Pular para o conteúdo principal

OS ROCHA DE ÁGUA BRANCA, ALAGOAS À PARACATU, MINAS GERAIS


José Aluísio Botelho

Eduardo Rocha*


 O Major da Guarda Nacional Manoel Caetano Pereira da Rocha foi o iniciador da família em Paracatu.

O patriarca
 Natural de Água Branca, estado de Alagoas, aonde nasceu em 1844, filho de Caetano Pereira da Rocha e de Maria Rita da Conceição.Veio para Paracatu em 1869, com pouco mais de vinte anos, recomendado ao seu parente o cônego Miguel Arcanjo de Siqueira Torres, também natural de Água Branca, vigário geral da freguesia de Santo Antonio da Manga de Paracatu desde 1845, pouco mais. Era, portanto, aparentado dos Siqueira Torres que também vieram para a região, principalmente para o então distrito de Capim Branco, hoje Unaí.
Manoel Caetano ao longo dos anos teve êxito nos negócios, participando ativamente da vida política e social da cidade; ocupou cargos de vereança, foi agente executivo municipal entre 1892 e 1894, bem como chefe político do Partido Liberal aliado aos seus conterrâneos Siqueira Torres, em oposição ao Partido Republicano chefiado pelo Dr. Sérgio Ulhoa.Faleceu em 09 de maio de 1905.
Casou em 09 de outubro de 1876 na Matriz de Santo Antonio de Paracatu, com Francisca da Paixão de Paula e Sousa, nascida em 21/04/1848, filha do alferes Francisco de Paula e Sousa e de Maria das Dores de Mendonça. Descendência:


1 - João Batista de Sousa Rocha, falecido em 23 de outubro de 1909 aos 32 anos; foi casado com Corália Pimentel Barbosa, filha natural de Francisca Pimentel Barbosa e de Antonio Paranhos, de Catalão;

2 - Tarquínio de Sousa Rocha, falecido em 01/12/1898 aos 24 anos de idade, solteiro;

3 - Maria Rita de Sousa Rocha, professora, falecida solteira no Rio de Janeiro;

4 - Leobina de Sousa Rocha, faleceu solteira no Rio de Janeiro;

 5 – Capitão Temístocles de Sousa Rocha (Dudu), nascido em 17/06/1881 e falecido em 04/11/1962; foi casado com Izabel Valadares Santana, filha do capitão Luiz José de Santana e de Izabel de Campos Valadares; fundador da centenária Casa Dudu Rocha; prefeito municipal em 1947- 48; fazendeiro; filhos:
5.1 - Paulo Rocha, nascido em 30/06/1906 e falecido em 04/01/1998; foi casado com Maria Nívea Taveira Rocha, com descendência;
5.2 - Pedro Rocha, nascido em 07/11/1907 e falecido em 24/09/1964; foi casado com Maria Jacinta Chaves Rocha, com descendência;
5.3 - Maria Rocha, nascida em 1909; casou em 1926 com Gentil Gonzaga, nascido em 1903; descendência em Pirapora:
5.3.1 - Nilza;
5.3.2 - Ione;
5.3.3 - Ieda;
5.3.4 - Ildeu;
5.3.5 - Neide;
5.3.6 - Sebastião;
5.3.7 - Tarcísio;
5.4 - Francisca Rocha, casada que foi com Honório de Sousa Mundim, com descendência; 

5.5 - Geraldo Rocha, nascido em 17/02/1914 e falecido em 18/06/1990; foi casado com Anita Lopes Rocha, nascida em24/12/1915 e falecida em 19/02/2004 (ascendência abaixo); filhos:

1 - Terezinha de Jesus Rocha, nascida em 16/12/1939; casada com Adélio Gonçalves Lima, nascido em 01/07/1936, com descendência;

2 - Elizabeth Rocha, nascida em 12/05/1941 e falecida em 07/12/2012; foi casada com Alcindo da Silva Neiva, já falecido; com descendência; 

3 - Maximiano Benedito Rocha, falecido solteiro;

4 - Maria Luíza Rocha, nascida em 15/03/1947; casada com Fernando Antônio da Silva Neiva, nascido em 15/09/1941; com descendência; 
  
5 - Eunice Rocha, casada com Lúcio Arinos de Melo Franco; com descendência;

6 - Eduardo Rocha, nascido em 14/08/1950; casado com Maria Alves de Oliveira Rocha, nascida em 26/08/1954; filhos:
6.1 - Eduardo Rocha Filho, nascido em 09/04/1975, casado com Cristiane Borges de Menezes; filhos:
6.1.1 - Davi Rocha de Menezes, nascido em 02/05/2000; 
6.1.2 - Vitor Rocha de Menezes, nascido em 01/05/2005;
6.2 - Graziela Oliveira Rocha, nascida em 01/05/1979, casada com Frederico Oliveira Andrade; filha:
6.2.1 - Sofia Rocha Andrade, nascida em 18/06/2011; 
6.3 - Alethéia Oliveira Rocha, nascida em 22/07/1983; casada com Solon Hormidas Caldas; filhos:
6.3.1 - Solon Rocha Hormidas, nascido em 31/08/2009;
6.3.2 - Theo Rocha Hormidas, nascido em 08/09/2013;

7 - Geraldo Rocha Filho, casado com Genoveva; com descendência;  
    
 8 - Antônio Cézar Rocha, casado com Margareth de Almeida e Silva; com descendência;

9 - Rosângela Rocha, falecida solteira;

10 - Margareth Rocha, casada com Dante Torres; com descendência;

       Ascendência de dona Anita lopes Rocha

 Pais:

1 - Emetério Cândido Lopes, filho do tenente coronel Cândido José Lopes, falecido em 1912, e de Ana Josefina de Queirós; casado com:
2 -  Aureliana Ribeiro de Araújo, falecida em 1954;

Avós Maternos:

3 - Paulino Ribeiro de Araújo, nascido em 1852;
casado com:
4 - Ana Alves de Sousa; 

 Bisavós Maternos:

5 - João Correia de Araújo, falecido em 1874; senhor e possuidor da fazenda da Lapa, no Brocotó; casado com:
6 - Maria Batista Franco, filha de Tomaz Batista Franco e de Inês Martins Ferreira.
 
Fonte:
Arquivo Público Munincipal de Paracatu
Inventários:
2ªVara cx. 1876 - João Correia de Araújo Ribeiro;
1ªVara cx. 123 - Cândido José Lopes.   
 
5.6 - Maria da Conceição Rocha, nascida em 17/07/1915 e falecida solteira em 24/11/2003;
5.7 - Beatriz Rocha, nascida em 05/05/1917 e falecida solteira em 24/06/2014;
5.8 - Viviana Rocha, nascida em 19/11/1918 e falecida em 30/09/1978; foi casada com Raul Hormidas de Oliveira, com descendência
5.9 -Luísa Rocha, nascida em 12/06/1920 e falecida solteira em 09/02/1977;
5.10 - Maria Izabel da Rocha, casada que foi com Sebastião Valadares Roquete;
5.11 - José Ramos Rocha, nascido em 05/04/1925 e falecido em 31/07/2003; foi casado com Esperança Jordão Rocha;
5.12 - Joaquim Rocha, nascido em 28/01/1926 e falecido em 05/08/1995; foi casado com Maria José de Sá Guimarães;
5.13 - Alberto Rocha, nascido em 19/08/1929 e falecido em 29/07/1990; foi casado com Antonia Jordão Rocha;

6 – Capitão Samuel de Sousa Rocha. Advogado (Rábula), professor e poliglota, fundou o educandário Ateneu Paracatuense nas antiga Rua das Flores. Na política foi vereador e agente executivo em 1912, quando construiu o matadouro municipal e o posto meteorológico;casado com Lídia Canedo Rocha, com quem teve os filhos:
6.1 - Diana Hermengarda de Santo Antonio;
6.2 - Eva Lizenanda do Carmo;
6.3 - Urania Olímpia de Santana;
6.4 - Silvânia Suzana Selba;

7 - Viviana de Sousa Rocha,falecida em Uberaba, MG, casada Pedro Rodrigues de Oliveira, nascido em 1878 e falecido em 28/11/1943 em Belo Horizonte, MG; filhos:
7.1 - José Rodrigues de Oliveira;
7.2 - Alexandre Rodrigues de Oliveira;
7.3 - Dolores Rocha Neiva;

7.4 - Conceição Rodrigues de Oliveira;
7.5 - Maria da Paixão Rodrigues de Oliveira;
7.6 - Manoel Rodrigues de Oliveira;
7.7 - Lila Rodrigues de Oliveira;
7.8 - Samuel Rocha de Oliveira;
7.9 - Maria Lúcia Rocha Azmar;
7.10 - Geraldo Rocha Oliveira;
7.11 - Coronel PM Pedro Rodrigues de Oliveira;
                                                           
8 – Manoel Caetano da Rocha, Badeco de alcunha; foi casado com Maria Crisóstomo da Silva Neiva, filha do coronel João Crisóstomo da Silva Neiva e de Antonieta Rodrigues Barbosa, e irmã do Dr. José da Silva Neiva; filhos:
8.1 - Nivaldo Rocha. Casado duas vezes: 1ª vez com Glória Rocha, deixando um filho naturalizado americano: Carlos Alberto Rocha; 2ª vez com Violante Rocha, sem sucessão;

8.2 - Petrônio Rocha, casado com Marina Brasil Rocha, residentes em Campinas, São Paulo; filhos:
8.2.1 - Petrônio Rocha Filho;
8.2.2 - Marina Brasil Rocha;
8.2.3 - Marília Brasil Rocha Navarro;
8.2.4 - Armando Brasil Rocha;
8.2.5 - Maria da Graça Brasil Rocha;
8.2.6 - Manoel Caetano Pereira da Rocha Neto;
 
8.3 - Manoel Caetano de Sousa Rocha Filho, casado com Otília Olinda Soloaga Rocha; filhos:
8.3.1 - Marco Antonio Soloaga Rocha;
8.3.2 - Júlio Cézar Soloaga Rocha;
8.3.3 - Mozart Soloaga Rocha, Fonseca;
8.3.4 - Otília Soloaga Rocha, conhecida como nena, falecida; 
 


8.4 - Lygia Rocha, casada com Lourival Fonseca; filhos:

8.4.1 - Maria Beatriz da Fonseca Lycário;
8.4.2 - Heloísa Helena Rocha Fonseca;
8.4.3 - Valéria Rocha Fonseca;
  8.5 - Antonieta Rocha, casada com Bichir Bichara; filhos:
8.5.1 - Kátia Rocha Bichara;
8.5.2 - Miguel Rocha Bichara;
8.5.3 - Thaís Rocha Bichara;

8.6 - Edu Pereira da Rocha, nascido em 05/01/1922 e falecido em 29/07/1959 em Campo Grande, MS, onde era morador; foi assassinado no exercício do cargo de vereador municipal; casado com Eunice Ajala Rocha, com a filha única:
8.6.1 - Marília Ajala Rocha;

 8.7 - Lordes Rocha, casada com Túlio Sartini; filhos:
8.7.1 -Dante Rocha Sartini;
8.7.2 -José Aurélio Rocha Sartini;

8.8 - João Rocha, casado com Licéia Menezes Rocha; filhos:
8.8.1 - Verônica Menezes Rocha;
8.8.2 - Irma Menezes Rocha;
8.8.3 - Edu Menezes Rocha; 

9 - Deborah de Sousa Rocha, nascida em 01/02/1882 em Paracatu, casada em 01/10/1910 com Alberico Salazar, nascido em 07/02/1882; viveram em Formiga, MG, aonde tiveram os filhos:
9.1 - Alberico Salazar Neto, nascido em 20/07/1911, dentista; casou com Alda Correia da Rocha, filha de Donato Rocha e Margarida Correia; filhos:
9.1.1 - Alberico;
9.1.2 - Albertina;
9.1.3 - Alberto;
9.1.4 - Rita;
9.1.5 - Rosário;
9.1.6 - Armando;
9.1.7 - Fátima;
9.2 - José Salazar Sobrinho, nascido em 19/08/1912, médico no Rio de Janeiro; foi casado com Maria Nazaré Rocha; filhos:
9.2.1 - José;
9.2.2 - Angela;
9.2.3 - Sérgio;
9.3 - Lincoln Salazar, nascido em 11/01/1914, dentista; foi casado com Lourdes Salazar; foi prefeito de Angra dos Reis no estado do Rio de Janeiro; filhos: 
9.3.1 - Marli;
9.3.2 - Ana Maria;
9.3.3 - Deborah;
9.3.4 - Lincoln Salazar Filho;
9.3.5 - Antonio Pedro;
9.4 - Wilson Salazar, nascido em 24/02/1915, advogado; foi casado duas vezes: 1ª vez com Wanda Pimentel Cortes; filho:
9.4.1 - Wilson Salazar Filho;
  2ª vez com Ruth Sobral Pinto, nascida em 1927 e falecida em 2001,advogada, filha do Dr. Sobral Pinto e de Dona Maria José de Azambuja; sem descendência;
9.5 - Anésia Salazar, nascida em 02/06/1916; foi casada com Pautilho Silva; filhos:
9.5.1 - Vânia;
9.5.2 - Marina;
9.5.3 - Pautilho Filho;
9.5.4 - Ângela;
9.5.5 - Alda;
9.5.6 - Paulo;
9.5.7 - Deborah;
9.6 - Branca Azaleia, nascida em 07/02/1918, casada com Gilberto Figueira; filhos:
9.6.1 - Berenice;
9.6.2 - Valquíria;

10 - Lídia de Sousa Rocha, casada em 24/10/1914 na matriz de Santo Antônio de Paracatu  com João Gumercindo Lima, filho de Aureliano dos Santos Lima e de Maria leonor dos Santos, naturais de São Miguel da Ponte Nova, MG. Viveram no Rio de Janeiro. 

 

  
OUTROS ROCHAS DE ÁGUA BRANCA EM MINAS GERAIS



PESQUISA: EDUARDO ROCHA*

TEXTO: JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO



MANOEL JOAQUIM PEREIRA DA ROCHA

 NATURAL DE ÁGUA BRANCA, ALAGOAS, ONDE NASCEU EM 01 DE DEZEMBRO DE 1875, FILHO DE TARGINO PEREIRA DA ROCHA E DE MARIA RITA DOS PRAZERES MELO. CASOU EM15 DE JUNHO DE 1898, COM MARIA GOMES DOS PRAZERES, FILHA LEGÍTIMA DO CORONEL JOSÉ GOMES DA SILVA E DE ANTONIA ROSA DA SILVA. NESTE MESMO ANO, ESTABELECE COM A ESPOSA EM VITÓRIA, ESPÍRITO SANTO, AONDE INGRESSOU NA REPARTIÇÃO GERAL DOS CORREIOS E TELÉGRAFOS. EM 1908 É TRANSFERIDO PARA RIO NOVO DO SUL -ES, E A PARTIR DAÍ, É TRANSFERIDO PARA SOLEDADE EM MINAS GERAIS, SERVINDO POSTERIORMENTE, EM OUTRAS CIDADES MINEIRAS, ATÉ APOSENTAR COMO FUNCIONÁRIO DO ÓRGÃO. FALECEU EM 23 DE JANEIRO DE 1936 EM INHAÚMA, RJ.

NOTA: TARGINO PEREIRA DA ROCHA FOI IRMÃO GERMANO DE CAETANO PEREIRA DA ROCHA, QUE ORIGINOU O RAMO PARACATUENSE.

FILHOS:

1 – ERNANI ROCHA, NATURAL DE VITÓRIA- ES, ONDE NASCEU EM 30/08/1902. CASADO COM JOVITA TORRES ROCHA, COM DESCENDÊNCIA;

BIOGRAFIA: INICIOU SUA CARREIRA PÚBLICA NO ANTIGO DEPARTAMENTO DE CORREIOS E TELÉGRAFOS, OCASIÃO EM QUE FOI COLEGA DE JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA, QUE TAMBÉM LÁ TRABALHAVA, ANTES DE TORNAR MÉDICO. DURANTE AS REVOLUÇÕES DE 1930 E CONSTITUCIONALISTA DE 1932, ATUOU COMO TELEGRAFISTA NA LINHA DE FRENTE DO QUARTO BATALHÃO DA FORÇA PÚBLICA MINEIRA E NA QUARTA REGIÃO MILITAR DE MINAS, NAS REGIÕES DE PASSA QUATRO, JACUTINGA E CAMPINAS, COMANDADO RESPECTIVAMENTE PELO MAJOR AFONSO ELIAS PAES E PELO GENERAL JORGE PINHEIRO. TRABALHOU NA DIRETORIA GERAL DO DEPARTAMENTO DE CORREIOS E TELÉGRAFOS E NA DIRETORIA REGIONAL DE SÃO PAULO, SEMPRE COM ELEMENTO DE LIGAÇÃO DO ÓRGÃO CIVIL E O CORREIO E TRANSPORTE AÉREO NACIONAL, ÓRGÃO ADMINISTRADO PELA AERONÁUTICA. EM 1959 FOI DESIGNADO PARA A SUPERINTENDÊNCIA DO SERVIÇO POSTAL E TELEGRÁFICO EM BRASÍLIA, QUANDO TRABALHOU NO PALÁCIO DO PLANALTO NOS GOVERNOS JK E JÂNIO QUADROS, SOB A CHEFIA DO GENERAL NELSON DE MELO. APOSENTOU-SE EM 17/08/1966.

2 – SARA ROCHA, PROFESSORA, CASADA QUE FOI COM FREDERICO SOLON RIBEIRO NO RIO DE JANEIRO; FILHOS:

2.1 – PAULO SOLON ROCHA RIBEIRO;

2.2 – RENATO SOLON ROCHA RIBEIRO;

3 – RUTH ROCHA FOI CASADA COM PAULO ROMANIELO EM LAVRAS, MINAS GERAIS; PROFESSORA; FILHOS:

3.1 – ANTONIO ROCHA ROMANIELO;

3.2 – REGINA ROCHA ROMANIELO;

4 – BRIGADEIRO ITAMAR ROCHA, NASCIDO EM RIO NOVO DO SUL, ESPÍRITO SANTO, EM 14 DE AGOSTO DE 1908. INGRESSOU NA ESCOLA MILITAR DE REALENGO EM 1928, ASPIRANTE AVIADOR EM 1932, PERMANECE NO EXÉRCITO ATÉ 1941, QUANDO PASSA A SERVIR NOS QUADROS DA RECÉM CRIADA AERONÁUTICA NO GOVERNO DE GETÚLIO VARGAS. NA ESCOLA DE AERONÁUTICA, AINDA VINCULADA AO EXÉRCITO, SERVIU NAS UNIDADES MILITARES DO REGIMENTO DE AVIAÇÃO DO CAMPO DOS AFONSOS, ENTRE 1934 E 1938, E NO QUINTO REGIMENTO DE AVIAÇÃO DE CURITIBA; EM 1945 FAZ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO NOS EUA; TRANSFERE-SE PARA A DIRETORIA DE ROTAS AÉREAS, E LÁ PERMANECE ATÉ 1949; APÓS CURSOS NO ESTADO MAIOR DA ARMA, OCUPA ALTOS CARGOS NAS FORÇAS ARMADAS, NOTADAMENTE NA AERONÁUTICA, ATÉ SER REFORMADO COMO ADIDO DO ESTADO MAIOR DA FORÇA EM 1971, NA PATENTE DE BRIGADEIRO; FOI UM DOS FUNDADORES DA BASE AÉREA DE CUMBICA.

 O CASO PARA-SAR: EM 1968, O BRIGADEIRO ITAMAR ERA CHEFE DE GABINETE DO MINISTRO DA AERONÁUTICA, QUANDO FOI DESIGNADO PARA DESARTICULAR O MAIS MACABRO PLANO ENGENDRADO CONTRA LIDERANÇAS DE OPOSIÇÃO AO REGIME MILITAR, ARQUITETADO PELO BRIGADEIRO BURNIER. NA ÉPOCA O BRIGADEIRO ITAMAR ROCHA ERA CHEFE DAS ROTAS AÉREAS, A QUAL O PARA-SAR ERA SUBORDINADO. ATRAVÉS DO CAPITÃO SÉRGIO RIBEIRO MIRANDA DE CARVALHO, O SERGIO MACACO, O PLANO CHEGOU AO SEU CONHECIMENTO, QUE ABRIU SINDICÂNCIAS, OUVIU OS ENVOLVIDOS E SENTENCIOU QUE NÃO ERA ATRIBUIÇÃO DO PARA-SAR, REPRIMIR OPOSITORES DO REGIME, O QUE LHE CUSTOU A PERDA DO CARGO, QUATRO DIAS DE PRISÃO DOMICILIAR E OUTROS ABORRECIMENTOS. SEGUNDO O JORNAL O GLOBO, O BRIGADEIRO TINHA DOIS CAMINHOS: ESCOLHEU O PIOR PARA A SUA CARREIRA E O MELHOR PARA A SUA CONSCIÊNCIA E PARA O PAÍS. FALECEU NO RIO DE JANEIRO EM 2009 AOS 99 ANOS DE IDADE. FOI CASADO COM HELENA BRANDÃO, COM QUEM TEVE OS FILHOS:

4.1 – ROBERTO ROCHA BRANDÃO;

4.2 – REGINA ROCHA BRANDÃO;

5 – ELCIAS ROCHA, NATURAL DE SOLEDADE, MINAS GERAIS, FARMACÊUTICO E ESCRITOR, AUTOR DE UMA BIOGRAFIA SOBRE TIRADENTES; FOI CASADO COM GÉRCIA BASILE; FILHOS:

5.1 – BENEDITO BASILE ROCHA;

5.2 – MERTHES BASILE ROCHA;

6 – ANÉSIA ROCHA, PROFESSORA;

7 – MANOEL JOAQUIM DA ROCHA FILHO, INDUSTRIÁRIO;

8 – WILSON ROCHA, CONTADOR;

9 – MARIA RITA ROCHA, PROFESSORA;

10 – NOÊMIA ROCHA, PROFESSORA;

11 – EDSON ROCHA, OFICIAL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA (CORONEL AVIADOR).



*EDUARDO ROCHA, NATURAL DE PARACATU. PESQUISA A ORIGEM DA FAMÍLIA EM ÁGUA BRANCA, ALAGOAS E QUE SE ESPALHOU POR VÁRIAS PARTES DO BRASIL.





 Fontes: 
1 - Jornal Lavoura e Comércio de Uberaba - artigo: Manoel Caetano Pereira da Rocha, de autoria do jornalista Josino Neiva, contemporâneo do biografado;
2 - Inventário do Alferes Francisco de Paula Sousa - Arquivo Municipal Olímpio Michael Gonzaga de Paracatu;
3 - Arquivo pessoal do pesquisador Eduardo Rocha

 Novembro 2014. Atualizado em março de 2015.


                                                    

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…

DONA BEJA E AS DUAS MORTES DE MANOEL FERNANDES DE SAMPAIO

Por José Aluísio Botelho
A história que contaremos é baseada em fatos, extraídos de um documento oficial relativo a um processo criminal que trata de um assassinato ocorrido na vila de Araxá em 1836. O crime repercutiu no parlamento do império no Rio de Janeiro, provocando debates acalorados entre os opositores do deputado e ex-ministro da justiça, cunhado do acusado, como se verá adiante. Muitos podem perguntar porque um blog especializado em genealogia paracatuense, está a publicar uma crônica fora do contexto? A publicação deste texto no blog se dá por dois motivos relevantes: primeiro, pela importância do documento, ora localizado, para a história de Araxá como contraponto a uma colossal obra de ficção sobre a personagem e o mito Dona Beja, que ultrapassou suas fronteiras se tornando de conhecimento nacional. Em segundo lugar, porque um dos protagonistas de toda a trama na vida real era natural de Paracatu, e, portanto, de interesse para a genealogia paracatuense, membro que foi de t…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em