Pular para o conteúdo principal

PARACATUENSES COIMBRÃOS

Por José Aluísio Botelho


Durante o período colonial, desde os descobertos de 1744 até 1822, quando da independência do Brasil, raros foram os filhos de Paracatu que estudaram na Universidade de Coimbra. Embora a historiografia oficial nos dá notícia da grande produção de ouro nas minas do Paracatu, parece que não se formaram famílias abastadas o suficiente para sustentar filhos estudando na Europa. No site da Universidade de Coimbra localizamos as matrículas de somente cinco estudantes paracatuenses, sendo três nascidos nos tempos de arraial, e dois nascidos na recém-criada vila de Paracatu do Príncipe. Acrescentamos à lista pela relevância, um filho de paracatuense, nascido em Paris, que se tornaria um dos grandes do segundo império, com o título de Visconde de Uruguai, bem como o Dr. José Gregório de Moraes Navarro, embora natural de Pitangui, teve papel crucial na instalação da Vila de Paracatu em 1799. Na maioria das matrículas, o nome dos pais não são referidos. Portanto, ao fim de cada ficha descritiva, tecemos breves comentários acerca de cada um. De todos eles, somente o dr. Carlos Dias de Carvalho retornou à terra natal de forma definitiva. Outra constatação importante: durante muito tempo a historiografia tinha o Dr. Carlos Dias de Carvalho como o primeiro filho da terra a se formar em Coimbra ou na Europa. Com os novos documentos, a história biográfica da cidade deve ser modificada, pois, essa primazia passa a ser do Dr. Euzébio de Carvalho.

Eusébio da Silva e Carvalho

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/C/003349

Tipo de título

Original

Datas de produção

1766-10-01 a 1768-10-01

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Minas de Paracatú

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Leis
Matrícula(s): 01.10.1767
01.10.1768
Instituta - 01.10.1766

Idioma e escrita

Português
----------------------------------------------------------------------------------------
Comentários:
1 – Filiação: José Carvalho da Silva/Rosa Maria da Silva;
2 – Em 1779, ele requer passaporte para passar à Lisboa. No documento diz ser natural das Minas de Paracatu, que vive de suas lavouras, solteiro, idade de 32 anos (nascido, pois, em 1747); em outro documento sem data, ele diz ser morador no reino há 30 anos, e pede novo passaporte para retornar à sua pátria, por ser casado com família;
3 – No documento, ele é identificado como de estatura alta, rosto comprido, bastante barba, olhos grandes pardos, sobrancelhas delgadas, cabelo comprido de todo preto.
4 – Seria o Dr. Euzébio irmão ou parente próximo do Dr. Carlos, adiante? Não temos ainda a resposta.
------------------------------------------------------------------------------------------

Carlos Dias de Carvalho Paracatuense

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/P/000991

Tipo de título

Atribuído

Datas de produção

1767-10-01 a 1770-10-01

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Minas de Paracatu, Brasil

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Leis
Matrícula(s): 01.10.1767
01.10.1768
01.10.1769
01.10.1770
Instituta:
-----------------------------------------------------------------------------------
Comentários:
1Filiação: filho de Antônio Dias de Carvalho e mãe cujo nome se ignora. Por volta de 1780, o Dr. Carlos Dias de Carvalho ordenou-se padre em Paracatu.
2Currículo em 1792 – Dr. Carlos Dias de Carvalho Paracatuense, Presbítero Secular, Bacharel em Leis pela Universidade de Coimbra, Sub Delegado Apostólico das Dispensas, Vigário Geral Forâneo, Juiz das Justificações, Casamentos e Resíduos com toda a jurisdição Ordinária e delegada, nesta freguesia e comarca da Manga, Bispado de Pernambuco.
Imagem ilustrativa (Reprodução/Arquivo de Paracatu)

3 – Ele e os irmãos Antônio e Agostinha, foram os primeiros a usar o gentílico paracatuense, acrescido ao sobrenome.
----------------------------------------------------------------------------------

Francisco de Melo Franco

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/F/007557

Tipo de título

Original

Datas de produção

1776-10-19 a 1785-10-29.

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Minas do Paracatu

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Filosofia
Matrícula(s): 19.10.1776 (obrigado)
Medicina 26.10.1777 - 2º ano
31.10.1782 - 3º ano
24.10.1783 - 4º ano
30.10.1784 - 5º ano
29.10.1785
Instituta
Bacharel
Formatura
Repetição
Licenciado
Mestre
Doutor
Graduação
Aprovação

Idioma e escrita

Português
---------------------------------------------------------------------------------------
Comentários:
1Filiação: João de Melo Franco/Ana de Oliveira Caldeira;
2 – Notável paracatuense, cuja biografia e genealogia pode ser lida neste blog.
---------------------------------------------------------------------------------------------------

Bernardo Belizário Soares de Sousa

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/S/010745

Tipo de título

Atribuído

Datas de produção

1820-11-14 a 1820-11-14.

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Paracatu

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Direito
Matrícula(s): 14.11.1820
Instituta:
--------------------------------------------------------------------------------------------------
Comentários:
1 – Filiação: Guarda-Mor Francisco Manoel Soares Viana/Romana Francisca de Moura;
2 – Notável paracatuense: Formou-se em 1824. Advogado, juiz de direito e desembargador do Paço; viveu no Rio de Janeiro, onde casou e deixou descendência; foi deputado provincial por Minas Gerais e Rio de Janeiro em várias legislaturas. Sua genealogia pode ser consultada neste blog, no SOARES DE SOUSA.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

António da Costa Pinto

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/P/005916

Datas de produção

1822-10-31 a 1827-06-01.

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação: António da Costa Pinto, alferes
Naturalidade: Piracatu, Minas Gerais, Brasil

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Direito
Matrícula(s): 31.10.1822
02.10.1823
04.10.1824
04.10.1825
04.10.1826
Instituta:
Atos e Graus: 30.05.1825
03.06.1826
01.06.1827
----------------------------------------------------------------------------------------------------
Comentários:
1Filiação: coronel Antônio da Costa Pinto/Francisca Maria Pereira de Castro;
2 – Notável paracatuense: foi juiz de direito, desembargador do Paço Imperial, vice-presidente e Presidente interino da Província de Minas Gerais, Presidente das províncias de Pernambuco, e ministro do Supremo Tribunal de Justiça do Império (hoje STF). Biografia e genealogia completa neste blog.
--------------------------------------------------------------------------------------------------

Paulino José Soares de Sousa

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/S/012068

Tipo de título

Atribuído

Datas de produção

1824-10-25 a 1824-10-25.

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Paris

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Direito
Matrícula(s): 25.10.1824
Instituta:
-----------------------------------------------------------------------------------------

Comentários:

1Filiação: Dr. José Antônio Soares de Sousa (biografia e genealogia neste blog), nascido nas Minas do Paracatu em 1777, formado em medicina em Paris em 1809, filho do Guarda-Mor Francisco Manoel Soares de Sousa/Romana Francisca de Moura, e de Antoinette Gabrielle Magdeilene Gibert, nascida em Paris.
2O Dr. Paulino não completou o curso em Coimbra. Retornou ao Brasil em 1825, matriculando-se na Faculdade de Direito do largo de São Francisco, em São Paulo, bacharelando-se em 1831. Foi um dos grandes do Império, com o título de Visconde de Uruguai.
-------------------------------------------------------------------------



José de Gregório de Morais Navarro

Nível de descrição

Documento simples

Código de referência

PT/AUC/ELU/UC-AUC/B/001-001/N/000147

Tipo de título

Atribuído

Datas de produção

1778-11-16 a 1781-10-27

Produtor

Universidade de Coimbra

História administrativa/biográfica/familiar

Filiação:
Naturalidade: Pitangui, Minas Geraes

Âmbito e conteúdo

Faculdade: Direito
Matrícula(s): 16.11.1778
Matemática 22.12.1779 (obrigado)
Direito 19.10.1779
Leis 14.10.1780
27.10.1781
Instituta:

Idioma e escrita

Português.
------------------------------------------------------------------------------------
Comentários:

1 – Filiação: João de Moraes Navarro/Ângela Cordeiro Soares de Oliveira;
2embora não ser paracatuense, teve uma relação umbilical com Paracatu, ao instalar a vila de Paracatu do Príncipe em 1799, sendo seu Juiz de Fora durante 12 anos.
---------------------------------------------------------------------------------

Fontes:

1 Universidade de Coimbra – Arquivo da Universidade – Índice de alunos (1537-1908);

2 Biblioteca Nacional do Brasil - Rede Memória Virtual - Projeto Resgate - Doc.:

Requerimento de Eusébio da Silva Carvalho, natural de Paracatu, pedindo que se lhe não dificulte a sua passagem para Lisboa. - Anexo: Em anexo: 1 requerimento; outros documentos.
3 Arquivo do autor.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em