Pular para o conteúdo principal

FAMÍLIAS PARACATUENSES E CATALANAS 3



Por José Aluísio Botelho

SILVA PARANHOS
SUBTÍTULOS: COSTA PARANHOS/COSTA PORTO
Família iniciada em Paracatu com o casamento do 

português Antonio da Silva Paranhos em 28/07/1845, com Belisária Antonia da Costa, filha legítima do Alferes Luiz Antonio da Costa e de Angélica de Affonseca Souto Costa; neta paterna do português João Antonio da Costa e de Rufina Caetana de Moura (família Moura Portela, neste blog); neta materna de João Peres Souto e de Josefa de Affonseca e Silva.
Casamento em Paracatu
 Em Paracatu, Antonio da Silva Paranhos, um jovem de 18 anos de idade em 1845, declarava “viver de suas agencias”,ou seja, era um trabalhador livre e pobre, conforme a identificação das profissões da época. Posteriormente, progrediu nas suas atividades comerciais, estabelecendo sociedade comercial com seu concunhado Ricardo Serafim da Costa Porto. Em 1858, era morador na vila de Catalão, então sede da comarca de Rio Paranaíba, onde foi eleito presidente da Câmara, nomeado agente dos correios e obtém a patente de capitão da guarda nacional, sem ser cidadão brasileiro (vide abaixo em curiosidades). Nesta cidade, obtém êxito no comércio, enriquecendo gradativamente, tornando-se grande proprietário rural e alcançando projeção social e política na cidade, bem como na província goiana, que o levou a se eleger deputado provincial e senador para a primeira legislatura da recém criada República do Brasil. Foi assassinado por desafeto político em 30 de novembro de 1897. Antonio da Silva Paranhos era natural da freguesia de Santo Veríssimo de Paranhos, patriarcado do Porto, aonde nasceu em 10/01/1828, filho legítimo de Manoel da Silva, mestre de carpinteiro, e de Ana de Oliveira, costureira; neto paterno de Domingos da Silva e de Joana da Silva; neto materno de João da Silva e de Maria de Oliveira, todos naturais do mesmo lugar de Paranhos.

Batismo em Paranhos Porto
Aqui no Brasil, como era comum desde a época colonial, acrescentou o sobrenome Paranhos, tomado do lugar de origem em Portugal, e que passou aos descendentes. Dona Belisária da Costa Paranhos, nascida em Paracatu em 1831, faleceu em Catalão aos 12 de janeiro de 1903.
Filhos nascidos em Paracatu, e batizados na Matriz de Santo Antonio da Manga:

1 – Emília, nascida em 03/07/1848; casada com José Felipe da Silveira; filhos descobertos:
1.1 – Coronel Alfredo da Silveira Paranhos;
1.2 – Felicidade Augusta da Silveira Paranhos, casada com Felipe Estrela da Silveira;
1.3 – Maria Eudóxia da Silveira Paranhos;
1.4 – Ernestina da Silveira Paranhos;
Para saber mais, acesse João Fhellipe da Silveira e Felicidade Perpétua de São José

2 – Augusta, nascida em 24/10/1850; sem mais notícias;

              Batismo de Augusta Paranhos                            
                                              

3 – Elisa Angélica, nascida em 08/12/1852; sem mais notícias;

4 – Angélica Elísia, nascida em 18/08/1855 e batizada em 30/10/1855; foi casada com o tenente David Camões de Mendonça, português naturalizado brasileiro em 19/04/1888; com descendência;

Filhos nascidos em Catalão:

5 – Amélia da Costa Paranhos, natural e batizada em Catalão, falecida em 1889 em Paracatu; casada com seu primo Tenente coronel Ricardo Serafim da Costa Porto, nascido em Paracatu em 1851 e aí falecido em 1903, filho de Ricardo Serafim da Costa Porto e de Jacinta Antonia da Costa; filho:
5.1 – Augusto Paranhos da Costa Porto, nascido em 13/11/1872; em 1887 matriculou-se no lendário Educandário do Caraça, e em 1897 no seminário Santa Cruz em Goiás: aí recebeu a primeira tonsura pelo bispo Dom Duarte; certamente desistiu do sacerdócio, pois casou com Cândida de Paula Roquete Franco;
Filhos:
5.1.1 – Eleonora Costa Porto, nascida em 08/06/1876 e falecida em 26/08/1940; casada com o capitão José Carneiro de Mendonça, nascido em 26/04/1856 e falecido em 02/10/1916 em Paracatu; filhos:
5.1.1.1 - Carlos Carneiro de Mendonça, nascido em Paracatu em 17/02/1893;
5.1.1.2 - Francisco Carneiro de Mendonça, nascido em 23/07/1894 e falecido em 22/04/1959;
5.1.1.3 - João Carneiro de Mendonça, nascido em 24/06/1901;
5.1.1.4 - Roberto Carneiro de Mendonça, nascido em 07/06/1904;
5.1.1.5 - Augusta Carneiro de Mendonça, nascida em 28/08/1905;
5.1.1.6 -Manoel Carneiro de Mendonça, nascido em 31/01/1907;
5.1.1.7 - Joaquim Carneiro de Mendonça, nascido em 14/01/1909;
5.1.1.8 - Maria Luisa Carneiro de Mendonça, nascida em 25/08/1910;
5.1.1.9 - Geraldo Carneiro de Mendonça, nascido em 25/05/1913;
5.1.2 - Lucinda da Costa Porto, nascida em 1876, casada com Nelson Hormidas de Oliveira, natural de Araxá, MG, comerciante;
5.1.3 - Leonina Costa Porto, nascida em 11/04/1880 e falecida em 29/06/1919; casada com Berthier Carneiro de Mendonça, nascido em 14/04/1861 e falecido em 09/11/1939; filhos:
5.1.3.1 - Sara Carneiro de Mendonça, nascida em 04/02/1900 e falecida em 22/09/1980; casada com Sóter Caio Carneiro de Abreu;
5.1.3.2 - Fanor Carneiro de Mendonça;
5.1.3.3 - Maria Carneiro de Mendonça, nascida em 03/07/1904; casada com Ascendino Pimentel de Ulhoa;
5.1.3.4 - Augusta Carneiro de Mendonça, casada com Antonio Adjuto Botelho;
5.1.3.5 - Amélia Carneiro de Mendonça;
5.1.3.6 - José Carneiro de Mendonça, nascido em 01/01/1910 e falecido em 09/01/1977;
 5.2 - Coronel Antonio Paranhos da Costa Porto, nascido em 21/04/1884; entrou para o seminário Santa Cruz em Goiás, juntamente com o irmão Augusto em novembro de 1897; apesar de ser aprovado com distinção em 1898, retirou-se do seminário em novembro do mesmo ano; casado com Anita da Silva Neiva, filha de Manoel da Silva Neiva e de Júlia Ferreira Albernaz ;senhores das fazendas São bento em Catalão e Boa Sorte em Paracatu;

6 – Josefina da Costa Paranhos, natural de Catalão; casada com seu primo Dr. Antonio da Costa Porto, filho de Ricardo Serafim da Costa Porto e de Jacinta Antonia da Costa; advogado e Juiz de direito, colou grau na Faculdade de Direito do largo de São Francisco em 04/11/1870; nomeado juiz de direito de Catalão em 1872; posteriormente exerceu a função em Santa Cruz e Vila Bela de Morrinhos, retorna a Catalão, e por fim foi juiz em Palmas, quando falece prematuramente em 21 de dezembro de 1882 de tuberculose pulmonar; filhos:
6.1 – Joanita da Costa Porto, casada com o coronel Alfredo Paranhos (1.1), neto do senador Paranhos;
6.2 – Adolfo da Costa Porto, nascido em 1879;
6.3 – Hermelinda da Costa Porto, casada com Herculano Pereira Caixeta, natural de Estrela do Sul, MG;

7 – Ricardo da Silva Paranhos, nascido em Catalão em 22/11/1866 e falecido em Corumbaíba, Goiás em 1941; advogado, político e escritor; casado com Maria Carolina Leite, com descendência.
Desentroncado:
 Era dessa gente, os irmãos coronel Augusto Pimentel Paranhos, farmacêutico, figura de destaque na vida política e social de Catalão, e seus irmãos Tomé Pimentel Paranhos, radicado em Corumbaíba, e Antonio Pimentel Paranhos, funcionário público, morador em Catalão; nascidos em Paracatu, filhos naturais de Francisca Pimentel Barbosa, a xixi de inhá, neta do comendador Joaquim Pimentel Barbosa. Em carta publicada por jornal de época, ele declara ser sobrinho do senador Paranhos, o que pode indicar serem eles filhos de José Augusto da Silva Paranhos, irmão do senador, falecido em Catalão em 05/11/1888(vide abaixo).
Irmãos do senador Paranhos, encontrados nos livros de registros de batismos de Paranhos, Portugal:
1 – Joaquim, nascido em 23/02/1829; em uma petição de 1854, assina Joaquim da Silva de Oliveira;
2 – *José, nascido em 09/08/1830;
3 – As gêmeas Ana e Felicidade, nascidas em 30/06/1832;
4 – *José, nascido em 28/03/1836;
5 – Augusto, nascido em 1/08/1839; Augusto da Silva Oliveira casou em Paranhos aos 28/01/1861 com Rita Benedita Fernandes.
*Nota: não descobrimos qual dos José, veio para o Brasil.

Curiosidades sobre o senador Antonio da Silva Paranhos:
Em 1855, ele solicita sua naturalização junto ao governo imperial do Brasil, sendo atendido através da carta Imperial de 08 de outubro do dito ano; porém, ele não prestou juramento obrigatório para sacramentar o ato, continuando com a naturalidade portuguesa. Contrariando, pois, a lei do Império assumiu cargos públicos e obteve patentes militares da guarda nacional, só permitidos a brasileiros natos e/ou naturalizados, como os já descritos acima em 1858 na vila de Catalão. Ele continua ao longo dos anos, exercendo cargos públicos tanto no executivo, como no judiciário, confrontando as leis imperiais brasileiras sem ser incomodado.
Porém, em 1880, ao ser eleito e tomar posse como deputado provincial, houve contestação, justamente com as alegações dele não ser brasileiro, estando, portanto impedido de assumir o cargo de deputado. Em janeiro de 1880, vinte e cinco anos depois, ele presta, enfim, o juramento obrigatório, e só então, torna-se cidadão brasileiro (jornal Tribuna Livre, 17/04/1880).
Por fim, em 1890, em reunião da Câmara Municipal de Catalão, após o advento da república, o coronel Antonio da Silva Paranhos é aclamado pelos vereadores presentes, como o chefe político da cidade, seguindo-se as assinaturas dos homens principais do município, fazendeiros, senhores de engenho, industriais, e funcionários públicos. (14/02/1890, jornal Goyaz)


 Ilustração: fac-símile, periódicos goianos.


Fontes:
1 – Livro paroquial de batismos de Paranhos – www.tombo.pt;
2 – Livro de casamentos da Matriz de Paracatu – 1841 – 1850;
3 – Livros de batismos da Matriz de Paracatu, 1845 – 1856;
Outras fontes:
4 – Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional – Periódicos goianos, século XIX;

Esta é uma obra de genealogia, estando, portanto sujeita a correções e acréscimos.
Atualizado em 15/02/2016.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em