Pular para o conteúdo principal

TRONCOS PARACATUENSES: MOURA PORTELA*

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
COLABORAÇÃO EDUARDO ROCHA



                          NOTAS GENEALÓGICAS

Esta família teve início em Minas Gerais com o casamento por volta de 1740, do português João Jorge Portela, natural da freguesia de São Mamede de Valongo, Bispado do Porto, com dona Josefa Barbosa de Almeida, natural da freguesia de São Caetano do Japoré (atual cidade de Manga), filha do sargento-mor Domingos de Moura Miguel, natural do Porto e de Beatriz Barbosa Cardoso de Almeida, natural do Brejo do Salgado, Capitania de Minas Gerais (Beatriz era da família de Matias Cardoso de Almeida, colonizadores da margem esquerda do rio São Francisco, divisa com a Bahia e Pernambuco), e que se estabeleceu no nascente arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Em uma curiosa "LISTA SECRETA DOS HOMENS MAIS RICOS DA CAPITANIA", elaborada por um burocrata do governo português em 1756 (Domingos Pinheiro, provedor mor da fazenda), o Sargento mor João Jorge Portela figurava como um dos homens mais abastados do arraial, aonde possuía "roças com engenho de pilões" no Ribeirão São Pedro. Em 1758 obteve sesmaria às margens do Rio Escuro, e em 1774 tem todos os seus bens confiscados pela fazenda pública, sendo posteriormente recuperados. Já era falecido em junho de 1778. De sua união com Josefa Barbosa de Moura e Almeida, falecida em 1770, nasceram dezesseis filhos, de acordo com umas notas manuscritas da família apresentada por Gastão Salazar, porém não foram nomeados na sua totalidade. Citamos os filhos descobertos:

A - Maria de Moura Almeida, Natural de Curral Del Rei; casada com Guilherme da Silva Pereira, batizado em 04/07/1706 na vila de Almada, Patriarcado de Lisboa, atualmente localizada no distrito de Setúbal, filho de Luís da Silva e de Domingas da Silva; filhos descobertos:
A.1 - Mariana, batizada em 13/02/1758;
A.2 - Feliciana, batizada em 26/11/1758;
A.3 - Guilherme, batizado em 19/01/1766; casado em 1785 com Ana Maria de Araújo Mesquita, nascida em 1767, filha de João de Araújo Mesquita e de Custódia Maria do Sacramento; neta paterna de João de Mesquita e de Maria de Araújo, naturais de São Pedro de Alvite, Concelho de Bastos, bispado de Braga; neta materna de Antonio José Cabral, natural de Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores, e de Ana Camelo de Sousa, natural das Minas do Paracatu.
Batismo de Guilherme

Filho descoberto:
A.3.1 - Anastácio, nascido em 10/05/1794;

B – Arcângela Maria de Moura, nascida no Arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, casada com o licenciado Luís José de carvalho, natural da Vila do Melo, freguesia de Santo Isidoro, Gouveia, distrito de Guarda, Portugal, aonde foi batizado aos 05/03/1743. Foi o primeiro procurador  da Câmara de Vereadores da recém criada Vila de Paracatu do Príncipe, instalada em dezembro de 1799. Senhor e possuidor da fazenda Barrocão. Em um documento da inquisição em que ele é testemunha, disse viver de sua arte de Cirurgia e Roça. Mantinha uma Botica no arraial. veja imagens:
Profissão
                                                                     
Batismo de Luiz José de carvalho


 Filhos, de acordo com seu inventario aberto em 1815/1816:

B.1 - Padre Eustáquio José de Carvalho. Nascido em 1773, habilitou - se de genere et moribus em 1807, em São ´Paulo; falecido em 04/04/1825; em seu testamento deixou legados aos irmãos e sobrinhos;

 B.2 - Ana Genoveva de Carvalho, nascida em 04/08/1774; foi casada 1ªvez com Antonio Lopes de Carvalho; 2ªvez com seu primo Marcos Joaquim de Moura; filha 

descoberta do 2º casamento:

B.2.1 - Cândida Genoveva de Carvalho;

 B.3 - Maria Jacinta de Carvalho, batizada em 10/03/1776; foi casada com seu primo Alferes Isidoro Manoel Soares de Sousa;

B.4 - Francisco José de Carvalho, nascido em 12/05/1777, e batizado a 20 do dito mês e ano;

B.5 - Teresa Maria de Moura, nascida em 1778 e já  falecida em 1825; casada com o furriel pago Francisco Antonio; filhos:
B.5.1 - Manoel;
B.5.2 - Cândido;
B.5.3 - Maria;
 
B.6 - Antonia Maria de Moura, nascida em 1779; casada com o capitão Domingos José Pereira Leitão, falecido em 29/04/1827,  filho de Manoel Pereira Leitão; filhos:
B.6.1. - Maria Claudina Pereira Leitão, com 17 anos; casada com o furriel Joaquim José da Costa;
B.6.2 - Domingos Pereira Leitão, com 16 anos;
B.6.3 - João Crisóstomo Pereira Leitão, com 14 anos;
B.6.4 - Jacinta Pereira Leitão (ou Jacinta Maria da Conceição), com 12 anos;
B.6.5 - Antonio Jacinto Pereira Leitão, com 9 anos;
Obs.: idades informadas no inventário do pai em 1827.

B.7 - Capitão Joaquim José de Carvalho, nascido em 1881, e falecido em janeiro de 1834; casado com sua prima Rita Maria de Moura, filha de Caetano José de Moura e de Branca Rodrigues das Neves; foram senhores da fazenda "Salobo"; filhos:
B.7.1 - Maria de Moura, com 26 anos em 1835, casada com Manoel da Paixão;
B.7.2 - Luíza Maria de Moura, com 25 anos em 1835, viúva de Francisco Antonio Brasileiro;
B.7.3 - Miguel Joaquim de Carvalho;
B.7.4 - João José de Carvalho, com 24 anos em 1835; falecido em 02/03/1848; foi casado com Henriqueta Lourenço da Costa, filha de Antonio Joaquim da Costa e de Caetana de Afonseca e Silva; filhos:
B.7.4.1 - Secundino José de carvalho, com 10 anos em 1848;
B.7.4.2 - Josefa, 8 anos;
B.7.4.3 - Joaquim, 6 anos;
B.7.4.4 - Miguel José de Carvalho, com 4 anos;
B.7.4.5 - Maria Cassiana de Carvalho, com 2 anos; foi casada com João Mariano de Almeida;
B.7.4.6 - Caetana de Carvalho, com 9 meses; casada aos 17 anos em janeiro de 1866 com Fabião José Pereira Guimarães, de 25 anos, filho de Manoel José Pereira Guimarães e de Balbina Dias da Costa, naturais da vila de Louzada, freguesia de São Miguel de Silvares, bispado do Porto;

Nota: a viúva Henriqueta Lourenço da Costa casa-se pela 2ªvez com Joaquim Felipe da Silveira, com descendência (vide Afonseca e Silva);
  
B.7.5 - Arcângela Rita de Carvalho, com 23 anos, casada com Antonio Lopes de Carvalho;

B.7.6 - Ana Rita de Carvalho, com 21 anos (?); nascida em 06/12/1815;
  
B.8 - Manoel Rodrigues de Moura, nascido em 1882;

B.9 - Luís Antonio de Moura, nascido em 1883; 

B.10 - Julião Rodrigues de Moura, já falecido em 1815;

B.11 - Catarina Leocádia de Moura, nascida em 1791; casada com seu primo Antonio Caetano de Morais (item C);

B.12 - Domingas Genoveva de Carvalho, nascida em 1794; teve filhos naturais antes do casamento; aos 53 anos de idade, casou em 1847 com o capitão Francisco de Paula Teixeira, de 73 anos, natural da Vila de São José (Tiradentes), viúvo de Maria Antonia de Moraes; evidentemente, sem filhos deste casamento.
Filha natural descoberta:
B.12.1 - Francisca, nascida em 02/12/1817;

B.13 -  Genoveva Jacinta de Carvalho, nascida em 1794 (seria gêmea da antecedente?), e falecida em 23/02/1818; filha descoberta:
B.13.1 - Cândida Genoveva de Carvalho; casada em 1825 com Manoel Ferreira de Almeida; filha:
B.13.1.1 - Maria Emília de Almeida, casada em 24/04/1854 com José Pereira Leitão.
 

C – Joana Antonia de Moura, casada com o português Manoel Caetano de Morais, natural da freguesia de Cela, Concelho de Vinhais, distrito de Bragança, filho de Bartolomeu Fernandes e de Maria de Moraes, já falecido em 1808. Primitivos senhores da fazenda CAETANO. O casal residiram na vila, em ampla casa à rua dos Peres, esquina da Rua Manoel Caetano. segundo o historiador Gastão Salazar, Manoel Caetano de Morais deu seu nome à aludida Rua em justa homenagem. Porém, há controvérsias: Olímpio Gonzaga credita a homenagem ao capitalista Manoel Caetano Gonçalves de Cruz; Adriles Ulhoa, em seu livro Caixa Grande, especula ter sido em homenagem a Manoel Caetano da Rocha, Badeco de alcunha. Filhos descobertos:
C.1 - Coronel Teodósio Caetano de Morais, falecido em 1844; primitivo dono da fazenda "Brocotó"; 
c.2 - Padre Manoel Caetano de Morais, nascido em 1775; habilitado em 1800;
C.3 - Antonio Caetano de Morais, casado com sua prima Catarina Leocádia de Moura, em B;
C.4 - Perpétua Cândida de Moraes, batizada em 15/11/1774; casada com Cipriano da Silva Mascarenhas; filhos descobertos:
C.3.1 - Manoel da Silva Mascarenhas;
C.3.2 - Miguel da Silva Mascarenhas;
C.3.3 - Francisca da Silva Mascarenhas Pinto, falecida em 05/07/1883; foi casada duas vezes: 1ªvez com Antonio Martins Pinto; 2ªvez com Frederico Augusto Montandon; 
C.4 - Catarina Cândida de Moraes. sem mais notícias;

D – Joaquina Maria de Moura, casada com descendência em São Paulo;

E – Romão de Moura, deixou descendência no vão do Paranã, na província de Goiás; Primitivo senhor da fazenda denominada "Moura", que posteriormente pertenceu a família Silva Botelho;

F – Mariana Barbosa de Moura e Almeida, companheira do capitão mor Domingos José Pimentel Barbosa, tronco dos Pimentel Barbosa de Paracatu. (ver “Os Pimentéis Barbosa de Paracatu, neste Blog);
G – Romana Antonia Francisca de Moura, nascida em 1757; casada com o Guarda mor Francisco Manoel Soares Viana, avós do Visconde de Uruguai. Descendência nos  Soares de Sousa ( queira ver);

H - Ana Maria de Moura e Almeida, sem mais notícias;

I - Josefa de Moura e Almeida. Foi casada duas vezes: primeira vez com José Félix da Costa, português, falecido no sertão da Bahia. Filho desse casamento:
I.1 - José, , batizado em 29/05/1765;
Casou segunda vez com seu parente Manoel de Abreu Freitas;

J - Caetano José de Moura, casado com Branca Rodrigues das Neves, filha legítima de Lourenço Correia Barbosa e de Mariana Jorge de Menezes; filhos descobertos:
J.1 - Luís de Moura, nascido em 13/12/1775;
J.2 - Rufina Caetana de Moura, nascida em 01/02/1777, e batizada em 20/05/1777; foi casada com o português João Antonio da Costa; filho descoberto:
J.2.1 - Alferes Luís Antônio da Costa, casado com Angélica da Affonseca e Silva; filho descoberto:
J.2.1.1. - Cônego Luís Antônio da Costa, ordenado em 1852; foi vigário geral de Catalão; deixou descendência sacrílega;
J.3 - José Caetano de Moura, nascido em 1786;
J.4 - Rita Maria de Moura. casada com Joaquim de Carvalho (descendência no item B.7);
 
K - Micaela Maria de Moura e Almeida, já falecida em 1800;  casada que foi com Tomé Moreira de Godói, nascido em 1756, filho de Lourenço Correia Barbosa e de Mariana Jorge de Menezes;

K.1 - João, nascido em 26/06/1777; já era falecido em 1816; João Moreira de Godói, casado com Maria Vieira da Mota; filha descoberta:
K.1.1 - Ana, nascida em 08/05/1805;
K.2 - Felisberta Maria de Moura, batizada em 11/1786;
K.3 - Jerônimo Moreira de Godói.


Fontes: 

1 - Arquivo do autor;
2 - Processo de habilitação  DE GENERE ET MORIBUS do padre José Eustáquio de Carvalho - 1807, Disponível no site FamilySearch - Cúria Metropolitana de São Paulo;
3 - Arquivo paroquial da matriz de Santo Antonio de Paracatu, sob a guarda do Arquivo Público Municipal de Paracatu;
4 - Inventários sob a custódia do Arquivo Público de Paracatu:
4.1 - Luiz José de Carvalho - 2ªVara - 1814/1815;
4.2 - Genoveva Jacinta de Carvalho - 2ªVara - 1818;
4.3 - Padre Eustáquio José de Carvalho - 2ªVara - 1824/1825;
4.4 - Capitão Joaquim José de carvalho - 2ªVara - 1835/1836;
4.5 - João José de Carvalho - 2ªVara - 1849;
5 - Site - tombo.pt - livro de batismo da freguesia de Melo, Guarda, Portugal.

Última atualização - dezembro de 2016.


Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

Por José Aluísio Botelho

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Te…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

FAZENDAS ANTIGAS DE PARACATU E SEUS PRIMITIVOS DONOS

1 - SÍTIO DO ESCURO - Sesmaria concedida em 1759 ao Português João Jorge Portela e sua mulher Josefa Barbosa de Moura e Almeida. Desse casal, descendem pelo ramo materno, os Pimentéis Barbosa e Soares de Sousa;

2 - FAZENDA DO FUNDÃO - Sesmaria adquirida por João de Melo Franco em 1762, distante cerca de dez léguas de Paracatu, na chapada do São Marcos. Em 1819, segundo Pohl, se encontrava em ruínas. Passou à descendência;

3 - FAZENDA CÓRREGO RICO - Foi seu primitivo dono Joaquim de Melo Albuquerque( Seu Melo), falecido em 1880. Era filho do pernambucano Joaquim de Albuquerque e de Ana de Melo Franco;

4 - FAZENDA CAETANO - Pertenceu ao casal Manoel Caetano de Moraes e Joana Maria de Moura e anos mais tarde ao Dr. Sérgio Ulhôa;

5 - FAZENDA MOURA - Foi seu primitivo dono Romão de Moura, que se mudou para o Vão do Paranã, em Goiás, onde deixou numerosa descendência. Posteriormente, passou a ser propriedade do Coronel Fortunato Jacinto da Silva Botelho e seus descendentes;

6 - FAZENDA BROCOTÓ …

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

ULHOA - ESBOÇO GENEALÓGICO

FAMÍLIA ULHOA, DO VALE DO ULLA NA GALÍCIA ATÉ PARACATU EM  MINAS GERAIS

Pesquisas e Texto José Aluísio Botelho

Para saber mais, leia neste blog: Coronel Sancho Lopes de Ulhoa e seus descendentes

A) - Origem do apelido: do rio ULLA, na Galícia, que passou a ser Ulló (olho), depois Ulloa e hoje Ulhoa. Também provêm do hebraico hurscha (floresta) e/ou de uxna, forma adaptada ou corrompida de Yehoshua.

1) - Dom Férnan Sanches de Ulló, o primeiro Ulhoa de que se tem notícia e que viveu pelos anos de 756, visigodo, dono das terras no vale do rio Ulla;

2) - Dom Lopo Ruiz de Ulló (1120);

                                       Vale do Rio Ulla by Isidro Cea

3) - Dom Fernão Lopes de Ulló (1212), casado com Maria Martinez;

4) - Dom Lopo Sanches de Ulló, casado com Mayor Gomes de Trastamara;

5) - Dom Sancho Lopes de Ulloa, rico homem galego, primeiro Senhor de Vilamayor de Ulloa (barão), casado com Urraca Perez de Sotomayor;

6) - Dom Sancho Sanches de Ulloa, segundo Senhor de Vilamayor, casado com Mór Rod…

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE PARACATU - O COMEÇO DE UMA BELA HISTÓRIA

Por José Aluísio Botelho