Pular para o conteúdo principal

CONEXÃO PARACATU - ARAXÁ



 Por José Aluísio Botelho


FREDERICO AUGUSTO MOTANDON - UMA AÇÃO DE DIVÓRCIO EM 1845

O suíço Frederico Augusto Montandon foi o tronco da tradicional família Montandon que vicejou em Araxá e alhures. nasceu por volta de 1798 e faleceu na Bagagem, atual Estrela do Sul em 1876 (vide imagem).



 Veio para o Brasil em 1821, segundo relatos em genealogias familiares, e aportou em São João Del Rei, onde viveu algum tempo. Lá nasceram os três primeiros de cinco filhos que teria da união em concubinato com Claudiana Maria de Jesus. Os outros dois filhos caçulas nasceram na Vila de Araxá, para onde o pai tinha se mudado. Versado em ourivesaria e relojoaria, foi nestas profissões que iniciou sua vida no Brasil, tendo também comercializado gado. Sua companheira Claudiana parece ter falecido jovem, logo após o nascimento do último filho, o médico Dr. Eduardo Augusto Montandon.
Nas suas andanças pelo sertão mineiro, é certo que Frederico Augusto Montandon viveu em Paracatu. Quando lá chegou não sabemos precisar, provavelmente no final dos anos de 1830. Sua presença na cidade é constatada em 1843, pois seu nome aparece na lista dos moradores de Paracatu, que subscreveram o livro do cônego Marinho – História do Movimento Político de 1842; outra prova contundente é o relato do Dr. Eduardo Augusto Montandon, em documento manuscrito resgatado pela historiadora Rosa Spinoso de Montandon. Nele, ele discorre em suas reminiscências de infância, sua estada na cidade, a entrada em duas escolas particulares, e o ensino de algumas rezas pela senhora em cuja casa estava (seria a madrasta?). De Paracatu, continua ele, foi levado pelo pai para a Vila dos Couros (Formosa, Goiás), onde estudou na escola do professor Fidêncio de Sousa Lobo (que mais tarde seria Agente Executivo da localidade goiana – grifo nosso). A última prova é sua união com a viúva Dona Francisca da Silva Mascarenhas Pinto, de tradicional família paracatuense, casados canonicamente. Embora não tenhamos encontrado o assento deste casamento, comprova-se a realização do mesmo, a partir da ação de divórcio, impetrado pela esposa. Provavelmente, nosso personagem, ao chegar à cidade tratou logo de casar-se, porém a união não foi bem sucedida, o que suscitou a solicitação da separação conjugal.
Localizamos um fragmento documental, datado de Agosto de 1845, em que Dona Francisca da Silva Mascarenhas Pinto, move a dita ação de divórcio contra o marido, Frederico Augusto Montandon, alegando sevícias por parte do esposo.

Breves considerações sobre o divórcio canônico: "A palavra divórcio era utilizada no direito canônico como sinônimo de separação de corpos, bens e habitação dos cônjuges, sem permitir novas núpcias e produzir a anulação do casamento, de acordo com a Constituições primeiras do Arcebispado da Bahia."Podia-se solicitar o divórcio baseado em alegações tais como o adultério, a impotência, a infertilidade de um dos cônjuges, injúria grave, bem como, sevícias ou maus tratos, que foi o motivo alegado pela esposa impetrante, Dona Francisca.

 Parece que o desfecho do caso foi favorável a senhora, embora a documentação seja fragmentada e incompleta: a mudança dele e os filhos, sem a presença dela, para Formosa da Imperatriz na Província de Goiás, podem sugerir o sucesso na empreitada, obtendo a separação a luz das leis canônicas da época. Localizamos também, a título de informação e de subsídios para a elucidação do caso, o obituário, bem como o inventário de Dona Francisca da Silva Mascarenhas: "Aos cinco de julho de mil oitocentos e oitenta e três, faleceu Dona Francisca da Silva Mascarenhas, branca , *VIÚVA (grifo nosso), aos 74 anos de idade, sendo sepultada no cemitério público da cidade". Trecho do inventário, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu:

2ª Vara 1882/1883

Fazenda do Guerra, Babão.

Francisca da Silva Mascarenhas
Falecida em 05/07/1883
Filha do capitão Cypriano da Silva Mascarenhas e Perpetua Cândida de Morais.

1º - Casamento com ANTONIO MARTINS PINTO.

2º - Casamento com FREDERICO AUGUSTO MONTANDOM, falecido na cidade de
BAGAGEM, sendo o inventario feito na cidade de BAGAGEM, cujos bens ficaram
para os herdeiros dele naquela cidade.


São provas documentais que ela sempre viveu em Paracatu, e foi casada realmente com Frederico Augusto Montandon, em segundas núpcias.
*A viuvez pode indicar que ela permaneceu casada, obrigada a "Viver em Continência Sexual", uma vez que o casamento era indissolúvel.

A título de ilustração publicamos imagens do processo.
Fonte: Arquivo Público Municipal de Paracatu - Documentos eclesiásticos.
Imagem 1
                                  
Imagem 2
                               
Imagem 3

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …