Pular para o conteúdo principal

CONEXÃO PARACATU/CRISTALINA - UMA FAMÍLIA PIONEIRA

Por José Aluísio Botelho
Eduardo Rocha
              

 OS BITTENCOURT ESMERALDO


Bèttencourt – sobrenome de raiz toponímica, originário da Normandia, França, adotado pelos senhores de Bèttencourt e Granville. No século XV, membros da família imigram para as ilhas Canárias na Espanha e daí, passam à ilha da Madeira, e, por fim, para os Açores. Para o Brasil, ao longo dos séculos após o descobrimento, vieram inúmeros portadores do sobrenome em busca de melhores condições de vida. A corrupção do sobrenome se deu sobretudo na colônia Brasil, onde encontramos as variantes: Bittencourt, Bitencour, Bitencur, Bitancor, etc.
Esmeraldo – sobrenome surgido na ilha da Madeira, situando-se entre as principais e tradicionais da freguesia da Ponta do Pargo, Concelho de Calhetas. Parece ter desaparecido na descendência em Goiás.

Em meados do século dezenove o madeirense Ayres Bettencourt Esmeraldo deu com os costados no sertão do noroeste de Minas, Paracatu, aonde casou com uma filha da terra. Posteriormente, passaram para a província de Goiás, estabelecendo-se o casal na região denominada Serra dos Cristais, termo de Santa Luzia (atual Luziânia), na divisa com Paracatu, limitados pelo Rio São Marcos, que passou no final do século dezenove a se chamar arraial de São Sebastião dos Cristais, depois vila do mesmo nome e, por fim, em 1918, foi denominada de Cristalina, que perdura até os dias atuais.
O certo é que em 1873 ao adquirir a fazenda Almocafre, este casal pode ser considerado uma das famílias pioneiras de Cristalina.
Documento de provança - igreja Mãe dos Homens - Estrela do Sul

A Fazenda Piscamba

A fazenda Almocafre (s.m – antigo instrumento de mineração), é talvez a fazenda Estruturada mais antiga de Cristalina. Seu primeiro proprietário foi o paracatuense Antônio Moreira da Silva, conforme consta no livro de registro de terras do termo de Santa Luzia de 1856: nele vê-se que ele registrou suas terras em 11 de setembro de 1858, garantidas pela lei nº601 de 18 de setembro de 1850; posteriormente, em 3 de janeiro e a 15 de março de 1873, a propriedade é vendida a Ayres Bitencourt Esmeraldo e sua mulher, conforme escritura de dois títulos de venda no tabelião de Santa Luzia, pelos quais vendeu de cada vez ametade exata da fazenda Almocafre. Outra escritura passada pelo tabelião da Bagagem (atual Estrela do Sul), datada de 26 de março de 1878, em cujo cartório compareceram Antonio José Veloso, sua mulher e outros para venderem para Ayres Bittencourt Esmeraldo uma fazenda em comum no lugar denominado São Marcos, Província de Goiás, anexada a fazenda Almocafre.
Em um traslado do tabelião de Santa Luzia, José Camelo, em data de 26 de julho de 1884, de uma escritura passada em casa de Ayres Bittencourt Esmeraldo, pela qual ele e sua mulher fazem a venda das fazendas Piscamba e Larga de São Pedro a Fortunato Jacinto da Silva Botelho. A fazenda permaneceu como propriedade da família Botelho, subdividida em outras fazendas, durante cem anos.
Resumindo:
1 – o primitivo dono da fazenda Almocafre, Antonio Moreira da Silva, vende-a em 1873 para Ayres Bittencourt Esmeraldo;
2 – em 1878, ele comprou e anexou a fazenda limítrofe São Marcos a Antonio José Veloso e outros;
3 – por fim, Ayres Bittencourt vendeu as duas fazendas a Fortunato Botelho, morador em Paracatu, já com os nomes de Piscamba e Larga de São Pedro, antigas Almocafre e São Marcos.
Analisando a trajetória do casal Bittencourt, conclui-se que em 1884, eles já possuíam casada de morada em Santa Luzia, onde findaram seus dias, mas, não conseguimos localizar as datas do falecimento deles.


Genealogia

Ayres Bittencourt Esmeraldo, natural da ilha da Madeira, filho de Pedro Bitencourt e de Maria Antônia, ao casar-se com D. Agostinha Gonçalves de Matos, natural de Paracatu, iniciou a família e o sobrenome na região, moradores que foram na fazenda da Ponte, conforme o assento abaixo transcrito:

Casamento: “Aos decessete de maio de mil oitocentos e cincoenta e seis feitas as diligencias de estillo na fazenda denominada Ponte Ribeira de São Pedro, desta freguesia de Santo Antonio Da Manga, Bispado de Pernambuco, o Reverendo Capellão da sobredita Ribeira Antonino de Araujo Pereira, em presença das testemunhas Luis Alves de Sousa, juntou em matrimonio por palavras de presente aos nubentes Ayres Bettencourth Esmeraldo, filho legitimo de Pedro Betencourth com Dona Agostinha Gonçalves de Mattos, filha legitima de Antonio Gonçalves de Mattos já falecido e Dona Anna de Macedo Guimarães, o primeiro natural da freguesia de Santa Cruz da Ilha da Madeira, Bispado de Funchal, e asegunda nascida e baptizada nesta freguesia de Santo Antonio da Manga Bispado de Pernambuco e logo lhes deo as bençãos nupciais na formado ritual romano. do que para constar mandou fazer este assento em que se assigna. Miguel Archanjo Torres.”

Para saber mais: Ascendência de Agostinha Gonçalves de Mattos, veja e leia - Os Gonçalves de Mattos


Filhos:

1 Lindolfo Bittencourt Esmeraldo, casado com Castorina Teófila de Queiroz;

Filhos:

1.1 Henrique Bittencourt Esmeraldo, casado com Henriqueta Lucinda Teixeira, filha de Albino Teixeira Pinto e de D. Maria Teixeira de Jesus;
1.2 Alexandrina Bittencourt Esmeraldo;

1.3 Henriqueta Bittencourt Esmeraldo, casada com Gustavo Layser, nascido em 28/06/1874 em Bergen, distrito de Birkenfeld, Renânia, Alemanha, e falecido em 04/08/1966 em Anápolis, Goiás; foi comerciante e grande exportador de cristal-de-rocha em Cristalina, Goiás, nas primeiras décadas do século vinte; na década de 1930 era morador em Ipameri, também em Goiás, finalizando sua vida em Anápolis;

Filhos:

1.3.1 Leda Leyser;
1.3.2 Willie Leyser;
1.3.3 Herta Leyser, falecida em 1982 em Anápolis, Goiás; casada em 28/12/1946 com Waldyr O'dwyer; com descendência;
2 Maria Gonçalves Bittencourt; casada com Delfino Machado da Silveira;

Filhos:

2.1 João Machado Bittencourt;

2.2 Delfino Machado Bittencourt;

3 Eduardo Bittencourt Esmeraldo; casado com Maria Rosa de Jesus; fazendeiro no distrito de Cavalheiro, termo de Ipameri, Goiás;

Filha conhecida:

3.1 Leonor Bittencourt Esmeraldo; casada com Otaviano de Paiva Resende, natural da Bagagem, atual cidade de Estrela do Sul, Minas Gerais, filho de Joaquim Elias de Resende e de Eudóxia Augusta de Paiva. Neto pela parte paterna de Elias Gomes de Resende e de Virgínia Maria de Jesus, e neto pela parte materna de Jacob Batista Marra e de Francisca Roberta de Paiva, esta filha do capitão Roberto de Paiva. Os avós podem ser confirmados no batismo de seu irmão Jacob:
Igreja Matriz Mãe dos Homens - Estrela do Sul
 Sobrenome Marra - de origem italiana, região de Nápoles, comprovadamente judeus sefarditas. Para Carmo do Cajuru, MG, veio Jacó Marra da Silva, natural de Chaves, Portugal. Ali, ao casar-se com Narcisa Antonia Rodrigues da Silva Rosa, deu início a família Marra em Minas Gerais. Seu bisneto, Jacó (ou Jacob) Batista Marra iniciou o tronco na antiga Bagagem (atual Estrela do Sul), na década de 1850, época de efervescência da extração de diamantes na região. Faleceu no final de 1908, início de 1909, conforme notícia do jornal da época, O Araguary.  Jacob Batista Marra, batizado em 15/08/1839, na capela de Santana de São João Acima, atual Itaúna, era filho de Alexandre Marra da Silva e de Maria Alexandrina Batista da Silva Marra; neto paterno de Martinho Marra da Silva, nascido em por volta de 1766 (ele comparece ao senso de 1831 em Santana de São João Acima, e declara ter 65 anos, e a sua mulher 52), e de Ana Esméria; neto materno do capitão Manoel Batista de Faria Leite e de Júlia Marra da Silva.
Outros filhos descobertos do casal Jacob Batista Marra e Francisca Roberta de Paiva:
1 - Elísio, nascido em 1861;
2 - Gustavo, nascido em 1863, e falecido no mesmo ano;
3 - Jovino de Paiva, com descendência em Luziânia, Goiás;
4 - Plácido de Paiva, com descendência em Luziânia, Goiás.

Batismo Jacob Batista Marra


Os Paiva Resende – outra importante família pioneira em Cristalina.

Biografia: Otaviano de Paiva Resende foi um pioneiro desde os tempos do arraial de São Sebastião dos Cristais; fazendeiro, extrator e comerciante de cristal de rocha; participou ativamente da criação do município de Cristalina, desmembrado do de Luziânia; na política foi intendente (prefeito) do município.

Filhos:

3.1.1 Eduardo de Paiva Resende, Já falecido; foi prefeito de cristalina; casado com Marly Monteiro de Paiva, com descendência;
3.1.2 Joaquim de Paiva Resende, já falecido; fazendeiro; foi casado com descendência;
3.1.3 Relva de Paiva Resende, já falecida;
3.1.4 Judith de Paiva Resende, já falecida;
3.1.5 Euler de Paiva Rezende (conhecido como Chico de Paiva), casado com Zulca Peixoto de Paiva (solt. Peixoto dos Santos), nascida em 14/04/1927, filha de Lindolfo Peixoto dos Santos e de Joviana Peixoto; todos já falecidos;

Filhos:

3.1.5.1 Maria das Graças de Paiva;
3.1.5.2 Mary Grant de Paiva, nascida em 1950 e falecida em 2002; foi casada com descendência;
3.1.5.3 Mércia da Glória de Paiva Resende, casada com com José David de Resende;
3.1.5.4 Renato de Paiva;
3.1.5.5 Marize Helena de Paiva;
3.1.5.6 Ênio de Paiva;
3.1.5.7 Marcos de Paiva;
3.1.5.8 Otaviano de Paiva Neto;
3.1.6 Elza de Paiva Resende, já falecida; casada com José Rodrigues de Queiroz (Zé Gordo), já falecido; ex-prefeito de cristalina, fazendeiro;
3.1.7 Zelda de Paiva Resende, já falecida;
3.1.8 Lutz de Paiva Resende, Farmacêutica, Professora Pública Aposentada; viúva, com descendência;
3.1.9 Cármen de Paiva Resende; casada com o Sírio Amim Ali Faraj, com descendência;
3.1.10 Hermes de Paiva Rezende; comerciante; casado com descendência;
3.1.11 Ercília de Paiva Resende, nascida em 22/07;
3.1.12 Maria de Paiva Resende, nascida em 21/03;

4 Cidalina Ayres Bittencourt; casada com Joaquim Alves da Costa, filho de Tristão Alves da Costa e de D. Margarida Camelo de Mendonça;

Filhos

4.1 Maria Alves Bittencourt, casada com Filemon Fenelon Meireles, filho de Francisco José Meireles e de Amélia Deolinda Roriz;

Filhos:

4.1.1 Amélia Meireles;
4.1.2 Andreia Meireles;
4.1.3abel Meireles;
4.1.4 Abdel Meireles;
4.1.5 Alzira Meireles;
4.1.6 Ayres Meireles;
4.1.7 Pérola Meireles;

4.2 Januário Alves Bittencourt;

4.3 Andreia Meireles, casada com Trajano Meireles, sem filhos;

4.5 Elisa Alves Bittencourt;

5 Elisa Gonçalves Bittencourt; casada com Manoel Esteves de Mattos, sem filhos;

6 Ibrahim Bittencourt Esmeraldo; casado com Maria Lucinda Teixeira, filha de Albino Teixeira Pinto e Maria Teixeira de Jesus; fazendeiro no distrito de Cavalheiro, termo de Ipameri, Goiás;

Filho:

6.1 Juvenília Bittencourt Esmeraldo, casada com Rodolfo Rocha;

7 Ana Gonçalves Bittencourt, casada com João Braz de Queiroz Sobrinho, filho de Antonio Braz de Queiroz e de D. Ana Silvéria de Jesus

Filhos:

1 Virgílio Braz de Queiroz;

2 Antonio Braz de Queiroz; casado com Elisa Chaves;

Filha:

2.1 Jersuleta;

3 Eduardo Braz de Queiroz; casado com Altair de Moraes;

Filhos:

3.1 Eduardo Braz de Queiroz;
3.2 Hélio Braz de Queiroz;
3.3 Maria Braz de Queiroz;
3.4 João Braz de Queiroz;
3.5 Edson Braz de Queiroz;

4 Ponciano Braz de Queiroz;

5 Manoel Braz Bittencourt; casado com Melânia Cardoso de Oliveira;

Filhos:

5.1 Amélia;
5.2 Benedito;
5.3 Maria;
5.4 Osvaldo;

6 Amélia Braz de Queiroz; casada com Joaquim Peixoto;

Filhos:

6.1 Orozimbo;
6.2 Toríbia;
6.3 Ester;

"Esta é uma obra de genealogia, estando sujeita à correções e acréscimos"

Fontes:
1 Arquivos paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu;
2 Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional do Brasil –  jornais goianos da época;
3 Gelmires Reis – Genealogia Luziana, 1929;
4 Informações orais de família.

Postagens mais visitadas

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 18 - NETTO SIQUEIRA

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
A família Netto de Siqueira iniciada nos primórdios do arraial de Paracatu, derivam pela linha materna dos Netto Carneiro Leão, e que exemplifica o caldeamento racial na Paracatu colonial, ou seja, a união entre o branco europeu e o negro africano. Como dito acima, são aparentados dos Netto Carneiro Leão, descendentes do português Antonio Netto Carneiro Leão, que teve a filha natural Maria Netto Carneiro Leão com uma ex-escrava, alforriada por ele, como veremos adiante (imagem de batismo de Antonia), que, por dedução, de acordo com a idades dos filhos, deve ter nascido nas primeiras décadas da povoação, por volta de 1755, pouco mais ou menos, e portanto antes do casamento legítimo do capitão Antonio Netto Carneiro Leão com Ana Maria Lemes.
                      O CASAL TRONCO E SUA DESCENDÊNCIA
1. Maurício Tavares de Siqueira, filho natural de Joaquim Tavares de Siqueira e de Joana da Costa, preta mina, nascido na fazenda dos Quirinos, ribeira do Ri…

PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 21 - BARBOSA DE BRITO

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
EDUARDO ROCHA


Fato relevante: localizamos o testamento do capitão José Barbosa de Brito no Arquivo Municipal de Paracatu - ele testou aos 27 dias do mês (ilegível) de 1771. Na ocasião sua mulher já era falecida: "missa pela alma de minha mulher Agostinha da Costa Silva."Abaixo faremos algumas correções e acréscimos que achamos necessários à luz do novo documento.


José Barbosa de Brito. Em um documento datado de 1763, por nós compulsado, em que ele aparece como testemunha, está descrito: “José Barbosa de Brito, homem branco, casado, morador neste arraial de Paracatu, que vive de suas minas, natural da cidade de Braga, com idade de 60 anos, pouco mais, pouco menos.” Portanto, nascido por volta de 1703, em Braga, norte de Portugal. No seu testamento, ele declara ser natural da freguesia de São Vítor, Campo de Santana, cidade de Braga, filho legítimo de Manoel Barbosa e de Jerônima de Brito. Localizamos seu assento de batismo realizado aos 07/10/1703, vide …

LENDAS DO BRASIL CENTRAL 1 - CRÔNICAS INÉDITAS DE OLYMPIO GONZAGA

Por José Aluísio Botelho



Resgatamos, após minuciosas pesquisas, alguns escritos de Olympio Gonzaga que se encontravam desaparecidos, dentre eles, crônicas que escreveu para seu livro não editado, Lendas do Brasil Central, transcritas na grafia original, tal como ele as concebeu, sem correções ortográficas e gramaticais, para que nossos leitores avaliem a qualidade dos textos e sua importância para a história de Paracatu.
Sobre o autor: Olympio Gonzaga foi um homem inquieto, preocupado em resgatar a história de Paracatu, através de texto históricos, crônicas, narrativas de acontecimentos verídicos (como o caso dos jagunços do vale do Urucuia em 1926), seja através de registros fotográficos. Autodidata no campo da história, com formação escolar deficiente, tinha enorme dificuldade na interpretação de textos, as vezes se confundindo com as informações obtidas, falta de didatização em seus textos, bem como apresentava dificuldades no manejo da língua portuguesa. Mas, isto não importa, até …

TEXTOS INÉDITOS DE OLYMPIO GONZAGA - PRIMEIRA PARTE

Por José Aluísio Botelho

Olympio Gonzaga e o Mimeógrafo (lembram-se dele?, ancestral das impressoras modernas)

Olympio Gonzaga foi professor primário por longos anos, coletor federal, jornalista, fotógrafo, escritor, e por último comerciante: foi proprietário de um Armazém de secos e molhados (como se dizia à época) em Paracatu: no seu estabelecimento comercial vendia-se de tudo, desde um simples urinol até, eventualmente, automóveis.
Lá instalou seu mimeógrafo, com o qual prestava serviços à comunidade a preços módicos, inclusive cópias de seus escritos.

Fonte: Afonso Arinos na intimidade, Biblioteca Nacional do Brasil, divisão de manuscritos.

A seguir, alguns destes textos:

1) Reclame.



2) Biografia do Dr. Afrânio de Melo Franco, seu protetor político, a quem professava profunda admiração. 

HISTÓRIA A CONTA-GOTAS - JOSEFA MARIA COURÁ

PELA TRANSCRIÇÃO JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO

DE ESCRAVAS À SINHÁS - JOSEFA MARIA E ROSA: NA ROTA DO DIVINO Texto de LUIZ MOTT, Antropólogo, professor da Universidade Federal da Bahia.
JOSEFA MARIA ficou na história através de um sumário de culpas que localizei na Torre do Tombo intitulado: “Para se proceder contra as feiticeiras”. Esta negra fora acusada de ser a líder e a proprietária de uma casa de cultos nas Minas de Paracatu (hoje a 200 quilômetros de Brasília), onde se realizava a Dança de Tunda, também chamada Acotundá, um ritual de louvor ao Deus da nação Courá. Segundo depoimento de algumas testemunhas que participaram de tais cerimônias, o ídolo venerado era representado “por um boneco de barro com cabeça e nariz à imitação do Diabo, espetado em uma ponta de ferro, com uma capa de pano branco, colocado no meio da casa em um tapete, com umas frigideiras em roda, e dentro delas, umas ervas cozidas e cruas, búzios, dinheiro da Costa, uma galinha morta, uma panela com feijão, moringas de á…

GENEALOGIA A CONTA-GOTAS - PIRES DE ALMEIDA LARA

Por Eduardo Rocha José Aluísio Botelho
Os Pires Almeida Lara do arraial das Minas do Paracatu tem origem em São Paulo, que de lá acorreram em busca do ouro. Os Pires e Almeidas vieram de Portugal, enquanto os Lara tem origem em Diogo de Lara, vindo de Zamora, reino de Castela no início do século dezessete. Em Paracatu encontramos um tronco desta família, porém não foi possível estabelecer, por falta de documentos, a vinculação parental, assim como se legítimos ou bastardos. Família miscigenada, esse ramo dos Pires de Almeida Lara começa com: 1- Apolinário Pires de Almeida Lara, falecido em 01-01-1851; casado com Ana Soares Rodrigues, falecida em 03-08-1862. Residentes na Rua do Calvário.
Inventário: 2ª Vara cx. 1862.

Filhos:

1-1 Félix Pires de Almeida Lara, falecido por volta de 1895; casado com Joana Cardoso do Rego, falecida por volta de 1895.

Inventário: 2ª Vara cx. 1919.

" Aos vinte e sete de dezembro de mil oito centos e trinta e seis, nesta frequesia de Santo Antonio da Manga …