Pular para o conteúdo principal

SÉRIE PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 19 - GONÇALVES DE MATTOS

Por Eduardo Rocha
José Aluísio Botelho

O alferes (patente obtida em 1767) e depois capitão Manoel Gonçalves de Mattos, referido em documento como natural do reino de Portugal, já era morador no arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu na década de 1760, aonde adquiriu datas minerais com outros sócios, e amealhou cabedais, conforme documento da guardamoria, queira ver a imagem:
Outrossim, serviu em cargos de governança no poder judiciário do arraial, conforme pode-se ler abaixo:
Nomeação: “Manoel Gonçalves de Mattos servio os officios de Inquiridor, contador, e de distribuidor deste Arrayal hum anno por provisão do Ilmo. Snr. Governador e deve donativo de 260$000. Deo fiança na Provedoria e tomou posse em 28 de janeiro de 1763.”Transcrito do manuscrito: Relação das pessoas que serviram no arraial de Paracatu os ofícios de justiça de 1758 a 1766. sob a guarda da Biblioteca Nacional do Brasil, verbete Paracatu.

O Capitão Manoel Gonçalves parece não ter contraído matrimônio, mas teve filhos naturais que continuaram a descendência em Paracatu e alhures, como Cristalina e Luziânia em Goiás.

Com Efigênia Maria de Carvalho, mulher solteira, falecida em 15/02/1842 (conforme testamento/inventário), referidos e transcritos a seguir:

1) Inventário: 2ª Vara cx. 1841/1842.

2) "Traslado do testamento (respeitando a grafia original) com que faleceo Efigenia Maria de Carvalho, cujo theor hé o seguinte. em nome de deos trino ( inelegível ) amem. Eu Efigenia Maria de Carvalho, estando enferma com o perfeito juiso, e entendimento que deos foi servido dar-me temendo.me da morte que hé infalivel, ordeno o presente meo testamento pelo modo seguinte. Sou natural, baptizada nesta villa do Paracatu freguesia de Santo Antonio da Manga Bispado de Pernambuco filha natural de Joam Pedro de Carvalho e de dona Theodora Maria Soares, já fallecidos, sou solteira e nunca fui casada e naquele estado tive os filhos seguintes = José Nolasco, Manoel Gonçalves, Miguel Luis, Antonio Joaquim, Andre Luis que foi exposto em casa de Antonio Xavier de Abreo Motta, Joam Gonçalves já fallecido do qual ficaram tres filhos que são: Margarida casada com Francisco Izidoro, José Gonçalves já falecido, Clemencia nascida de Francisca crioula escrava de Francisco Izidoro que sera meos nettos os quais meos filhos e nettos, instituo por meos legitimos e unicos e universais herdeiros. Cidade de Paracatu 26/12/1836"

Teve os filhos:

A José Nolasco Gonçalves de Mattos, já falecido; teria 70 anos por ocasião do inventário da mãe; casado com Maria Rosa da Conceição;

Provança: Proclamas de casamento:
Sala 04. Estante 11. Bandeja 03. Caixa 15. Maço 36 – Arquivo Público de Paracatu.
José Nolasco Gonçalves de Mattos filho ilegitimo do falecido Capitão Manoel Gonçalves de Mattos e de Efigenia Maria de Carvalho para casar com Maria Rosa da Conceição Pedroza da Silveira, filha de Maria Joseph e de pai incognito. Cidade de Paracatu 06/11/1799"

Filha descoberta:

A.1 Delfina Nolasco de Mattos, nascida em 18/12/1814 e batizada em 02/02/1815; casada com Benedito Alves de Assunção.

Casamento:"Aos 26/01/1851 casou Benedito Alves de Assunção, 24 anos, filho de
Jose Alves de Assunção e Maria do Amparo de Jesus com Delfina Nolasco
de Mattos, 36 anos, filha de Jose Nolasco de Mattos e Maria da Conceição Nolasco."


B João Gonçalves de Mattos, teria 67 anos se vivo fosse, no inventário da mãe; já falecido em 1817; casado com Izabel de Barros Albuquerque, falecida em 08/10/1808. João nasceu em 1775, conforme certidão de batismo abaixo. Senhor e possuidor da fazenda Chapada São Marcos.
Inventário: 2ª Vara cx. 1815/1816.
Batismo e reconhecimento de paternidade

B.1 Margarida Gonçalves de Mattos, 38 anos; casada com Francisco Izidoro de Toledo, falecido em 13/11/1844. moradores na fazenda Dobeira.
Inventário: 2ª Vara cx. 1845/1846.

Filhos:

B.1.1 José Izidoro de Toledo, 24 anos casado;

B.1.2 João Izidoro de Toledo, 22 anos; casado em 02/01/1844 com Sebastiana de Oliveira Barreiros. Ele falecido em 18/11/1868. Sem descendentes.
Inventário: 1ª Vara cx. I.05.

B.1.3 Raimundo Izidoro de Toledo, 20 anos; casado com Carolina de Oliveira Barreiros;

Aos 23/02/1844 casou Raimundo Izidoro de Toledo com Carolina de Oliveira Barreiros, filha natural de Maria de Oliveira Barreiros.”

B.1.4 Antonia Izidoro de Toledo, 19 anos, casada com João da Costa;

B.1.5 Carolina Izidoro de Toledo, 17 anos; casada com Joaquim Gonçalves de Noronha, falecido em 19/04/1877; moradores na fazenda São Caetano.
Inventário: 2ªvara cx. 1871.

Filhos:

B.1.5.1 Basília Gonçalves de Noronha, 22 anos;

B.1.5.2 Delmira Gonçalves de Noronha, 20 anos;

B.1.5.3 Higino Gonçalves de Noronha, 13 anos;

B.1.5.4 Afonso Gonçalves de Noronha, 12 anos;

B.1.6 Benícia Izidoro de Toledo, 15 anos; casada com Valentim Gomes Camacho, falecido em 24/02/1856; moradores na fazenda das Lajes.
Sala 02. Estante 10. Prateleira 02. Caixa 15;

Casamento:"Aos 21/11/1849, na capela do Amparo que interinamente serve de matriz desta freguesia de Santo Antonio da Manga cidade de Paracatu Bispado de Pernambuco, corridos os banhos, sem empedimento algum, em presença das testemunhas Joaquim Alves Meireles, Francisco de Mello Franco, preparados com os sacramentos da eucharistia em minha presença, se receberão em matrimonio por palavras de presente Valentim Gomes Camacho, branco, de idade de 33 anos, filho natural de Maria Rodrigues com Benicia Izidoro de Toledo, filha de Izidoro de Toledo e Margarida Gonçalves de Mattos."

Filhos:

B.1.6.1 Carolina, 10 anos;

B.1.6.2 Thomaz, 5 anos, falecido em 13/06/1858;

B.1.7 Francisco Izidoro de Toledo, 11 anos, solteiro; casa-se em 20/11/1852 com Josefa Mendes Santiago, filha de Luís Mendes Santiago e de Francisca Lemos do Prado;

B.1.8 Placidina Izidoro de Toledo, 8 anos, solteira; casada com Coriolano de Afonseca e Mello; Fazendas Escuro e Leitão de Sousa.
Inventário: 2ª Vara cx. 1871.

Filhos:

B.1.8.1 Antonio Izidoro de Toledo, 4 anos;

B.1.8.2 Manoel Afonseca e Mello, 3 anos;

B.1.9 Catarina Izidoro de Toledo;

B.2 José Gonçalves de Mattos, 34 anos; obs.: conforme inventário, consta como herdeiro habilitado de João Gonçalves de Mattos. Filha descoberta:

B.2.1 Pulquéria, 21 anos;

Com a escrava Francisca, teve:

B.3 Clemência Gonçalves de Mattos, nascida em 01/10/1817 e batizada a 10/10/1817, quando foi alforriada pelos herdeiros;

Batismo e alforria de Clemência

C. Manoel Gonçalves de Mattos, 65 anos, falecido; casado com Maria da Fé Severino Botelho; Manoel nasceu em 22/08/1777.

Batismo Manoel

Filhos:

C.1 Luiz Gonçalves de Mattos, 34 anos, falecido; casado com Ana de tal;

C.2 Maria Gonçalves de Mattos, 30 anos, solteira;

C.3 Francisco Gonçalves de Mattos, 23 anos, solteiro;

C.4 Thomásia Gonçalves de Mattos, 22 anos; casada com Manoel d'Abadia.

Filho descoberto:

C.4.1 José dos Santos Abadia; casado em 26/08/1873 com Francisca Pinto Brandão, filha de José Pinto Brandão e Angélica Severino Botelho;

C.5 Manoel Nolasco Gonçalves de Mattos, 21 anos; casado com Francelina Marques da Silva, com descendência.

Casamento: "Aos vinte e dous de julho de mil oitocentos e cincoenta e seis feita as diligencias do estillo na fazenda Jambeiro desta freguesia de Santo Antonio da Manga bispado de Pernambuco na presença das testemunhas Joaquim Bueno e José Maria do Valle, o reverendo João Gonçalves de Araujo Velho de licença parochial juntou em matrimonio os nubentes Manoel Nolasco Gonçalves de Mattos, pardo, lavrador, de idade de vinte e seis annos, filho legitimo do finado Manoel Gonçalves de Mattos e sua mulher Maria Severino Botelho e Franquelina Marques da Silva, parda da idade de dezesseis annos, filha legitima do finado João Marques da Silva e sua mulher Sebastiana de Sousa de Oliveira. ambos os contrahentes são nascidos e baptizados nesta freguesia de Santo Antonio da Manga, Cidade de Paracatu, Bispado de Pernambuco e moradores na ribeira do São Marcos; e logo lhes dei as bençãos nupciais na forma do ritual romano, sendo os mesmos contrahentes dispençados do terceiro grao de consanguinidade em que se acharão legados. do que para constar, mandei fazer este assento que assigno. Miguel Archanjo Torres."

C.6 Severina, 8 anos; casada em 1852 com José Moreira da Silva;
Casamento: "Aos dezesseis de julho de mil oitocentos e cincoenta edous em desobriga em São Marcos, freguesia de Santo Antonio da Manga, cidade de Paracatu Bispado de Pernambuco em casas de Francisco Gonçalves de Mattos, feita as diligencias de estillo, Jose Theobaldo de Assis, de licença parochial, em presença das testemunhas Faustino Lemos do Prado e Francisco Jose Leandro, juntou em matrimonio por palavras de presente aos nubentes, Jose Moreira da Silva com Severina Gonçalves de Mattos, o primeiro filho legitimo de Antonio Moreira e Maria Joaquina de Jesus, e a segunda filha legitima de Manoel Gonçalves de Mattos, e Maria Severino Botelho, ambos os contrahentes naturais e batizados nesta freguesia, e logo lhes dei as benção nupciais na forma do ritual romano. e para constar mandei fazer este assento com que se assigna. Miguel Archanjo Torres.”
 
C.7 Rosa, 6 anos;


D. Antonio Joaquim Gonçalves de Mattos, 62 anos, falecido; casado três vezes:
1º matrimônio: ignorado;
2º matrimônio com Desidéria Ferreira da Costa, com descendência não catalogada;
3º matrimônio com Ana de Macedo Guimarães, filha legítima de Pedro de Macedo Guimarães e de Felipa Maria de Sousa. Casamento realizado aos 30 de março de 1833 na fazenda denominada Pontes.

Filhos:

D.1 Geraldina Gonçalves de Mattos; casada aos 18 anos, em 20/01/1848 com Manoel Ribeiro de Andrade, de 22 anos, filho de Francisco Ribeiro de Andrade e se omite o nome da mãe;

D.2 Agostinha Gonçalves de Matos, casada com Ayres Bittencourt Esmeraldo.

Casamento:"Aos decessete de maio de mil oitocentos e cincoenta e seis feitas as diligencias de estillo na fazenda denominada Pontes . ribeira de São Pedro, desta freguesia de Santo Antonio da Manga Bispado de Pernambuco o reverendo capellão da sobredita ribeira Antonino de Araujo Pereira, em presença da testemunha Luiz Alves de Sousa, juntou em matrimonio por palavras de presente aos nubentes Ayres Betencourth Esmeraldo, filho legitimo de Pedro Betencourth e Dona Maria Antonia Betencourth com Agostinha Gonçalves de Mattos, filha legitima de Antonio Gonçalves de Mattos, já falecido e Dona Ana de Macedo Guimarães, o primeiro natural da freguesia de Santa Cruz da ilha da Madeira, Bispado de Funchal, e a segunda nascida e baptizada nesta freguesia de Santo Antonio da Manga Bispado de Pernambuco e logo lhes deo as bençãos nupliciais na forma do ritual romano. do que para constar mandou fazer este assento em que se assigna. MiguelArchanjo Torres"


Para saber mais: descendência deste casal - clique aqui

D.3 Francisco Gonçalves de Mattos;

D.4 Genoveva Gonçalves de Mattos;

E André Luiz, 54 anos; falecido; casado com Firmiana da Silva.

Nota: existem dúvidas ser este filho ser de Efigênia de Carvalho em comum com o capitão Manoel Gonçalves de Mattos.

Filhos:

E.1 Maria Luíza da Silva, 30 anos; casada com João Gonçalves Cabeceiras;

E.2 Antonio Luiz Xavier, 32 anos, casado;

E.3 Ana Luíza, 22 anos; casada com José Gonçalves Cabeceiras;

E.4 Francisco, 15 anos, solteiro;

E.5 Izabel Luíza, 12 anos, solteira;

E.6 Joaquim Luís, 10 anos;

F Miguel Luís de Freitas, 48 anos; casado com Domingas Leme do Prado; filho descoberto:

F.1 Francisco, nascido em 20/08/1817.

Nota: existem dúvidas de ser este filho em comum de Efigênia de Carvalho e o capitão Manoel Gonçalves de Mattos.
Adendo: documento de provanças - tutoria

"Traslado do termo de tutor que assignou Manoel Nolasco de Mattos sobre os orfãos de Manoel Gonçalves de Mattos,os de Antonio Joaquim Gonçalves de Mattos e os de Margarida Gonçalves de Mattos casada que foi com Francisco Izidoro de Toledo nettos da fallecida Efigenia Maria de Carvalho, extraido do livro de tutela do juiso de orfãos às folhas cincoenta cujo theor hé o seguinte: Aos dous dias do mes de outubro de mil oitocentos e quarenta e sete annos, nesta cidade de Paracatu em casas de morada do Sargento-Mor Francisco de Paula Carneiro Juis Municipal e de orfãos onde eu escrivam daqui cargo ao diante nomeado fui vindo e tendo ahi presente Manoel Nolasco de Mattos lhe deferio o dito juis a juramento dos santos evangelhos em forma sob cargo do qual lhe encarregara que bem verdadeiramente servi-me de tutor dos orfãos dos falecidos Manoel Gonçalves de Mattos, Severina e Rosa; e os de Antonio Joaquim de Mattos de nomes Geraldino (sic), Agostinha, Francisco e Genoveva nettos e herdeiros da falecida Efigenia Maria de Carvalho e recebido por elle o dito juramento debaixo do mesmo afim aprovar cumprir de que para
constar mandou o dito juis lavrar o presente termo em qual assigna com o tutor.
Eu, Manoel de Ascenção Ferreira segundo tabelliam e escrivam de orfãos deste inventario que por nomeação o escrevi, por estar de suspeito o escrivam proprietario, Paula Carneiro = Manoel Nolasco de Mattos. advindo os termos retro supra declarou mais elle tutor haver tambem orfãos de Margarida Gonçalves de Mattos casada que foi com Francisco Izidoro de Toledo, nettos da dita Efigenia Maria de Carvalho, quais são: Carolina, Benicia, Precedina e Francisco e que
debaixo do mesmo juramento....Cidade
de Paracatu 16/11/1847."

Fontes:
1 – inventários citados no texto, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu;
2 – livros paroquiais da matriz de Santo Antonio da Manga de Paracatu.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

O CAPITÃO MANOEL PINTO BROCHADO E SEUS DESCENDENTES

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

SÉRIE - PIONEIROS DO ARRAIAL DO OURO 9: CORONEL SANCHO LOPES DE ULHOA E SEUS DESCENDENTES

José Aluísio Botelho Colaboração Eduardo Rocha

Os Ulhoa são oriundos do vale do Rio Ulla, província da Galícia, noroeste da Espanha, dividindo ao sul com Portugal. De origem judaica, com o advento da Inquisição se espalharam por toda a península Ibérica, bem como para outros países europeus, notadamente, Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha, que abrigavam grande contingente de famílias judias dispersas, desde a grande diáspora do povo judeu do Oriente Médio. Essencialmente comerciantes e mercadores, em Portugal dominavam o comércio do sal de Setúbal no século XV. Na segunda metade do século XIV, muitos deles vieram para o Brasil colônia, estabelecendo-se no Recôncavo baiano e na cidade da Bahia (Salvador). Comercialmente, se dedicaram a plantação da cana e no fabrico do açúcar, que exportavam para Portugal e outros entrepostos europeus; mercadores possuíam sua frota própria de navios, e comerciava, além do açúcar, o Pau Brasil, de larga aceitação na Europa. De família de cristãos-novos…

FAMÍLIA GONZAGA

GENEALOGIA DA FAMÍLIA GONZAGA – TRONCO DE PARACATU Essa família iniciou-se em 1790, pelo casamento do Capitão Luiz José Gonzaga de Azevedo Portugal e Castro, fiscal da fundição do ouro em Sabará – MG, em 1798, no Rio de Janeiro, com Anna Joaquina Rodrigues da Silva, natural do mesmo Rio de Janeiro, e tiveram oito filhos, listados abaixo: F1 – Euzébio de Azevedo Gonzaga de Portugal e Castro; F2 – Platão de Azevedo Gonzaga de P. e Castro; F3 – Virgínia Gonzaga; F4 – Florêncio José Gonzaga; F5 – VALERIANO JOSÉ GONZAGA; F6 – Luiz Cândido Gonzaga; F7 – José Caetano Gonzaga; F8 – Rita Augusta Gonzaga.

F5 - Valeriano José Gonzaga, natural de Curvelo,Mg, nascido em 21.07.1816 e falecido em 1868 em Paracatu, casou em 21.07.1836, com Felisberta da Cunha Dias, nascida em 15.08.1821 e falecida em 10.08.1910, natural de Curvelo; foi nomeado Tabelião de Paracatu, tendo mudado para o lugar em 1845, aonde tiveram os filhos: N1 - Eusébio Michael Gonzaga, natural de Curvelo, nascido em 21.07.1842 e falecido em 04…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…