Pular para o conteúdo principal

OS PAULA SOUSA DE PARACATU



 

Pesquisas Eduardo Rocha
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do Alferes Francisco Paula Souza e Maria das Dores de Mendonça, falecida em 1906, natural de Meia Ponte, atual Pirenópolis, Goiás, filha do tenente Tristão José de Mendonça e Gouveia e de Tereza de Jesus Ribeiro, naturais do arraial de Meia Ponte, Goiás.

O Alferes Francisco de Paula Sousa foi homem de grandes cabedais; comerciante, fazendeiro, proprietário das fazendas do Soares e Leitão. Nascido por volta de 1813, no arraial do *Bonfim, atual Silvânia, província de Goiás, era filho legítimo do Alferes Basílio de Sousa Lobo ou Lobo de Sousa e de Margarida Pontes de Andrade. Em viagem para Diamantina, faleceu repentinamente em 01/11/1868 na fazenda Cachoeira, sendo sepultado na cidade de Curvelo.
Comprovação documental:
INVENTARIO LUIS ALVES DE SOUSA CAMARGOS

2ª VARA - CAIXA 1865 - PAGINA 34

2ª Testemunha: O alferes FRANCISCO DE PAULA SOUSA, casado de idade de 52 anos, natural da vila de BONFIM, GOIÁS e morador desta cidade, onde vivi de seu negocio de FAZENDAS SECAS

Pesquisa: Mauro César da Silva Neiva.

ASCENDÊNCIAS DO ALFERES FRANCISCO DE PAULA SOUSA E DE MARIA DAS DORES DE MENDONÇA IN FINE


Filhos:

1 - Francisca da Paixão de Paula Sousa, nascida em 21/04/1848; casada que foi com o Major Manoel Caetano Pereira da Rocha, com geração neste blog:
Vide - "Os Rochasde Água Branca, Alagoas até Paracatu, Minas Gerais”;

2 - Altina de Paula Sousa Roriz, nascida em 09/08/1842, e falecida em 03/06/1932; foi casada com o coronel Joaquim Ignácio de Mendonça Roriz, nascido em Luziânia, Goiás, onde faleceu em 1877, filho de Tristão da Cunha de Mendonça e de Maria Inácia Meireles; neto paterno de Gabriel Fernandes Roriz e de Joana Teles de Mendonça; filhos:

2.1 – Aristóteles Roriz, casado com Maria Vidal Leite; filho:
2.1.2 – Aristóteles Roriz Filho, casado com Dalva da Costa; filhos:
2.1.2.1 – Gabriel Roriz;
2.1.2.2 – Álcio Roriz;

2.2 – Adelaide Adelina Roriz, nascida em 04/07/1862, e falecida em 09/11/1940 em Paracatu. Casou com José Joaquim da Costa, nascido em 16/12/1860 e falecido em 11/05/1933. Filhos:
2.2.1 – Lincoln da Costa Roriz, casado com Maura Duarte Pereira. Filhos:
2.2.1.1 – Duguay Costa, casado com Zilda Adjuto Botelho, com descendência;
2.2.1.2 – José Costa Sobrinho, casado com descendência;
2.2.1.3 – Yolanda Costa, casada com João Batista Campos (Zezau), nascido em 27/06/1912 e falecido em 17/05/1980, com descendência;;
2.2.1.4 – Eduardo Costa;
2.2.1.5 – Nazareth Costa, nascida em 04/09/1921 e falecida em 18/02/2000, casada com Pio Fernandez, natural do Uruguai, aonde nasceu em 11/07/1895; faleceu em 25/05/1983; com descendência;
2.2.1.6 – Zelavi Costa, casada com Tasso Botelho Santiago, com descendência;
2.2.1.7 - Levy Costa, casado com descendência; 

2.2.2 – João Costa, casado com Maria de Campos Cordeiro Valadares Santana Costa, Dona Nicota; filhos:
2.2.2.1 – Rubens Costa;
2.2.2.2 – Aida Costa, solteira;
2.2.2.3 – Petrônio Costa, nascido em 13/02/1920 e falecido em16/05/2012; foi casado com Carmem Brochado;
2.2.2.4 – Arquimedes ou Procópio Costa; Nota: segundo Adriles Ulhoa Filho, ele foi batizado com este nome e registrado com o nome de Procópio;
2.2.2.5 – Terezinha Costa, casada com Ivo Adjuto Botelho, com descendência;

2.2.3 – Joaquim da Costa Carijó, nascido em 17/07/1892 e falecido em 18/04/1976; foi casado com Ludmila Rubinger, nascida em 29/10/1900 e falecida em 06/04/1965; 
filhos:
2.2.3.1 – Oswaldo Costa Carijó; foi casado com Maria José Pinheiro, filha de Francisco Adjuto Pinheiro, com descendência;
2.2.3.2 – Dirce da Costa Carijó, nascida em 20/02/1919 e falecida em 23/01/1976; primeira esposa de Gilberto Neiva, nascido em 15/01/1916 e falecido em 18/01/2008;
2.2.3.3 – Carmen Costa Carijó, nascida em 10/11/1921 e falecida em 10/11/2013, casada com Osvaldo Hormidas de Oliveira, nascido em 15/01/1910 e falecido em 25/01/1985; filhos:
2.2.3.3.1 - Mércia Hormidas de Sousa, casada com Francisco de Sousa, com descendência;
2.2.3.3.2 - Mariza Hormidas de Carvalho, casada com José do Patrocínio Carvalho, com descendência;
2.2.3.3.3 - Marcos Osvaldo Costa Hormidas, casado com descendência;
2.2.3.3.4 - Carmem Costa Hormidas, casada com Edgar de Araújo Caldas, com descendência;
2.2.3.3.5 -Helena Costa Hormidas, casada com Hermes Pereira de Andrade, com descendência;
2.2.3.3.6 - Nelson Costa Hormidas, faleceu solteiro;
2.2.3.3.7 - Joaquim Costa Hormidas, faleceu solteiro;
2.2.3.3.8 - Saulo Costa Hormidas, casado com Maria do Carmo, sem descendência;
2.2.3.3.9 - Berenice da Costa Hormidas, casada com descendência;
2.2.3.3.10 - Francisco de Assis da Costa Hormidas, casado com Alda Alves de Sousa, com descendência;
2.2.3.3.11 - Angela da Costa Hormidas, solteira;
2.2.3.3.12 - Iracema da Costa Hormidas;

2.2.3.4 – Otto Rubinger Costa, nascido em 27/05/1927 e falecido em 05/02/2001; foi casado com Lila Silva Neiva;
2.2.3.4 – Lourdes Costa, casada com Manoel Rabelo;
2.2.3.5 – Maria Aparecida Costa, nascida em 12/12/1919, casada com Galeno Hormidas Ulhoa;
2.2.3.6 - Geraldo da Costa Rubinger, casado com Carmelita Sousa Lobo, com descendência;

2.2.4 – Floriano Costa Roriz, nascido em 1898; casado com Maria Vieira Cordeiro; filhos:
2.2.4.1 – Jair Cordeiro Costa;
2.2.4.2 – Rodrigo Cordeiro Costa;
2.2.4.3 – Rogério Cordeiro Costa, casado com Iná Álvares da Silva Campos, com descendência;
2.2.4.4 – Homero Cordeiro Costa;

2.2.5 – Maria da Costa, nascida em 10/04/1900 e falecida em 15/09/1992; casada com João Ferreira de Noronha;filhos:
2.2.5.1 - Fernando Costa Noronha, já falecido;
2.2.5.2 - Wanda Costa Noronha;
2.2.5.3 - Edgard Costa Noronha;
2.2.5.4 - Ivete Costa Noronha, já falecida;
2.2.5.5 - Ivone Costa Noronha;
2.2.5.6 -José Eduardo Costa Noronha, já falecido;
2.2.5.7 - Esdras Costa Noronha, falecido em 05/04/2015;
2.2.5.8 -Delma Costa Noronha;
2.2.5.9 - Lincoln Costa Noronha; 

2.2.6 – José Costa Roriz casou duas vezes: 1ª vez com Nadir Santana; com descendência; 2ª vez com Ordalina Vieira; filhos:
 1º casamento:
2.2.6.1 - Nadir da Costa Roriz;
2.2.6.2 - Vera da Costa Roriz;
2º casamento:
2.2.6.3 - Rodrigo Vieira Costa;

2.2.7 – Aristóteles Costa Roriz (Tote), nascido em 17/07/1902 e falecido em 26/06/1996; foi casado com Teofânia de Melo Franco, nascida em 16/11/1903 e falecida em 05/11/1994; filhos:
2.2.7.1 – Helena Costa Roriz, casada com Paulo Batista Campos, nascido em 02/04/1928 e falecido em 25/07/2000, com descendência;
2.2.7.2 – Helenita Costa Roriz, nascida em 02/02/1931 e falecida em 26/04/2014; foi casada com Mário Porto Adjuto, nascido em 28/10/1920 e falecido em 25/06/2004;
2.2.7.3 – Maria (Lilia) de Melo Franco Costa, casada que foi com Hugo Botelho Brochado, nascido em 08/01/1924 e falecido em 05/04/1990;
2.2.7.4 – Vera Costa Roriz, foi casada;
2.2.7.5 - José Joaquim da Costa;
2.2.7.6 - Salvador Costa Roriz, foi casado;
2.2.7.7 -Benedito da Costa Roriz;
2.2.7.8 - Aristóteles da Costa Roriz Filho, nascido em 12/10/1928 e falecido em 13/09/1942;
2.2.7.9 - Nilton Costa Roriz, nascido em 12/01/1942, e falecido solteiro em 21/07/2012;

2.2.7.10 - João da Costa Sobrinho, nascido em 22/08 e falecido em 19/12/1943;


2.2.8 - Altina Costa Roriz, nascida em 28/12/1904, e falecida em 22/12/2001. Foi casada com Adriles Ulhoa, nascido em 11/05/1899 em Monte Carmelo, MG, e falecido em Paracatu em 05/09/1992; filhos:
2.2.8.1 – Ruy Costa Ulhoa, casado com Maria Terezinha Nazar Ulhoa;
2.2.8.2 – Haydée Ulhoa Batista, casada com Álvaro Batista Ulhoa;
2.2.8.3 – José Joaquim da Costa Ulhoa, casado com Maria Conceição Ulhoa;
2.2.8.4 – Maria Augusta Ulhoa Faria, Casada com Mário Faria Pereira;
2.2.8.5 – Vera Ulhoa Aguiar, casada com Arlindo Aguiar Sobrinho;
2.2.8.6 – Márcio Costa Ulhoa, casada com Maria de Lourdes Lima Ulhoa;
2.2.8.7 – Martha Ulhoa Carvalho, casada com Afrânio de Jesus Carvalho;
2.2.8.8 – Adriles Ulhoa Filho, escritor, poeta, casado com Ubalda Lúcio de Oliveira Ulhoa;
2.2.8.9 – Maria Adelaide Ulhoa de Resende, casada com Pauliran Resende, natural de Coromandel-MG;

2.2.9 – Ana Costa Martins, nascida em 1906; casada com Antonio Martins dos Santo; filhos:
2.2.9.1 - Herval dos Passos Martins;
2.2.9.2 -Dinater Costa Martins;
2.2.9.3 - Dinamar Costa Martins;

2.2.10 – Sarah da Costa Roriz, nascida em 08/05/1910. Faleceu solteira em 31/04/1980;

2.3 – Demóstenes Roriz casado com Joana Meireles Roriz; filhos:
2.3.1 – Demóstenes Roriz Filho, casado com Maria de Ulhoa;
2.3.2 – Walter Meireles Roriz;
2.3.3 – Joanita Meireles Roriz, nascida em 18/09/1897 e falecida em 12/04/1900;
2.3.4 – Joana Roriz Rodrigues, casada com Demóstenes Gomes Rodrigues;
2.3.5 – Cecy Meireles Roriz;
2.3.6 – Joaquim Pedro Meireles Roriz, nascido em 06/01/1912 e falecido em 14/04/1913;
2.3.7 – Rita Meireles Roriz, casada com Jacy Torres Macedo;

2.4 – Paulina Paula Sousa Roriz, falecida em Belo Horizonte em 16/08/1961 aos 93 anos; casou em novembro de 1888 com Antonio Gonçalves de Ulhoa, batizado em 28/06/1862 em Estrela do Sul (ver imagem abaixo); já era falecido em 1920. 
                                                    Matriz Senhora Mãe dos Homens - Estrela do Sul
                                                                Batismo - Antonio G de Ulhoa


Filhos:
2.4.1 – Demócrito Gonçalves de Ulhoa, nascido em 26/10/1902 e falecido em 14/04/1909;
2.4.2 – José Gonçalves de Ulhoa, foi casado duas vezes: 1ªvez com Leontina Neiva; filhos:
2.4.2.1 - Suzana Gonçalves de Ulhoa;
2.4.2.2 - Marta Gonçalves de Ulhoa;
2.4.2.3 - Carmem Gonçalves de Ulhoa;
2ªvez com Almerinda Braga, sem descendência;

2.4.3 – Floriano Gonçalves de Ulhoa;
2.4.4 – Genésio Gonçalves de Ulhoa;
2.4.5 – Francisco Gonçalves de Ulhoa;
2.4.6 – Romualdo Gonçalves de Ulhoa Tomba, nascido em 17/04/1901 e falecido em 10/11/1974; foi prefeito de Paracatu durante o Estado Novo; casado com sua prima Acidália Ulhoa, filha do coronel João Batista de Ulhoa e de Maria Augusta Rocha; filhos:

2.4.6.1 - Paulo Kleber Gonçalves Ulhoa (Paulo Careca), nascido em 26/10/1926 e falecido em 22/05/1981;
2.4.6.2 - Mário Herbert Ulhoa, nascido em 09/12/1928 e falecido em 17/05/1994; foi casado com Laurinda Gonçalves de Ulhoa, com descendência;
2.4.6.3 - Tereza Ulhoa, casada com Diniz Adjuto Botelho, já falecido;
2.4.6.4 - Benito Klinger Ulhoa, casado com Maria de Lourdes Pinheiro;
2.4.6.5 - Gláucia Isabel Ulhoa, casada com Álvaro Faria Pereira;;
2.4.6.6 -Antonio João Ulhoa, casado;
2.4.6.7 - Carlos Ubirajara Ulhoa, casado;
2.4.6.8 - Pedro Ubiratan Ulhoa, nascido em 17/10/1943 e falecido em 10/06/1972;

2.4.7 – Paulo Gonçalves de Ulhoa;
2.4.8 – Joanita Ulhoa Roriz, nascida em 13/08/1903 e falecida em 11/11/1993;
2.4.9 – Antonio Gonçalves de Ulhoa, industrial em São Paulo; casado com Aurora Soares Pinheiro, nascida em 1906;

2.5 – Trajano Roriz, nascido em 25/08/1873, e falecido solteiro em 20/12/1918; com Isaura Simões da Cunha teve a filha Maria Simões da Cunha;

2.6 – Julieta Roriz, casada com Gustavo Laboissière; filhos:
2.6.1 – Genésio Laboissière casado com Dejanir Vargas, pais do delegado Washington Vargas Laboissière (1924 – 2014)
2.6.2 – Jorge Laboissière;
2.6.3 – Violeta Laboissière, casada com Claudionor Jordão de Carvalho; filhos:
2.6.3.1 - Ruth Jordão;
2.6.3.2 -Dinah Jordão;
2.6.3.4 - Edméia Jordão;
2.6.4 – Maria Laboissière;
2.6.5 - Demóstenes Laboissière;

2.7 – Maria Roriz, nascida em 14/02/1876 e falecida em 21/09/1918, casada com Alírio Carneiro, nascido em 12/08/1875 e falecido em 26/03/1961; filhos:
2.7.1- Virgílio José Martins;
2.7.2 – Homero Roriz Carneiro;
2.7.3 – Vera Cruz Roriz Carneiro;
2.7.4 – Hugo Roriz Carneiro, nascido em 22/04/1913 e falecido em 09/06/2003;
2.7.5 – Diogo Feijó Roriz Carneiro;
2.7.6 – Elias Roriz Carneiro;
2.7.7 – Maria Amélia Roriz Carneiro.

3 - Regina de Paula Sousa. Casou em 13/06/1867 com o major José Alves de Sousa Camargo, nascido em 1843, filho legítimo de João Alves de Sousa Camargo e de Eliza Alves de Sousa; filhos:
3.1 – Augusta de Sousa Camargo;
3.2 – José Elísio de Sousa Camargo, casado com Francisca Torres Camargo, filha de Luiz Vieira de Siqueira Torres e de Maria Cândida Meireles; filhos:
3.2.1 - Clóvis Torres Camargo;
3.3.2 - Maria José Camargo de Pádua, viveu em Passos após casamento, com descendência;
3.3.3 - Elza Torres Camargo;
3.3.4 - Violeta Torres Camargo;
3.3.5 - Aleixo Torres Camargo, casado com Dinorá Costa, natural de Ipameri, Goiás; viveu em Cristalina, com  descendência;
3.3 – Júlia Elisa de Sousa Camargo, professora da extinta Escola Normal;
3.4 – Sinfrônio Alves de Sousa Camargo, casado com sua prima Argentina Valadares Santana, filha do capitão Luiz José de Santana e de Izabel Valadares Santana; filhos descobertos:
3.4.1 - Maria Argentina de Camargo, falecida solteira;
3.4.2 - José Maria Cândido Camargo, casado com descendência;

4 - Teresa de Jesus Ribeiro, nascida em 1838;casou aos 14 anos em 10/10/1852, com Gaspar Leite Gonçalves, de 22 anos, natural e batizado na freguesia de São João Batista de Vieira, Arcebispado de Braga, filho de Francisco Antonio Gonçalves e de Josefa Maria Carneiro ; filhos descobertos:
4.1 - Antonio Carlos de Mendonça;
4.2 - Antonio Joaquim da Silva Capanema;

5 - Francisco de Paula Sousa, falecido em 17/03/1904. Cursou o seminário de Diamantina; casou duas vezes: 1ª vez com Tereza de Jesus de Melo Franco, filha do Dr. Bernardo de Melo Franco e de Maria Cândida Mundim, ela, falecida em 17/02/1893; filhos descobertos:
5.1 - Leovigildo de Paula Sousa, nascido em 28/06/1878; normalista, professor, advogado provisionado e promotor público; jornalista e topógrafo. Dominava o francês com fluência, juntamente com sua esposa, também normalista; casou com Amélia Angélica do Nascimento, natural de Paracatu, pais de onze filhos. Faleceu em Goiânia, nonagenário.
Fonte: Vidas e Vozes, no caminho da história, de Oliveira Mello, 2015;
5.2 - Odília de Paula Sousa, nascida em 1881;
5.3 - Aristóteles de Paula Sousa, nascido em 1883;
5.4 - Gabriel de Paula Sousa, nascido em 1885;
5.5 - Aristeu de Paula Sousa;
5.6 - Maria de Paula Sousa;
5.7 - Jaime de Paula Sousa, falecido criança;

2ª vez casou em 23/07/1898 com Adelina Alves Ribeiro, filha de Manoel Alves Ribeiro e de Flora Pereira Leitão; não descobrimos descendência desse casamento;

6 - Basílio Antonio de Sousa, nascido em29/10/1855; foi casado com Leonor Cândida Rosa; filha única:

6.1 - Leonidia Paula Sousa, nascida em 26/02/1888 e falecida em 30/12/1975, casada com Felipe Salomão Elias, falecido em 13/07/1973, filho de Salomão Elias e de Caf Salomão; filhos:
6.1.1 - Aurora Floresta Salomão, nascida em 03/02/1913 e falecida em 05/09/1989; foi casada com Ezequiel dos Reis Calçado, sem descendência;
6.1.2 - Maria Aparecida Salomão, 1920 - 2005; solteira, sem descendência;
6.1.3 - Camélia dos Reis Salomão, faleceu solteira, sem descendência;
6.1.4 -José Basílio Salomão, faleceu solteiro, sem descendência;
6.1.5 - Carmen Dolores Salomão, faleceu solteira, com descendência; 
6.2 - Leontina de Paula Sousa, casada que foi com Fernando Cândido Meirelles; teve a filha:
6.2.1 - Maria Rosa Meirelles, casada que foi com Palmo Bianchi, filhos dos italianos Samuel Bianchi e de Josefina Duzolina Batisti Bianchi; filhos:
6.2.1.1 - Paulo de Tarso Bianchi casado com Ana Sardinha;
6.2.1.2 - Samuel Bianchi casado com Júlia Neiva Carneiro;
6.1.6 - Leonor Salomão de Melo, nascida em 09/10/1930; foi casada com Jaime Areda de Melo, com descendência;

7 - Jerônimo José de Mendonça, médico pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Em 1898, vivia e clinicava na então vila de Barbacena;  Militar de carreira com a patente de Capitão Cirurgião mor da 3º Batalhão da brigada Policial de Minas, sediada na mesma vila; posteriormente fixou residência em Campo Belo, também em Minas Gerais, aonde veio a falecer em 1911; foi casado com Ana Casimira Coutinho de Mendonça, de tradicional e quatrocentona família carioca; filhos descobertos:
7.1 - Ataualpa Coutinho de Mendonça, casado que foi com Glória Feitosa, com descendência;
7.2 - Helena Coutinho de Mendonça, casada que foi com João Galvão, com descendência;
7.3 - Lígia Coutinho de Mendonça, casada com descendência;
7.4 - Carmem Coutinho de Mendonça, casada que foi com o jornalista e escritor Benjamin Ramos César, com descendência;
7.5 - Paulo Coutinho de Mendonça, casado que foi com Ana Muller de Mendonça, com descendência;
7.6 - Dolores Coutinho de Mendonça, casada que foi com Tucídides de Mendonça Renault, com descendência;
7.7 - Waldemar Coutinho de Mendonça, casado que foi com Afonsina de Mendonça. 

Ascendência do Alferes Francisco de Sousa Lobo

1 - Filho de Basílio Antonio de Sousa Lobo e de Margarida Pontes de Andrade. Irmãos:

1.1 - Padre João Batista de Sousa Lobo;
1.2 - Joaquim Antonio de Sousa Lobo;
1.3 - major Antonio Umbelino de Sousa;
1.4 - Maria Balbina de Sousa;

Linhagem Paterna  - desconhecida;
Linhagem Materna:

Avós:

2 - Josefa Joaquina de Sousa, casada com Joaquim Tavares  da Silva; filhos este casal:
2.1 - Luis Tavares de Sousa Lobo, falecido em 16/05/1825, casado com Constância Maria de Jesus ou Oliveira; filhos:
2.1.1 - Pedro Tavares Lobo;
2.1.2 - Eulalio de Sousa Lobo;
2.1.3 - Joaquim Lúcio Tavares;
2.1.3 - João Luís Tavares de Sousa;
2.1.4 - Maria Eufemia de Oliveira;
2.1.5 - Maria Luísa Tavares de Oliveira;
2.1.6 - Maria Delfina de Oliveira;
2.1.7 - Maria da Conceição Tavares;
2.1.8 - Eusébio Tavares;

2.2 - Margarida Pontes de Andrade, referida em 1;

Bisavôs:

3 - Guarda Mor Luís de Sousa Lobo, natural da freguesia de Santa Maria do Outeiro, Cabeceiras de Basto, distrito de Braga, e Margarida Pontes de Andrade, natural de Guaratinguetá, SP, onde foi batizada em 26/06/1726; outros filhos deste casal:
3.1 - João de Sousa Lobo, casado com Felisberta Violante da Silva em 19/05/1788; foram moradores em Santa Cruz, Goiás; filhos:
3.1.1 - Maria Bárbara, nascida em 30/06/1790;
3.1.2 - Manoel dos Reis de Sousa Lobo, nascido em 06/11/1792;
3.1.3 - Ana, nascida em 1794;
3.1.4 - Maria Vicencia, nascida em 31/12/195;
3.1.5 - Maria Delfina, nascida em 07/11/1799;
3.1.6 - Maria Tomásia, nascida em 23/10/1801;
3.1.7 - Maria Pulquéria, nascida em 08/07/1805;
3.1.8 - José de Sousa Lobo, nascido em 17/09/1806;

3.2 - Maria de São José de Sousa, casada com José Pereira da Costa Silva, natural da Bahia em 05/08/1791; foram moradores em Santa Cruz, Goiás, sem descendência;

 3.3 - Bernardo de Sousa Lobo, escrivão em Santa Cruz; casou três vezes:
1ª vez com Maria Pereira de Assunção; filhos:
3.3.1 - Ana de Sousa Lobo, casada com Manoel Joaquim Pereira Coutinho, português;
3.3.2 - Luís Lobo de Sousa, casado com Silveria Rodrigues Ribeiro ou Ribeiro de Miranda;
3.3.3 - Manoel de Sousa Lobo, casado com Angélica Teresa de Jesus;
3.3.4 - José de Melo Sousa Lobo, casado com Maria das Dores Fleury em 24/05/1818;
3.3.5 - Manoel de Assunção Sousa Lobo, casado com Ana de Sousa Ramos;
3.3.6 - Margarida Pontes de Sousa, falecida em 1840, casada com Francisco de Paula Guimarães;
2ª vez com Angélica teresa de Jesus; filhos:
3.3.7 - Brigadeiro Bernardo Lobo de Sousa;
3.3.8 - Tristão de Sousa Lobo;
3.3.9 - Maria de Sousa Lobo;
3.3.10 - João de Sousa Lobo;
3.3.11 - Angélica de Sousa Lobo;
3.3.12 - Custódio de Sousa Lobo;
3.3.13 - Antonio de Sousa lobo;
3.3.14 - Mariana de Sousa Lobo;
3ª vez com Josefa Maria de Lima; filha única:
3.3.15 - Rita de Sousa Lobo; Trisavôs:

4 - Damaso Lobo de Sousa, natural de Santa Maria do Outeiro, cabeceiras de Basto, distrito de Braga e Maria da Leiva, também natural da mesma freguesia;; 
5 - José Pontes de Andrade e Maria Barbosa Bicuda, de Guaratinguetá.

Ascendência de Maria das Dores de Mendonça

1 - Filha do Tenente Tristão José de Mendonça e Gouveia, natural de Meia Ponte, atual Pirenópolis, aonde nasceu em 1783, sendo batizado em 04/09 do dito ano, e de Tereza de Jesus Ribeiro, também natural dali, casados em 19/09/1828. O tenente Tristão José de Mendonça, foi homem de governança no então arraial de Meia Ponte: arrematador de dízimos no período de 1816 a 1821, suplente de Juiz de Paz em 1833; vereador municipal em 1842, renunciou ao mandato por ter de mudar para Paracatu, em Minas Gerais, onde faleceu em 1848.
Nota 1 - O casal acima, teve outro filho, irmão germano de Maria das Dores: Antonio Carlos de Mendonça, sem mais notícias;
Nota 2 - O tenente Tristão José de Mendonça, teve o filho natural padre Antonio dos Santos Mendonça, conhecido em seu tempo por "Padre Antonio Rosa", filho de Rosa Maria dos Santos. Ordenou-se em Goiás, sob a proteção do Comendador Joaquim Alves de Oliveira, pelo bispo Dom Francisco Ferreira de Azevedo em 1848. De cultura medíocre, levou vida modesta e não conseguiu sequer, ser Coadjutor. faleceu em 12/09/1875, sendo sepultado na Matriz de Pirenópolis.

 2- Avós paternos:

2.1 - Tenente João Bonifácio de Mendonça e Gouveia, natural de Mogi-Mirim, SP, e Ana Rosa de Siqueira, que passou a assinar Ana Francisca Xavier Leite, natural de Santa Cruz, Goiás, casados na Matriz de Meia Ponte em 02/05/1779. O tenente João Bonifácio faleceu em 30/03/1791.

Outros filhos deste casal:

2.1.1 - João Floriano de Mendonça e Gouveia, batizado em Meia Ponte em 15/05/1780; casado com Izabel Maria de Seixas;
2.1.2 - Maria de Mendonça, batizada em 10/02/1782;
2.1.3 - José Gomes de Siqueira, nascido em 28/12/1785;
2.1.4 - Ana Matilde de Siqueira, casada em 06/09/1815 com Antonio Bernardo de Morais, natural de Bragança, Portugal, filho de Bento da Silva Figueiredo e de Maria José de Bessa;
2.1.5 -Tenente coronel Joaquim Gomes de Siqueira, nascido em 21/03/1789;
2.1.6 - Zeferina Gomes de Siqueira, falecida em 21/11/1864;
2.1.7 - Maria da Soledade de Siqueira, casada com Manoel Sardinha da Costa, filho de outro e de Maria José de Deus.

3 - Bisavós paternos:

3.1 - José Gomes de Gouveia, natural de São Paulo e de Maria Barbosa da Silva, natural de Taubaté, São Paulo;
3.2 - Guarda Mor Gaspar Correia Leite, natural de Pindamonhangaba, São Paulo e de Manoela Perpétua de Siqueira Leite, natural da cidade de São Paulo;

4 - Trisavós paternos:

4.1 - José Gomes de Gouveia, natural da região de Algarves, Portugal, e de Maria Nunes de Siqueira, natural de São Paulo;
4.2 - Gaspar Correia Leite  e de Maria Leite de Barros, filha de Fernão Leite de Barros e de Ângela Ribeiro Leite.;
5 - Quartos avós paternos:
5.1 - Manoel Gomes e Francisca Pires, portugueses;
5.2 - Capitão José Nunes de Siqueira  e de sua terceira mulher Ana Luiz Monteiro.

Nota 3: a ascendência de sua mãe Tereza de Jesus Ribeiro ainda  é desconhecida.

                           ___________________

Nota: por se tratar de um texto de genealogia, estará sujeito a modificações, com correções e acréscimos.

 Fontes primárias:
1 - Inventário do Alferes Francisco de Paula Sousa, sob a guarda do Arquivo Público Municipal de Paracatu - MG;
2 – Inventário de Tereza de Melo Franco, 1893, sob a guarda do Arquivo Público Municipal de Paracatu - MG;
3 – Cartório Civil de Paracatu;

Fontes secundárias:
4 – Genealogia Luziana, de Gelmires Reis, 1929;
5 – Caixa Grande, de Adriles Ulhoa, 2004;
6 - Tupper, Maria Clara Ziese de Oliveira - Cariocas Três e Quatro Centãos, 1966;
7 - Caçador de Lobos - a Saga da Família Sousa Lobo de Goiás, Brasil, de Paulo de Tarso Lira Gouveia, editora Kelps, 2014, Goiânia, Goiás;
8 - Famílias Pirenopolinas, volume I, de Jarbas Jayme.

Postado por José Aluísio Botelho, março de 2015. Revisado em agosto de 2015.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …