Pular para o conteúdo principal

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 2: OS RODRIGUES BARBOSA



JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Família iniciada com o estabelecimento do Alferes José Rodrigues Barbosa, na Fazenda Bom Jardim de sua propriedade, localizada na região do Rio Preto, atual Unaí, juntamente com sua mulher Clara Clisanta Dario, no último quartel do século dezoito. Nesta fazenda tiveram e criaram os filhos e herdeiros, com vasta descendência que remonta aos dias atuais. José Rodrigues Barbosa era natural do Arraial de Santa Luzia, capitania de Goiás, bispado do Rio de Janeiro, aonde nasceu em 20/09/1768, filho legítimo de Antonio Rodrigues Barbosa  e  de Maria Teresa de Jesus, neto pela parte paterna de José Rodrigues Barbosa , natural da cidade de Braga, Portugal e de Maria Bicudo, natural de Guaratinguetá; neto materno de João Ribeiro de Vasconcelos, português e de Maria do Sacramento, natural de Pindamonhangaba, SP; faleceu em 02/11/1815. Sobre Dona Clara Clisanta, nada sabemos.

Filhos:

1 – Maria Januária Rodrigues Barbosa, com 27 anos de idade em 1815 (1788), casada com Thomé Moreira de Sousa Osório?

2 – Antonia Marcelina Rodrigues Barbosa, com 25 anos de idade em 1815 (1790), casada com Sebastião José Lopes; filhos descobertos:

2.1 – Delfina, nascida em 08/08/1814, na Ribeira do Rio Preto, onde foi batizada;
2.2 – Antonio, nascido em 02/06/1816, na Ribeira do Rio Preto, onde foi batizado;
2.3 - Ana Lopes da Conceição, nascida em 1823; casada em 25/07/1841 na capela do Rio Preto com Aleixo da Silva Neto;
                                                                             
 3 – Cesário Rodrigues Barbosa, com 23 anos de idade em 1815 (1792); casado com Ana Ribeiro de Vasconcelos, falecida em 1840. Filhos descobertos:

3.1 - Felizardo Rodrigues Barbosa, com 18 anos, pouco mais, pouco menos em 1840;
3.2 - Francisca Rodrigues Barbosa, com 12 anos, pouco mais, pouco menos em 1840;

4 – Luíza de França Rodrigues Barbosa, com 22 anos de idade em 1815 (1793), casada com José Lauriano Souto; Filho descoberto:
4.1 -Maria José Souto;

Luíza de França Rodrigues Barbosa casou 2ª vez em 15/09/1841 com Francisco Antonio de Sousa, também viúvo, com 70 anos;  


5 – Rosa Rodrigues Barbosa, casada com Thomé José de Carvalho Lima;filho descoberto:

5.1 - Manoel, nascido em 16/09/1816, e batizado na capela da Ribeira do São Pedro;

6 – Manoel Rodrigues Barbosa, com 19 anos de idade em 1815 (1796); adiante;

7 – Caetana Maria da Conceição Rodrigues Barbosa, com 17 anos de idade em 1815 (1798);

8 – Ana Joaquina Rodrigues Barbosa, com 15 anos de idade em 1815 (1800);

9 – Sancha Vicência Rodrigues Barbosa, com 13 anos de idade em 1815 (1802); casada com Antonio Francisco de Freitas; filho descoberto:

9.1 - Sancha Vicência de Freitas, nascida em 1827;


6 – Capitão Manoel Rodrigues Barbosa, nascido em 1796 e falecido em 02/02/1845 na fazenda Jardim e Taquaril de sua propriedade, casado que foi com Joana de Araújo Ferreira.

Filhos:

6.1 - Antonio Rodrigues Barbosa, casado, com 26 anos de idade em 1845;
6.2 – Bernardo Rodrigues Barbosa, com 23 anos em 1845; foi casado com Camila Pinto Brochado, filha de Manoel Pinto Brochado e de Maria Pinheiro da Costa; filho descoberto:
6.2.1 – Cecílio Rodrigues Barbosa, casado com Otília Pimentel Barbosa;

Filhos:

 6.2.1.1 – Leão Rodrigues Barbosa, casado com sua prima Adalgisa Rodrigues Barbosa, pais de: Celuta, Rute, Zilá e Pedro;
6.2.1.2 – Bernardo Rodrigues Barbosa;
6.2.1.3 – Camila Rodrigues Barbosa;
6.2.1.4 – Clarina Rodrigues Barbosa;
6.2.1.5 – Cícero Rodrigues Barbosa, casado com sua prima Camila Rodrigues Barbosa;
6.2.1.6 – Matilde Rodrigues Barbosa, casada com Domingos Martins Ferreira, com sucessão;
6.2.1.7 – Desinha Rodrigues Barbosa, casada com Júlio Martins Ferreira;

6.3 – Caetano Rodrigues Barbosa, com 21 anos em 1845; casou com Izidora Martins Ferreira, filha natural de Augusta Batista;
6.4 – Francisca Rodrigues Barbosa, com 18 anos em 1845; casada em 25/07/1841com Francisco José Rocha, filho do padre Ricardo José da Rocha e de Maria José de Oliveira;
6.5 – Cândida Rodrigues Barbosa, com 16 anos em 1845, foi casada com Antonio Alves Ribeiro, filho de Manoel Alves Ribeiro e de Joaquina Romana de Ulhoa;
6.6 – Joana Rodrigues Barbosa, com14 anos em 1845;
6.7 – Camilo Rodrigues Barbosa, com 12 anos em 1845;
6.8 – Maximiano Rodrigues Barbosa, com 9 (?) anos em 1845, adiante;
6.9 – Roberta Rodrigues Barbosa, com 7 anos em 1845; faleceu em 14/10/1883; foi casada com Maximiano Rodrigues Cordeiro.

Filhos:

6.9.1 – Cândido Rodrigues Cordeiro, sem sucessão;
6.9.2 – Olívia Rodrigues Cordeiro. Casou duas vezes: 1ª vez com Augusto Alves de Sousa; 2ª vez com José Porfírio de Almeida e Silva, com sucessão dos dois leitos;
6.9.3 – Francisca Rodrigues Cordeiro, casada com sucessão;
6.9.4 – Francisco Rodrigues Cordeiro, casado (vide 6.8.2.1);
6.10 – Januário Rodrigues Barbosa com 4 anos em 1845;
6.11 – Rita Rodrigues Barbosa, com 18 meses em 1845.                       

6.8 – Coronel Maximiano Rodrigues Barbosa, nascido em 1833 e falecido em 1900; boticário e professor da Escola Normal, senhor das Fazendas Jambeiro e Teixeira. Foi casado com Ana Rodrigues Cordeiro Barbosa, nascida em 1838 e falecida em 18/10/1896, filha legítima de Pedro Rodrigues Cordeiro e de Ana de Afonseca e Silva, esta filha do português João de Afonseca e Silva e de Maria da Costa Braga.

Filhos:

6.8.1 – Tenente Coronel José Rodrigues Barbosa (1857-1939), músico amador, fundador do Instituto Nacional de Musica em 1890 no Rio de Janeiro, e professor honorário do mesmo Instituto. O mais importante e respeitado crítico musical carioca do seu tempo e autor consagrado, de tendência progressista; em 1895 fez campanha em prol da música sacra; crítico musical vinculado ao Jornal do Comércio do RJ escreveu inúmeros trabalhos para o jornal sempre em defesa e do aprimoramento da música brasileira, bem como da musica erudita e sacra. Publicou em setembro de 1922 no jornal “O Estado de São Paulo” o importante – Um Século da Musica Brasileira. Em 1896, por ocasião da morte da mãe, estava casado com Leonor Barbosa; (Nota: casou três vezes, sem sucessão);

6.8.2 – Maria Tereza Rodrigues Barbosa, nascida em 1854 e falecida em 26/12/1883, professora da escola Normal, casada que foi com Odorico Pimentel Barbosa, falecido aos 36 anos em 02/02/1884, filho do capitão Joaquim Pimentel Barbosa Júnior e de Benedita da Costa Braga.

Filhos:

6.8.2.1 – Odorila Pimentel Barbosa, casada com seu primo Francisco Rodrigues Cordeiro, filho de Martiniano Rodrigues Cordeiro e de Roberta Rodrigues Barbosa;
6.8.2.2 – Adelaide Rodrigues Barbosa, com 18 anos em 1896; sem sucessão;
6.8.2.3 – Adalgisa Pimentel Barbosa, com 16 anos em 1896; casada com seu primo Leão Rodrigues Barbosa, filho de Cecílio Rodrigues Barbosa e de Otília Pimentel Barbosa;
6.8.2.4 – Genésio Pimentel Barbosa, com 15 anos em 1896; foi casado com Carolina Gonçalves de Ulhoa, com sucessão; engenheiro e indigenista do antigo SPI (Serviço de Proteção aos Índios). Participou de inúmeras expedições comandadas pelo Marechal Rondon, e em uma delas, foi trucidado pelos índios Xavantes em 06/11/1841; em sua homenagem, no local da tragédia, foi criada a reserva indígena Pimentel Barbosa, localizada no Mato grosso do Sul;

6.8.3 – Manoel Rodrigues Barbosa, músico, falecido em 10/02/1880 aos 24 anos de tuberculose; foi casado com Adelaide de Melo Franco, falecida em 17/04/1879 aos 22 anos, filha do Dr. Bernardo de Melo Franco e de Maria Cândida Mundim; filha única:
6.8.3.1 - Antonieta de Melo Barbosa, casada com o coronel João Crisóstomo da Silva Neiva, com descendência;
6.8.4 – Clara Rodrigues Barbosa, casada em 30/03/1895 com Alberto Laboissière, sem filhos; faleceram no mesmo ano do casamento, ela em 14/08/1895, ele em 07/1895;
6.8.5 – Izabel Rodrigues Barbosa, falecida em 26/07/1881 aos 19 anos, solteira, sem sucessão;
6.8.6 – Cândida da Paixão Rodrigues Barbosa, falecida em 18/08/1882 aos 14 anos, solteira, sem sucessão;
6.8.7 – Amália Rodrigues Barbosa, falecida solteira, sem sucessão;
6.8.8 – Cristiano Rodrigues Barbosa, com 18 anos em 1896; foi engenheiro no Rio de Janeiro.

Nota relevante: Por ser uma obra de genealogia, está sujeita a correções e acréscimos.

Fontes:
A - Acervo do Arquivo Público Municipal de Paracatu:
1 – Inventário do Alferes José Rodrigues de Barbosa, 1815;
2 – Inventário do capitão Manoel Rodrigues Barbosa, 1845;
3 - Inventário de Dona Ana Rodrigues Barbosa, 1896;
4 – Inventário do coronel Maximiano Rodrigues Barbosa, 1800;

B – Família Afonseca, de Olímpio Gonzaga, in Revista Genealógica Brasileira, ano VIII – nº15 e 16 - 1947.

               


Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.