os seguintes filhos:

1 – Francisco de Melo Franco, nascido a 17 de Setembro de 1757 em Paracatu, Minas Gerais. Formou em medicina na Universidade de Coimbra em 1786 e tornou-se um dos mais importantes médicos na corte portuguesa em sua época: o Alvará de 09 de junho de 1793, de D. Maria I, nomeou-o médico honorário da Real Câmara e o Alvará de 03 de agosto…

ARRAIAL DE SÃO LUIZ E SANTANA DAS MINAS DO PARACATU - SÉRIE TRONCOS PIONEIROS 14