Pular para o conteúdo principal

GENEALOGIA E HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSÉ RODRIGUES FRÓES

Por José Aluísio Botelho
Aplicação Sacerdotal (habilitação de genere et moribus) do descobridor das minas de Paracatu Guarda mor José Rodrigues Fróes.

Os processos de ordenações sacerdotais são documentos importantes como fontes de pesquisas genealógicas e históricas, notadamente para a história social. 
No caso concreto, o processo de ordenação do descobridor das minas no córrego de São Luiz e Santana (córrego Rico) e fundador do arraial do mesmo nome é emblemático, porque sugere o motivo ou motivos conjugados que o levaram a abandonar definitivamente o lugar.
Que o guarda mor José Rodrigues Fróes foi o legítimo descobridor das minas de Paracatu, não restam dúvidas, comprovado por documentos publicados neste blog.
O que ainda é controverso é a sua saída precoce do nascente arraial que se desenvolvia rapidamente em torno do núcleo minerador, e quando a extração de ouro estava no seu auge.
Especula-se que dois motivos o levaram a ir embora de lá, onde ele pontificava como um dos potentados na nascente povoação: o primeiro motivo foi a frustração pela baixa produtividade das datas minerais escolhidas por ele por direito, por ter sido o descobridor; o segundo motivo, seria o descaso da coroa portuguesa, não atendendo aos seus pleitos no sentido de obter o direito de exploração de tabelionatos no arraial; decepcionado, teria ele resolvido se afastar rumo ao distrito diamantino, cuja sede era o arraial do Tejuco (hoje Diamantina). 
Embora existam documentos que mostram sua presença na região de diamantes, especialmente, no início da década de 1750, bem como no ano de sua provável morte, 1780, parece que a tese não é totalmente correta quanto ao roteiro, ou seja, antes ele teria retornado para sua terra natal, Mogi das Cruzes, entre os anos de 1748 e 1750.
Encontramos um documento que reforça essa hipótese de retorno à terra natal: trata-se de um processo de aplicação sacerdotal (De Genere et Moribus), existente na Cúria Metropolitana de São Paulo, em que ele manifesta seu desejo de tornar-se servo de Deus. Pois bem, em 1747, ele entra com um requerimento junto a Matriz de Mogi das Cruzes, solicitando sua habilitação "as Ordens para melhor servir a Deus", e declara ser assistente (morador) nas minas do Paracatu.
A opção pela            vida  sacerdotal, combinada com os outros motivos descritos acima, culminaram com sua ordenação, que deve ter ocorrido um ou dois anos depois; vale salientar que José Rodrigues Fróes já era um homem de meia idade (tinha 46 anos em 1747), solteiro, sem filhos e sem fortuna. Certamente, ele retornou ao Sertões de Minas Gerais, mas não se sabe se ele exerceu o sacerdócio na sua plenitude. No tocante a genealogia, no corpo do processo também foi possível estabelecer a sua ascendência paterna em Portugal, o que até o presente, ainda era desconhecida.
 Infelizmente o documento está incompleto, e algumas das páginas disponíveis estão ilegíveis, o que impede de se saber a data de sua ordenação, bem como outras informações porventura importantes.
A título ilustrativo e de comprovação documental, publicamos imagens de algumas páginas que podem ser lidas com certa nitidez. 








Fonte:
FamilySearch.org - Brasil, São Paulo, Registros da Igreja Católica. São Paulo, Arquidiocese parte A, 1747.

Postagens mais visitadas

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Por José Aluísio Botelho, Eduardo Rocha e Mauro César Neiva

Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos se eram casados ou em que data se deu o possível enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal.

NOTAS GENEALÓGICAS - FAMÍLIA LABOISSIÈRE (LA BOISSIÈRE)

Por Eduardo Rocha e Mauro César Neiva

1- Leon Laboissière, natural de Blois, cidade e capital do departamento central de Loir-Et-Cer, França; emigrou na metade do século dezenove para Paracatu, aonde constituiu família e faleceu por volta de 1928; casado com Rita de Moura Barbosa (solt.) ou Rita de Moura Laboissière (cas.), falecida em 16/05/1895. Inventários: 1ª Vara I-90; 1ª Vara I-15.
Filhos:
1-1 Gustavo Laboissière, nascido em 1869 e falecido em 27/08/1944; foi casado com Julieta Roriz Meireles, com descendência na página dos Paula Sousa, queira ver;
1-2 Tenente Júlio Laboissière, falecido em 27/08/1944; casado com Ermelinda Rabelo de Sousa, falecida em 18/11/1920; fazendas Santa Rosa, Ambrósio, Boa Esperança, Cabo, Bom Sucesso, Buriti, Piripiri. Inventário: 2ª Vara 1945; Inventário: 2ª Vara 1923;
Filhos:
(Obs.: idades fornecidas no inventário da mãe).
1-2-1 Dygdis Laboissière, 24 anos; falecida em 12/1947; casada com Job Vieira Diniz, falecido em 01/11/1946.
Inventário: 2ª Vara 1948; Inventá…

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

Por José Aluísio Botelho

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Te…

CONEXÃO PARACATU/ARAXÁ: ENTRELAÇAMENTO DAS FAMÍLIAS BOTELHO – JOSÉ DA SILVA – AFONSO DE ALMEIDA - MACHADO DE MORAES E CASTRO - PACHECO DE CARVALHO

Por José Aluísio Botelho A LONGA JORNADA
O Tenente Gregório José da Silva e Dona Tereza Tomásia de Jesus Botelho, se encontraram em 

NETOS DE DONA BEJA - BATISMOS

Por José Aluísio Botelho

Disponibilizamos as imagens de assentos de batismos de três netos de Dona Beja, acrescidos dos outros netos, bem como parte da descendência, de acordo com os documentos localizados, filhos de Joana de Deus de São José ou Joana Claudina de São José e do coronel Clementino Martins Borges:

1. Haideé (Dona Beja é a madrinha da neta predileta).Haideé Clementina do Amor Divino, que foi casada com José Gonçalves de Sousa, pais de:
1.1 Amazílis;
1.2 Joana Clementina de São José;
1.3 Alberto, batizado em 28/11/1884;
1.4 Maria, batizada em 07/04/1895; 
2. Amazílis. Amazílis Delascar; foi casada ( ?) com Alamy Delascar de Alberico, assassinado em 24/12/1891. Pais de:
2.1 Coronel João Alamy Delascar, casado em 1904 com Deolinda Paes de Almeida; 
2.2 Almerinda Delascar, casada com o capitão Samuel Santos;
2.3 Haideé Delascar, falecida em 02/05/1913; foi casada com o tenente Antônio Cândido de Paula, com geração.

Assento de batismo de Amazílis:

3. Edmundo (seria o "Nhonhô?).  
4. …

OS MELO FRANCO

Por José Aluísio Botelho
Família de origem portuguesa, cujo fundador no Brasil, João de Melo Franco, que veio para o Brasil aos 30 anos de idade, partindo de Lisboa, onde aprendeu o ofício de Fundidor de cobre, rumo ao Rio de Janeiro; em 1755 já estava no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu. Era natural da freguesia de Nossa Senhora da Purificação, lugar de Bucelas, patriarcado de Lisboa, filho legítimo de José da Costa Franco e de sua mulher Paula Maria de Oliveira. Nasceu a 7 de outubro de 1721, e faleceu em Paracatu em 1796. Casou aí, com Ana de Oliveira Caldeira, natural de Cotia, São Paulo, onde nasceu a 5 de abril de 1739, filha legítima de Antonio de Oliveira Caldeira, nascido a 24 de setembro de 1708 em Santos e de Josefa Nunes da Costa, nascida a 26 de fevereiro de 1722 em Cotia. 
Curiosidade: segundo Afonso Arinos de Melo Franco, João de Melo Franco ditou seu testamento ao seu escravo Serafim de Melo Franco, que o redigiu. Abaixo o assento de batismo de Serafi…