Pular para o conteúdo principal

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 3 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho

Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, três crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.


(Transcrição)

A CHÁCARA DO VIGÁRIO TORRES EM 1885

Reminiscencias dos tempos de criança.
Eu vi a grande roda de socar ouro trabalhando; eu vi a forma de fundição do grande sino da Igreja do Rosario, que pesa mais de quarenta arrobas e de outros sinos, quando eu tinha oito anos de edade. Eu vi a grande prosperidade de culturas das lavouras e pomares da Chacara do Vigario, com aquele rego de agua, parecendo um ribeirão, vindo do Espalha.
Cronica escrita por Olympio Gonzaga.
Paracatu, 21 de Setembro de 1947.
Quanto é belo, agradavel e sedutor, as recordações, as saudades dos tempos da infancia.
Aquela quadra risonha, alegre, dos folguedos, das correrias pelos prados atraz das borboletas azues, ficaram gravadas na memoria para sempre.
Os banhos, os brinquedos nas aguas transparentes do Corrego Rico com garotos travessos, alegres, não se esquece nunca.
Foi ali, neste ambiente jocundo, de satisfação, que os meninos desta cidade aprenderam a nadar no Corrego Rico.
As espaçosas e lindas prais do Corrego Rico são admiradas por todos os visitantes, com aquele quadro maravilhoso, das inumeras lavadeiras de roupa a se perder de vista. E aquela fila imença de mineiros tirando ouro com bateias, caixotes e bicas, é outro quadro encantador, maravilhoso.
Imperava em Paracatu de outrora a prosperidade, a riquesa do esforço próprio de numerosas lavouras nas chacaras e fasendas, para exportar tessidos, ouro, arreios, aguardente em odre de 25 garrafas por 2$000, toucinho a 4$000 o alqueire, 12 queijos grandes de kilo por 5$000, etc, etc.
Eu ouvi dizer que o Padre Luiz Chimango misturou ouro nos pilões de socar ouro e logrou assim o Vigario Torres, quando comprou a Chacara do Vigario em 1885. (sic)

OS PIC-NICS E SEIAS FOLGUEDOS DEBAIXO DAS ARVORES DO CORREGO RICO – DIAS DE ALEGRIAS DAS FAMILIAS PARACATUENSES

Que alegria louca, que praser das famílias desta cidade passando o dia de domingo ou feriado nas praias do Corrego Rico. É um costume, hábito de varias famílias irem passar um dia alegre, de praser no Corrego Rico, esquecendo as contrariedades, as agruras da vida e doenças.
Padre Manoel de Assunção Ribeiro foi quem mais apreciou as diversões, os banquetes debaixo das arvores do Matinho do Corrego Rico, levando os companheiros de musica da Corporação Fraternidade, o João de Moraes, Prisco Silveira, Matias Mundim, Juca de Paquinha, etc, etc. Para um banquete com leitão assado, bom vinho e pinga. Os seus banquetes deixaram saudades, até a sua morte no ano de 1917.

O BANQUETE DE 21 DE ABRIL DE 1885 NA PRAIA DO VIGARIO

Realisou-se no dia 21 de Abril de 1885 um banquete por meu Pai o Tabelião Euzebio Michael Gonzaga, minha Mai, Joana Lopes Gonzaga, os quaes arrajaram os sócios com suas famílias: Herculano de Afonseca Silva, Joãozinho de Afonseca Silva, Augusto de Afonseca Silva, cerca de sessenta pessoas, inclusive os meninos, banquete que se realisou debaixo dos arvoredos da Praia do Vigario Torres.
No banquete havia fartura de tudo: impadas, leitão assado, lombos cheios, frangos, patos, pirus, feijoadas, arroz, linguiças, hervas, doces, vinho Geropiga a dez tostões a garrafa e aguardente da boa a oitenta reis.
Desde o romper da aurora que a carroça estava transportando os artigos e generos para o banquete na Praia do Vigario e quatro cosinheiras, inclusive a Maria Pantomina, o Joaquim Theobaldo, Bartholino de Pina, João Moraes, Marcos Evangelista, Chico Alves e outros compareceram com excelente orquestra.
Desde cedo que os meninos e meninas, em turmas separadas, todos nus, com vigias, foram tomar banho e brincarem nas limpidas aguas do Corrego Rico, mostrando os corpinhos esculturaes, uns morenos outros alvos como a neve, engraçadinhos, sorridentes, fasendo graça, mostrando suas habilidades nos saltos. As meninas esculturaes, bonitinhas, pareciam um grupo de Fadas, fasendo rodas e cantando, jogando agua nas outras. Foi o dia mais feliz da minha vida em que eu brinquei a valer, tão inosente, tão despreocupado. Nunca mais eu vi uma reunião de tanta gente, tão alegre, com tão boa ordem.
O meu tio Antonio Lopes apareceu trasendo o professor Antonio Caldeira Brant, Zeco Cará, Libanio dos Monjolos e José da Silva, os maiores Patusqueiros, jocosos, os quais foram logo fasendo graças, dançando Maxixe – cantando AMOR É FOGO DO AR? EU NELE QUERO QUEIMAR; AMOR É FOGO EU SOU A LENHA POI A LENHA NO FOGO LAZA VENHA (sic);
E as gargalhadas dos presentes estrugiram como bombas numa alegria louca.
Meninos e meninas, esquecendo que estavam nús, vieram todos correndo, presenciarem as graças e trejeitos dos dançadores. O almoço as 11 horas correu com grande animação e cantorias apropriadas. O Caldeira suspendeu uma perna do leitão assado, dizendo: vai para minha barriga, a tua morte foi um beneficio para estes gastronomos saciarem a fome de treis dias. O Hermnegildo de Assenção foi chegando e o Zeco Cará disse – Ele tem o faro fino, de longe sentiu o cheiro das iguarias e do molho.
Foi assim, com brincadeiras, na maior cordialidade, que foi servido o lauto almoço. Meu pai chamou a Maria Pantomina dizendo: tome la esta garrafa de vinho para vosse beber com as outras cosinheiras.
Tempos bons foram aqueles da minha infancia, que não voltam mais, que deixaram saudades dos meus oito anos.
Hoje já completei setenta anos de idade e olho para o passado longinquo.
O Vigario Padre Miguel Archanjo Torres foi lembrado com uma bandeja do almoço com leitão assado, impada, etc.

A VISITA AO VIGARIO TORRES EM SEU MIRANTE OU TORRE NO VARANDÃO DA RODA DE SOCAR OURO

A roda de socar pedras e cascalhos para tirar ouro, foi admirada pela sua grande altura, chapeada de ferro, de grande potencia ou força, com quatro braços poderosos, que suspendiam quatro mãos de pilão pesadas, calçadas de ferro, que chiam sobre pilões de ferro, cheios de pedras e cascalhos grossos, para serem reduzidos a pó, contendo apresiavel quantidade de ouro. A roda era movida por muita água vinda do Espalha, e que servia também, quando preciso, para irrigação das lavouras.
Quatro escravos estavam ali atentos no seu serviço, que era fiscalisado pelo Vigario Torres de lá de cima do mirante ou torre.
O bom Vigario Torres recebeu-nos com afabilidade, tendo lançado sua benção sobre todas as pessoas presentes. Os meninos e meninas pulavam de contentes vendo aquele maquinismo de socar ouro. Aquela grande roda, aquele barulho grande das mãos de pilão socando pedras.
Uma menina curiosa perguntou-me Si eu comia daquela cangica? Cruz, credo, eu respondi; mamai matou galinha eu vi pedrinhas na moela. Eu não sou galinha.
Oh, Valerio va buscar beijus com doce para estes meninos e trga tambem limas e laranjas celetas para estas senhoras. Algum tempo depois, o escravo Valerio voltou com a menina Camila e duas escravas trasendo só artigos solicitados. Depois, o bom Vigario Torres nos levou até a varanda do engenho que estava moendo cana; de um lado estavam duas senhoras apurando garapa ao fogo; do outro lado estavam duas escravas torrando farinha as meninas chegaram perto e disseram: beijus gostosos e atiraram beijos nas escravas; os meninos bateram palmas, e imitaram o gesto, atirando beijos.
O José da Silva, que era espirituoso, mostrou as crianças atirando beijos nas torradeiras de farinha; o Moraes disse: dos beijus fizeram beijos na esperança de ganharem mais beijus, mas ficaram logrados.
O Vigario Torres abriu uma porta no fundo da varanda do engenho e nos mostrou as formas do grande sino do Rosario, que pesa mais quarenta arrobas, do sino menor, o de Santo Antonio, etc, tudo bem conservados, apesar dos anos, fundição que foi feita por uma Companhia de Portuguezes.
Foi uma admiração de todas as pessoas presentes, bem como do grande pomar com arvores frutiferas plantadas em linha, de todas as qualidades, os estenços mandiocaes, canaviaes, etc. Que chacara de grande valor, bem cuidada.
Hoje o que resta de toda aquela grandesa, daquela fartura? PASTO? CAPIM? MENTALIDADE RASTEIRA? ATRASADA, tendo desaparecido todas as propriedades, todas as lavouras, o rego de agua, varanda, mirante e roda de socar ouro.
SANTO DEUS AONDE IREMOS PARAR COM ESTE DESPRESO DAS LAVOURAS?
A Chacara do Vigario é o logar mais apropriado para a edificação de uma escola agricola, ou no Zé Pinto.
O corrego do Espalha pode abastecer a cidade de Paracatu de agua potavel excelente. O corrego do espalha tem possibilidades para mover grandes maquinismos, como já o fez com a roda de socar ouro.
Tempos ditosos foram aqueles de meus oito anos em 1885; eu recordo com saudades de meus paes e de todos aqueles do dia festivo, que já se foram, orando por todos eles, atirando flores e saudades.

Paracatu, 21 de setembro de 1947.
Olympio Gonzaga aos 70 de edade.

Fonte: Biblioteca Nacional do Brasil, Divisão de Manuscritos, verbete “Olympio Gonzaga”.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…