Pular para o conteúdo principal

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide abaixo:
Batismo do capitão

Na década de 1730, ele já se encontrava nas partes do Brasil, mais precisamente no Serro do Frio, onde minerava. A prova de sua presença no lugar é uma carta patente de alferes de Ordenança, obtida por ele em 1739, da qual transcrevemos um trecho, a título ilustrativo probatório: “Nombramento de alferes de ordenança da companhia que se forma no distrito de Gouveia comarca do Serro do Frio, passada a José Barbosa de Brito”. Datada neste arraial do Tejuco a 26 de agosto de 1739. Gomes Freire de Andrade, Governador da Capitania.
Do Serro do Frio, ele passa para os novos descobertos das Minas do Paracatu, já que em novembro de 1744, ele já minerava em suas datas obtidas junto à Intendência do Ouro do novo arraial, conforme se pode constatar, ao ler o documento da Guardamoria de Paracatu, datado de 1769, na imagem abaixo:
Doc. de 1769


Em 1752, ele requer a patente de capitão do arraial: “José Antônio Freire de Andrade como Governador da Capitania… faz saber aos que minha carta patente virem, me faz representar por uma petição José Barbosa de Brito, que ele havia servido à sua majestade, cinco anos e com boa satisfação no posto de alferes de Ordenança de Pé no distrito do arraial de Gouveia, Comarca de Serro do Frio e do presente se achava exercendo o mesmo posto na companhia do capitão Thomás Francisco Xavier no distrito do Arraial de S. Luís e S. Ana do Paracatu, donde o referido capitão se ausentara para a Capitania de Goiás; e que era preciso prover o dito posto… hei por bem fazer mercê como por esta faço de nomear e prover ao dito alferes José Barbosa de Brito no posto de Capitão de Ordenança de Pé do arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu.” Vila Rica de Nossa Senhora do Pilar do Ouro Preto, Aos 8 de Outubro de 1752. Obs.: Em 18 de Junho de 1759, esta mesma patente com inteiro teor é renovada.
O Capitão José de Barbosa de Brito foi casado com dona Agostinha da Costa, e do casal não provieram filhos, segundo seu testamento, porém ele declara uma filha de nome Ana, filha de uma escrava também de nome Ana, a quem deixa seus bens, após pagamento das dívidas.Foi tutor da menina o padre André Barbosa de Brito, conforme nossas pesquisas, irmão do capitão, o que pode ser comprovado pelo batismo do padre em Portugal:

Batismo de André


Encontramos ainda, no seu testamento uma irmã do capitão, de nome Rosa Maria, casada com Francisco Correia da Rosa, nomeado seu testamenteiro, casal este que pode muito provavelmente ser o tronco dos Barbosa de Brito de Paracatu e adjacências: o capitão deixa legados para dois filhos deste casal - João Barbosa de Brito e o padre Anastácio Barbosa de Brito - juntamente com a filha do capitão se é que ela atingiu a vida adulta e deixou descendentes. Em outros documentos há referências a pessoas com o sobrenome, na segunda metade do século dezoito,  como outro José Barbosa de Brito que aparece batizando uma criança em 1777, bem como uma provisão de casamento em favor de João Barbosa de Brito e de Maria Rodrigues Gonçalves datada de 1780; todos eles nos parece serem parentes próximos do capitão José Barbosa de Brito e/ou de sua irmã Rosa Maria. O Capitão José Barbosa de Brito faleceu por volta 1772, de acordo com um documento por nós compulsado.
No alvorecer do século dezenove, localizamos troncos familiares portando o sobrenome, que passaram aos descendentes. Embora não haja, por absoluta falta de comprovação documental, vínculo direto com os pioneiros, bem como não existir relação de parentesco entre os casais troncos por nós pesquisados, disponibilizamos alguns deles aos nossos leitores, devido a importância dessa família na consolidação social de Paracatu, e todo o noroeste de minas.


TRONCO FAMILIAR 1

1 Bernardo Barbosa de Brito, casado com Antônia Rodrigues de Oliveira (ou Almeida), falecida por volta de 1818; residentes no Campo da Tainha na vila do Paracatu do Príncipe.
Inventário: 2ª Vara 1824/1825.

Filhos:
1.1 Florência Barbosa de Brito, casada com Luiz Antonio de Oliveira,
falecido; filhos descobertos:
1.1.1 Felisberta, 17 anos; filha descoberta:
1.1.1.1 Rita;
"Aos vinte e dous dias de setembro de mil e oitocentos e trinta e
seis, nesta
freguesia de Santo Antonio da Manga de Paracatu, Bispado
de Pernanbuco o Padre Ricardo José da Rocha, de licença parochial,
baptizou solenemente e pos os santos oleos em Ritta, branca, filha
natural de Felisberta Barbosa de Brito, nasceo em novembro de 1834.
forão padrinhos Benedito Barbosa de Brito
e Florencia Barbosa de
Brito. E Para constar mandei fazer este assento que ass
igno,

Joaquim de Mello Franco."

1.1.2 Emerenciana Barbosa de Brito, casada com Constantino Fernandes dos Santos; filha descoberta:
1.1.2.1 Florência Barbosa de Brito; casa-se em 28/10/1874 com Marcos
Ferreira Lima, filho de Manoel Abadia Ferreira Lima
e de Joaquina
Barbosa de Brito;
filho:
1.1.2.1.1 Virgílio Barbosa de Brito, nascido em 10/02/1879 e falecido por volta de 1911; foi casado com Antônia de Araújo Pereira, falecida por volta de 1920; moradores na fazenda Carapinas.
Inventário: 1ª Vara I-70.
Filhos:
A. Egídio Barbosa de Brito, falecido em 1943; filho:
A.1 Teófilo Barbosa de Brito, casado com Maria Flausina de Brito;

Filhos:
A.1.1 José Barbosa de Brito, falecido; casado que foi com Etelvina
Barbosa de Brito; filhos:
1. Josefina Barbosa de Brito, 16 anos;
2. Ana Barbosa de Brito, 21 anos;
3. Mario Barbosa de Brito, 14 anos;
4. Emília Barbosa de Brito, viúva;
5. Zulmira Barbosa de Brito, viúva;
6. Idalina Barbosa de Brito, casada com Pedro Francisco Gonçalves;
7. Laurinda Barbosa de Brito;
8. Cecy Barbosa de Brito, casada com Geraldo de Areda Vasconcelos;
9. Juscelino Barbosa de Brito;
10 Anísio Barbosa de Brito;
B. Minervina Barbosa de Brito, falecida em 1949;
C. Cicero Barbosa de Brito;
D. João Barbosa de Brito;
E. Caetano Barbosa de Brito, falecido; casado que foi com Josefa Pires;

Filhos:
E.1 Antonio Barbosa de Brito;
E.2 João Barbosa de Brito;
E.3 Alaor Barbosa de Brito;
E.4 Bonifácio Barbosa de Brito;
E.5 Valdeci Barbosa de Brito;
E.6 Etelvina Barbosa de Brito;
E.7 Enedino Barbosa de Brito, casado;
1.2 Maria Antônia ou Maria Barbosa de Brito; casada em 04/06/1869 com João Mendes dos Santos, filho legítimo de Silvério Mendes dos Santos e de Antônia Barbosa de Brito;
1.3 Tereza Rodrigues, casada com Ezequiel Cardoso do Rego;
1.4 Ana Barbosa de Almeida, casada em 10/07/1868 com Manoel Rodrigues Barbosa;

1.5 Gregório Barbosa de Brito, casado com Maria Pereira da Silva; filhos descobertos:
1.5.1 Luiz Barbosa de Brito, casado com Cipriana Luiz Xavier.
"Aos 28/04/1891 casou Luiz Barbosa de Brito, filho de Gregorio Barbosa
de Brito
e Maria Pereira da Silva com Cypriana Luiz Xavier filha
legitima de Francisco Luiz Xavier e Silveria Rodrigues Cerpa"

Filhos descobertos:
1.5.1.1 Rita Barbosa de Brito, casada em 12/04/1915 com Eulálio Ferreira
dos Santos, filho de Canuta Ferreira dos Santos;
1.5.1.2 Lúcia Barbosa de Brito, casada em 06/05/1917 com José Marques
Jordão, filho legítimo
de Crispim Marques Jordão e de Teodora Francisco
Pereira;
1.5.1.3 Evarista, nascida em 24/02/1897;
1.2 Ambrósio Barbosa de Brito, nascido em 05/12/1855; foi casado com
Teófila Luiz Xavier;
"Aos 28/04/1892 casou Ambrosio Barbosa de Brito e Teofila Luiz Xavier,
ele filho legítimo de Gregorio Barbosa de Brito
e Maria Pereira da
Silva, ela filha legitima de Francisco Luiz Xavier
e Silveria
Rodrigues Cerpa"

Filhos:
1.2.1 Nazária Barbosa de Brito, nascida em 27/02/1891; casa-se em
11/07/1911 com Antonio José Correia, filho de Benedita Gonçalves da
Cruz e de José Correia;
1.2.2 Nila Barbosa de Brito; casa-se em 29/04/1913 com Demétrio Rodrigues Galvão, filho de João Rodrigues Galvão e de Candida Gomes da Silva;
1.3 Raimunda, nascida em 31/08/1894;

1.4 Martiniano, nascido em 16/10/1896;
1.5 Saturnina, nascida em 31/05/1897;


TRONCO FAMILIAR 2


2 Ana de Brito Barbosa, falecida em 10/08/1828; casada com Joaquim dos Santos Torres.
Inventários: 2ª Vara 1828 / 2ª Vara 1830/1832.
Trecho do seu testamento:
"Sou natural desta vila do Paracatu do Principe, baptzada na matriz de
Santo Antonio
da Manga, Bispado de Pernambuco, filha natural de
Thereza de Brito, já falecida, fui casada conforme os canones sagrados
com Joaquim Dos Santos Torres, hoje falecido de cujo matrimonio
tivemos tres filhos a saber:
Eufemia que se acha casada com Antonio de Araújo Ferreira Souto,
Marriana que foi casada com Joaquim de Araújo Velho
e Pedro Paulo os
quais são meus legítimos e universais herdeiros...saibam quantos este
publico instrumento de aprovação deste testamento virem que sendo no
anno do nascimento de nosso senhor jesus christo de mil oitocentos e
vinte e oito , septimo da independencia do Imperio
do Brasil. Aos
Sette dias do mês de julho do dito anno nesta villa comarca do
Paracatu
do Principe..."

2.1 Eufemia dos Santos, casada com Antonio de Araújo Ferreira Souto;
2.2 Mariana, casada com Joaquim de Araújo Velho.
Filhos:
2.2.1 Antonio Barbosa de Brito Velho; casa-se com Maria José Coimbra; filhos:
2.2.1.1 Antonio Barbosa de Brito, Viúvo; casa-se em 01/06/1911 com
Júlia de Melo Monteiro, filha de Hipólito de Melo Monteiro e de Teodora
Sabina
da Silva;
2.2.1.2 Clotilde Barbosa de Brito, falecida em 05/12/1933; casa-se em 03/09/1911 com Américo Vaz Costa, falecido em 05/1927, filho legítimo de Romualdo Vaz da Costa e de Noberta Vaz. Moradores na fazenda Curral do Fogo.
Invent
ário de Clotilde Barbosa de Brito: 2ª Vara 1934-A.
Filhos:
2.2.1.2.1 João Vaz da Costa, 21 anos;
2.2.1.2.2 Maria Vaz da Costa, casada com Antonio José Souto;
2.2.1.2.3 Ilda Vaz da Costa, casada com Antonio Vaz da Costa;
2.2.1.2.4 Amélia Vaz da Costa, 14 anos;
2.2.1.2.5 Antonio Vaz da Costa, 11 anos;
2.2.1.2.6 Hebi Vaz da Costa, 9 anos;
2.2.1.2.7 Geraldo Vaz da Costa. Obs.: consta do inventário do pai e não
no da mãe.
2.2.1.2.8 América Vaz da Costa, 7 anos;
2.2.2 Joana, 29 anos;
2.2.3 Maria, 27 anos;
2.3 Pedro Paulo, casado com N.; filhos:
2.3.1 Izidoro, 11 anos;
2.3.2 Cândida, 10 anos; casa-se com João Rodrigues Galvão; filhos descobertos:
2.3.2.1 Francisca, batizada em 17/05/1891; nascida em 29/01/1891;
2.3.2.2 Josefa, nascida em 04/02/1895;
2.3.2.3 Manoel, nascido em 04/06/1898;
2.3.2.4 Antonio, nascido em 08/09/1882;

TRONCO FAMILIAR 3

José Barbosa de Brito, casado com Ana Joaquina de Assumpção, falecida em 10/04/1841.
Inventário: 2ª Vara 1843.
Filhos:
3.1 Eufrosina Barbosa de Brito, casada com João Rodrigues de Almeida; filha descoberta:
3.1.1 Faustina Rodrigues de Almeida, branca, casada em
24/02/1867 com José
de Sousa, branco, 26 anos, filho legítimo de
Manoel
de Sousa Mattos e de Ana Alves Ribeiro;
3.2 Maria Barbosa de Brito, casada com Antonio Barbosa de Brito; filhos:

3.2.1 Felisbino, nascido em 04/12/1836;
3.2.2 Francisca Barbosa de Brito; casa-se em 25/01/1856 com
Miguel Alves
de Assumpção, filho de Luís Alves de Assumpção e de Antônia Rodrigues de Almeida;
3.2.3 Francelina Barbosa de Brito; casa-se em 07/02/1855 com Bibiano
Ribeiro, 20 anos, filho de
Euzébio Ribeiro e de Francisca Maria;
3.3 Aurélio Barbosa de Brito; casa-se com Maria Rodrigues de
Almeida; filho descoberto:
3.3.1 Blandina Barbosa de Brito; casa-se em 24/07/1873 com Antonio
Luiz Rodrigues,
branco, 25 anos, filho legítimo de Germano Rodrigues
de Melo e de Maria Rodrigues de Melo;
3.4 Bernardina Barbosa de Brito, 15 anos; casada com João Barbosa de Brito; ela, batizada em 12/09/1828 na fazenda Curral do Fogo, ribeira do Rio Preto. Filhos descobertos:
3.4.1 Manoel Rodrigues Barbosa, branco, de 23 anos; casa-se em 10/07/1868 com Ana Barbosa de Almeida, filha legítima de Bernardo Barbosa de Brito e de Antônia Rodrigues de Almeida;
3.4.2 Geralda Barbosa de Brito, casada em 13/11/1871 com Francisco Xavier de Moura, filho natural de Jacinta Rodrigues de Moura;
3.4.3 Maria Barbosa de Brito; casa-se em 10/11/1868 com Gregório
Barbosa de Brito,
branco, 24 anos, filho legítimo de Bernardo Barbosa
de Brito
e de Antônia Rodrigues; filha:
3.4.3.1 Izabel, nascida em 28/12/1890;

3.5 Rosa Barbosa de Brito, casada com João de Araújo Mesquita, falecido em 10/1857. Inventário: 2ª Vara 1858.
Filhos:
3.5.1 Ana de Araújo Barbosa, casada com Ignácio Rodrigues de Melo; filho:
1
0.5.1.1 Higino de Araújo Mesquita, solteiro, falecido em 15/05/1893; morador na fazenda do Lamarão, distrito do Rio Preto;
Inventário: 1ª Vara I.13.
Com Auta Alves Pacheco, teve os filhos naturais:
3.5.1.1.1 Maria de Araújo Mesquita, casada em 31/12/1893, no arraial do Capim Branco, com Getúlio Alves Ribeiro, filho de João Alves Ribeiro e de Joana Rodrigues Barbosa;
3.5.1.1.2 Justina de Araújo Mesquita;
3.5.2 Ana Barbosa Mesquita, casada com Francisco Roque Guimarães; filho descoberto:
3.5.2.1 Gregório Roque Guimarães; casa-se em 22/05/1873 com Joana Assunção Ferreira, filha de Francisco de Assunção Ferreira e de Margarida Cardoso do Rego;
" Aos oito de outubro de mil oitocentos e quarenta e oito na
capella do Amparo que interinamente serve de matriz desta freguesia de
Santo Antonio
da Manga cidade de Paracatu, baptizou solenemente, e
p
oz os santos oleos em Gregorio, pardo, nascido a nove de septembro do
cadente anno, filho legítimo
de Francisco Roque Guimarães e Anna
Barbosa Mesquita, forão padrinhos João José De Santa Ana
e Dona Luiza
de Santa Ana, de que fiz este assento que assigno o parocho interino José de Moira Barbosa. "


3.5.3 Benedito de Araújo Mesquita, 10 anos;
3.5.4 Germana, casada com Manoel Mascarenhas;
3.5.5 Valentina, 8 anos;
3.5.6 Ignácio, 6 anos;
3.5.7 Firmino, 5 anos;
3.5.8 Josefa, 4 anos;
3.6 Francisca Barbosa de Brito.
"Aos vinte e quatro de agosto de mil oitocentos e treze na capella de
Santo Antonio
aa Alagoa filial desta matriz da freguesia de Santo
Antonio
da Villa do Paracatu do Principe commarca eclesiastica da
Manga, Bispado
de Pernambuco baptizou e os os santos oleos o reverendo
Coadjutor Eustaquio Jos
eph de Carvalho a Francisca inocente filha
legitima de Joseph Barbosa de Brito e de sua mulher Anna Joaquina de
Assumpção, nasceo a treze de julho do dito anno. forão padrinhos
Manoel Camello Pereira
e Maria Messias. E para constar mandei fazer
este assento que assigno. Joaquim
de Mello Franco."


Filho descoberto:
3.6.1 Emídio Barbosa de Brito; casa-se em 09/06/1891 com Cezarina José
Coimbra, filha legítima de Targino José Coimbra e de Maria Thomaz; filha descoberta:

3.6.1.1 Nair, batizada em 22/04/1912;
3.7 Florência Barbosa de Brito; filho descoberto:
3.7.1 Benedito Barbosa de Brito, casado com Ana Maria do Sacramento, filha de Antonio Lemos de Almeida; moradores na fazenda Tabocas; filhos descobertos:
3.7.1.1 Joaquina Barbosa de Brito, casada em 02/07/1858 com Estevão Gomes Camacho, 39 anos, filho de Lourenço Gomes Camacho e de Maria de Moura;
3.7.1.2 Rafael Rodrigues Barbosa, casado com Benedita Alves Ribeiro.

"Aos 26/09/1871 casou Rafael Rodrigues Barbosa, branco, 21 anos, com
Benedita Alves Ribeiro, branca 14 anos, ele filho de Benedito Barbosa
de Brito
e Anna Maria do Sacramento, ela filha legitima de Manoel
Alves Ribeiro
e Francisca de Almeida."



TRONCO FAMILIAR 4

4 Joaquina Barbosa de Brito, mulher solteira, falecida em 11/1843.
(Sala 02/Estante 10/Prateleira 01/Caixa 09/1845)
Filhos:
4.1 Ana Barbosa de Brito, 34 anos, solteira;
4.2 Francisca Barbosa de Brito,
falecida em 09/01/1844; casada com José Pinto de Morais.
Inventário: 2ª Vara 1850.
Filhos:
4.2.1
Elisa Pinto de Morais; casada em 30/10/1858 com José Maria de Moura;
4.2.2 Maria
Luíza Pinto de Moraes; casa-se aos 19 anos em 09/11/1868
com João Evangelista, 24 anos, filho de Elias Alves dos Santos e de
Dona Umbelina
Xavier Marques;
"Aos vinte e tres de setembro de mil oitocentos, trinta, e trez annos
no Amparo, filial desta matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu
baptizou, e pos os satos oleos de licença parochial o padre Ricardo
José
da Rocha a Maria, filha legitima de José Pinto de Morais e sua
mulher Francisca Barbosa de Brito, Forão padrinhos Manoel Alves
Fernandes,
e Maria da Conceição, pardos. e para constar mandei fazer
este assento que assigno. joaquim
de Mello Franco."

Obs.: Maria Luíza Pinto de Morais teve um primeiro casamento:
"Aos 16/06/1852 casou Joaquim José de Santa Ana, Branco, filho natural
de Catharina Moreira Rodrigues com Maria Pinto de Morais, branca, 18
anos, filha legitima de José Pinto de Morais
e Dona Francisca Barbosa
de Brito."

4.2.3 Joaquim Delfino de Morais, falecido em 13/04/1897; casado com Euzébia Mariana Pinto; residentes em Guarda-Mor.
4.2.4
José Pinto de Morais, 20 anos;
Inventário: 2ª Vara 1898.
Filhos:
4.2.4.1 Ana Auta Pinto de Morais,
viúva; residente na fazenda do Funil;
4.2.4.2 Elvira Pinto
de Morais, casada com João Gualberto da Silva Vilela; residentes na cidade de Curvelo, MG;
4.2.4.3 Militão Pinto
de Morais, 25 anos, solteiro;
4.2.5
Hermínia Pinto de Morais, casada com Antonio de Assunção Ferreira;
4.2.6 Maria Beija Pinto
de Morais, 16 anos;
4.2.7
Horácio Pinto de Morais, 12 anos; batizado em 01/01/1836 na capela do Amparo;
4.2.8 João Pinto
de Morais, 11 anos;


TRONCO FAMILIAR 5

5 Julião Barbosa de Brito, casado com Josefa Ferreira da Silva.

Filhos descobertos:
5.1 Ana Barbosa de Brito, casada com José Mendes dos Santos.

Aos onze de março de mil oitocentos e quatorze na capella de Santo
Antonio
da Lagoa filial desta matriz da freguezia de Santo Antonio da
Villa
do Paracatu do Principe commarca Eclesiastica da Manga Bispado
de Pernambuco, baptizou e poz os santos oleos o reverendo padre
Joaquim Ferreira Braga de licença parochial, a Anna inocente filha
legitima de Julião Barbosa de Brito e da sua mulher Jos
epha Ferreira
da Silva, nasceo no primeiro do dito mes e anno, forão padrinhos
Joaquim Alves
e Izabel dos Anjos. E Para constar mandei fazer este
assento que assigno, Joaquim
de Mello Franco.”


Filhos descobertos:

5.1.1 Maria Mendes
dos Santos, casada com Francisco José de Assis;
"Aos 22/08/1855 casou Francisco José de Assis, filho de Albino José
Manoel, já falecido e Domingas
do Espirito com Maria Mendes dos
Santos, filha de José Mendes
dos Santos e Anna Barbosa de Brito..."
5.1.2 Manoel Mendes Barbosa, casado em 15/07/1858 com Antônia Alves de Magalhães, filha de Gregório Alves de Magalhães e de Joaquina Alves de Oliveira;
5.2 João Barbosa de Brito, casado com
Custódia Maria de Jesus.
"Aos quinze de agosto de mil oitocentos e desesseis na fazenda do
Mimoso Ribeira
do Rio Preto, filial desta matriz da freguesia de Santo
Antonio
da Villa do Paracatu do Principe commarca Eclesiastica da
Manga Bispado
de Pernambuco andando em desobriga baptizou e poz os
santos oleos o reverendo coadjutor Eustaquio Jos
eph de Carvalho a João
inocente filho legítimo de Julião Barbosa de Brito e de sua mulher
Jos
epha Ferreira da Silva, nasceo a quinze de maio do dito anno. forão
padrinhos João Joséph Coimbra e Theodora Pereira de Sousa. E para
constar mandei fazer este assento que assigno.
Joaquim de Mello Franco."


Filhos descobertos:

5.2.1
Ignês Barbosa de Brito; casa-se em 24/02/1867 com José Severino
Mendes, filho legítimo
de Eleutério Mendes Teixeira e de Jacinta
Gonçalves
de Jesus.
Filho descoberto:
5.2.1.1 João, batizado em 30/10/1885;
5.2.2 Bernardino Barbosa de Brito, 24 anos; casa-se em 26/09/1871 com
Maria de Sousa Coimbra, 16 anos, filha legítima de João José Coimbra e de Maria de Sousa Mattos.
5.2.3 João Barbosa de Brito; casa-se em 22/09/1894 com Gertrudes
Rodrigues de Sousa, filha legítima de Antonio Rodrigues de Sousa e de
Benedito Mendes dos Santos;
5.2.4 Roberta Barbosa de Brito, nascida em 30/10/1851; casa-se com
Calixto José Souto.

Filha descoberta:
5.2.4.1 Antônia José Souto; casa-se em 05/09/1897
com Antonio Renovato
José Coimbra, filho legítimo
de João da Motta Coimbra e de Carolina Pires Maciel;
5.3 Maria Barbosa de Brito, batizada em 08/01/1833; casada com Joaquim

Francisco Pires.
Aos 24.11.1845 na ribeira do Rio Preto casou Joaquim Francisco Pires,
branco, 21 anos, filho de Marcello Francisco Pires e Anna
Lopes,
falecida, com Maria Barbosa de Brito, Branca, 16 anos, filha
legitima de Julião Barbosa de Brito
e Josepha Ferreira…"

Filhos descobertos:
5.3.1 Antônia Francisco Pires; casa-se em 03/05/1871 com Luiz
Batista
de Oliveira, 25 anos, pardo, filho legítimo de Joaquim Batista
de Oliveira e de Ana da Silva;
5.3.2 Cust
ódia Francisco Pires,19 anos; casa-se em 22/01/1877 com
Antonio Francisco Pires, 20 anos, filho de Benedito Francisco Pires
e de
Joana Lopes Ferreira;
5.3.3 Tereza Barbosa de Brito, nascida
em 29/04/1851;
5.4 Maria Joaquina Barbosa, casada com
José Manoel da Silva;
"Aos dezenove de julho de mil oitocentos e cincoenta e tres na matriz
desta fre
guesia de Santo Antonio da Manga do Bispado de Pernambuco
feitas as diligencias do estillo o reverendo coadjutor Heraclio Torres
Mangueira em presença das testemunhas Romualda
de Sousa Landim e
Antonio José
da Silva, juntou em matrimonio por palavras de presente
os nubentes José Manoel
da Silva, filho legítimo de Albano Manoel da
Silva
e sua mulher Domingas do Espirito com Maria Joaquina Barbosa,
filha legitima de Julião Barbosa e sua mulher Jos
epha Ferreira da
Silva, ambos nascidos e baptizados nesta
freguesia de Santo Antonio
e logo lhes deu as bençãos nupciais na forma do ritual romano. e
para constar mandei fazer este assento que assigno. Miguel Archanjo Torres."




TRONCO FAMILIAR 6

6 Egídio Barbosa de Brito, casado com Sebastiana Ferreira Lima.
Filho:
6.1 Joaquim Rodrigues Barbosa ou Joaquim Barbosa de Brito. Casa-se
em 1852 com Benedita de Sousa Coimbra, filha de João José Coimbra e de
Maria de Sousa Mattos.

Filho descoberto:
6.1.1 Antonio Rodrigues Barbosa, ou Antonio Barbosa de Brito;
casa-se em 08/01/1874 com Maria José de Sousa, filha legítima de José
de Sousa Mattos e de Maria de Brito.
Filhos descobertos:
6.1.1.1 Manoel Barbosa de Brito; casa-se em 25/09/1918 com Idalina José
Coimbra, filha legítima de
Cândido José Coimbra e de Joana Ferreira Lima;
6.1.1.2 Cecílio Barbosa de Brito; casa-se em 19/10/1913 com Jovita de
Oliveira Braga, filha legítima de Carlos
de Oliveira Braga e de Paulina
Antonio
de Negreiros;
6.1.1.3 Joana Barbosa de Brito; casa-se em 14/06/1890 com Tibúrcio da
Silva Couto, filho legítimo
de Manoel da Silva Couto e de Maria de Pina e
Vasconcelos. Filho:
6.1.1.3.1 Manoel, nascido em 06/01/1892;
6.1.1.4 Porcina Barbosa de Brito; casa-se em 01/08/1893 com Quintino José Coimbra, filho legítimo de Antonio José Coimbra e de Maria Monteiro;
6.1.1.5 Josefina Barbosa de Brito; casa-se em 27/04/1895 com Pedro Pereira de Santana, filho natural de Joana Pereira de Santana;
6.1.1.6 Amélia, nascida em 01/08/1894;
6.1.2 Francisca Barbosa de Brito, casada em 12/10/1892 com Virgílio
Ferreira Lima, filho legítimo
de Joaquim Ferreira Lima e de Maria Barbosa de Brito. Filhos:
6.1.2.1 Joaquim, nascido em 23/07/1891;
6.1.2.2 Joana Ferreira de Lima, casada com Justiniano Barbosa de Brito;
Filha:
6.1.2.2.1 Inês Barbosa de Brito; casa-se em 01/10/1911 com Miguel Cândido Barbosa de Brito, filho legítimo de Antonio Cândido Ferreira e de Valentina Francisco Pires;

TRONCO FAMILIAR 7


7 Maria Barbosa de Brito, casada com Francisco de Araújo Pereira.

Filho descoberto:
7.1 Na dúvida, Júlia (Júlia Barbosa de Brito) nascida em 09/03/1855 e falecida em 04/04/1962; casada que foi com Aristides Caetano de Vasconcelos; moradores na fazenda Aldeia de Baixo;
Inventário: 1ª Vara I.77.
Filhos:
7.1.1 Maria Caetano Vasconcelos, casada com Antimo Pereira dos Santos;
7.1.2 Antonio Caetano Vasconcelos, casado com Maria Ribeiro Vasconcelos;

7.1.3 Djanira Caetano Martins, casada com Sebastião Bento Martins;
7.1.4 Manoel Caetano de Vasconcelos, casado com Angélica Caetano Vasconcelos;
7.1.5 Honorata Caetano de Vasconcelos, casada com Benedito Tolentino da Silva;
7.1.6 Sílvio Caetano de Vasconcelos, casado com Terezinha Tolentino Vasconcelos;
7.1.7 Helena Caetano de Vasconcelos, casada com Manoel Antonio Pereira;
7.1.8 Paulo Caetano Vasconcelos;


TRONCO FAMILIAR 8


8 Gregório Barbosa de Brito, casado com Maria Pereira da Silva; filhos descobertos:
8.1 Luiz Barbosa de Brito, casado com Cipriana Luiz Xavier.
"Aos 28/04/1891 casou Luiz Barbosa de Brito, filho de Gregorio Barbosa
de Brito
e Maria Pereira da Silva com Cypriana Luiz Xavier filha
legitima de Francisco Luiz Xavier e Silveria Rodrigues Cerpa"

Filhos descobertos:
8.1.1 Rita Barbosa de Brito, casada em 12/04/1915 com Eulálio Ferreira
dos Santos, filho de Canuta Ferreira dos Santos;
8.1.2 Lúcia Barbosa de Brito, casada em 06/05/1917 com José Marques
Jordão, filho legítimo
de Crispim Marques Jordão e de Teodora Francisco
Pereira;
8.1.3 Evarista, nascida em 24/02/1897;
8.2 Ambrósio Barbosa de Brito, nascido em 05/12/1855; foi casado com
Teófila Luiz Xavier;
"Aos 28/04/1892 casou Ambrosio Barbosa de Brito e Teofila Luiz Xavier,
ele filho legítimo de Gregorio Barbosa de Brito
e Maria Pereira da
Silva, ela filha legitima de Francisco Luiz Xavier
e Silveria
Rodrigues Cerpa"

Filhos:
8.2.1 Nazária Barbosa de Brito, nascida em 27/02/1891; casa-se em
11/07/1911 com Antonio José Correia, filho de Benedita Gonçalves da
Cruz e de José Correia;
8.2.2 Nila Barbosa de Brito; casa-se em 29/04/1913 com Demétrio Rodrigues Galvão, filho de João Rodrigues Galvão e de Candida Gomes da Silva;
8.3 Raimunda, nascida em 31/08/1894;

8.4 Martiniano, nascido em 16/10/1896;
8.5 Saturnina, nascida em 31/05/1897;

CASAL TRONCO 1
1 Ignácio Barbosa de Brito, casado com Caetana d'Affonseca.
Filho:
1.1 Zeferino, batizado em 16/08/1813;
"Aos desesseis de agosto de mil oitocentos e treze nesta matris da
fre
guesia de Santo Antonio da Manga da Villa do Paracatu do Principe
commarca
eclesiastica da Manga Bispado de Pernambuco baptizou e pos os
santos oleos o reverendo padre Jos
eph Guedes da Silva Porto de licença
do reverendo parocho a Zeferino inocente filho legítimo de Ignacio
Barbosa de Brito e de sua mulher Caetana D'afonseca, naturais desta
freguesia, nasceo a treze de julho do dito anno foi padrinho Theodoro
Caetano de Morais. E para constar mandei fazer este assento que
assignei. Joaquim de Mello Franco.”



CASAL TRONCO 2

2 Desidério Barbosa de Brito, casado com Ana Alves de Assunção.
Filho descoberto:
2.1 Domingas Barbosa de Brito, casada em 23/11/1835 com Francisco
Manoel de Araújo, filho de Antonio Pinheiro de Araújo Caldas e de
Antônia de tal. Filha descoberta:
2.1.1 Domingas, nascida em 01/04/1853, e batizada em 20/06/1853.

CASAL TRONCO 3


3 Alexandre Barbosa de Brito, casado com Ana Mendes Teixeira.

Filha:
3.1 Romana Barbosa de Brito; casa-se em 10/09/1854 com Justino de
Araújo Caldas, filho de José de Araújo Caldas
e de Justiniana Maria
Gonçalves.

"Aos tres de novembro de mil oitocentos e trinta, e tres, na capella
do Amparo, filial desta matriz de Santo Antonio da Manga do Paracatu,
baptizou e pos os santos oleos o reverendo Francisco Pereira Tavares,
em Romana, filha legitima de Alexandre Barbosa , e de sua mulher Anna
Teixeira, brancos, forão padrinhos Domingos Cardoso
e Francisca Maria.
e para constar mandei fazer este assento que assigno. Joaquim
de Mello Franco."


CASAL TRONCO 4

4 Antonio Barbosa de Brito, casado com Maria Fernandes do Nascimento; filhos descobertos:
4.1 Izidoro, nascido em 13/05/1884;

4.2 Ágila Barbosa de Brito; casa-se em 10/03/1913 com Henrique
Barbosa de Brito, filho de Elias Barbosa de Brito e de Luíza Xavier;
4.3 José Barbosa de Brito; casa-se em 10/04/1914 com Maria de Sousa Brito, filha de Ursulina de Sousa Brito, natural de Posse, Goiás;

Fontes:

1 – Inventários/testamentos citados no texto, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu;
2 – Arquivo Público Municipal de Paracatu, Tribunal Eclesiástico – documentos diversos;
3 – Livros paroquiais de batismos e casamentos da matriz de Santo Antônio da Manga de Paracatu;
4 – Arquivo Público Mineiro, Secretaria de Governo da Capitania – patentes e nombramentos, 1735 a 1763.

Esta é uma obra de genealogia, estando sujeita a correções e acréscimos.”


                                                                                                                       





Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração.