Pular para o conteúdo principal

SÉRIE - PIONEIROS DO OURO 1: MOURA BROCHADO, PINA E VASCONCELOS E DANTAS BARBOSA



Por José Aluísio Botelho                   


              FAMÍLIA MOURA BROCHADO

Esta família se iniciou em Paracatu, quando da vinda do Reverendo Francisco de Moura Brochado, natural e batizado na Vila do Cabo (hoje Cabo de Santo Agostinho), bispado de Pernambuco, no alvorecer do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Ele era um dos muitos padres que faziam parte do séquito do célebre vigário Antonio Mendes Santiago (biografia neste blog), que lá se fixou, apoderando-se do comando do poder eclesiástico do lugar. Não foi por acaso que o padre Francisco de Moura Brochado foi o testamenteiro do padre Santiago anos depois. Como a maioria dos padres daquela época, teve filhos* sacrílegos. Com Vitória Correia de Almeida Rosa, mulher solteira, natural da Vila de Santos, bispado de São Paulo, teve os filhos, que descobri:
A- Alferes Manoel de Moura Brochado, natural do arraial de Paracatu, já falecido em 1806. Casado em 1783 com Ana Gonçalves de Moura, nascida e batizada na freguesia de Santo Antonio do Tijuco (atual Diamantina), bispado de Mariana, filha legítima de Domingos Gonçalves de Moura, natural freguesia de Santa Eulália, Concelho de Monte Longo (atual Fafe), bispado de Braga, Portugal, e de Maria da Costa Vaz, natural da freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Salvador, Bahia. Filhos descobertos, alguns havidos antes do casamento, que continuaram o sobrenome:
1 – Ana de Moura Brochado ou Ana Gonçalves de Moura, em estado de casada em 1806 com o alferes Anastácio Correia Barbosa, nascido em 11/06/1765, filho legítimo de Lourenço Correia Barbosa, natural de São Paulo, e de Maria Jorge de Menezes, natural de Meia Ponte, Goiás; filhos:
1.1 - Francisca de Moura Barbosa, nascida em 1811, casada em 23/07/1841 com o francês Carlos Ernesto Timmerman, ourives;

1.2 - Vitória, nascida em 23/09/1814;
1.3 - Maria dos Reis Barbosa, nascida em 1817, casada com Joaquim Bento do Prado, natural de Perdões, em 26/09/1841;
2 – Caetana de Moura Brochado, em estado de casada em 1806 com Manoel Luis Mendes;
3 – Maria de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806, em estado de solteira; mãe adotiva de Thomaz de Aquino e Moura e de sua mulher Jacinta Joaquina de Moura;
4 – Izabel de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806, em estado de solteira; foi casada com Venâncio Francisco Pereira, com descendência;
5 – Sabino de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806; foi casado com Domingas Marques Jordão; filhos:
5.1 - Manoel, nascido em 10/07/1813;
5.2 - Claudiana, nascida em 24/09/1814;
5.3 - Francisco, nascido em 11/12/1816;
5.4 - Luisa de Moura Brochado, casada com José da Costa Cordeiro;
6 – Padre José de Moura Brochado. Nascido em 1782, habilitou-se de “Genere et Moribus” na Arquidiocese de São Paulo em 1806, após cursar filosofia. Ordenando-se padre, retornou a sua cidade natal, onde paroquiou por longos anos.
*Sem comprovação documental, descobrimos:
7 - Francisco de Moura Brochado, nascido em 28/04/1776; casado em 1796 com Mariana Marques Jordão.
Batismo - Francisco
 Filhos descobertos:
7.1 - Ana, nascida em 20/11/1812;
7.2 - Jacob, nascido em 23/07/1815;
8 - João de Moura Brochado, nascido em 26/06/1775.
Batismo - João

Fonte:
1 - Processo de habilitação de genere et moribus de José de Moura Brochado – Family search – Arquidiocese de São Paulo, 1806, disponível online.
2 - Livros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu.

                  FAMÍLIA PINA E VASCONCELOS

Antonio de Pina e Vasconcelos, natural e batizado na freguesia da Candelária, Rio de Janeiro, filho legítimo de Lourenço Moreira, natural da freguesia de Matozinhos, bispado do Porto, e de Francisca de Vasconcelos, natural da dita freguesia da Candelária, Rio de Janeiro, casou na Vila de Santos, bispado de São Paulo, com **Beatriz Correia da Cruz, daí natural, filha legítima de Manoel da Cruz Caldeira e de Ana de Oliveira. Manoel da Cruz Caldeira, era português, natural da freguesia de Santos- o -velho, patriarcado de Lisboa, e sua mulher natural da Vila de Santos.  Antonio de Pina migrou com a família para o nascente arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu em busca do ouro, aonde deixaram descendência. Filhos descobertos:
1 – Padre José de Pina e Vasconcelos, nascido na Vila de Santos. Acompanhou os pais na mudança para Minas Gerais. Habilitou-se de genere et moribus em 1782. Em 1800 ainda vivia por ocasião da instalação da Vila de Paracatu do Príncipe;
2 - Francisca Xavier de Pina e Vasconcelos, nascida na Vila de Santos; foi casada duas vezes: 1ª vez com o Dr. Manoel de Brito Freira, natural de Salvador, Bahia, filho de José de Brito Freire e de Mariana da Cruz, com quem teve os filhos descobertos:
2.1 - Beatriz de Brito Freire, batizada em 29/05/1765; 
2.2 - Padre José de Brito Freire, batizado em 07/11/1771;
2.3 - Antonio de Brito Freire, casado com sua prima Florência Maria de Santana, pais de:
2.3.1 - Padre José de Brito Freire e Vasconcelos, nascido em 1807;
2.4 - Mariana de Brito Freire, sem mais notícias; 

2 - Viúva, casou Francisca Xavier de Pina com José Antonio de Morais, natural de Lisboa; filha descoberta:

2.5 - Francisca, batizada em 1776; 
3 – Ângelo de Pina e Vasconcelos;
4 – Mateus de Pina e Vasconcelos, nascido no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, onde foi batizado na igreja do Rosário em 21/11/1748 pelo padre Carlos José de Araújo; casou com sua conterrânea Luisa de Lacerda, batizada na capela da Batalha*, termo do dito arraial, filha legítima de Francisco Pereira de Magalhães, natural de Pindamonhangaba, e de Ana Maria de Jesus, natural de Taubaté, ambas em são Paulo. Posteriormente, foram moradores em Jundiaí, São Paulo, onde ele exerceu o ofício de tabelião; já era falecido em 1806. Filhos descobertos:
4.1 – Padre José de Pina e Vasconcelos, batizado em 31/10/1782;
4.2 – Padre Antonio de Pina e Vasconcelos, batizado em 24/7/1784;
5 - Maria de Pina e Vasconcelos;
6 - Brígida de Pina e Vasconcelos; teve pelo menos uma filha natural: Florência Maria de Santana, falecida em 1865; 
7 - Ana de Pina e Vasconcelos, sem mais notícias;
8 - Antonio de Pina e Vasconcelos, escrivão em São Romão.
                                           ------------------------                   
Descende desta família, João de Pina e Vasconcelos, nascido na Vila de Paracatu do Príncipe em 24/6/1799 e falecido em 25/8/1869, na mesma Vila. Homem de vasta cultura destacou-se na vida política e social da cidade, exercendo como rábula, a função de advogado, bem como ocupou diversos cargos públicos ao longo de sua vida. Foi casado com Teodora Maria de Melo,e tiveram as filhas:
1 - Francisco de Pina e Vasconcelos, nascido em 15/12/1817;
2 - Izabel de Pina e Vasconcelos;
3 - Joana de Pina e Vasconcelos;
*Essa capela foi totalmente destruída pelo fogo, com perda dos documentos paroquiais lá existentes.
Nota relevante: **Beatriz Correia da Cruz era irmã inteira de Antonio de Oliveira Caldeira, pai de Ana de Oliveira Caldeira, matriarca dos Melo Franco. Daí, podemos afirmar terem sido os Pina e Vasconcelos, descendentes do casal acima, parentes próximos dos filhos de João de Melo Franco e de Ana de Oliveira Caldeira. Podemos conjecturar que as famílias Pina e Vasconcelos e Oliveira Caldeira vieram juntos da Vila de Santos para as recém descobertas jazidas auríferas na região do Rio Paracatu.

Fontes pesquisadas:
1 - Cúria Metropolitana de São Paulo – Processos de Habilitação de genere et moribus, ano de 1806 -  padres José  e Antonio de Pina e Vasconcelos, disponíveis online no site – familysearch.org;
2 - Livros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu;
3 - Arquivo Público Municipal de Paracatu - Fundo Tribunal Eclesiástico - documentos diversos.


                          DANTAS BARBOSA

Família iniciada em Paracatu com o casamento de Antonio Dantas Barbosa, nascido em 1795, e de Rita Gonçalves Torres, nascida em 1798 e falecida em Paracatu em 30/11/1880, filha ilegítima do padre Joaquim Gonçalves Torres e de Tereza de Faria Leite, neta paterna do pioneiro José Gonçalves Torres e de Josefa de Paiva de Jesus. Este casal foi um grande fornecedor de padres para a Igreja Católica. Senhores da fazenda Alferes das Éguas.Filhos que descobri:
1 – Padre João da Cruz Dantas Barbosa, paroquiou em São Pedro da Uberabinha (Uberlândia). Faleceu aos 14 de fevereiro de 1890, em Estrela do Sul, Minas Gerais;
2 – Padre Pio Dantas Barbosa, também pároco em São Pedro da Uberabinha, onde faleceu aos 18 de março de 1917;
3 – Padre Saturnino Dantas Barbosa, nascido em 1831 na fazenda Alferes das Éguas, Ribeira do São Pedro em Paracatu; paroquiou em Estrela do Sul por muitos anos, onde faleceu em 1905. Participou ativamente da política da região, sendo eleito deputado estadual mineiro já no advento da república;
4 - Padre Manoel Dantas Barbosa, que foi vigário em Santa Juliana, Minas Gerais; faleceu em Estrela do Sul em 05/10/1894;
5 – Francisco Dantas Barbosa, nascido em 1830, também viveu em São Pedro da Uberabinha. Foi nomeado oficial de justiça quando da instalação do Fórum local em 1892; casou aos 56 anos em 29 de outubro de 1886 com Teresa Alves de Jesus, filha de José Alves de Amorim e de Bernarda Ferreira de Santana com quem vivia em concubinato, e tiveram vários filhos legitimados com o casamento:
5.1 – Maria, nascida em 20 de julho de 1871;
5.2 – Francisca Dantas Barbosa, nascida em 16 de novembro de 1872; foi casada como Dr. Duarte Pimentel de Ulhoa, juiz de direito da Comarca de Uberabinha, natural de Paracatu. Filhos:
5.1.1 – Adelina Pimentel de Ulhoa;
5.1.2 – Duartina Pimentel de Ulhoa;
5.1.3 – Benedita Pimentel de Ulhoa;
5.1.4 – Dr. Domingos Pimentel de Ulhoa, médico pediatra, professor e jornalista, fundador da Faculdade de Medicina de Uberlândia;
5.3 – Rita, nascida em 15 de junho de 1874;
5.4 – Antonia, nascida em 14 de novembro de 1876;
5.5 – Josefa, nascida em 28 de novembro de 1879;
5.6 – João, nascido em 06 de agosto de 1884;
5.7 – Maria, nascida em 23 de outubro de 1887;
6 – Joaquim Félix Dantas Barbosa;
7 – Antonia Dantas Barbosa, falecida em Estrela do Sul em 28/11/1894;
8 – Rita dos Reis Dantas Barbosa, que foi casada com Francisco dos Reis Calçado;
9 – Tenente coronel José Antonio Dantas Barbosa. Fazendeiro abastado foi vereador da Câmara Municipal de Paracatu; pai do Padre João Dantas Barbosa Sobrinho, ordenado em Diamantina em 03 de junho de 1871; foi vigário em João Pinheiro; faleceu em Paracatu em 1889;
10 - Josefa Dantas Barbosa, casada com Caetano de Araújo Pereira; com descendência;

Fontes:
1 – Arquivo Pessoal;
2 – Livros paroquiais de Uberlândia – online no site familysearch.org.
Março 2015.




Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.