Pular para o conteúdo principal

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 2 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA


Por José Aluísio Botelho

Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.

CRÔNICA

Registros dos principaes factos políticos ocorridos na cidade de Paracatu, entre o ano de 1919 até 1947 sob a direção dos chefes políticos Dr. Sérgio Gonçalves de Ulhoa e Dr. Joaquim Brochado como responsãveis pelos crimes praticados.
------------------------------------------------------------------------
Para as Lendas do Brasil Central, por Olympio Gonzaga.
------------------------------------------------------------------------
Em 28 de outubro de 1919 agressão e ferimentos a bala no Promotor Público Dr. Eurico Guterres, por Waldomiro Pinheiro e jagunços.

Em 2 de Novembro de 1919 agressão e empastelamento da Folha do Povo que era redigida pelo Coletor Federal Capm. Alyrio Carneiro, sendo autores: Santos Roquette, Romero Lepesqueur Zico, Carlos Tunes, Waldomiro e Delduque Pinheiro etc.

A 4 de Dezembro agressão ao capm. Alyrio Carneiro, que foi atacado pelo grupo referido acima;

Em 5 de Dezembro de 1919 o mesmo grupo de rapazes queimou a EMPRESA FUNERÁRIA DE PARACATU pertencente a Ananias de Mello Franco e a João Gonzaga, causando-lhes um prejuiso de sessenta mil cruzeiros, crime em pleno dia, que ficou impune;

Em 20 de dezembro de 1919 numeroso grupo do Partido Popular foi empastelar a tipografia da A VOZ DO SERTÃO, pertencente a Carlos Tunes e ao vigário José Videira, que arrancou o queixo do soldado com um tiro de Mauser, vigiando a porta. Depois o Vigário ficou louco e retirou-se em camisa de força;

Em 12 de Dezembro de 1919 o referido grupo de desordeiros, fasendo quartel na capela do Rosário com os jagunços dos Pinheiros, puseram a cidade de Paracatu em polvorosa, com tiroteios pelas ruas, à porta do Dr. Luiz Pinto, Juiz Municipal, que foi desposto, retirando-se para a cidade de Araxá;

Não satisfeitos com os atos arbitrários, em 16 de janeiro de 1921, foi a deposição do Prefeito Municipal, as 12 horas do dia, Dr. Henrique Itiberê para assaltarem o poder. Fizeram parte: os Pinheiros, Tonico Porto, dr. Cândido Ulhoa, Zico Lepesqueur, Carlos Tunes, Caetano Neiva, Pedro Manduca, Francisco Carneiro e outros Jogadores armados e acompanhados de jagunços, sem motivo algum;

Em 5 de Novembro de 1922 foi o assassinato do professor Henrique Fritz Husemann à Rua Goiaz, jogando bilhar com Osório Botelho por Nacó e outros jagunços de Santos Roquete e Carlos Tunes, deixando viúva e filhos;

Aquele grupo que depoz o Prefeito, mais o Zeca Hormidas, na noite de 19 de Maio de 1925 quebraram 96 lâmpadas da iluminação pública, reclamação ao delegado Olympio Gonzaga pelo Prefeito Pedro Santana tendo ficado os nomes dos desordeiros na Delegacia;

A 8 de Agosto de 1926, celebrando a missa de domingo, o Vigário Pe. Antonio Pereira Dias foi alvejado no altar por Romero Lepesqueur Zico, que errou o alvo, causando grande indignação do povo;

No dia seguinte, 9 de Agosto de 1926, o Tonico Porto, de arma em punho, à frente daquele numeroso grupo já referido, as 12 horas do dia, com jagunços armados, depuseram o vigário padre Antonio Pereira Dias, sob ameaça de Antonio de Sousa Porto.
Dom João Pimenta, Bispo de Montes Claros, ficou indignado, interditou as egrejas de Paracatu 1926,1927,1928, lançou a excomunhão em Zico Lepesqueur, levou as lamentáveis ocorrências em Paracatu ao conhecimento do Presidente de Minas Geraes Dr. Raul Soares, que, em sinal de protesto, retirou todas as autoridades de Paracatu, por 3 anos.
Dona Joana Lopes Gonzaga, da irmandade da Maria, ajoelhou-se aos pés de seu filho Olympio Gonzaga, solicitando um vigário para esta cidade, o qual, refletindo, viu que Paracatu devia ser emancipado de Montes Claros, creando-se um Bispado aqui. Escreveu um artigo neste sentido, trabalhou com denodo, perante todas as autoridades religiosas, e, com o apoio do Ministro Dr. Afrânio de Mello Franco, seu patrício, foi creada a PRELAZIA DE PARACATU, cuja instalação foi a 4 de Agosto de 1928, tendo gasto cerca de tres mil cruzeiros de seu bolço; sofreu criticas acerbas: mascarados nas ruas vestidos de Padre, tendo escrito nas costas PRELAZIA DE OLYMPIO GONZAGA; um cavalo russo no prado com a palavra PRELAZIA escrita na trazeira. Mas no dia da posse de Dão Eliseu Van Veijer (sic) o frei Fiusa leu a BULA PAPAL DA CREAÇÃO DA PRELAZIA DE PARACATU E TESSEU GRANDES ELOGIOS A OLYMPIO GONZAGA, o pioneiro da magestosa ideia.

4 de outubro de 1930 o coronel Quintino Vargas organisou em Paracatu o BATALHÃO ARTHUR BERNARDES COM 700 HOMENS invadiu e tomou Goiaz, colocando na capital o Dr. Pinheiro Chagas. Foi nomeado prefeito de Paracatu, em cuja administração apareceram notáveis melhoramentos – navegação a vapor do rio Paracatu, luz e força, cadeia nova, avenidas, chafarizes, arborisação, açude, jardim, coreto, estradas de rodagens etc, etc. Entretanto, os seus inimigos políticos moveram-lhe tremenda guerra à surdina, com sede ao pote até alcançarem o poder, tendo o Governador Benedito Valadares praticado esta grande injustiça, esquecendo todos os notáveis feitos desse homem de valor – Quintino Vargas, que se retirou para a cidade de Pirapora, onde organizou uma importante ??? de Navegação do Rio São Francisco, várias indústrias e Fábrica de Tessidos, ficando milionário, e foi eleito deputado estadoal, recentemente.

O partido político chefiado pelo Dr. Joaquim Brochado moveu tremenda perseguição a todos os membros do partido do coronel Quintino Vargas, com o auxílio e apoio do Delegado Especial (mercenário) tenente João Wenceslau de Sousa e seu filho arbitrário, violento Sebastião de Sousa, os quaes praticaram nesta cidade as maiores arbitrariedades.

Na noite de natal, distante de Paracatu duas legoas, na Fazenda da Contagem, reuniu-se 19 pessoas homens e mulheres para resar o terço; o delegado foi lá com a polícia, levou todos para a cadeia, meteu o chicote em todos, obrigando-os, ainda, a beber urina com fumo e salamargo, tendo este fato causado horror e indignação geral, tendo o Dr. Julião Amaral impretado uma ordem de habeas corpus. 25 de Dezembro de 1935.

No tribunal do Juri em 12 de Desembro de 1936 o advogado relatou o caso das prisões da noite de natal e outros fatos e crimes da polícia, sendo agredido e espancado barbaramente o Dr. Julião Amaral, em frente ao fórum, no Beco do Chafariz, por Vasco Botelho, Diogo Botelho, Silvio Botelho e Gerardo Botelho, os quaes não atenderam ….Dr. Juiz de Direito, do Coletor e do pessoal do Forum pois contavam com o apoio do Delegado Tte. João Wenceslau de Sousa e da polícia mercenária, comprada.

No dia 28 de Junho de 1936, a título de vitória eleitoral, Adriles Ulhoa Chefiando numeroso grupo de companheiros, percorreu as ruas desta infeliz cidade jogando dinamite em todas as casas dos correligionários do coronel Quintino Vargas, tendo causado grandes estragos: Olympio Gonzaga, Christovan Gonzaga, Gentil Gonzaga, João Macedo. Emigdio Freire, Ananias de Mello Franco, Temístocles Rocha, Alexandre Fernandes, Antíssimo Lisboa, Jorge Batista, Leopoldo Faria, Frederico Tormin, Alício Lisboa e mais de cincoenta casas. Este crime ficou impune como todos os outros.

Em 22 de Janeiro de 1937, em visita a sua mãe enferma, aportou a esta cidade o radio-telegrafista do couraçado Minas Geraes Sr. Luiz dos Santos Faria, o qual viajou até o Porto Burity no mesmo vapor com o coronel Quintino Vargas, sendo tomado pelo chefe como jagunço de Quintino, e, por este motivo foi barbaramente assassinado pela polícia: Sebastião de Sousa, filho do Delegado Wenceslau, João Ferreira, o cabo José Pedro, à rua dos Peres, as (?) horas da noite de luar. Este crime, que devia ficar impune foi noticiado nos jornais por Olympio Gonzaga e o Dr. Carlos Filho, que se retirou para Goiaz, e Olympio Gonzaga pagou o pato.

Olympio Gonzaga foi barbaramente espancado na tarde de 27 de Fevereiro de 1938 no Largo da Jaqueira, a mandado do Dr. Joaquim Brochado, pelos seus filhos Domingos Brochado e Cláudio Brochado, tendo causado grande indignação na imprensa do Triângulo, Rio e São Paulo. Domingos respondeu Jure e Cláudio nada sofreu com 17 anos, precisando de chupeta.

O meu eminente patrício Embaixador e Ministro Dr. Afrânio de Mello Franco sofreu tremenda guerra politica dos referidos politicos, negando-lhe o voto. Uma vez eu ouvi de um chefe este abisurdo: ainda hei de ver seu amigo Mello Franco cahir do poleiro como mamão maduro (sic), de fato ele cahiu para as nuvens com seus feitos gloriosos e reputação mundial, tendo sido agraciado com as mais elevadas comendas de varias nações, como embaixador, que dirimiu o caso da Letícia, sendo-lhe prestadas grandes homenagens no congresso de Buenos Aires.

Fonte: Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.


Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …