Pular para o conteúdo principal

DONA CÂNDIDA ULHOA BOTELHO - UM BELO NECROLÓGIO



De Paracatu, em 6 de maio de 1909.

Por uma dessas madrugadas frescas e radiosas deste adorável mês de maio, era um regalo, uma delícia, desvencilhar-se das cobertas, e sob um céu de uma limpidez cristalina, sereno e transparente, no qual boiava, por entre tufos de um azul esmaecido, um desses solenes e majestosos plenilúnios deste mês pintor, encher os pulmões da macia e doce aura matinal, embevecido no enlevo desse espetáculo espiritualizador, que a visão do infinito infunde nas almas dos crentes, em que a Religião deixou por derradeiro vestígio, no crepúsculo voluptuoso do misticismo...
Antes que do horizonte, já barrado por largas charpas extensas, em que uns ligeiros tons sulfúreos punham suavidade no amarelo de ouro vivo que as inflamava, rebentasse, chamejante, a colossal hóstia de luz, exposta ao cibório imenso do firmamento, para a alimentação ideal das almas boas e mansas, era um encanto ver rasgar névoas finas as esguias silhuetas das árvores, que, braços levantados para os céus, formavam uma como que procissão de monges, saudando em aleluia de bênçãos, o raiar do dia.
E lenta e lenta, esplendorosa e suave, numa explosão de luz, ia rompendo a manhã, - uma dessas manhãs radiantes que no mês alvissareiro anda aquarelando no céu com o fulgor de suas tintas de ouro, e que são o encantamento dos dias estivais neste formosíssimo recanto do sertão mineiro. O espaço perdia-se de vista num azul de turquesa, sem uma só nuvem a marear-lhe a cor. O sol – rútilo e caricioso sol de maio – desferia seus raios sob os cabeços azulados dos montes que circundam a cidade, dourando-os todos.
E a velha Paracatu, bocejando e estremunhando sonolenta e pesada, mergulhada em sua tristeza dos dias enuviados de abril, acordava, alvoroçada e alegre, despertada por essas sinfonias de luz dessas manhãs frescas e radiosas do doce mês mariano, ao contato de uma nova aurora que desperta gozos e aflora aos lábios sorrisos de ventura...
Infelizmente nem tudo são flores neste mundo. Não só de alegrias vive a gente. São as dores o principal alimento do espírito. Misteriosa é a vida.
Realmente, quando mais se folga, quando o espírito alegre mais se expande, jamais é dado prever-se a iminência de uma dor pronta a estalar como um raio.
Assim é que, ao amanhecer do dia 4 do corrente, quando menos se esperava, correu célere e impressionadora(sic) pela cidade a notícia do falecimento da Exma. Senhora dona Cândida Ulhoa Botelho, virtuosa e digníssima esposa do Senhor Tenente coronel Fortunato Jacinto Botelho, adiantado fazendeiro deste município. Tanto maior foi a surpresa de seus numerosos parentes e amigos, quando todos o sabiam inteiramente restabelecida da enfermidade que a acometeu, e que a obrigou a guardar o leito por alguns dias.
Restabelecida aparentemente dessa enfermidade, a veneranda extinta dispôs-se a uma viagem até a florescente povoação do Capim Branco, em companhia de esposo e filhos, aonde ia em visita à sua extremosa filha, Exma. Senhora Mariana Botelho Brochado, digna esposa do Senhor capitão Antonio Brochado, quando no caminho deu-se o inesperado e lastimável passamento.
Foi na fazenda da Guariroba, de propriedade do distinto engenheiro Sr.Dr. Franklin Botelho, distante desta cidade cerca 10 léguas, que se deu o doloroso acontecimento que causou a mais lancinante mágoa no seio da sociedade paracatuense. Partindo daqui na tarde do dia 25 de abril próximo findo, debaixo de um forte aguaceiro que desabou até a noite sobre esta cidade, a Exma. D. Cândida Botelho e sua comitiva conseguiram chegar àquela fazenda no dia seguinte, recolhendo-se logo ao leito, donde não mais se ergueu.
Atacada de repente por uma rebelde pneumonia gripal, o seu organismo já enfraquecido não pôde resistir aos embates da insidiosa moléstia, e, às 8 horas da noite do dia 3 do andante, rodeada pelo seu dedicado esposo, dos seus idolatrados filhos e de muitas pessoas da família, de amigos íntimos e do seu médico assistente, o ilustre Sr. Dr. Sérgio Gonçalves de Ulhoa, veio a falecer a estimada senhora, após uma agonia lenta, mas não dolorosa, porquanto o passamento fez-se sem transição aparente.
A distinta senhora, que era extremamente acatada e querida por toda a população de Paracatu, da qual era um dos melhores ornamentos, pelos grandes dotes de seu magnânimo coração e pelas excelsas virtudes pessoais, pelas quais era considerada uma santa matrona de acrisolada bondade, sucumbiu na idade de 59 anos. Era a pranteada extinta irmã do Sr. Dr. Thomaz Pimentel de Ulhoa, distinto médico residente nesta cidade de Uberaba, do Exmo. Sr. Dr. Duarte Pimentel de Ulhoa, integro juiz de direito de São Pedro de Uberabinha, e da Exma Sra. D. Ana Paraíso Cavalcante, também residente naquela cidade (Uberaba).
Logo que a triste notícia foi divulgada na cidade, estabeleceram-se grande romaria de amigos para a casa mortuária da família enlutada, consternados todos pelo doloroso golpe que tão profundamente feriu o coração do venerando Senhor Tenente coronel Fortunato Botelho.
O cadáver da Exma. Senhora Dona Cândida Botelho, que foi conduzido em rede, teve da fazenda da Guariroba para esta cidade um acompanhamento de extraordinário número de cavaleiros e de pessoas a pé, aqui chegando às nove horas da manhã.
As 6 horas da tarde, realizou-se o enterro, que foi dos mais solenes e concorridos que tem havido em Paracatu, vendo sobre o féretro ricas coroas com expressivas dedicatórias.
Antes de fechar-se o caixão, foi o corpo beijado entristecidamente pelos desolados filhos, cuja dor se manifestava em pranto convulso, sendo a custo arrancado junto ao corpo.
Àquela hora, organizado o grande cortejo, indo na frente às irmandades do santíssimo Sacramento e Bom Jesus dos Passos, seguiu para o cemitério local. Aí, ao baixar o corpo à sepultura, foi feita a encomendação pelo Reverendíssimo Senhor Padre Manoel da Assumpção Ribeiro, estimado vigário geral deste município.
Ao inconsolável viúvo Senhor Tenente coronel Fortunato Botelho, aos seus extremosos filhos, bem como a todos os parentes da ilustre família, endereço aqui, ainda que tardiamente, os meus sinceros pêsames.

Josino Neiva*

(Transcrito do texto original publicado no jornal Lavoura e Comércio de Uberaba, edição 1030 de 27 de maio de 1909).

* Paracatuense, membro da tradicional família Silva Neiva, professor, jornalista e escritor.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …