Pular para o conteúdo principal

CASAIS PIONEIROS NO ARRAIAL DO OURO - MINAS DO PARACATU



 Por José Aluísio Botelho 


Devido à falta de fontes primárias do arquivo da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu, com o sumiço dos livros paroquiais, bem como a fragmentação dos existentes, notadamente do século dezoito, não se consegue elaborar na sua plenitude, a descendência de diversas famílias lá geradas pelos casamentos ou pelo concubinato. Famílias estas, formadoras da pirâmide social sob o ponto de vista político e econômico, do tipo social relativo à cor da pele, notadamente a partir do processo miscigenatório, que lá se iniciou já no núcleo povoador primitivo. Importante também salientar, que a maioria absoluta do homem branco europeu que acorreram às Minas do Paracatu, era composta de portugueses do norte do país, da região do Minho; não menos importante, foi a migração interna, desde o homem branco paulista, até o homem já mestiço vindo de regiões mineradoras exauridas do norte da capitania mineira, como Serro do Frio, Vila do Príncipe e Minas Novas, e também da Bahia. Por fim, num esforço intelectual, aproveitamos os dados colhidos, para disponibilizar a relação de alguns casais e de filhos esparsos encontrados em tais documentos, e que complementa trabalho anterior.

 ANTONIO SOARES PAIS E ANA MARIA LEME
Casal de origem paulista. Capitão Antonio Soares Paes  natural de Itu, foi para Goiás, em busca do ouro. Encontramos suas pistas: casou em Vila Boa de Goiás com Ana Maria Leme, natural dali, mas, também com origem paulista, e lá tiveram filhos. Em exercício dedutivo, é bastante provável que Antonio Soares Pais, acompanhou Felisberto Caldeira Brant rumo as recém descobertas minas de Paracatu, e de lá, para Diamantina na mesma comitiva, quando Felisberto arrematou o contrato de Diamantes em 1748. Localizamos quatro filhos do casal, sendo que três deles nasceram em Vila Boa de Goiás, e outro nascido nas Minas do Paracatu, bem como seus casamentos e alguns filhos:
1 – Ana Maria Leme, casada com Antonio Neto Carneiro Leão, natural de São Tiago de Carvalhosa, Paços de Ferreira, Município do Porto, filho de Francisco Carneiro Leão e Maria Neta; este casal, pelos seus descendentes, legou seu sangue à Nobiliarquia Brasileira, exemplificado no Marques de Paraná, Honório Hermeto Carneiro Leão. Visite neste blog – Carneiro Leão
2 – Teresa Soares Paes, casada com Custódio Pinheiro da Costa, com descendência em Paracatu; vide Costa Pinheiro - Pinheiro da Costa, item 2
3 – Maria Soares Paes, casada com o tenente José de Sousa Lisboa, natural da freguesia de Conceição Nova da cidade e patriarcado de Lisboa, filho legítimo de Simão de Sousa, natural de Molelos, Concelho de Besteiros, distrito de Viseu, e de Suzana Ferreira, natural de São Pedro de Alfama, Lisboa. 
Nota: deriva deste casal os sobrenomes Sousa Soares e Sousa Lisboa.
Filhos conhecidos:
3.1 – Joaquina de Sousa Soares, batizada em 20/08/1761 na Matriz da Manga. Casou duas vezes: 1ª vez com Ventura Pereira dos Santos; 2ª vez, já cinquentenária com o Capitão Manoel Pinto Brochado, sem descendência de nenhum dos leitos;
3.2 – Ana de Sousa Soares, batizada em 08/04/1766;
4 – *Guarda mor Felisberto Soares da Costa, nascido no Arraial das Minas do Paracatu. Viveu no Tijuco (Diamantina), aonde casou com Maria Vitória da Conceição, natural de Araçuaí, à época bispado da Bahia; filhos descobertos:
4.1 – Ana Vitória Soares, nascida em 30/04/1791, com descendência;
4.2 - Jacinta Vitória Soares, nascida em 03/04/1793, solteira sem descendência;
4.3 - Alferes Felisberto Soares Paes Leme, nascido entre 1794/1795; casado com uma sobrinha de nome ignorado, com descendência;
4.4 - Maria Isidora Soares Leme,, nascida em 1797, sem mais notícias;
4.5 -Silvéria Celestina Soares, batizada em24/08/1799, solteira e sem descendência;

 4.6 – José Paes Leme da Costa, nascido em 16/01/1801; sem descendência;
4.7 - Rosaura Simplícia Soares da Costa, , nascida em 1803, solteira, sem descendência;
4.8 - Antonia Thereza Soares, solteira, sem descendência.
*Arquidiocese de Diamantina – Livro paroquial da Capela de Santo Antonio do Tijuco, 1791 – 1806; Biblioteca Antonio Torres, acervo; dados fornecidos pelo Dr. Fernando Paes Leme, descendente do casal acima.

5 - Ana Izabel Soares Paes, sem mais notícias. 

 PEDRO LEME DA SILVA E GERTRUDES RODRIGUES DE ALMEIDA
Pedro Leme da Silva, natural da vila de Jundiaí, São Paulo, filho de Antonio Leme do Prado (citado por Silva Leme, título Prados), de Jundiaí e de Maria de Abreu do Prado, natural da vila Parnaíba, São Paulo. Casou em Vila Boa de Goiás com Gertrudes Rodrigues de Almeida, ali nascida e batizada, filha de Antonio de Almeida, natural da cidade de Braga, Portugal, e de Teresa Cubas Rodrigues, da vila de Parnaíba. De Vila Boa rumaram para as Minas do Paracatu, e se estabeleceram, em primeiro no arraial da Lagoa, e posteriormente na Ribeira do Rio Preto, na sesmaria do Bom Jardim, aonde tiveram e criaram seus filhos descobertos:
1 – Ana Maria Leme do Prado, casada com Antonio José Cabral, ambos naturais da freguesia de Santo Antonio da Manga das Minas do Paracatu; filha descoberta:
1.1 -Antonia, nascida em 30/08/1774;

2 - Manoel, batizado em 31/03/1765;
3 – Teresa Leme, nascida em 20/04/1775;
4 - Pedro Leme da Silva, casado em 1787 com Ana Cardoso.

JOSÉ VICENTE DE LIMA E MARIA GONÇALVES LEME
José Vicente de Lima, natural de Ponte de Lima, Viana do Castelo, Portugal, filho legítimo de João Vicente de Lima, natural dali, e de Apolônia Maria, natural de Lisboa, casado no arraial de São Luiz e Santana com Maria Gonçalves Leme, filha legítima de João Gonçalves Pena e de Maria Leme de Leão, naturais da vila de Itu, São Paulo. Filhos descobertos:
1 – Antonia, nascida em 05/10/1774;
2 – Tomaz, batizado em 22/03/1776;
3 – Maria, nascida em 24/02/1777.

 FERNANDO JOSÉ DA CUNHA E LUIZA PEREIRA
Fernando José da Cunha, natural de Romarigães, Paredes de Coura, Viana do Castelo, filho de Pedro Fernandes e de Maria Afonso, casou nas minas com Luiza Pereira, natural do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, filha de Lauriano Pereira Maia e de Tereza Pereira. Filho descoberto:
1 - José, batizado em 26/06/1764.

 *MANOEL PACHECO DE SOUSA E ANA MARIA
Manoel Pacheco de Sousa, natural da ilha de São Miguel, Açores, filho de Antonio Pacheco de Sousa e de Luiza Vieira, casou nas minas com Ana Maria Ferreira, natural das minas, filha natural de Maria Ferreira e pai incógnito. Filhos:
1 – Violante Ferreira, casada com José Carvalho da Cunha;
2 - José, batizado em 17/09/1764.
*O sobrenome perpetuou no município de João Pinheiro, MG.
 SILVESTRE RIBEIRO DE MIRANDA E RITA MARIA DE CASTRO
Silvestre Ribeiro de Miranda, natural da freguesia de Santão, Felgueiras, Arcebispado de Braga, filho de Domingos Ribeiro e Ana Ribeiro, casou nas minas com Rita Maria de Castro, natural do arraial de Traíras, capitania de Goiás, filha do sargento mor Bento José e de Maria Vaz de Castro. Filho descoberto:
1 - Ana, batizada em 18/11/1764.

 MANOEL DE SOUSA LUCIANO E LUCIANA DA COSTA DA CONCEIÇÃO
Casal oriundo da vila de Santo Antonio do Urubu, bispado da Bahia, que acorreu para as minas. Os filhos descobertos são naturais e batizados na dita vila do Urubu.
1 – Felipa de Sousa Santana Costa, casada nas minas com Manoel Francisco Duarte, natural de São Cristóvão da Macinhata, bispado de Coimbra, filho de Simão Francisco Duarte e de Josefa Marques da Silva. Filhos descobertos:
1.2 - Bento, batizado em 02/12/1764;
1.3 – Antonio, nascido em 17/01/1776;
2 – Luciana de Sousa, casada nas minas com José Caetano de Sousa, natural de São Gonçalo do Amarante, bispado do Porto, filho de João Coelho e de Maria Pinto. Filho descoberto:
2.1 - Antonio, batizada em 1765;
3 – Domingas de Sousa Costa, casada nas minas com Pedro Antonio Manço, natural da Bahia, filho de Antonio da Mouraria Lobo, natural de Lisboa e de Francisca Rodrigues de Almeida, natural do Alentejo. Filho descoberto:
3.1 - Antonia, batizada em 21/06/1766.

 MANOEL GONÇALVES DE NORONHA E ROSA GOMES DE SÁ
Manoel Gonçalves de Noronha, natural de São Salvador da Rossas, Vieira do Minho, Braga, filho de André Gonçalves e de Serafina Francisca de Noronha, casou nas minas com Rosa Gomes de Sá, natural da freguesia de Nossa Senhora dos Remédios de Arraias, bispado do Pará (atualmente em Goiás), filha de Jerônimo Gomes de Sá, português e de Francisca Gomes de Sá. Filhos descobertos:
1 - Manoel, batizado em 28/01/1765;
2- Antonio, nascido em 15/10/1771;
3 - Luciano, batizado em 17/10/1774.

 CUSTÓDIO JOSÉ COIMBRA E ANA FRANCISCA DA PUREZA
Custódio José Coimbra, natural da freguesia de Santa Maria das Duas Igrejas, Concelho de Paredes, bispado do Porto, filho de Manoel Mendes e de Joana Coelha, casou nas minas com Ana Francisca da Pureza, natural de Goiás, filha do português Paulo Francisco Guimarães e de Eufrásia Cardoso. Filhos descobertos:
1 - Joaquim, batizado em 08/11/1758;
2 - Custódia, batizada em 08/04/1765;
3 - Manoel, batizado em 20/06/1767.

 ALFERES JOSÉ RODRIGUES DA SILVA E JOANA DE SOUSA PEREIRA
O alferes José Rodrigues da Silva, natural de Vila Rica, foi homem abastado no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu; notadamente nas décadas de 1750 e 1760, exerceu os principais cargos de governança do arraial. Casou por lá, com Joana de Sousa Pereira. Filhos descobertos, naturais da freguesia da Manga das Minas do Paracatu:
1 - Joaquina, batizada em 23/01/1758;
2 - Vitória Rodrigues da Silva, casada com Cosme do Amaral do Rego, filho Felipe do Amaral do Rego, português e de Quitéria das Neves, natural da freguesia da Manga.
 MANOEL MARTINS DE ABREU E BÁRBARA MARTINS
Manoel Martins de Abreu, natural de São Pedro de Roriz, Santo Tirso, distrito do Porto, filho de João de Abreu e Ana Martins, casou nas minas com Bárbara Martins, natural do Serro do Frio, filha de Bento Ferreira Bastos, natural de São Martinho de Val de Burros, Lamego e de Joana Martins Viana. O casal deixou numerosa descendência na região onde é hoje o município de Unaí, Minas Gerais. Filhos descobertos:
1 – Maria, batizada em 13/05/1772;
2 – Manoel, nascido em 17/03/1775.
3 – Ana, batizada em 01/01/1777.
 ANTONIO JOSÉ CABRAL E ANA DE SOUSA CAMELO
Antonio José Cabral, natural da Sé da cidade de Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores, filho de Francisco Martins Sodré e de Francisca Estácia, da ilha do Faial, casou nas minas com Ana de Sousa Camelo, natural de Nossa Senhora da Conceição das Almas, Arcebispado da Bahia, filha de Mateus Fernandes, da Ilha Terceira e de Josefa Maria da Trindade. Filho descoberto:
1 - Vicente, nascido em 27/09/1765.

 ÂNGELO DE LEÃO E DOMINGAS GONÇALVES
Ângelo de Leão, natural da cidade de São Paulo, filho de Guilherme de Oliveira e de Mariana de Leão, casou nas minas com Domingas Gonçalves, nascida na Vila de Sabará, e batizada na Roça Grande, bispado de Mariana, filha de Mateus Gonçalves e de Ana Reimão. Filho descoberto:
1 - Maria, batizada em 28/02/1765.

 ANTONIO FERREIRA GUIMARÃES E ANA MARIA DE SÃO JOSÉ
Antonio Ferreira Guimarães, natural da freguesia de Mesão Frio, termo de Guimarães, Braga, filho de João Ferreira e de Margarida Mendes, casou nas minas com Ana Maria de São José, natural de Sabará, filha de Antonio Machado e de Francisca Rodrigues da Conceição. Filhos descobertos:
1 – Agostinha Ferreira Guimarães;
2 - Antonio, batizado em 08/04/1767;
3 - Antonia, nascida em 05/07/1771;
4 – Antonio, o segundo do nome, nascido em 17/01/1774;
5 – Dionísia, nascida em 05/10/1777;
José – Exposto.

 ANTONIO SOARES DE ARAGÃO E ANTONIA MARIA DOS REIS DE JESUS
Casal estabelecido na região do Urucuia, freguesia da Manga das Minas do Paracatu. Filhos:
1 – Mateus dos Reis de Aragão, casado com Luisa dos Reis Sol, filha de Manoel da Silva Reis e de Ana Izabel Sol. Filha descoberta:
1.1 - Maria, batizada em 29/10/1771;
2 – Antonia Maria;
Irmão de Antonio: Estevão Soares de Aragão, morador no sítio da Ribeira de São Pedro.

 MANOEL FERRAZ DE BRITO IZABEL MARIA DA CONCEIÇÃO
Natural da Vila de Viana, Viana do castelo, Portugal, filho de João Ferraz de Brito e de Joana Pereira, casado nas minas com Izabel Maria da Conceição, natural dali, filha de Antonio Pereira da Fonseca, também nascido na freguesia da Manga do Paracatu, e de Maria Gonçalves, natural da freguesia de Santo Antonio do Curvelo. Filho descoberto:
1 - Maria, batizada em 29/05/1774.

 ANTONIO FURTADO DE MENDONÇA E TERESA MARIA DO CARMO
Antonio Furtado de Mendonça, filho de Francisco Furtado de Mendonça e de Francisca Luiz, todos naturais da Ilha do Faial, Açores, casado na Manga das Minas do Paracatu com Teresa Maria do Carmo, filha de José Gonçalves Chaves e de Maria Gonçalves. Filho descoberto:
1 – Rosa, nascida em 02/06/1774.

 RAIMUNDO DE BARROS LIMA E RITA PESSOA DE VASCONCELOS
Casal tronco de importante família paracatuense, ambos de naturalidade desconhecida. Filha descoberta:
1 – Micaela Pessoa de Vasconcelos, casada com Marcos Pereira de Sousa, filho de Manoel Coelho Duarte e de Quitéria de Sousa Leal. Filho descoberto:
1.1 – Felizardo, batizado em 20/05/1775.

 FRANCISCO DA MOTA PINTO E FELIPA XAVIER DA CUNHA
Francisco da Mota Pinto, filho de Antonio da Mota Pinto e de Maria Vieira da Mota, naturais de Marco de Canavezes, bispado do Porto, casado nas minas com Felipa Xavier da Cunha, filha de Francisco Xavier da Cunha e mãe de nome ignorado. Filho descoberto:
1 – Ana, batizada em 05/08/1775.

 DOMINGOS FERREIRA SOUTO E SUA MULHER CUJO NOME SE IGNORA.
1 - Rita Ferreira Souto, casada com Francisco Pereira de Carvalho;
Filho:
1.1 – Gonçalo, batizado em 22/11/1776;
2 – Rosa Ferreira Souto, casada com José Martins Torres, filho de Inácio Jorge Torres, natural da região do Porto e de Maria Cardoso, natural da cidade do Rio de Janeiro. Filho descoberto:
2.1 – Inácio, batizado em 13/12/1774;
 3 - padre Salvador Ferreira Souto.

 GONÇALO DE OLIVEIRA BARREIROS E MARIA GONÇALVES DO NASCIMENTO
A descendência se fixou principalmente  na região de Guarda Mor. Gonçalo foi filho legítimo de Joaquim de Oliveira Barreiros e de Antonia Vieira da Conceição; sua mulher Maria, filha de José de Andrade de Resende e de Ana Gonçalves. Filho descoberto:
1 – Ana, batizada em 11/05/1777.

 **ANTONIO LOPES DA TRINDADE E MARIA DOS SANTOS DE OLIVEIRA
Viveram, tiveram e criaram os filhos na Ribeira de São Pedro. Antonio Lopes da Trindade, nascido e batizado na vila Marinha, freguesia de Vila Nova de Gaia, bispado do Porto, filho de Manoel Lopes de Sá, natural da freguesia de Esmoriz, Concelho de Ovar, distrito de Aveiro, e de Teresa Bernardina, natural de Vila Marinha. Casado nas minas com Maria dos Santos de Oliveira, nascida ali, filha de Manoel Ribeiro dos Santos, natural de Lamego e de Teresa Maria de Jesus, natural das minas. Filho Descoberto:
1 – Teresa, nascida em 10/10/1775.
**Descende deste casal por via materna, o professor Olímpio Michael Gonzaga, autor do livro “Memória Histórica de Paracatu”.

“Esta é uma obra de genealogia, estando, portanto, sujeita a correções e acréscimos”.
Fontes:
1 – Arquivo Público Municipal de Paracatu: livro de registros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga, incompletos e/ou fragmentados, no período de 1758 a 1772;
2 – Arquivo da matriz de Santo Antonio da Manga – registros de batismos, incompletos, no período de 1774 e 1777.







Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …