Pular para o conteúdo principal

SÉRIE - PIONEIROS DO OURO 1: MOURA BROCHADO, PINA E VASCONCELOS E DANTAS BARBOSA



Por José Aluísio Botelho                   


              FAMÍLIA MOURA BROCHADO

Esta família se iniciou em Paracatu, quando da vinda do Reverendo Francisco de Moura Brochado, natural e batizado na Vila do Cabo (hoje Cabo de Santo Agostinho), bispado de Pernambuco, no alvorecer do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Ele era um dos muitos padres que faziam parte do séquito do célebre vigário Antonio Mendes Santiago (biografia neste blog), que lá se fixou, apoderando-se do comando do poder eclesiástico do lugar. Não foi por acaso que o padre Francisco de Moura Brochado foi o testamenteiro do padre Santiago anos depois. Como a maioria dos padres daquela época, teve filhos* sacrílegos. Com Vitória Correia de Almeida Rosa, mulher solteira, natural da Vila de Santos, bispado de São Paulo, teve os filhos, que descobri:
A- Alferes Manoel de Moura Brochado, natural do arraial de Paracatu, já falecido em 1791. Casado em 1783 com Ana Gonçalves de Moura, nascida e batizada na freguesia de Santo Antonio do Tijuco (atual Diamantina), bispado de Mariana, filha legítima de Domingos Gonçalves de Moura, natural freguesia de Santa Eulália, Concelho de Monte Longo (atual Fafe), bispado de Braga, Portugal, e de Maria da Costa Vaz, natural da freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Salvador, Bahia. Filhos descobertos, alguns havidos antes do casamento, que continuaram o sobrenome:
1 – Ana de Moura Brochado ou Ana Gonçalves de Moura, em estado de casada em 1806 com o alferes Anastácio Correia Barbosa, nascido em 11/06/1765, filho legítimo de Lourenço Correia Barbosa, natural de São Paulo, e de Maria Jorge de Menezes, natural de Meia Ponte, Goiás; filhos:
1.1 - Francisca de Moura Barbosa, nascida em 1811, casada em 23/07/1841 com o francês Carlos Ernesto Timmerman, ourives;

1.2 - Vitória, nascida em 23/09/1814;
1.3 - Maria dos Reis Barbosa, nascida em 1817, casada com Joaquim Bento do Prado, natural de Perdões, em 26/09/1841;
2 – Caetana de Moura Brochado, em estado de casada em 1806 com Manoel Luis Mendes;
3 – Maria de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806, em estado de solteira; mãe adotiva de Thomaz de Aquino e Moura e de sua mulher Jacinta Joaquina de Moura;
4 – Izabel de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806, em estado de solteira; foi casada com Venâncio Francisco Pereira, com descendência;
5 – Sabino de Moura Brochado, menor de 25 anos em 1806; foi casado com Domingas Marques Jordão; filhos:
5.1 - Manoel, nascido em 10/07/1813;
5.2 - Claudiana, nascida em 24/09/1814;
5.3 - Francisco, nascido em 11/12/1816;
5.4 - Luisa de Moura Brochado, casada com José da Costa Cordeiro;
6 – Padre José de Moura Brochado. Nascido em 1782, habilitou-se de “Genere et Moribus” na Arquidiocese de São Paulo em 1806, após cursar filosofia. Ordenando-se padre, retornou a sua cidade natal, onde paroquiou por longos anos.
*Sem comprovação documental, descobrimos:
7 - Francisco de Moura Brochado, nascido em 28/04/1776; casado em 1796 com Mariana Marques Jordão.
Batismo - Francisco
 Filhos descobertos:
7.1 - Ana, nascida em 20/11/1812;
7.2 - Jacob, nascido em 23/07/1815;
8 - João de Moura Brochado, nascido em 26/06/1775.
Batismo - João

Fonte:
1 - Processo de habilitação de genere et moribus de José de Moura Brochado – Family search – Arquidiocese de São Paulo, 1806, disponível online.
2 - Livros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu.

                  FAMÍLIA PINA E VASCONCELOS

Antonio de Pina e Vasconcelos, natural e batizado na freguesia da Candelária, Rio de Janeiro, filho legítimo de Lourenço Moreira, natural da freguesia de Matozinhos, bispado do Porto, e de Francisca de Vasconcelos, natural da dita freguesia da Candelária, Rio de Janeiro, casou na Vila de Santos, bispado de São Paulo, com **Beatriz Correia da Cruz, daí natural, filha legítima de Manoel da Cruz Caldeira e de Ana de Oliveira. Manoel da Cruz Caldeira, era português, natural da freguesia de Santos- o -velho, patriarcado de Lisboa, e sua mulher natural da Vila de Santos.  Antonio de Pina migrou com a família para o nascente arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu em busca do ouro, aonde deixaram descendência. Filhos descobertos:
1 – Padre José de Pina e Vasconcelos, nascido na Vila de Santos. Acompanhou os pais na mudança para Minas Gerais. Habilitou-se de genere et moribus em 1782. Em 1800 ainda vivia por ocasião da instalação da Vila de Paracatu do Príncipe;
2 - Francisca Xavier de Pina e Vasconcelos, nascida na Vila de Santos; foi casada duas vezes: 1ª vez com o Dr. Manoel de Brito Freire, Bacharel em Cânones pela Universidade de Coimbra em 1743, natural de Salvador, Bahia, nascido em 1719, filho do capitão José de Brito Freire e de Mariana da Cruz, com quem teve os filhos descobertos:
2.1 - Beatriz de Brito Freire, batizada em 29/05/1765; 
2.2 - Padre José de Brito Freire, batizado em 07/11/1771;
2.3 - Antonio de Brito Freire, casado com sua prima Florência Maria de Santana, pais de:
2.3.1 - Padre José de Brito Freire e Vasconcelos, nascido em 1807;
2.4 - Mariana de Brito Freire, sem mais notícias; 

2 - Viúva, casou Francisca Xavier de Pina com José Antonio de Morais, natural de Lisboa; filha descoberta:

2.5 - Francisca, batizada em 1776; 
3 – Ângelo de Pina e Vasconcelos;
4 – Mateus de Pina e Vasconcelos, nascido no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, onde foi batizado na igreja do Rosário em 21/11/1748 pelo padre Carlos José de Araújo; casou com sua conterrânea Luisa de Lacerda, batizada na capela da Batalha*, termo do dito arraial, filha legítima de Francisco Pereira de Magalhães, natural de Pindamonhangaba, e de Ana Maria de Jesus, natural de Taubaté, ambas em são Paulo. Posteriormente, foram moradores em Jundiaí, São Paulo, onde ele exerceu o ofício de tabelião; já era falecido em 1806. Filhos descobertos:
4.1 – Padre José de Pina e Vasconcelos, batizado em 31/10/1782;
4.2 – Padre Antonio de Pina e Vasconcelos, batizado em 24/7/1784;
5 - Maria de Pina e Vasconcelos;
6 - Brígida de Pina e Vasconcelos; teve pelo menos uma filha natural: Florência Maria de Santana, falecida em 1865; 
7 - Ana de Pina e Vasconcelos, sem mais notícias;
8 - Antonio de Pina e Vasconcelos, escrivão em São Romão.
                                           ------------------------                   
Descende desta família, João de Pina e Vasconcelos, nascido na Vila de Paracatu do Príncipe em 24/6/1799 e falecido em 25/8/1869, na mesma Vila. Homem de vasta cultura destacou-se na vida política e social da cidade, exercendo como rábula, a função de advogado, bem como ocupou diversos cargos públicos ao longo de sua vida. Foi casado com Teodora Maria de Melo,e tiveram as filhas:
1 - Francisco de Pina e Vasconcelos, nascido em 15/12/1817;
2 - Izabel de Pina e Vasconcelos;
3 - Joana de Pina e Vasconcelos;
*Essa capela foi totalmente destruída pelo fogo, com perda dos documentos paroquiais lá existentes.
Nota relevante: **Beatriz Correia da Cruz era irmã inteira de Antonio de Oliveira Caldeira, pai de Ana de Oliveira Caldeira, matriarca dos Melo Franco. Daí, podemos afirmar terem sido os Pina e Vasconcelos, descendentes do casal acima, parentes próximos dos filhos de João de Melo Franco e de Ana de Oliveira Caldeira. Podemos conjecturar que as famílias Pina e Vasconcelos e Oliveira Caldeira vieram juntos da Vila de Santos para as recém descobertas jazidas auríferas na região do Rio Paracatu.

Fontes pesquisadas:
1 - Cúria Metropolitana de São Paulo – Processos de Habilitação de genere et moribus, ano de 1806 -  padres José  e Antonio de Pina e Vasconcelos, disponíveis online no site – familysearch.org;
2 - Livros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu;
3 - Arquivo Público Municipal de Paracatu - Fundo Tribunal Eclesiástico - documentos diversos.


                          DANTAS BARBOSA

Família iniciada em Paracatu com o casamento de Antonio Dantas Barbosa, nascido em 1795, e de Rita Gonçalves Torres, nascida em 1798 e falecida em Paracatu em 30/11/1880, filha ilegítima do padre Joaquim Gonçalves Torres e de Tereza de Faria Leite, neta paterna do pioneiro José Gonçalves Torres e de Josefa de Paiva de Jesus. Este casal foi um grande fornecedor de padres para a Igreja Católica. Senhores da fazenda Alferes das Éguas.Filhos que descobri:
1 – Padre João da Cruz Dantas Barbosa, paroquiou em São Pedro da Uberabinha (Uberlândia). Faleceu aos 14 de fevereiro de 1890, em Estrela do Sul, Minas Gerais;
2 – Padre Pio Dantas Barbosa, também pároco em São Pedro da Uberabinha, onde faleceu aos 18 de março de 1917;
3 – Padre Saturnino Dantas Barbosa, nascido em 1831 na fazenda Alferes das Éguas, Ribeira do São Pedro em Paracatu; paroquiou em Estrela do Sul por muitos anos, onde faleceu em 1905. Participou ativamente da política da região, sendo eleito deputado estadual mineiro já no advento da república;
4 - Padre Manoel Dantas Barbosa, que foi vigário em Santa Juliana, Minas Gerais; faleceu em Estrela do Sul em 05/10/1894;
5 – Francisco Dantas Barbosa, nascido em 1830, também viveu em São Pedro da Uberabinha. Foi nomeado oficial de justiça quando da instalação do Fórum local em 1892; casou aos 56 anos em 29 de outubro de 1886 com Teresa Alves de Jesus, filha de José Alves de Amorim e de Bernarda Ferreira de Santana com quem vivia em concubinato, e tiveram vários filhos legitimados com o casamento:
5.1 – Maria, nascida em 20 de julho de 1871;
5.2 – Francisca Dantas Barbosa, nascida em 16 de novembro de 1872; foi casada como Dr. Duarte Pimentel de Ulhoa, juiz de direito da Comarca de Uberabinha, natural de Paracatu. Filhos:
5.1.1 – Adelina Pimentel de Ulhoa;
5.1.2 – Duartina Pimentel de Ulhoa;
5.1.3 – Benedita Pimentel de Ulhoa;
5.1.4 – Dr. Domingos Pimentel de Ulhoa, médico pediatra, professor e jornalista, fundador da Faculdade de Medicina de Uberlândia;
5.3 – Rita, nascida em 15 de junho de 1874;
5.4 – Antonia, nascida em 14 de novembro de 1876;
5.5 – Josefa, nascida em 28 de novembro de 1879;
5.6 – João, nascido em 06 de agosto de 1884;
5.7 – Maria, nascida em 23 de outubro de 1887;
6 – Joaquim Félix Dantas Barbosa;
7 – Antonia Dantas Barbosa, falecida em Estrela do Sul em 28/11/1894;
8 – Rita dos Reis Dantas Barbosa, que foi casada com Francisco dos Reis Calçado;
9 – Tenente coronel José Antonio Dantas Barbosa. Fazendeiro abastado foi vereador da Câmara Municipal de Paracatu; pai do Padre João Dantas Barbosa Sobrinho, ordenado em Diamantina em 03 de junho de 1871; foi vigário em João Pinheiro; faleceu em Paracatu em 1889;
10 - Josefa Dantas Barbosa, casada com Caetano de Araújo Pereira; com descendência;

Fontes:
1 – Arquivo Pessoal;
2 – Livros paroquiais de Uberlândia – online no site familysearch.org.
Março 2015.




Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…